Cooperativa Aurora estimula sucessão familiar nas propriedades rurais

Jovens têm optado por trabalhar e morar no campo

Ao perceber que a idade dos associados vinha em queda, na contramão do êxodo rural, a Cooperativa Aurora, maior vinícola do país, decidiu estimular e incentivar ainda mais a permanência dos jovens das 1.100 famílias associadas da cooperativa para a continuidade do trabalho no campo e, ao mesmo tempo, proporcionar a eles mais conhecimento e capacitação para esse trabalho nos próximos anos.

Na propriedade de doze hectares da família Lodi, a sucessão familiar já começou. As lavouras produzem uva, pêssego, ameixa, caqui e kiwi. Moradores da Linha 47, no interior de Pinto Bandeira, José, 60 anos, pai de Leonar, 26, incentivou desde cedo o filho a permanecer na agricultura. O estímulo aumentou com a ajuda e incentivo da Cooperativa Aurora. Leonar conta que tinha interesse em permanecer na agricultura para auxiliar os pais. “Cresci vendo meu pai trabalhar nisso e, aos poucos, fui entrando no negócio. Aqui somos livres. Eu acordo e sei o que preciso fazer. Faço de tudo um pouco. Preocupado com a sucessão antecipada, o jovem que estudava Administração optou por parar o curso e pensa em fazer o curso de Agronomia.

Cooperado da Aurora desde 1974, José Lodi tem oito hectares de área plantada de uva. Cultiva as variedades, Isabel, Isabel Precoce, Coder, Cabernet Sauvignon, Merlot, Moscato Branco, Malvasia, BRS Violeta, BRS lorena e Coder 13. Toda a produção é vendida para a cooperativa, que industrializa e comercializa o vinho. ‘’A cooperativa se compromete a comprar toda a produção dos cooperados pelo preço de mercado. Isso é importante, diz o produtor. Além da garantia de venda da produção, outra vantagem do cooperado é a compra de insumos, geralmente vendidos com preços mais baixos pela cooperativa. “A cooperativa compra em grande quantidade e consegue desconto, repassado para nós”.

Segundo José, foram muitas as dificuldades enfrentadas “Já passamos por diversas crises e foi justamente a união dos cooperados que garantiu nossa sobrevivência. O cooperado tem de estar sempre presente, de olho, pois ele é o dono da cooperativa. Tenho orgulho da minha profissão, de ser associado da Aurora e fico feliz em passar oque sei para o meu filho”, diz José sem disfarçar a alegria em trabalhar ao lado do sucessor.

“Estamos imprimindo nossos maiores esforços para que nossos jovens se identifiquem com a atividade de vitivinicultura e com o trabalho cooperado, visando não só o futuro de nossa Cooperativa, mas também o futuro dessa atividade no Brasil. Eu represento a Aurora e seus cooperados e avalizo esse programa. Não vou medir esforços para que o mesmo seja um grande sucesso, e tenho a certeza que esse será o primeiro de muitos que virão”, afirma Itacir Pedro Pozza, presidente da Cooperativa Vinícola Aurora. “Em pesquisas internas que realizamos, apuramos que pelo menos 15% do nosso quadro associativo tem menos de 40 anos e que praticamente a metade da nova geração, dos filhos das 1.100 famílias, não pretende dar continuidade à atividade”, comenta o presidente, reforçando, assim, a necessidade desse trabalho de conscientização e de capacitação dos jovens das propriedades.”

Fotos: Marlove Perin