Motorista vai ter que fazer 2 balizas para tirar a CNH

Baliza é o terror dos candidatos à CNH (Foto: Reprodução EPTV)

Se a prova da baliza já é o terror dos solicitantes da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na categoria B (carros de passeio), a situação deve piorar a partir de junho deste ano, quando os inspetores devem exigir duas manobras no teste, uma paralela à calçada e outra perpendicular.
Atualmente, apenas uma manobra do tipo é exigida. Quem define qual é necessária para passar na prova é o Detran de cada estado. Isso deve valer só até 5 de junho.
Para padronizar as provas em todo o país, o Contran publicou na última semana uma resolução que exigirá de todos os alunos os dois tipos de manobras.
Ou seja, para ser aprovado, o condutor deverá fazer uma manobra de estacionamento paralelo ao meio fio e também uma entrada perpendicular à calçada, simulando uma garagem, com a retirada do veículo.
O comprimento e a largura da vaga continuam os mesmos: tamanho do veículo mais 40%. O tempo máximo para fazer cada uma das manobras é de cinco minutos, com no máximo três tentativas.
O candidato será eliminado da prova de baliza se somar 5 pontos ou mais em faltas.

Falta gravíssima (5 pontos): provocar acidente, estourar o tempo e as tentativas de baliza, subir no meio fio, encostar ou derrubar a baliza, deixar de dar preferência a pedestre e bicicleta, não completar alguma etapa do exame.

Falta grave (4 pontos): perder o controle avançando sobre outra faixa, deixar a porta aberta ou semiaberta, não sinalizar a manobra, não usar cinto de segurança, não acionar o limpador de para-brisa sob chuva.

Falta média (3 pontos): fazer o percurso sem estar com o freio de mão totalmente livre, deixar o carro morrer, dirigir com apenas uma mão (exceto quando mudar marcha ou sinalizar), sair com o carro sem olhar no retrovisor fazendo movimento para diminuir o ponto cego e utilizar as marchas de maneira incorreta.

Falta leve (2 pontos): falhar no ajuste do banco, não arrumar os espelhos retrovisores, interpretar incorretamente o painel de instrumentos, dar partida sem estar em ponto morto ou acionar a embreagem, tentar sair sem engatar marcha, usar a buzina ou as luzes do veículo incorretamente, encostar no meio fio.

CNH para moto e ‘cinquentinha’ terá aulas e exames nas ruas

Motociclistas terão aulas e exame em vias públicas para tirar CNH (Foto: Honda/Divulgação)

Quem quiser tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) da categoria A (motos) ou ACC (ciclomotores) terá que fazer aulas e exames em vias públicas a partir de junho deste ano.
Atualmente, os candidatos a primeira habilitação rodam com os veículos apenas em circuito fechado. Essa fase em local fechado será mantida, e a etapa em vias públicas adicionada a partir de 5 de junho.
A carga horária de 20 horas/aula do curso prático foi mantida. No entanto, ela foi dividida entre 10 horas/aula em circuito fechado e outras 10 horas/aula em vias públicas.
Para os ciclomotores, as 10 horas/aula foram divididas em 4 horas/aula em circuito fechado e 6 horas/aula em vias públicas.
A mudança foi promovida pelo Conselho Nacional de Trânsito ( ), que redefiniu a formação de condutores no Brasil em uma resolução publicada na última semana. Outra alteração está na renovação da CNH, que passará a exigir curso e prova teórica.

Como será o processo para habilitação de motos?
Categoria A (motos)

Avaliação Psicológica, exame de aptidão física e mental;
Cursos teóricos: básico (25 horas/aula) e específico (20 horas/aula);
Exame teórico;
Curso de prática de direção veicular em circuito fechado (10 horas/aula);
Exame de direção veicular em circuito fechado;
Curso de prática de direção veicular em via pública (10 horas/aula);
Exame de direção veicular em via pública.
Categoria ACC (ciclomotores)

Avaliação psicológica, exame de aptidão física e mental;
Cursos teóricos: básico (20 horas/aula);
Exame teórico;
Curso de prática de direção veicular em circuito fechado (4 horas/aula);
Exame de direção veicular em circuito fechado;
Curso de prática de direção veicular em via pública (6 horas/aula);
Exame de direção veicular em via pública.

Motociclista fará dois exames práticos
Com as mudanças, os candidados começarão fazendo curso em circuito fechado para depois realizar o primeiro exame prático, ainda em local fechado. Sendo aprovado nesta etapa, os alunos passam a fazer aulas nas ruas para depois fazer a segunda prova, essa sim nas ruas.

Aulas teóricas também mudam
Outra alteração está no conteúdo das aulas teóricas para motos. Apesar de manter o total de 45 horas/aula, a partir de junho serão divididas em 25 horas/aula de material básico e 20 horas/aula material específico sobre motos.
Isso muda também a quantidade de horas/aula para quem desejar tirar as habilitações A e B (carros) ao mesmo tempo. Como existirá o material específico para motos, o aluno terá que fazer outras 20 horas/aula de conteúdo sobre carros, chegando ao total de 65 horas/aula.

Brigada Militar apreende três pés de maconha em Santa Tereza

A Brigada Militar apreendeu três pés de maconha em Santa Tereza, na tarde de quinta-feira, 15. Após denúncia anônima, policiais militares deslocaram-se até a Linha José Júlio, na Rua Ferdinando Ferronato, onde localizou as plantas no fundo de uma casa.
O morador, de 33 anos, foi preso e conduzido até a Delegacia de Polícia de Bento Gonçalves.

PRF realiza operação de Ffalização de trânsito na BR 470 e atua 50 condutores

Foram retidos 21 documentos de veiculos (CRLV) e 2 Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH), 50 condutores foram autuados

A Policia Rodoviária Federal realizou na noite da sexta-feira,16, e na madrugada do sábado, 17,  uma operação entre Bento Gonçalves e Carlos Barbosa, com ênfase na fiscalização de trânsito.
A operação da PRF foi realizada nos locais com maiores índices de acidentes, com intuito de coibir excessos na condução dos veículos automotores, aumentar a sensação de segurança e reduzir a acidentalidade.
Foram fiscalizados 224 pessoas, 190 veículos e realizados 82 testes de embriaguez.
Foram retidos 21 documentos de veículos (CRLV) e 2 Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH), 50 condutores foram autuados, numa das abordagens, em Garibaldi, um condutor foi detido por estar com a CNH suspensa. Três veículos foram removidos e um veículo foi apreendido.

Renovação da CNH exigirá curso e prova teórica

Mudanças para a carteira de habilitação valem a partir de junho deste ano

Renovar a CNH vai exigir curso a partir de junho (Foto: Divulgação)

Os motoristas que precisarem renovar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) a partir de junho deste ano terão que fazer um curso teórico e uma prova, além do exame médico, que já era obrigatório.

A mudança na lei foi publicada na última semana por meio de uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que redefiniu a formação de condutores no país. Segundo o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), o curso é para atualizar sobre mudanças nas leis de trânsito.

Como é hoje (até 5 de junho) para carros e motos
É preciso renovar a CNH a cada 5 anos; para motorista acima de 65 anos, a validade é de 3 anos;
É exigido exame médico; não é preciso fazer curso ou prova.

Como vai ficar
Os prazos não mudam;
Passa a ser exigido um curso teórico de 10 horas/aula (máximo de 5 horas/aula por dia);
Pode ser feito de forma presencial ou à distância;
Se for à distância, precisa ser concluído em 5 dias;
Depois, é preciso fazer prova teórica presencial, com 30 questões de múltipla escolha;
Motorista deve ter 100% de frequência no curso e 70% de acertos no exame;
Ainda não há definição sobre mudanças no preço da renovação

E se reprovar na prova?
Se o motorista for reprovado, ainda poderá fazer uma nova prova 5 dias depois da divulgação do resultado. Se houver uma segunda reprovação, ele deverá passar por todo o curso novamente.

Motoristas profissionais
Estão dispensados do curso apenas os motoristas que realizam atividades remuneradas em veículos, como transporte de carga e passageiros. Mas estes profissionais também passarão por outro curso específico, de maior duração, a cada 5 anos.

Qual o objetivo?
De acordo com o Denatran, o curso tem como objetivo “atualizar as informações e os conhecimentos sobre as legislações de trânsito, considerando a circunstância das constantes e contínuas alterações”.

A mudança foi decidida depois de estudos e reuniões com representantes do setor para padronizar a formação de condutores no Brasil.

 

CNH vai virar cartão com chip até 2019

CNH vai mudar novamente e virar um cartão com chip até 2019 (Foto: Divulgação/Denatran)

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) vai mudar novamente e abandonar o formato em papel para virar um cartão de plástico com microchip, que reunirá informações do motorista.

Uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que será publicada ainda nesta semana, promete que a mudança será feita até 1º de janeiro de 2019 – prazo final de adaptação dos Detrans estaduais ao novo modelo.
Ainda não há informações sobre possíveis diferenças no valor para tirar ou renovar a carteira de motorista – cada Detran deve definir o valor no momento da adoção da tecnologia.
De acordo com o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, a nova CNH deve reduzir as fraudes e aumentar a durabilidade do documento, além de possibilitar integração com outros países.
O formato de cartão “inteligente” se assemelhará a um cartão de débito/crédito convencional, com chip e gravação a laser dos dados do motorista.
A novidade também abre as portas para que o documento se torne mais “universal”, podendo (no futuro) servir para pagamento de pedágio ou transporte de ônibus e metrô, controle de acesso a prédios públicos e identificação biométrica (com cadastro das digitais no chip).

Parte traseira da nova CNH que será implantada até 2019 (Foto: Divulgação/Denatran)

Essas funcionalidades poderão existir por meio de convênios entre entidades públicas ou privadas com autorização do Denatran.

Metamorfose constante
A CNH teve diversas mudanças recentemente. Em janeiro deste ano, ela passou a ser emitida em um novo visual, com mais itens de segurança, marcas d’água e itens holográficos.
Em maio, o documento recebeu também o QR-Code – um código que permite checar os dados do motorista por meio de leitura com a câmera do smartphone.
Mas esse visual terá vida curta. Segundo o Ministério das Cidades, um estudo feito pela Universidade de Brasília (UNB) recomendou a alteração para o formato em cartão.
Além do documento físico, uma versão digital da CNH passou a ser oferecida em alguns estados desde outubro deste ano. Até 1º de fevereiro de 2018 o documento eletrônico, com acesso pelo celular, deve estar disponível em todo o país.
Também neste ano, foi criado o projeto para a Identificação Civil Nacional (ICN), que reunirá RG, título de eleitor, CPF e cadastro biométrico em um único cartão. A CNH e o passaporte continuarão separados.
Quem tiver o documento válido em papel não será obrigado a fazer a troca, que ocorrerá na hora da renovação.

Viticultura gaúcha quase dobra

A viticultura já está presente em 27 das 35 microrregiões gaúchas e ocupa uma área de aproximadamente 40 mil hectares de vinhedos

A área plantada de uvas no Rio Grande do Sul quase dobrou de tamanho em um período de 20 anos. A viticultura já está presente em 27 das 35 microrregiões gaúchas e ocupa uma área de aproximadamente 40 mil hectares de vinhedos, de acordo com dados registrados em 2015, quase o dobro em comparação aos pouco mais de 21,5 mil hectares que eram plantados em 1995, quando a cultura estava presente em apenas 11 microrregiões gaúchas.
A mais tradicional região produtora de uvas e vinhos do Brasil, a Serra Gaúcha, está reduzindo sua supremacia na produção de uvas em função da expansão da cultura em outras regiões.
A Microrregião (MR) Caxias do Sul, que contempla 19 municípios na Serra Gaúcha, era detentora de 90,08% da área vitícola do estado entre os anos de 1996 e 2000. De acordo com os dados do novo Cadastro Vitícola, a região ainda permanece em primeiro lugar, mas sua área plantada corresponde a 80,09% da produção do estado.

Monte Belo do Sul comemora 26 anos de emancipação

 Nesta semana, Monte Belo do Sul celebra a semana do município, em comemoração aos 26 anos da emancipação. As atrações iniciam no sábado (17), com o Passeio Ciclístico e Caminhada da Solidariedade. A saída está marcada para as 15h, em frente à Igreja Matriz São Francisco de Assis. Haverá o sorteio de uma bicicleta.
No mesmo dia, acontece o Encontro de Cantorias Italianas de Monte Belo do Sul, na Sociedade E.C.E 24 de maio, com entrada franca. O início das apresentações é às 17h e após tem jantar típico colonial, com ingresso no valor de R$40,00, com show da Banda Quarteto da Alegria. No domingo (18), será a Festa em Honra a São José, com missa às 10h30 e almoço festivo às 12h, na Comunidade São José.

História
Entre os anos de 1877 e 1890, o território que abrange Monte Belo do Sul pertenceu a Colônia Dona Isabel. Em 1890 ocorreu a emancipação da Colônia Dona Isabel, passando a denominar-se Bento Gonçalves, enquanto Monte Belo do Sul foi nomeado como Linha Zamith e configurou-se como o segundo maior Distrito de Bento Gonçalves.
Em 1932, através de um requerimento solicitado por Júlio Lorenzoni, o Distrito passou-se a chamar Montebello, na intenção de recordar a grande batalha travada em Montebello, no município de Pávia, na Lombardia, Itália. Esse nome permaneceu até o ano de 1945, quando designou-se Caturetã, termo indígena que significa “Povoado Bonito”. Em 1949 passou a denominar-se Monte Bello, que significa “Monte Bonito”, uma homenagem as características geográficas do local. Conforme a Lei nº 9564, o dia 20 de Março de 1992 data a Emancipação Política da Cidade, passando a designar-se Monte Belo do Sul.

Programação
Dia 17 (Sábado)
Passeio Ciclístico e Caminhada da Solidariedade
15h – Saída em frente à Igreja Matriz São Francisco de Assis
As inscrições podem ser realizadas até o dia 14/03, nas Escolas Pedro Migliorini, Roman Ross e Caminhos do Aprender, mediante a doação de um quilo de alimento não perecível, roupas ou brinquedos. Os inscritos estarão concorrendo ao sorteio de uma bicicleta!

Encontro de Cantorias Italianas de Monte Belo do Sul
Local: Sociedade E.C.E. 24 de Maio
17h – Início das Apresentações
20h – Jantar típico colonial | Valor: R$ 40,00 | Locais de venda de ingresso:
Construbelo e Ristorante Nonna Metilde
Animação: Banda Quarteto da Alegria

Dia 18 (Domingo)
Festa em Honra a São José

Aposentadoria rural não será contemplada na reforma

Para quem estava preocupado com mudanças na aposentadoria rural, a notícia é boa. Por se tratar de um tema polêmico, o governo federal resolveu deixar a aposentadoria rural de fora do texto da reforma da Previdência. No dia 7, foram apresentadas mudanças no texto, mas as regras para os mais 7,5 milhões de agricultores familiares se aposentarem continuam as mesmas.
De acordo com a proposta inicial, tanto homens como mulheres do campo deveriam se aposentar aos 65 anos de idade e com 25 anos de contribuição obrigatória. No entanto, ficaram mantidas as idades de 55 anos para mulheres e 60 para homens. A contribuição, nesse caso, fica por conta do percentual da produção. “De modo geral, precisa ser feito um ajuste na Previdência. Mas não necessariamente vai-se conseguir passar todos os pontos. Então, do ponto de vista político, é interessante que você deixe de lado alguns aspectos para que outros mais importantes possam ser ajustados”, avalia o especialista em finanças Marcos Melo.
As aposentadorias rurais começaram antes da Constituição de 1988, com o Fundo de Assistência e Previdência do Trabalhador Rural (Funrural). O benefício era de meio salário mínimo e a pensão não podia passar de 30% do benefício principal.
A proposta da reforma da Previdência tem previsão de ser votada até o dia 28 no Congresso Nacional.

Podridão Olho de Boi das Maçãs é tema de Workshop em Vacaria, RS

Podridão Olho do Boi em maçãs com ferimentos por granizo Foto: Rosa Valdebenito

Durante o dia 22/03 pesquisadores da Epagri, UDESC, Embrapa Uva e Vinho, UCS, Proterra, Monsanto e Universidade de Nebraska vão discutir a Podridão Olho de Boi das Maçãs no CIC em Vacaria, RS.
A podridão ‘olho de boi’ (POB), também conhecida no Brasil como Pezícula, é causada por espécies do fungo Neofabraea (Cryptosporiopsis sp.) sendo atualmente uma das principais doenças da cultura da macieira no Sul do Brasil. A doença também ocorre causando perdas significativas em outros países produtores, principalmente na fase de armazenamento.
A doença, em geral, passa despercebida no campo pois os frutos infectados desenvolvem a podridão somente durante a frigorificação. No entanto, as infecções em frutos sem ferimentos podem ocorrer em qualquer fase do desenvolvimento, com maior suscetibilidade nas fases finais de maturação. No pomar, o patógeno só é encontrado quando há ocorrência de granizo ou ferimentos causados por insetos. Nesse caso, as frutas apresentam podridões amareladas com halo escuro tanto no campo quanto no “packing house”.
A podridão “olho de boi” é responsável por perdas que variam de 8 a 20% no período final da armazenagem, podendo atingir até 35% de podridão quando se soma as perdas na saída do frio e na comercialização. Considerando que no Brasil a capacidade de armazenagem de maçãs é de 700.000 toneladas de maçãs e que a metade do volume fica frigorificada por mais de cinco meses, são estimadas perdas anuais da ordem de 50 a 70.000 toneladas de maçãs pela doença.
As dificuldades para o manejo da doença, que também causa sintomas de cancro em ramos de um e dois anos de idade, residem no fato do patógeno estar presente nos ramos e gemas durante todo o ciclo da cultura e também nas lenticelas dos frutos, independentemente das aplicações de fungicidas.
Instituições de pesquisa do Brasil desenvolveram estudos sobre a caracterização e biologia do patógeno, bem como de estratégias para o seu controle cultural, físico e biológico. Essas informações serão apresentadas aos técnicos, produtores e estudantes interessados no evento.

Serviço
O que: I Workshop sobre a Podridão Olho de Boi das Maçãs
Onde: Câmara de Indústria, Comércio, Agricultura e Serviços de Vacaria (CIC Vacaria) – Rua Borges de Medeiros, 1288 – Vacaria, RS
Quando: 22/03/2018 – 5ª feira
Inscrições: Agapomi (54)3232-2070
Investimento: R$100,00 (sócios AGAPOMI e ABPM), R$ 150,00 (estudantes), R$ 200,00 (público em geral),
Apoio: Epagri, UCS, UDESC, Monsanto, ASAV
Realização: Agapomi, Proterra, Embrapa
Mais informações: acesse o folder eletrônico no link https://goo.gl/j3gXv7 .

Seminário de Gestão Ambiental na Agropecuária acontece no mês de abril em Bento Gonçalves

O Sistema Biobed Brasil será uma das tecnologias apresentadas na programação Foto: Maria Francisca Canovas Moura

Reduzindo os passivos em busca de uma agropecuária sustentável – com essa temática, o Seminário Brasileiro de Gestão Ambiental na Agropecuária chega à sua sexta edição, nos dias 11 e 12 de abril, no Parque de Eventos Fundaparque, na cidade serrana de Bento Gonçalves (RS). Neste ano, o evento conta com o importante apoio do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), campus de Bento Gonçalves, e do Sindicato Rural da Serra Gaúcha, que juntam esforços com a Embrapa Uva e Vinho e Fiema na sua promoção.
Segundo os diretores do seminário, os pesquisadores da Embrapa Alexandre Hoffmann e Luciano Gebler, como qualquer atividade produtiva, a agropecuária também gera passivos que muitas vezes o produtor não tem o conhecimento de seu potencial contaminante e de que forma evitar esse problema. Eles reforçam que a agricultura brasileira é uma das que mais preserva no mundo, graças aos esforços dos agricultores, para quem o seminário busca ampliar ainda mais este diferencial. “Escolhemos uma temática inovadora ao trazer para o debate questões pouco exploradas e conhecidas, como por exemplo, a destinação correta de produtos veterinários. Com isso, buscamos ampliar as oportunidades para a agropecuária brasileira ser ainda mais sustentável”, avalia Gebler.
“Identificar quais são os resíduos, como manejá-los e reduzi-los são os esteios da programação, abrangendo agricultura e pecuária”, exemplifica Hoffmann. Ele comenta ainda que tornar mais visível a face sustentável da agricultura, trazendo assuntos como boas práticas agrícolas, produção orgânica e a produção integrada, são fundamentais para a continuidade da atividade, além de serem vitais para o produtor.
O Seminário é um dos seis encontros temáticos que compõem a FiemaCon, atração simultânea à Fiema Brasil, que é idealizado como um reduto da feira onde conhecimento, reflexões e networking se misturam num intercâmbio de ideias e soluções de cases nacionais e internacionais, confirmando sua vocação de encontro para capacitação técnica. A programação do Seminário é composta de painéis e palestras e irá acontecer nos dias 11 de abril, das 9h às 12h30min e das 14h às 17h30min, e 12 de abril, das 9h às 12h30min.
As vagas para o Seminário Brasileiro de Gestão Ambiental na Agropecuária são limitadas e as inscrições poderão ser feitas exclusivamente no endereço: http://scheneventos.com.br/fiema/. Até o dia 16 de março, os interessados poderão obter um desconto especial para pagamento antecipado no Seminário, tendo também a possibilidade de adquirir o Combo Fiemacon , que permite o acesso a todos os eventos do Fiemacon. Estudantes têm 50% de desconto.

*50% Desconto para estudantes, de acordo com a Lei nº. 12.933/2013, mediante apresentação de comprovante de matrícula ou carteira estudantil no ato da inscrição – Use o cupom de desconto “ESTUDANTE” Caso não seja apresentado o comprovante de estudante, a diferença de valor será cobrada na retirada da credencial.
**Permite o acesso a todos os eventos do FiemaCon.

SERVIÇO
O que: 6º SEMINÁRIO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL NA AGROPECUÁRIA
Quando: 11 e 12 de abril de 2018
Onde: Parque de Eventos Fundaparque – Bento Gonçalves, RS
Informações e inscrições: https://fiema.com.br/Pagina/Index/14