Francesca Luchese Advocacia: escritório com atendimento personalizado

Formada há nove anos e com duas especializações na bagagem, a advogada Francesca Casagrande Luchese deu um novo passo em sua carreira e abriu seu próprio escritório.

Com experiência na área jurídica pública e após ter atuado durante sete anos em um grande escritório de Bento Gonçalves, a profissional optou por um negócio voltado à advocacia artesanal, atualmente em voga no mundo jurídico.

“No processo artesanal de advocacia, um mesmo profissional responde por todo o processo de negócio, realizando o ciclo do cliente desde sua entrada no escritório até o encerramento do caso. Acredito que isso permite um estreitamento dos laços com o cliente e maior satisfação para ambos”, comenta.

Até mesmo a sede do escritório segue essa proposta. O ambiente é acolhedor e está localizado em um bairro próximo ao centro de Bento Gonçalves. O escritório fica na Rua José Bugallo, nº 45, bairro São Francisco e atende pelo telefone 3705-1509. Outros canais de atendimento são o whatsapp (99131-5050) e a página no facebook (www.facebook.com/francescalucheseadvocacia)

Direito Previdenciário e Cível são as áreas de atuação do escritório, que ainda oferece flexibilidade nos horários de atendimento.

Fotos: Marlove Perin

Menor detido por tráfico em Bento Gonçalves

Na madrugada do sábado, 30 de dezembro, por volta das 02h30min, uma guarnição do núcleo de policiamento comunitário, em ações de combate ao tráfico de drogas no Bairro Conceição, abordou um menor de 16 anos, com ele foram encontradas 34 pedras de crack e R$ 24,00. O menor confessou estar realizando tráfico, foi apreendido e conduzido, juntamente com o material, até a Delegacia de Polícia para o registro.

Fotos: Divulgação

Brigada localiza carro furtado em Bento Gonçalves

A Brigada Militar localizou na rua Arlindo Menegotto, bairro Vila Nova III em Bento Gonçalves por volta das 21h30min do sábado, 30 de dezembro, um veiculo Chevette que estava em situação de furto. O carro estava sem o estepe, placas, macaco e triângulo. O veículo foi apresentado na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento e posteriormente recolhido ao depósito credenciado.

Fotos: Difusora

Complexo eólico da Atlantic de Santa Vitória do Palmar

O maior complexo eólico da Atlantic está em Santa Vitória do Palmar. A Atlantic Energias Renováveis S/A assinou contrato de financiamento com o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) de R$ 230 milhões, para a implantação do Complexo Eólico Santa Vitória do Palmar, no Extremo Sul do Rio Grande do Sul. O total do investimento é de R$ 1,2 bilhão, que conta ainda com R$ 573,1 milhões de capital próprio e debêntures de energia, e mais R$ 449,4 milhões financiados pelo BNDES.

Os doze parques eólicos do complexo terão potência instalada de 207 MW, capacidade para atender cerca de 400 mil residências, ou 1,2 milhão de habitantes. A Atlantic é a oitava maior empresa do setor eólico no Brasil e o Complexo de Santa Vitória do Palmar é o maior empreendimento do gênero no país.

Desenvolvimento regional

Localizado em 10.424 hectares de áreas arrendadas na Metade Sul, o empreendimento de Santa Vitória do Palmar vai estimular o desenvolvimento da Região. Serão gerados 700 empregos diretos na fase de construção do parque e outros 30 na fase de operação. O investimento também vai contribuir para a redução da emissão de gases do efeito estufa.

Atualmente o Complexo possui 111 MW em operação comercial. Dos 12 parques previstos, cinco já estão concluídos, com 32 aerogeradores instalados. A previsão é que as obras sejam concluídas ao longo de 2017, e que o suprimento de energia comece a partir de janeiro de 2018.

Somando-se aos parques eólicos de Geribatu, Hermenegildo e Chuí, o empreendimento dará ao Rio Grande do Sul a posição de detentor do maior complexo eólico da América Latina.

A obra

As obras começaram em agosto de 2015 com a colocação dos aerogeradores Acciona, da Espanha, com altura de 120 metros e capacidade de geração de 3 MW cada um. No total, serão 69 aerogeradores de última geração, conectados a três subestações que já estão em operação.

A Atlantic Energias Renováveis atua no desenvolvimento, implantação e operação de projetos de geração de energia elétrica proveniente de fontes renováveis. Sediada em Curitiba (PR), a empresa também opera no Piauí, no Rio Grande do Norte, na Bahia e em Santa Catarina.

Fotos: Marlove Perin

Ibravin Elege novo Conselho Deliberativo

Presidente da Fecovinho, Oscar Ló, e Marcio Ferrari, representando os sindicatos de trabalhadores rurais, foram conduzidos aos cargos de presidente e vice-presidente o para o biênio 2018/2019. De saída da presidência, Dirceu Scottá avalia os dois anos marcados por safras históricas e conquista do Simples Nacional para o setor

O advogado e administrador Oscar Ló foi eleito presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) para o biênio 2018/2019. Ló é presidente da Federação das Cooperativas Vinícolas do Rio Grande do Sul (Fecovinho) e foi indicado pela entidade para o cargo. O agricultor Marcio Ferrari, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Farroupilha e coordenador da Comissão Interestadual da Uva, foi conduzido à vice-presidência para o período. A eleição segue o rodízio de entidades na direção do instituto e ocorre por consenso dos titulares.

O novo presidente – que ocupava a vice-presidência do Ibravin nos últimos dois, ao lado de Dirceu Scottá – projeta como uma das principais metas para o próximo biênio a inclusão de centenas de micro e pequenas vinícolas, que, segundo ele, será possível com a entrada em vigor do Simples Nacional para o setor e com a regulamentação da Lei do Vinho Colonial. “Está no nosso radar o trabalho de estímulo à formalização destas empresas, para que também possam acessar novos mercados, gerar receita e estarem devidamente regularizadas e aptas para atuarem”, antecipa. Oscar Ló cita como desafio a retomada do crescimento das vendas no mercado interno, bastante afetado pela crise econômica e pela quebra de safra de 2016. “Para que isso ocorra precisamos investir ainda mais na promoção dos nossos produtos, para que a informação sobre a qualidade dos nossos vinhos chegue ao consumidor”, receita.

Como representante das cooperativas no Conselho Deliberativo do Ibravin, Ló defende este modelo de produção, a busca constante pelo diálogo entre todos os elos da cadeia produtiva e uma valorização do produtor que trabalhe para entregar uma matéria-prima de qualidade. “Temos uma preocupação com a sustentabilidade do setor. A remuneração justa para o produtor que se preocupa com a qualidade da uva e que se especializa no cultivo de determinadas variedades ajuda na manutenção dos jovens no campo”, acredita.

Eleito vice-presidente, o agricultor Marcio Ferrari enxerga o fomento à assistência técnica para os produtores como um dos grandes objetivos para o próximo período. Ele acredita que a qualificação da produção passa pela consultoria de técnicos junto aos viticultores, muitas vezes atendidos apenas por vendedores de insumos ou de agroquímicos. “Uma das alternativas para termos recursos é por meio do Programa de Modernização da Vitivinicultura (Modervitis). É fundamental o acesso a novas tecnologias para produzirmos matéria-prima de qualidade, sermos remunerados de forma justa por essa entrega e, consequentemente, essa qualidade chega ao produto final que é destinado aos consumidores”, resume.

Ferrari acrescenta a implementação do Cadastro Vitivinícola Nacional e a necessidade de ampliar a fiscalização de vinhos – tanto nacionais quanto importados – como outras prioridades do setor para 2018 e 2019. “Precisamos coibir a entrada de produtos adulterados, que não seguem os padrões da legislação brasileira e internacional sobre vinhos, combater o contrabando que acaba colocando produtos em território brasileiro sem pagamento de impostos e, muitas vezes, de baixa qualidade”, propõe.

Anos marcados por safras históricas e simples nacional para vinícolas

Os anos de 2016 e 2017 ficarão registrados na história em função de duas safras atípicas, com quebra de 57% no primeiro e recorde no segundo período. O enólogo Dirceu Scottá, que ocupou a presidência do Ibravin nos últimos dois anos, ao fazer um balanço de sua gestão, concorda com a avaliação do novo presidente, Oscar Ló, e aponta a oficialização do Simples Nacional para o setor como uma das grandes conquistas do biênio. Scottá acrescenta o crescimento do enoturismo, os ganhos de imagem do vinho brasileiro nos mercados interno e externo e a consolidação dos espumantes e do suco de uva 100% como itens que podem ser comemorados. O dirigente também cita os grandes eventos que foram realizados no período, o 39º Congresso Mundial da Vinha e do Vinho e o III Simpósio Vinho e Saúde, como fundamentais tanto para a divulgação do Brasil como um importante país produtor e para a propagação dos benefícios dos produtos vitivinícolas para a saúde. “Tivemos grandes vitórias, mas precisamos avançar muito ainda quando pensamos em competividade. Temos uma carga tributária que representa mais de metade do valor do produto e entraves com a logística por estarmos num país de dimensões continentais. Também precisamos estimular ainda mais o acesso a novas tecnologias e a qualificação da matéria-prima”, sugere.

Scottá também menciona como avanços a criação dos comitês de Enoturismo, de Indicações Geográficas, de Espumantes e de Logística Reversa, que, segundo ele, são importantes para o debate e encaminhamento de ações para o desenvolvimento setorial. O dirigente destaca, ainda, a presença de vinhos brasileiros na mídia nacional, seja em programas jornalísticos ou de entretenimento, a ampliação das ações de qualificação setorial através do Programa Alimentos Seguros – PAS Uva para Processamento, em parceria com Senar (para viticultores) e Sebrae (para as micro e pequenas vinícolas). “Encerramos nossa gestão com um trabalho fundamental de revisão do Posicionamento Estratégico das marcas coletivas Vinhos do Brasil, 100% Suco de Uva do Brasil e Wines of Brasil, buscando um alinhamento para a comunicação setorial e a retomada do crescimento nas comercializações no mercado interno”, conclui.

Entenda o funcionamento dos conselhos gestores do ibravin

O Conselho Deliberativo do Ibravin é formado 11 titulares e 11 suplentes indicados por oito entidades representantes da indústria, das cooperativas e dos produtores rurais – que se revezam na presidência -, mais o governo do Rio Grande do Sul. O grupo se reúne pelo menos uma vez por mês para discutir as demandas do setor e as ações do Ibravin. A cada dois anos ocorre a eleição para a presidência e vice-presidência do Conselho. A administração das verbas do Ibravin é acompanhada pelo Conselho Fiscal, formado por três membros, indicados pelo Conselho Deliberativo. Os Conselhos Fiscal e Deliberativo são eleitos em Assembleia Geral.

Os Conselhos Gestores do Ibravin são compostos pela Associação Brasileira de Enologia (ABE), Associação Gaúcha de Vinicultores (Agavi), Comissão Interestadual da Uva, Federação das Cooperativas Vinícolas do Rio Grande do Sul (Fecovinho), Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul (Seapi/RS), Sindicato da Indústria do Vinho, do Mosto de Uva, dos Vinagres e Bebidas Derivados da Uva e do Vinho do Estado do Rio Grande do Sul (Sindivinho/RS), Sindicato Rural de Caxias do Sul (Sindrural-Caxias) e União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra).

Composição do conselho deliberativo do Ibravin 2018/2019

Comissão Interestadual da Uva

Titulares: Marcio Ferrari e Mércia Fugalli

Suplentes: Cedenir Postal Moacir Mazzarollo

Federação das Cooperativas Vinícolas do Rio Grande do Sul (Fecovinho)

Titulares: Oscar Ló e Hélio Marchioro

Suplentes: Hermínio Ficagna e Ismar Pasini

União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra)

Titular: Deunir Argenta

Suplente: Gregório Salton

Associação Gaúcha de Vinicultores (Agavi)

Titular: João Carlos Zanotto

Suplente: Leocir Luvison

Associação Brasileira de Enologia (ABE)

Titular: Carlos Abarzúa

Suplente: Dirceu Scottá

Sindicato da Indústria do Vinho, do Mosto de Uva, dos Vinagres e Bebidas Derivados da Uva e do Vinho do Estado do Rio Grande do Sul (Sindivinho/RS)

Titular: Gilberto Pedrucci

Suplente: Eurico Benedetti

Sindicato Rural de Caxias do Sul (Sindrural-Caxias)

Titular: Renato Antônio Formolo

Suplente: Antônio Pedro Michelon

Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul (Seapi/RS)

Titular: Ricardo do Nascimento

Suplente: Adoralvo Schio

Conselho Consultivo

Titular: Daniel Panizzi (representando a Associação de Produtores de Vinhos de Pinto Bandeira – Asprovinho)

Suplente: René Ormazabal Moura (representando a Associação de Produtores de Vinhos Finos da Campanha Gaúcha)

Fotos: Dandy Marchetti

Miguel e Alice foram os nomes mais registrados no país em 2017

Miguel foi o nome mais registrado nos cartórios de todo o país em 2017, segundo levantamento da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-BR). De janeiro a 10 de dezembro, os pais de quase 26 mil recém-nascidos escolheram o nome bíblico e de origem hebraica para os seus bebês.
Os nomes de Arthur (21.161 registros) e Davi (15.372) aparecem em segundo e terceiro lugar entre os mais escolhidos este ano. Para as mulheres, os três nomes que lideram o ranking dos registros de nascimento são Alice (18.508), Valentina (13.193) e Helena (12.615).
No Rio Grande do Sul

O Estado seguiu a tendência nacional dos 65.535 nascimentos registrados, 1.428 recém-nascidos se chamam Miguel, 1.190 Arthur e 965 de Alice.
Confira os 10 nomes mais frequentes no Brasil
1 – Miguel – 25.710
2 – Arthur – 21.161
3 – Alice – 18.508
4 – Davi – 15.372
5 – Heitor – 13.718
6 – Valentina – 13.193
7- Gabriel – 12.636
8 – Helena – 12.615
9 – Laura – 12.594
10 – Bernardo – 12.529

Confira os 10 nomes mais frequentes no Rio Grande do Sul
1 – Miguel – 1428
2 – Arthur – 1190
3 – Alice – 965
4 – Bernardo – 910
5 – Lorenzo – 906
6 – Valentina – 786
7 – Davi – 764
8 – Helena – 756
9 – Sophia – 742
10 – Gabriel – 671

Fotos: Andreia Volpini

Tranças de natal com mel

Uma receita simples, passada de geração em geração é marca registrada em Santa Vitória do Palmar

Fica desde já o aviso: se procura algo saudável, passe à próxima receita! Estas trancinhas são um doce pecado. Na Ceia de Natal de Santa Vitória do Palmar, no extremo sul gaúcho, as avós, tradicionalmente, têm duas preocupações: preparar as trancinhas doces e impedir que os netos as ataquem antes do jantar. Tradição em 24 de dezembro, as guloseimas são aguardadas quase como presentes.

As trancinhas de Natal, é uma marca registrada na cidade. Uma receita simples, passada de geração em geração. Característica dos italianos do sul, proveniente de Cosenza. Feita com ovos, farinha, azeite e vinho (preferencialmente branco), a massa é frita e misturada ao mel, dando um toque doce perfeito para completar a ceia.

Trancinhas de Natal

1k de farinha

04 avos

250g de óleo

250ml de vinho branco

01 colher (sopa) de fermento em pó

1 pitada de sal

500g de mel

Mistura a farinha com ovos, o óleo e o vinho até formar uma massa homogênea. Passe no rolo para afinar. Depois, corte a massa, como um retângulo. Faça 3 cortes verticais, mais ou menos do mesmo tamanho, até cerca de 2cm da ponta superior. Entrelace os 3 pedaços de massa. Frite as trancinhas até dourar. Escorra e ponha em um prato com papel-manteiga. Coloque dentro do mel aquecido e retire. Deixe secar.

Fotos: Marlove Perin

Prazo para inscrição de beneficiários do BPC no Cadastro Único é prorrogado

Os idosos acima de 65 anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) têm até dezembro de 2018 para se inscrever no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. A Portaria Interministerial n° 5/2017 com a prorrogação do prazo foi publicada hoje (26) no Diário Oficial da União. Inicialmente, o prazo se encerraria em 31 de dezembro de 2017.

O cadastramento pode ser feito nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) ou nas secretarias de assistência social dos municípios. Caso o beneficiário tenha alguma dificuldade de deslocamento, a inscrição pode ser feita pelo responsável familiar, desde que se apresente o CPF de todas as pessoas que moram na residência com o beneficiário.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, a medida cumpre uma recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU) e vai aperfeiçoar a gestão dos benefícios sociais.

O Cadastro Único é um instrumento que identifica as famílias de baixa renda, permitindo que o governo conheça a realidade socioeconômica de cada uma delas. Nele, são registradas as características da residência, a identificação de cada pessoa, a escolaridade, a situação de trabalho e renda, entre outras informações. Mais de 20 programas sociais utilizam o cadastramento único.

Segundo ministério, em novembro, mais de 4,5 milhões de pessoas receberam o BPC. Destes, 2 milhões são idosos e 2,5 milhões são pessoas com deficiência. Do total, mais de 2,3 milhões já estão no Cadastro Único e 2,1 milhões ainda precisavam realizar o cadastramento.

Fotos: Divulgação

RS registra cerca de 10 mil infrações no feriado de Natal

Da zero hora de sexta (22) até a meia-noite de segunda-feira (25), 23.683 veículos foram alvo de fiscalização dos órgãos de trânsito do Rio Grande do Sul na 82ª edição da Viagem Segura. Na operação promovida pela Polícia Rodoviária Federal, Detran RS, Brigada Militar e Comando Rodoviário da BM, foram registradas 9.429 infrações, recolhidos 761 veículos e retidos 171 documentos de habilitação.

Apesar do esforço conjunto para a redução da acidentalidade, o número total de acidentes chegou a 189, o que resultou em 11 mortes no local (média de 2,75 por dia) e 146 feridos. No Natal do ano passado, foram 23 mortes em três dias da operação de Natal, considerando os falecimentos em até 30 dias após o acidente.

Foram 54 autuações por direção sob a influência de álcool constatadas por teste positivo no exame do etilômetro. Entre essas, 22 condutores foram enquadrados por crime de trânsito e conduzidos à delegacia de polícia por apresentarem níveis acima de 0,33 miligrama (mg) de álcool por litro de ar expelido pelos pulmões. Outros 115 condutores se recusaram a realizar o teste. Todos sofrerão as sanções administrativas do artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro, ou seja, multa de R$ 2.934,70 e suspensão do direito de dirigir por um ano (além da retenção do veículo e do documento).

Megablitz

Na noite de sexta, Detran RS, Brigada Militar, Polícia Civil e EPTC realizaram mais uma operação conjunta em Porto Alegre. A Megablitz ocorreu na Avenida Osvaldo Aranha, na altura do número 685, com a participação de equipes da Balada Segura. Foram abordados 256 veículos, resultando em 74 autuações diversas. A fiscalização flagrou dois motoristas dirigindo sob a influência de álcool (teste do etilômetro positivo) e outros 17 que se recusaram a fazer o teste, todos igualmente autuados.

Sobre a Viagem Segura

A Operação Viagem Segura tem como principais parceiros Polícia Rodoviária Federal (PRF), Brigada Militar (BM), Comando Rodoviário da BM (CRBM), Detran RS e Polícia Civil. Também colaboram órgãos de trânsito municipais (EPTC na capital), ANTT, Dnit, Cetran RS, Daer, EGR, Famurs, Sest/Senat, além de representantes da sociedade civil organizada, como o Lions Club e o Instituto Zero Acidente.

A Operação Viagem Segura completou seis anos no feriado de 15 de novembro, somando mais de cinco milhões de veículos fiscalizados. No período, foram registradas quase 875 mil infrações, sendo mais de 15 mil por embriaguez. Foram registradas, ainda, mais de 2,1 mil autuações por recusa ao teste do bafômetro. A fiscalização também recolheu 84,6 mil veículos e 22,5 mil CNHs irregulares.

Fotos: Pedro Belo Garcia/Arquivo Palácio Piratini

Estado entrega 118 novas viaturas à Brigada Militar

Para Bento Gonçalves, Farroupilha, Gramado e Vacaria serão entregues duas viaturas para casa município, Caxias do Sul irá receber sete viaturas

A Brigada Militar (BM) conta com 118 novas viaturas para o policiamento ostensivo e patrulha ambiental. A entrega foi realizada pelo governador José Ivo Sartori e pelo secretário da Segurança Pública, Cezar Schirmer, nesta terça-feira (26), em Porto Alegre.

Essa é a primeira frota a ser repassada para a corporação. Em fevereiro, outros 120 veículos serão entregues, totalizando um investimento de R$ 25 milhões. São R$ 13,4 milhões aportados pelo governo do Estado e R$ 10,6 milhões oriundos do Programa de Apoio ao Investimento dos Estados e Distrito Federal (Proinveste).

Ao todo, 30 municípios serão beneficiados no primeiro lote. Somadas, essas cidades têm 5,1 milhões de habitantes – o que representa aproximadamente 45% da população do Rio Grande do Sul. A distribuição das viaturas obedeceu a critérios técnicos, priorizando os municípios com mais de 35 mil habitantes nas regiões com maiores índices de criminalidade (eixo Porto Alegre, Região Metropolitana, Vale dos Sinos e Serra), cidades turísticas e municípios dos litorais Norte e Sul.

Para Bento Gonçalves, Farroupilha, Gramado e Vacaria serão entregues duas viaturas para casa município, Caxias do Sul irá receber sete viaturas.

O comandante-geral da BM, coronel Andreis Silvio Dal’Lago, lembrou que as viaturas representam um investimento qualificado, que busca atender a todas as necessidades do policiamento ostensivo. “Nunca tivemos, em nossa frota, carros com essa tecnologia embarcada. São viaturas potentes, que darão mais efetividade no combate à criminalidade”, assegurou.

Entregas do 1º lote

– 106 veículos Toyota Corolla, destinados ao policiamento ostensivo | Valor unitário: R$ 100,3 mil | Valor total: R$ 10,6 milhões (recursos do Proinveste)

– 5 camionetas Mitsubishi L200 Triton 4×4, destinadas ao policiamento ostensivo | Valor unitário: R$ 127 mil | Valor total: R$ 635 mil (recursos do Tesouro do Estado)

– 7 camionetas Mitsubishi L200 Triton 4×2, destinadas às Patrulhas Ambientais da BM | Valor unitário: R$ 127 mil | Valor total: R$ 889 mil (Recursos Hídricos da Secretaria de Meio Ambiente)

– Total: 118 viaturas | Valor: R$ 12,1 milhões

Destinação das viaturas

– Corolla e L200 4×4: Porto Alegre, Alvorada, Cachoeirinha, Esteio, Gravataí, Sapucaia do Sul, Viamão, Capão da Canoa, Osório, Santo Antonio da Patrulha, Torres, Tramandaí, Bento Gonçalves, Canela, Caxias do Sul, Farroupilha, Gramado, Vacaria, Pelotas, Rio Grande, Campo Bom, Estânica Velha, Novo Hamburgo, São Leopoldo, Sapiranga e Taquara

– L200 4×2 (Patrulha Ambiental): Cachoeira do Sul, Rio Grande, Tramandaí, Canela, Frederico Westphalen, Passo Fundo e Santana do Livramento

Aquisição de viaturas

O governo do Estado já investiu R$ 12,6 milhões na compra de viaturas para a Segurança Pública. Foram R$ 6,1 milhões para a BM e o Corpo de Bombeiros Militar (CBMRS); R$ 4,4 milhões para a Polícia Civil (PC); R$ 328 mil para a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe); e R$ 1,7 milhão para o Instituto-Geral de Perícias (IGP).

A parceria com o governo federal também garantiu investimentos no reaparelhamento das instituições vinculadas à SSP. O Ministério da Justiça e Segurança Pública repassou 20 viaturas para o IGP; 14 para a Susepe; 12 para a BM; quatro para a PC; e duas para o CBMRS.