Comissão de Moradores passará a acompanhar o processo que pede remoção dos túmulos erguidos sob rede elétrica

O objetivo é conseguir ampliar o prazo da ação de reintegração de posse proposta pela Eletrosul, na qual pede a proibição de se construir novos túmulos e a remoção dos já existentes na chamada faixa de servidão, em 60 dias

Diante da possibilidade cada vez mais iminente para as 137 famílias de terem que remover de seus entes queridos, cujo jazigos no cemitério estão construídos sob as linhas de transmissão da Eletrosul, empresa pública de geração e distribuição de energia, uma comissão de moradores foi formada. A função da Comissão, criada em assembleia no dia 3 de julho, será coordenar as ações em torno da última decisão do Tribunal de justiça que estipulou até o dia 5 de agosto para que a Mitra de Pinto Bandeira apresentar uma alternativa para o impasse.

Na decisão, o Tribunal de Justiça reitera a decisão da ação de reintegração de posse de fevereiro de 2016, na qual pede a proibição de se construir novos túmulos e a remoção dos já existentes, na chamada faixa de servidão de passagem de eletrodo da linha de transmissão da Eletrosul. As famílias já estão sendo notificadas da ação. A decisão é polêmica gera contrariedade para as famílias que terão que remover os jazigos, mas ainda não possui um local definido para a destinação.

Caberá, também, a Comissão elaborar o estatuto do cemitério do município e organizar uma nova assembleia, em 30 dias para votação do estatuto social.

A empresa alega no pedido que pede a retirada das sepulturas é o risco à integridade física da população que visita o cemitério na área que compreende 50 metros para cada lado do eixo das linhas de transmissão. De acordo com os registros históricos o cemitério começou a ser formado em 1920, sendo que em 925 sua administração passou da Mitra Diocesana para a Associação do Cemitério. Em 1970, a Eletrosul passou pela área com a linha de servidão de Passo Fundo a Farroupilha, sob ordem do então presidente da República, Emilio Quarrastazu Médici, general da ditadura. Neste período, o cemitério, com poucas sepulturas, foi esquecido e ninguém recebeu indenização. Para o pároco de Pinto Bandeira, Luiz Mascarello, foi um grande erro o terreno não ter sido repassado para a associação ainda em 1925. Com isso, a área pertence à Mitra, embora a paróquia não tenha qualquer gerência sobre o cemitério. “Estamos amarrados. A associação não é citada no processo. Não há nada que a igreja possa fazer, só queremos uma solução para o impasse”, afirma Mascarello.

No ano passado, a Prefeitura de Pinto Bandeira, ainda na administração anterior, informou que uma área de 1,9 mil m² no Loteamento Pompéia estava reservada para a construção de um novo cemitério. Porém, trâmites burocráticos precisavam ser resolvidos, como a desvinculação da área do município de Bento Gonçalves, assim como o licenciamento ambiental. Apesar, do município não ter como intervir no impasse, pois não é uma das partes envolvidas no embaraço entre empresa, igreja e a associação que administra o cemitério há 36 anos. Na última reunião, o atual vice-prefeito de Pinto Bandeira, Daniel Pavan, esteve presente, mas não se manifestou se a Prefeitura dará andamento à alternativa sugerida pela administração anterior. Já a empresa Eletrosul, encaminhou nota à impressa informando que não comenta processos judiciais em andamento.

Membros da Comissão: Carlos Vitor Marmentini, Carmelito Soligo, Lourenço Greggio, Edis Sonaglio e Luciane Pichler Arcari.

Fotos: Marlove Perin

Viticultura: uma profissão que passa de pai para filha

Gerações de produtores familiares que trabalham no cultivo de parreirais que há 34 anos contam com a parceria da Cooperativa Aurora

Ela transporta um legado espiritual e material no seu quotidiano. Por escolha própria ela administra a propriedade vinícola da família. O mundo do vinho é tradicionalmente masculino, e poucas vezes, salvo exceção como a de, Daiane Perin, 33 anos, tem uma mulher no comando da propriedade que cultiva cinco hectares de vinhedos, na localidade de Caravaggio em Monte Belo do Sul. Filha única dos agricultores, Arlindo Perin, 75 anos, e Lourdes Perin, 68 anos, que além do gosto pela vitivinicultura também transferiam para a filha a importância de ter o respaldo técnico e a garantia do escoamento da safra por isso, há 34 anos, a família é associada da Cooperativa Vinícola Aurora. “Daiane faz parte de uma nova era e traz consigo a grande novidade de abertura para novos conhecimentos na terra, que há gerações está transpassando na família Perin e, sempre em parceira com a Cooperativa Aurora”, diz orgulho o patriarca da propriedade, Perin.

Já a mãe, Lourdes, entende que a filha faz parte de uma nova geração que traz consigo a grande novidade de abertura para outras realidades da produção familiar, que há gerações veio da Itália. “O mundo do vinho vai mudando com o tempo, mas mantém suas raízes na cultura da plantação dos parreirais familiares. Aí está com a filha, aquela que podemos e devemos contar para construir a próxima geração vinhateira”.

Desde criança que o vinho é vivido na casa da Daiane de forma especial. Das brincadeiras de criança ao trabalho nos parreirais, na propriedade da família foram criando laços que ficam na sua memória no seu coração e consequentemente despertam vontades de permanecer na terra e dar continuidade ao trabalho da família Perin, em parceria com os incentivos da Cooperativa Aurora. “Gosto de mexer na terra e estar perto dela. Confesso não é fácil os desafios diários, mas junto com a família com o auxilio da Aurora conseguimos levar as coisas diante. Assim nos tornamos uma grande família que caminha junto. Desta forma trabalhamos sabendo onde vamos escoar a nossa safra”, afirma Daiane.

Fotos: Divulgação

Boas práticas agrícolas para garantir um alimento seguro

“Boas práticas agrícolas para garantir um alimento seguro” foi o tema que o pesquisador Lucas Garrido da Embrapa Uva e Vinho desenvolveu no 2º Seminário Regional sobre Alimento Seguro – Serra que aconteceu no Parque da Festa da Uva, em Caxias do Sul

Garrido apresentou a palestra Boas Práticas Agrícolas (BPAs) como forma de melhorar gradativamente a qualidade dos produtos de origem vegetal produzidos na região, o que trará benefícios ao produtor, consumidor e ambiente. “Boas práticas são pequenas modificações que reduzem os danos ao ambiente para se obter um alimento seguro”, diz Garrido. Faz parte das boas práticas usar a informação e reduzir os perigos ao consumidor, ambiente e produtores em todo o ciclo da produção: em termos agrícolas, de transporte, manipulação e fabricação. Incluem o respeito ao período de carência dos agrotóxicos e a aquisição com o receituário agronômico, o uso da tecnologia de aplicação adequada, a utilização de equipamento de proteção individual (EPI), o manejo integrado de pragas e doenças, a destinação correta das sobras e embalagens de agrotóxicos, a higiene na colheita, embalagem e transporte dos alimentos e o registro das operações efetuadas, entre outros. Tudo isso visa reduzir não só a contaminação química, pelos agrotóxicos, mas a contaminação física e principalmente a biológica, que podem afetar a saúde dos consumidores. “A escolha da cultivar, o manejo adequado do solo, o monitoramento das pragas e doenças, a higiene na colheita, embalagens e transporte, evitar a presença de animais domésticos, capacitação constante e registro das operações são as boas práticas na prática”, completa Garrido. Uma nova realidade está muito próxima. A rastreabilidade feita através de código de barras ou QR, identificando a origem do produto; a certificação de qualidade; a interação de insumos químicos e biológicos e as pequenas culturas (minor crops).

O Grupo de Trabalho Alimento Seguro foi coordenado pela Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), pela Emater RS e pela Ceasa RS. A atividade teve como objetivos orientar produtores, técnicos e comerciantes de insumos sobre suas responsabilidades; incentivar a adoção de Boas Práticas Agrícolas (BPAs) e o monitoramento do uso de agrotóxicos; e informar competências e atribuições das instituições responsáveis por garantir o alimento seguro. O Grupo de Trabalho foi criado com o objetivo de debater, diagnosticar e propor ações, visando reduzir inconformidades em resíduos de agrotóxicos em frutas e hortaliças.

Mais de duas mil micro e pequenas propriedades são responsáveis pelo fornecimento de hortaliças para as centrais de abastecimento do Estado. Esta é a meta de participantes para serem beneficiados com a iniciativa. Parte desse grupo deve vir das ações do Programa Juntos para Competir, que atua com a capacitação de produtores de horticultura em todo Estado. O gestor dessa iniciativa pelo SEBRAE RS na região do Vale dos Sinos, Caí e Paranhana, Junior Utzig, conta que, além de apoiar a realização dos eventos e participar com palestra nos seminários, o programa deve levar 60 produtores de hortaliças da região para o encontro. “É uma forma de capacitar esse público e garantir alimentos mais seguros para a população”, destaca.

Ao abrir o evento, o presidente da Ceasa/RS, Ernesto Teixeira, deixou claro que o principal objetivo da Central de Abastecimento, com estes encontros, é dar certeza a todos consumidores do Estado e do país, de que o produto adquirido na Ceasa/RS tem um selo de garantia de qualidade e sanidade. “Estamos num tempo que a saúde é um dos maiores bens, senão o maior que o ser humano possa garantir em sua vida”, afirmou.

O diretor técnico-operacional da Ceasa/RS, Ailton dos Santos Machado, explica que o evento é uma forma de conscientizar os produtores rurais sobre as questões de segurança alimentar, uso correto de agrotóxicos e legislações a respeito do tema. “A participação nos seminários irá garantir aos participantes que desejarem fornecer para a Ceasa/RS a introdução dos conteúdos e a prioridade nos cursos para receber o certificado de Boas Práticas Agrícolas”, informa.

“O grande desafio é buscarmos alternativas para que possamos reduzir cada vez mais o uso de agrotóxicos, porque todos queremos um alimento seguro. Em conjunto, vamos buscar caminhos e melhorar cada vez mais a oferta de produtos hortifrutigranjeiros”, destacou o secretário da SDR, Tarcísio Minetto.

Para o diretor técnico da Emater/RS, Lino Moura, “”quando se faz esse tipo de debate e se busca estratégias de avanço e alternativas para o produtor continuar tendo renda, mas produzindo com mais qualidade, com menor contaminação, protegendo o meio ambiente e levando um produto mais seguro para a mesa do consumidor, toda a sociedade ganha”, ressaltou.

Nesse contexto, cabe à Emater/RS-Ascar ministrar cursos de Boas Práticas Agrícolas (BPAs) para os agricultores que fornecem alimentos para a Ceasa, requisito para que possam comercializar e receber a Declaração de Produção e Intenção de Cultivo (DPIC). A Emater tem o papel de fazer esse trabalho educativo, de orientação continuada. E nós estamos priorizando, neste momento, três regiões: Lajeado, Caxias do Sul e Porto Alegre, pois abrangem 97% dos produtores (em torno de 2 mil) que fornecem alimentos para a Ceasa, ressaltou o assistente técnico estadual da Emater/RS-Ascar em Olericultura, Gervásio Paulus. Na região de Caxias do Sul, os cursos acontecerão a partir de segunda quinzena de setembro. “São práticas simples que podem ser aplicadas, muitas não requerem altos investimentos e permitem garantir e melhorar a renda e a competitividade dos agricultores no mercado, atender à exigência dos consumidores e reduzir os danos ao meio ambiente, completou Paulus.

Um novo evento está previsto na Região Metropolitana, em Viamão, no dia 16 de agosto; e completará seu ciclo com um evento em Terra de Areia, no dia 13 de setembro.

Giordani Turismo lança promoção para quem quer participar do lançamento de “O Filme da Minha Vida” e falar com Seltom Mello

Longa-metragem filmado em Bento Gonçalves terá programação especial de lançamento na cidade em 2 de agosto

No dia 2 de agosto, Bento Gonçalves vai sediar o lançamento de “O Filme da Minha Vida”, que foi filmado na cidade. Sessão especial de cinema e coquetel estão previstos na programação, exclusiva para convidados, que contará com a presença de Selton Mello, diretor e ator do longa-metragem.

Para aproximar o público dessa celebração, a Giordani Turismo lançou a Promoção Exclusiva Maria Fumaça, para quem quiser concorrer a convites para essa programação. Serão apenas 3 ganhadores, com direito a levar um acompanhante. Para concorrer, basta postar uma foto no passeio de Maria Fumaça ou no Parque Temático Epopeia, em modo público no Facebook, fazer check-in no local e incluir as hashtags:

#ACidadedaMinhaVida #PromoMariaFumaça#SeltonMelloNaRegiãoUvaeVinho.

A promoção está no ar e segue até 30 de julho (domingo). O sorteio será no dia 31 (segunda-feira). Os sorteados poderão assistir à sessão especial do filme com a presença de Selton Mello, conversar com ele e participar do coquetel de lançamento.

Como participar:

1. Postar uma foto no passeio de Maria Fumaça ou no Parque Temático Epopeia em modo público no Facebook;

2. Fazer check-in no local;

3. Incluir as hashtags: #ACidadedaMinhaVida #PromoMariaFumaça#SeltonMelloNaRegiãoUvaeVinho.

Fotos: Divulgação

Cooperativa Aurora: Cada associado uma nova história

Safra da uva na família Pietrobon merece ser comemorada

A safra da uva 2017 merece ser comemorada. Após uma quebra na colheita de 2016, este ano os produtores tem muito a festejar. A família Pietrobon é um dos que comemoraram ao ver o parreiral cheio de uvas. No ano passado, o clima desfavorável fez com que o produtor tivesse um prejuízo de 20% na produção de uvas. Neste ano, tudo mudou. “O clima ajudou bastante. Tivemos as chuvas regulares, sem excessos na época da floração. Foi um ano bom”, comemora Igor Pietrobom. A produção chegou a 315 toneladas.

Associados da Cooperativa Aurora desde os 18 anos de idade, Geraldo Pietrobon, 53, e Igor Pietrobon, 26, cultivam os vinhedos na Linha Brasil, interior de Pinto Bandeira. Vivem na propriedade dona Ana, 48, esposa de Geraldo e Márcia, 25, esposa de Igor. Juntos a família vive do cultivo de uvas.

“A Aurora é nossa segunda casa. Tivemos horas doces e horas amagas na cooperativa, por isso sempre olhamos para frente buscando o melhor. Lembro que na época da crise vários associados abandonou a cooperativa. A recuperação foi longa, exigiu sacrifício de todos, chegamos a deixar safras depositadas na cooperativa. Não fosse essa união de todos, não estaríamos aqui hoje” recorda Geraldo.

“O Cooperativismo é a união do agricultor. Nada vem fácil, tudo o que se conquista requer suor, entrega e muita luta. É assim com as coisas, com as pessoas e não poderia de ser diferente com o trabalho na agricultura. Temos orgulhos em sermos associados da aurora. Nos últimos anos, tivemos bons resultados. Isso nos motiva a continuarmos com o legado passado de pessoa a pessoa, de geração para geração como o de nossa família” diz Igor.

Além da garantia de venda da produção, outra vantagem do cooperado é a compra de insumos, geralmente vendidos com preços mais baixos pela cooperativa. ”A cooperativa compra em grande quantidade e consegue desconto, repassado para nós. “É uma diferença significativa” diz o produtor.

“Temos uma empresa a céu aberto. É um trabalho ao ar livre, você tem contato com a natureza, mesmo esse trabalho que parece ser mais duro, mais braçal, se torna prazeroso de se realizar” relata Igor. Na propriedade são cultivadas uvas comuns e viníferas como merlot, trebiano, moscato, rubia, lorena, BRS carmem, alicante, concord, niagara e isabel.

Fotos: Marlove Perin

Prefeitura reembolsará as despesas com a troca de placa de veículos de Bento Gonçalves para Pinto Bandeira

Os motoristas devem fazer solicitação de ressarcimento até 31 de outubro

Recentemente aprovada, a Lei Municipal nº 235 de 10 de maio de 2017, que concede o ressarcimento dos gastos com a alteração do registro de troca de placa de veículo para Pinto Bandeira, tem por objetivo estimular a população local a emplacar seus veículos no município e por consequência aumentar a arrecadação. O cidadão será ressarcido pelo Município o valor dos gastos no processo de transferência de emplacamento de veículo registrado em Bento Gonçalves para Pinto Bandeira. O Prefeito Hadair Ferrari, explica que o propósito da administração municipal é incrementar a receita da cidade, uma vez que 50% do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) é destinado para o município onde o veículo está emplacado. “Acreditamos que a iniciativa irá motivar os proprietários de Pinto Bandeira, em placar seus veículos aqui, como uma medida em prol do município, e que culmine no aumento significativo da arrecadação, mesmo com a restituição dos gastos”, justifica o Prefeito Municipal. Hadair frisa que o ressarcimento abrange somente os gastos com a alteração do registro de troca de placa de Bento Gonçalves para Pinto Bandeira no período de 1º de junho até 31 de outubro de 2017.

Os motoristas interessados devem procurar a Prefeitura e apresentar os seguintes documentos: carteira de identidade ou outro documento de identidade; comprovante de endereço; documento do veículo (CRLV), recibo de compra e venda do veículo; Após realizar a solicitação na Prefeitura, o proprietário deverá dirigir-se ao DETRAN com a documentação e solicitar o serviço de troca de município. No ato, será realizada a vistoria do veículo e a troca de placa e/ou tarjeta. O custo será de aproximadamente R$ 140,00. O prefeito Hadair explica que o ressarcimento se fará através de depósito bancário, mediante a entrega na Prefeitura da primeira via da nota fiscal, identificando o proprietário.

Fotos: Divulgação

Sindicato Rural da Serra Gaúcha obtém registro

Em posse do registro sindical do Ministério do Trabalho, entidade passa a ter ainda mais força na representatividade dos produtores rurais e seus associados

O Sindicato Rural da Serra Gaúcha têm uma razão a mais para comemorar. Isto porque foi publicado, assinado e reconhecido pelo Secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho, através do Ministro Carlos Cavalcante de Lacerda, e já divulgado no Diário Oficial da União (DOU) da segunda-feira, 24 de abril, o deferimento do Registro Sindical do Sindicato Rural da Serra Gaúcha. Com a Carta Sindical, o Sindicato Rural da Serra Gaúcha passa a ter ainda mais força na representatividade dos produtores rurais e seus associados.

Com base na cidade de Bento Gonçalves, a entidade abrange também as cidades de Carlos Barbosa, Garibaldi, Monte Belo do Sul, Santa Tereza e Pinto Bandeira. Atualmente, são 750 associados, de 300 famílias. Com mais esta conquista, que iniciou em 2013, o Presidente do Sindicato, Elson Schneider, destaca que mais que intermediar demandas da classe junto às esferas de governo, o sindicato projeta se estabelecer como uma central técnica, oferecendo apoio nas áreas contábil, jurídica e de engenharia agrônoma e ambiental, entre outras. “Temos que pensar como verdadeiros empresários rurais. Quem quiser se manter e também crescer, terá que se profissionalizar cada vez mais. Queremos ampliar o diálogo, saber mais a fundo o que os associados esperam do Sindicato e, por outro lado, também mostrar o papel da entidade, o que ela pode e não fazer enquanto representante dos seus associados”, explicou Schneider. “Também queremos fazer uma parceria com a nova Diretoria do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Bento Gonçalves. Temos muitos assuntos em comum, precisamos somar forças. Com a cadeia unida, fica mais fácil de superar obstáculos e buscar soluções” frisa Schneider.

Fotos: Marlove Perin

Bodas de Ouro: Casal comemora 50 anos de casamento

Dorvalina e Evaristo festejaram as Bodas de Ouro com festa na presença de familiares e amigos

Meio século de companheirismo, conquistas e alegrias. Esse é o relato da vida de Evaristo Dalla Costa, 73 anos, e da dona Dorvalina Marini, 73 anos. No dia 20 de maio, o casal comemorou Bodas de Ouro. Para celebrar a data, filhos, netos, noras e padrinhos realizaram uma festa, reunindo mais de 100 convidados. A festividade aconteceu na casa de Evaristo, na Linha Marcolino Moura, interior de Pinto Bandeira. O aniversário de casamento teve direito a bolo, músicas em coro, muitas gargalhadas e abraços.

Os dois eram vizinhos e trabalham juntos. A convivência virou pedido de casamento. Em 1967, o casal trocou alianças. A festa de Dorvalina e Evaristo foi um dos primeiros casamentos feitos no Salão Paroquial de Pinto Bandeira. Dessa união, nasceram dois filhos homens, Idiomar, 47 anos, e Jairo, 43 anos, e o neto Vinicius de 17 anos. “Uma família é muito importante para um homem. Hoje sou realizado por tudo que conquistei. Espero que possa viver muitos anos ao lado das pessoas que amo” diz Evaristo. Evaristo também falou que não existe receita para que um casamento possa se perpetuar por muitos anos. “O casamento nos primeiros meses é aquela fogueira, em seguida vem a convivência um com o outro. No relacionamento deve haver respeito, honestidade e companheirismo. Nunca brigamos, sempre respeitei minha esposa. Não sei por que hoje em dia as pessoas se casam e logo estão separadas. Muita coisa mudou e os casamentos não sobrevivem, porém, se houver diálogo tudo dá certo no final, isso quando existe amor”, diz.

Para a Dorvalina a fórmula para uma união de 50 anos nada mais é do que ter “amor, paciência, fidelidade e compreensão. A comemoração foi uma “bênção”. É uma preciosidade ter uma família reunida, amigos e parentes” diz. O casal revelou o segredo de sua longevidade: tomar um copo de vinho de vinho tinto durante as refeições.

Evaristo também é conhecido pela voz marcante de Pinto Bandeira. Mais de 55 anos dedicados a música, ao coral do município. Uma das pessoas que mais cantou o hino de Pinto Bandeira.

Jantar do Espumante abre às festividades em homenagem a São Francisco de Assis

Abrindo às festividades do Padroeiro São Francisco de Assis, o 10 º Jantar do Espumante, umas das comemorações tradicionais de Monte Belo do Sul, será realizado no dia 5 de agosto, na Sociedade 24 de maio. O ingresso custa R$ 130,00 por pessoa e no cardápio: Tábua de frios, picanha, chapéu de bispo, leitão, frango, macarrão, risoto de queijos, saladas e sobremesa. A meia-noite será servido café e grostoli. Bebidas: água, refrigerante, vinho e espumante. Animação: Banda
Astral.

Simpala os melhores descontos para Produtor Rural

A concessionária Chevrolet Simpala, localizada nas cidade Bento Gonçalves , oferecem a linha mais completa para você comprar seu carro zero km e uma ampla gama de serviços de manutenção e reparo de veículos, tudo com peças genuínas GM e acessórios originais da marca. Além disso, você pode conferir o estoque de veículos seminovos com taxas de financiamento que cabem no seu bolso, todos com procedência e qualidade atestadas. Aproveite para cotar os preços de seguro e consórcio de carros Chevrolet com as condições para compra do seu carro novo. Taxistas e Pessoas portadoras de necessidades especiais possuem isenção de impostos conforme legislação e descontos para CNPJ.
Para os produtores rurais interessados na compra de veículos, os descontos variam de 4% a 23 %, conforme o modelo. A Simpala oferece também diversas opções para o seu negócio, seja você frotista, taxista, entre outras categorias de Vendas Diretas. O gerente de vendas, Fabiano Piazzetta, que atua desde 2006, explica que quase toda a frota de veículos da concessionária apresenta descontos para produtores rurais. “Além dos descontos, há várias facilidades para melhor atender o cliente ”como agendar a visita na sua residência ou empresa de um consultor para atendê-lo. Um dos destaques da Simpala em Bento Gonçalves é a capacitação de sua equipe, preparada para auxiliar os clientes nas mais diversas situações, garantindo uma atenção especial em cada trabalho realizado. A loja também se diferencia pelos preços imbatíveis e as melhores condições do mercado, que aliados à marca Chevrolet garantem o melhor custo-benefício aos consumidores. Para 2017, a Simpala procura manter a liderança do mercado conquistada em 2016. Quem está pensando em adquirir um automóvel não pode deixar de passar na Simpala para conhecer todos os modelos disponíveis. Conheça a concessionárias Simpala Chevrolet, faça um test drive e saia de carro novo.
A Simpala atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30 às 18h, e nos sábados, das 8h às 12h e das 13h30 às 16h. Avenida São Roque, 410, Bairro Universitário, Bento Gonçalves. Contato: (54) 3452 3911, www.simpala.com.br