Cooperativa Aurora: Cada associado uma nova história

Safra da uva na família Pietrobon merece ser comemorada

A safra da uva 2017 merece ser comemorada. Após uma quebra na colheita de 2016, este ano os produtores tem muito a festejar. A família Pietrobon é um dos que comemoraram ao ver o parreiral cheio de uvas. No ano passado, o clima desfavorável fez com que o produtor tivesse um prejuízo de 20% na produção de uvas. Neste ano, tudo mudou. “O clima ajudou bastante. Tivemos as chuvas regulares, sem excessos na época da floração. Foi um ano bom”, comemora Igor Pietrobom. A produção chegou a 315 toneladas.

Associados da Cooperativa Aurora desde os 18 anos de idade, Geraldo Pietrobon, 53, e Igor Pietrobon, 26, cultivam os vinhedos na Linha Brasil, interior de Pinto Bandeira. Vivem na propriedade dona Ana, 48, esposa de Geraldo e Márcia, 25, esposa de Igor. Juntos a família vive do cultivo de uvas.

“A Aurora é nossa segunda casa. Tivemos horas doces e horas amagas na cooperativa, por isso sempre olhamos para frente buscando o melhor. Lembro que na época da crise vários associados abandonou a cooperativa. A recuperação foi longa, exigiu sacrifício de todos, chegamos a deixar safras depositadas na cooperativa. Não fosse essa união de todos, não estaríamos aqui hoje” recorda Geraldo.

“O Cooperativismo é a união do agricultor. Nada vem fácil, tudo o que se conquista requer suor, entrega e muita luta. É assim com as coisas, com as pessoas e não poderia de ser diferente com o trabalho na agricultura. Temos orgulhos em sermos associados da aurora. Nos últimos anos, tivemos bons resultados. Isso nos motiva a continuarmos com o legado passado de pessoa a pessoa, de geração para geração como o de nossa família” diz Igor.

Além da garantia de venda da produção, outra vantagem do cooperado é a compra de insumos, geralmente vendidos com preços mais baixos pela cooperativa. ”A cooperativa compra em grande quantidade e consegue desconto, repassado para nós. “É uma diferença significativa” diz o produtor.

“Temos uma empresa a céu aberto. É um trabalho ao ar livre, você tem contato com a natureza, mesmo esse trabalho que parece ser mais duro, mais braçal, se torna prazeroso de se realizar” relata Igor. Na propriedade são cultivadas uvas comuns e viníferas como merlot, trebiano, moscato, rubia, lorena, BRS carmem, alicante, concord, niagara e isabel.

Fotos: Marlove Perin