Toyota Hilux 2019 chega ao Brasil com novo design e lista de equipamentos aprimorada

Versões SRX, SRV e SR trazem novo desenho da grade frontal e mais itens de conforto e conveniência

Versão topo de linha SRX acompanha badge comemorativo de 50 anos de existência da picape da Toyota
A nova Hilux 2019 chega ao Brasil. O design frontal modernizado e uma lista de equipamentos ainda mais recheada adicionam qualidades que visam realçar a essência da série: a robustez. Líder de seu segmento no mercado nacional nos últimos três anos, a Toyota Hilux tem produção na fábrica de Zárate, província de Buenos Aires, Argentina, onde é manufaturada de acordo com os valores e padrões globais de qualidade, durabilidade e confiabilidade da Toyota. Com as mudanças incorporadas na linha 2019, a picape da Toyota traça nova direção na busca por superar as expectativas de seus clientes.

50 anos de história
Um dos mais famosos nomes do segmento de picapes é, também, um dos mais tradicionais da história. Com meio século de vida completado em 2018, a Hilux chega a um novo patamar de seu ciclo de existência e atuação global. Trajetória marcada, inclusive, por sucessivas evoluções, moldadas pelas transformações em uma sociedade cada vez mais moderna, dinâmica e urbanizada.
Quando nasceu, em março de 1968, a picape da Toyota era equipada por um propulsor de 70 cv de 1.5 litro. O chassi era separado por uma suspensão dianteira de molas triangulares, enquanto a traseira era rígida de eixo/mola. Sua transmissão acompanhava caixa manual de quatro velocidades. Comportava até três passageiros e carga de até 1.000 kg.
Quatro gerações depois, em 1988, a Hilux conciliou, de forma aprimorada, o conceito de uso misto, tomando por base três pilares: potência, robustez e conforto.
Exatamente esta quinta geração, lançada no fim dos anos 1980 e que durou até 1997, foi protagonista da história da Toyota em um dos mais importantes segmentos no território nacional. As primeiras unidades da Hilux desembarcaram no País em 1992, oriundas do Japão, ano marcado pela abertura a produtos importados no mercado doméstico. Naquele mesmo ano, a Toyota encerrou o período com cerca de 400 unidades comercializadas.
A Hilux também participou do processo de desenvolvimento econômico e social no Brasil e no território latino-americano. A picape média da Toyota conquistou, ao longo desses 26 anos, notoriedade e ainda mais relevância. Tanto é que no Brasil, por exemplo, em um intervalo de três anos, saltou de 400 unidades vendidas em 1992 para 920 em 1993, depois para 1.279, em 1994, e chegou a 2.804, em 1995. Por este potencial, a Toyota decidiu pela produção regional, com início em 1998, na Argentina.
Com a chegada da oitava geração, em 2015, a Hilux vem ampliando tradição e renome ao superar barreiras continentais. Segundo a consultoria especializada no setor automotivo Focus2Move, na América Latina, o modelo já atingiu, nos primeiros sete meses de 2018, o terceiro lugar entre os veículos mais vendidos na região. Da Argentina, o modelo é exportado, além do Brasil, para outros 21 destinos.

Design externo

Inspirada em um conceito global de renovação, a Hilux 2019 reafirma a proposta de produto multiuso. Sua principal atribuição, enraizada por um DNA essencialmente dotado de robustez, tem como diferencial para a linha 2019 novo desenho frontal nas versões SRX, SRV e SR.
O modelo incorpora desenho de grade hexagonal, traçada por três sólidas barras horizontais contornadas por um acabamento cromado. As alterações implicaram na remodelação do para-choque dianteiro, onde foram incorporados faróis de neblina, equipamento presente desde a versão SR.
Resultante das alterações, o design ficou mais enxuto e aerodinâmico. Agora são 5.315 mm de comprimento, 15 mm menor em relação ao modelo 2018. Na altura, permanecem os 1.815 mm e os mesmos 1.855 mm de largura, assim como a distância entre eixos, de 3.085 mm.
Carro-chefe da linha, a SRX trará badge alusivo ao 50º aniversário da picape, como homenagem à tradicional história de uma das picapes mais icônicas do mundo. As modificações externas são complementadas pela introdução de novas rodas 18”, o que destaca ainda mais sua robustez. Outra novidade de série na versão SRX 50th anniversary, de olho no uso e conveniência aos clientes, é a inclusão de capota marítima.
A versão SRV adota rodas 18” e maçanetas externas cromadas, características que impulsionam o aspecto visual da picape.
Já os modelos focados para o trabalho mantêm o design externo da linha 2018. Todas essas versões, no entanto, receberam novos itens e alterações internas. São elas: Standard Power Pack – nova denominação a partir das novidades implementadas na versão básica -, Standard Narrow, Cabine Simples e Cabine Chassi. Essas configurações são majoritariamente comercializadas pelo canal de Vendas Diretas da Toyota.

Design interno e equipamento
No acabamento interno, a Hilux 2019 traz mudanças essenciais para versão SRX e posiciona a configuração como referência.
Entre as principais modificações está a tonalidade escura, a fim de contrastar com os detalhes cromados. Os assentos de couro perfurado e painel de instrumentos de iluminação na cor branca realçam o perfil sofisticado dentro da cabine.
O pacote e o nível de sofisticação na SRX são complementados por: assentos perfurados, interior preto em acabamento black piano, espelho retrovisor interno eletrocrômico, luz de condução diurna em LED.
Na intermediária SRV, o nível de equipamentos torna a configuração ainda mais competitiva e robusta, ao adicionar: estepe em liga leve, airbags laterais e de cortina (totalizando sete), Smart Entry e Push Start, assistente eletrônico de subida (DAC), apenas nas versões a diesel, módulo para subida automática dos quatro vidros, luz de condução diurna e retrovisor eletrocrômico.
A versão SR, focada no canal de produtor rural da marca, também elevou a oferta de equipamentos, ao ganhar, de série, ar-condicionado digital e luz de condução diurna.
Influenciada pela voz de seus clientes, a linha voltada para o trabalho teve seu portfólio de itens e equipamentos elevado. A começar pela versão Standard Power Pack, foram incluídos: luzes de condução diurna, faróis com função follow me home, revestimento dos assentos em material sintético, travamento automático das portas, chave canivete, vidros elétricos, retrovisores externos elétricos, radio AM/FM com CD player, Bluetooth® e entrada USB auxiliar, comandos de áudio no volante.
As versões Standard Narrow, Cabine Simples e Cabine Chassi mantêm o vasto nível de equipamentos e ganham luzes de condução diurna, faróis com função follow me home e revestimento dos bancos em material sintético.

Motor e transmissão 
Os modelos da linha 2019 da Hilux seguem equipados com motores diesel e flex. Veículos de motorização diesel vêm equipados com propulsor Toyota D-4D 2.8L 16V Turbo de 177cv de potência a 3.400 rpm, todas de tração integral.
As transmissões para os modelos diesel são automática de seis velocidades sequencial para as versões SRX, SRV e SR e manual de seis velocidades para as versões Standard Power Pack, Standard Narrow, Cabine Simples e Cabine Chassi.
As versões flexfuel trazem o motor Dual VVT-i Flex 2.7L 16V DOHC, especialmente projetado para o mercado brasileiro. O grande diferencial é a tecnologia de duplo comando de válvulas variável (Dual VVT-i), que atua no gerenciamento dos sistemas de admissão e escape da câmara de combustão, otimizando a queima do combustível de maneira inteligente. As versões flex da picape média apresentam 163 cv de potência a 5.000 rpm, quando abastecidos com etanol, e 159 cv, também a 5.000 giros, com gasolina.
São três versões dotadas de transmissão automática de seis velocidades sequencial: SRV 4×4 Cabine Dupla, SRV 4×2 e SR 4×2. Há ainda opção de SR 4×2 de transmissão manual de cinco velocidades.

Acessórios 
A extensa linha de acessórios genuínos para a Toyota Hilux, composta por mais de 50 itens, já poderá ser instalada na linha 2019. Eles atendem aos mais diferentes gostos e necessidades dos clientes, dos que buscam design, conveniência e funcionalidade, tecnologia e segurança.
Todos os acessórios genuínos são desenvolvidos pela engenharia global da Toyota exclusivos para a Hilux, de acordo com as rígidas regras da marca que garantem o alto nível de qualidade, durabilidade e confiabilidade Toyota.
Alguns acessórios que já podem ser encontrados e instalados nas concessionárias da marca são:
Design: Ponteira de escapamento, soleira, aplique cromado da maçaneta e aplique cromado do farol de neblina.
Conveniência e funcionalidade: Assistente de abertura da caçamba, engate (750 Kg), chicote do engate, extensor de caçamba com rampa e capota marítima de lona.
Tecnologia: Projetor no para-brisa e subwoofer.
Segurança: Porca de segurança para roda de liga leve, protetor de borda da caçamba, sensor de estacionamento cromado e trava de segurança do estepe.
Cores
A linha Hilux 2019 está disponível nas seguintes cores: Branco Sólido, Cinza Metálico, Prata Metálico, Preto Metálico e Vermelho Metálico.

Preços
Modelo Versão Preço público sugerido
Toyota Hilux 2019 Diesel (4×4) SRX 50th Anniversary AT R$ 196,990
Toyota Hilux 2019 Diesel (4×4) SRV AT R$ 179,990
Toyota Hilux 2019 Diesel (4×4) SR AT R$ 160,490
Toyota Hilux 2019 Diesel (4×4) STD Power Pack MT R$ 140,490
Toyota Hilux 2019 Diesel (4×4) STD Narrow MT R$ 138,010
Toyota Hilux 2019 Diesel (4×4) Cabine Simples MT R$ 125,560
Toyota Hilux 2019 Diesel (4×4) Chassi e Cabine R$ 121,530
Toyota Hilux 2019 Flexfuel SRV 4×4 AT R$ 140,990
Toyota Hilux 2019 Flexfuel SRV 4X2 AT R$ 129,990
Toyota Hilux 2019 Flexfuel SR 4X2 AT R$ 117,990
Toyota Hilux 2019 Flexfuel SR 4X2 MT R$ 111,990

Feira Internacional do Vinho terá 250 marcas nacionais e internacionais

Profissionais e apreciadores do universo do vinho estão na contagem regressiva para a Wine South America 2018, que ocorre na Serra Gaúcha entre os dias 26 e 29 de setembro e promete uma safra de excelentes tintos, brancos, rosés e espumantes

 

Alberto Piz, diretor da Milanez & Milaneze, empresa promotora da Wine South America 2018 – crédito: Rafael Rosi

De 26 a 29 de setembro, os profissionais e apreciadores do universo do vinho tem encontro marcado na Serra Gaúcha. Bento Gonçalves, capital brasileira do vinho, será sede da primeira edição da Wine South America 2018 – Feira Internacional do Vinho, que reunirá cerca de 250 marcas expositoras dos principais países produtores de vinhos, com o intuito de apresentar os lançamentos nacionais e internacionais em tintos, brancos, rosés e espumantes.
Idealizada para promover e ampliar a geração de negócios dos vinhos brasileiros perante o mercado global, a feira apresentará a excelência da produção nacional e a diversidade das suas regiões vinícolas através de exposição de rótulos da Serra Gaúcha – a principal região produtora brasileira -, e também de outras áreas do Rio Grande do Sul, como a Campanha e os Campos de Cima da Serra, além de Santa Catarina e de São Paulo.
Diversas ações estão sendo realizadas pela feira para promover o Brasil como nação produtora. Cerca de 120 compradores e importadores desembarcarão em Bento Gonçalves através do Projeto Comprador. Além desse, 20 jornalistas, visitarão a feira por meio do Projeto Imagem – ambos realizados em parceria com o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin). “Acredito que será uma feira importante para mostrar o potencial não só dos nossos produtos, mas também do nosso enoturismo”, avalia o presidente do Ibravin, Oscar Ló. “Estávamos carentes de uma feira deste tipo no Brasil”, observa o presidente da Associação Brasileira de Enologia (ABE), Edegar Scortegagna. “Será uma ótima oportunidade para ajudar a fomentar e divulgar o vinho e o consumo do mesmo no Brasil.
O encontro contará, também, com apresentação de rótulos internacionais, provenientes da Argentina, Chile, Uruguai, Austrália, Itália, Eslovênia, Áustria e Suíça e de produtores de café, cachaças e azeites que enriquecerá a experiência e os negócios do público participante. Além da exposição de produtos, a Wine South América terá uma robusta grade de conteúdos voltada à valorização da produção de vinhos e da formação profissional do setor, com degustações, premiações, treinamentos e palestras conduzidas por profissionais que são referência no mercado nacional e internacional. O grande destaque da programação fica por conta da participação do Master of Wine inglês Alistair Cooper, que conduzirá degustações exclusivas de espumantes brasileiros e ministrará a palestra degustação de Vinhos Sul-Americanos Elaborados a partir da Vitivinicultura Extrema. Alistair Cooper – MW é um dos poucos a ostentar o cobiçado título de ‘master of wine’, concedido pela tradicional escola britânica Wine & Spirit Education Trust. Desde a criação do curso, na década de 50, pouco mais de 300 pessoas conseguiram concluí-lo.
Voltada aos negócios, mas com muito a entreter os visitantes, a Wine South America oferecerá visitas guiadas às vinícolas da região, num tour devidamente informativo sobre os diferentes vinhos e espumantes brasileiros. “O setor vai capitalizar muito em cima de tudo isso”, projeta Ló. “Muito mais do que uma grande feira de vinhos, a Wine South America é um projeto elaborado sob medida para o setor. Estamos atraindo os olhares e os interesses do mercado mundial colocando o Brasil no mapa das principais feiras de vinho do mundo. Queremos explorar bem o enoturismo da região, transformando o evento em uma experiência única para os visitantes”, diz Alberto Piz, diretor da Milanez & Milaneze, empresa promotora da feira e subsidiária da italiana Veronafiere.

A Wine South America é o cenário ideal para que profissionais do setor, enófilos, enólogos, produtores e consumidores troquem experiências, conhecimento e façam negócios. O funcionamento da feira será das 12h às 21h. Informações sobre ingressos: winesa.com.br/site/2018/pt/ingressos.

Inscrições abertas
Quem anseia por conferir todos os detalhes do universo vinícola que será apresentado na primeira edição da Wine South America – Feira Internacional do Vinho já pode realizar sua inscrição antecipada e garantir presença no encontro. No site www.winesa.com.br profissionais do setor e consumidores podem efetuar o credenciamento antecipado (valores especiais e modalidades sob consulta).

Serviço
O quê: Wine South America 2018 – Feira Internacional do Vinho
Quando: de 26 a 29 de setembro, das 12h às 21h
Onde: Bento Gonçalves – RS
Local: Parque de Eventos de Bento Gonçalves (Alameda Fenavinho, 481)
Informações: (54) 3455-6711 e www.winesa.com.br

Corrida ao ‘Oscar’ dos vinhos brasileiros

Inscrições para participar da Avalição Nacional de Vinhos abrem dia 4 de setembro

A maior degustação de vinhos de uma safra do mundo se aproxima. Cerca de 900 pessoas de diferentes estilos, idades e profissões, de distintos lugares do mundo, mas que têm o gosto pelo vinho em comum, viverão este grande momento do vinho brasileiro no dia 29 de setembro, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves. Eles degustarão às cegas, ao mesmo tempo, 16 amostras classificadas entre os 30% mais representativos da Safra 2018. As inscrições para a Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2018 abrem dia 4 de setembro, às 8h30min, pelo site da Associação Brasileira de Enologia (ABE) – www.enologia.org.br.
Não é necessário ser um conhecedor de vinhos, apenas apreciar a bebida. Tanto é que o evento reúne enólogos, sommeliers, empresários e lideranças do setor, mas também leigos no assunto. É um assemblage de pessoas e sensações numa Avaliação única no planeta. “A Avaliação Nacional de Vinhos é a maior celebração do vinho brasileiro. Neste dia, o vinho aproxima amigos e faz novas amizades, comemora a realização de mais uma safra e apresenta o desempenho da qualidade do vinho brasileiro. É o Oscar dos vinhos brasileiros”, destaca o presidente da ABE, enólogo Edegar Scortegagna.
São mais de 8 horas de evento, entre abertura, degustação e comentários, homenagens, prova de espumantes e almoço. Um encontro também de aprendizado e confraternização. Scortegagna chama a atenção dos interessados para que fiquem atentos ao período das inscrições, pois as vagas costumam esgotar nos primeiros dias. “A Avaliação Nacional de Vinhos é a maior degustação de vinhos de uma safra do mundo e, por isso, um evento muito disputado. A paixão e curiosidade pelo mundo do vinho unem centenas de pessoas de todo o Brasil e do exterior”, reforça.
Pela primeira vez no evento, as cadeiras serão numeradas. Depois de efetuada a inscrição e o pagamento, o participante deverá acessar o site a partir do dia 15 de setembro para reservar sua cadeira.

Etapa por etapa
O evento mais concorrido do Brasil pelos apreciadores de vinhos começou ainda em junho, com a inscrição das amostras pelas vinícolas. No mês seguinte, técnicos da ABE e da Embrapa Uva e Vinho, percorreram o Brasil para coletar os vinhos diretamente dos tanques de aço inox. Teve amostra que chegou a percorrer 3 mil quilômetros para chegar na Capital Brasileira do Vinho. Amostras recolhidas, a terceira etapa foi degustar e avaliar cada vinho. Este trabalho foi realizado de 14 a 23 de agosto por 120 enólogos.
O resultado será divulgado no dia 29 de setembro, quando será anunciada a relação dos 30% mais representativos, ou seja, 106 amostras, diante das 351 inscritas por 50 vinícolas de seis estados brasileiros. O público poderá, ainda, degustar 16 amostras selecionadas entre os 30%, provando na taça a representatividade da Safra 2018.
O investimento para associado é de R$ 275. Não associados pagam R$ 350.

Fotos: Jeferson Soldi

Convênio vai viabilizar instalação de Balcão Cidadão em Monte Belo do Sul

O município de Monte Belo do Sul poderá contar ainda este ano com um Balcão Cidadão. O oficio com a solicitação foi protocolado na reunião da quarta-feira, 29 de agosto com Diego Cettolin, como diretor-administrativo da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS), o Assessor da FGTAS Carlos Henrique Maccarini, o Prefeito de Monte Belo do Sul Adenir José Dallé, o vereador Vice-presidente Nilso Cavaleri e o Chefe de Divisão de Esportes Secretário de Diego Casagranda, durante encontro na sede da FGTAS, em Porto Alegre.
O Balcão Cidadão será instalado nas dependências da Prefeitura Municipal. A unidade oferecerá os serviços de intermediação de mão de obra, encaminhamento de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), além de ações do Programa Gaúcho do Artesanato (PGA).

Alfaiate mais antigo de Pinto Bandeira tem 80 anos dedicados à profissão

Adílio Polesso e Maria Julieta Fotos: Marlove Perin

Adílio Polesso tem 89 anos e uma disposição de dar inveja a qualquer um. Natural de Nova Roma do Sul mudou-se para Pinto Bandeira em 1952 e é um dos últimos e mais antigos alfaiates do município. “Meu pai era alfaiate. Gosto de lembrar que é a profissão de toda a minha vida, e que me permitiu a dar condições aos meu filhos, sempre foi motivo de orgulho em minha família”, recorda o aposentado.
Desde pequeno ficava observado meu pai, e logo aprendi a tirar medidas, fazer cortes e preparar as peças. Foi assim que comecei a fazer ternos. Perdi a conta de quantos eu fiz. Fui aprimorando minhas habilidades ao longo dos anos e hoje recordo minha profissão passando fero em roupas, onde funcionava meu ateliê, conta Adílio Polesso.
Dedicado e metódico, seu Polesso abre mão das evoluções tecnológicas, mantém sua alfaiataria com equipamentos antigos e muito bem conservados. A máquina de costura é outra raridade que ele não se desfez. “Minha primeira tesoura e meu ferro de passar roupas, tenho desde o início. São peças fundamentais da minha trajetória. Hoje em dia, minha profissão praticamente não existe mais. A moda da roupa pronta derrubou a costura sob medida”, diz ele.

Polesso conta que já perdeu a conta de quantos ternos já fez e segundo ele, quem compra sob medida, nunca mais passa em uma loja novamente. “É outra roupa completamente diferente. Ela se molda ao corpo, mostra personalidade e elegância de quem usa”, argumenta.
Seu Adílio é casado com Maria Julieta Pastorelo Polesso, 87 anos, primeira fotografa de Pinto Bandeira. “Ela foi uma excelente profissional, fez ótimos cursos de fotos, teve um trabalho impecável e temos várias fotos registradas juntos. Até na costura ela me ajudava”, explica ele.

Maria foi a primeira fotógrafa do município, iniciou com fotos de casamentos, 1ª comunhão, crismas e eventos da comunidade. Para explicar sobre fotografia, Maria diz que a fotografia é um “Momento decisivo” e diz que todo fotógrafo teria (pelo menos uma vez na vida) a oportunidade única de presenciar um fato que só ele viu e pode fotografar. Maria tem várias máquinas fotográficas guardadas que fazem parte de sua trajetória e lembra com orgulho da carreira que fez ao longo dos anos.
O casal criou sete filhos, quatro homens e três mulheres e tem 16 netos. Hoje os dois moram no centro de Pinto Bandeira e esbanjam saúde e lucidez.

Departamento agrícola está sendo remodelado na Cooperativa Aurora

Daniel Teixeira, engenheiro agrônomo, Cristiano Anselmi, engenheiro agrônomo, Itacir Pozza, Presidente da Cooperativa Aurora e Maurício Fugalli, engenheiro agronômo Foto: Marlove Perin

O plantio da uva e a produção de vinhos no Estado vêm se consolidando a passos largos no mercado brasileiro. Não é à toa: somente a serra gaúcha é responsável por 85% da produção de vinhos no Brasil. Apesar da liderança, os desafios estão em melhorar a qualidade do produto, consolidá-lo no paladar do consumidor brasileiro, além de divulgar a bebida no mundo. Pensando nisso a Cooperativa Aurora inovou no setor agrícola e há três meses Daniel Teixeira é o novo engenheiro agrícola que assumiu o setor a da cooperativa com a missão de remodelar o departamento.
“O desafio é maravilhoso, como se eu estivesse me remoçando na minha profissão. Temos um novo projeto que está sendo colocando em prática que é fazer com que o departamento técnico agrícola vá mais a campo e tenha mais contato com nosso produtor para buscar alternativas juntos para garantir produtividade e qualidade nos produtos entregues. E a gente precisa cada vez mais não só aumentar a produção, mas produzir melhor e proporcionar qualidade de vida para os produtores rurais, porque a agricultura vem de família” explica o engenheiro.

Campo conectado, produtores conectados
O crescimento que se vê a cada ano e o desenvolvimento de novas tecnologias para o campo provam que o agronegócio precisa andar junto com a tecnologia.
Os aplicativos de comunicação mudaram a vida do homem do campo. De acordo com a pesquisa de Hábitos de mídia do produtor rural, 61% dos agricultores possuem smartphones e utilizam diversas aplicações. Outro dado interessante é que 33% desse público utiliza tecnologias de agricultura de precisão nas mais diversas atividades na lavoura, como preparação do solo, plantio, analise de solo, regulagem de equipamentos, pulverização, colheita, entre outros.
A mídia digital preferida do produtor rural é o WhatsApp, utiliza, porém, outras plataformas, como Skype, Messenger, YouTube e Facebook, também são usadas para interagir com grupos e trocar informações.
Quatro em cada grupo de 10 produtores acessaram a internet nos últimos 10 dias. Entre os produtores que acessaram a internet, 93% visitaram redes sociais.
Atenta a esse cenário, a Cooperativa Aurora irá trazer novas técnicas de informações, informações de vanguarda e, e levar ao agricultor para que ele possa incrementar com dados da propriedade. “A caderneta de campo é obrigado a manter, é a forma de fazer a rastreabilidade dos nossos produtos que são vendidos no mercado. Hoje temos 50% de adesão à caderneta de campo e precisamos de 100 %. Para isso estamos criando um novo modelo, o agricultor vai ter acesso a uma planilha de custos da propriedade onde ele pode fazer o seu gerenciamento de custos e dentro desta planilha já sairá a caderneta de campo eletrônica” explica om engenheiro Daniel.

Gazeta News Pinto Bandeira – Como será a caderneta de campo eletrônica?
Daniel Teixeira, Engenheiro Agrônomo – Em reunião com o Conselho Administrativo, todos aderiram ao projeto. Primeiramente será feito uma planilha no Excel, será alimentada com informações e a mesma dará os custos. A tabela será bem prática, feita por nos mesmos funcionários da Cooperativa. Essa planilha será experimentada em 20 agricultores cooperados e vai ter dois formatos: o eletrônico e o papel (para o agricultor que não tem formalidade com mídia). Os menores aprendizes irão passar as informações ao sistema para ser emitidos os resultados. Tudo será centralizo.
O Primeiro passo é ter a planilha e apresentá-la aos produtores e ouvir a opinião deles. O segundo passo é transformar e passar as informações a um servidor, onde os dados ficarão armazenados na internet, uma maneira moderna e segura de manter documentos e arquivos guardados (“a nuvem”) onde o cooperado poderá acessar as informações e manusear. Para os produtores que ainda não tem acesso a internet ou dificuldade, os técnicos agrícolas darão suporte e irão até a propriedade. A ideia é que as pessoas possam interagir compartilhando seu trabalho diário. “A empresa tem como lema estar sempre ao lado do produtor e não poderia deixar de acompanha-lo também no mundo virtual. O que nos move é saber que estamos servindo a essas pessoas e será ainda mais motivador construir essa linha do tempo com a colaboração de todos”, explica o engenheiro.

Vinícola Terraças produz sucos de uva com vinhedos próprios

São quatro tipos de sucos e vinagre. A vinícola é associada da Asprovinho, através de reportagens mensais iremos apresentar os 12 empreendimentos que fazem parte da associação. Nesta segunda reportagem falaremos da Vinícola Terraças

Guilherme, Helena e Vitor Fornasier Foto: Marlove Perin

Em 29 de junho de 2001 foi criada a Associação dos Produtores de Vinhos de Pinto Bandeira (Asprovinho) visando proteger a natureza, a cultura local, os produtores de vinho e, sobretudo, preservar a qualidade e afirmar a identidade dos vinhos e espumantes produzidos no local.
A experiência de mergulhar no mundo do vinho pode ser vivida integralmente em Pinto Bandeira. O enoturismo é uma das atividades das vinícolas, desde uma visita com degustação conduzida por profissional até a hospedagem em pousada.
Vamos apresentar através de reportagens mensais os associados que fazem parte da Asprovinho: Cooperativa Vinícola Aurora, Vinícola Don Giovanni, Cave Geisse, Valmarino, Empório Castellamare, Terraças, Chef M. Crippa, Casa da Cultura Sueca, Sabores da Montanha, Bistrô Champenoise, Pousada Elida / Colheita Butique Sazonal e Villa Cristina. Nesta segunda reportagem iremos falar um pouco da Vinícola Terraças.

Guilherme Fornasier, enólogo da Vinícola

VINÍCOLA TERRAÇAS
É a principal referência da região ao tratar de suco de uva. Apesar de chamar-se Vinícola Terraças, a pequena empresa familiar não produz vinho, focando sua atenção somente no suco de uva e vinagre. Por ano, são 130 mil litros elaborados no município de Pinto Bandeira com vinhedos próprios. A vinícola é familiar, administrada pelo fundador Vitor Fornasier, 54 anos, a esposa Helena e os filhos Guilherme e Gustavo. 60% da produção é comercializada na região metropolitana do Estado, sendo o principal foco de venda fruteiras.

Especializada na bebida, é destino agradável e recomendado para famílias com crianças. A visita à intimista e aconchegante propriedade familiar tem um toque especial pela paisagem estonteante ao redor e conta com degustação de diversos tipos de suco. Além disso, conta com a explicação sobre a produção do que é considerada a expressão máxima da uva, impressiona.

 São quatro tipos de suco e para a próxima safra a vinícola irá começar a produzir vinhos tranquilos. A vinícola esta desenvolvendo o suco de goiaba integral e aguarda registro para a venda do produto. Porém os apreciados da bebida já podem degustar o produto na vinícola. “Nossa vinícola esta equipada para produzir sucos e precisamos aumentar nosso mix de produtos. Com isso temos a meta de aumentar os sabores de sucos e buscamos isso através de frutas que são cultivadas em nossa região, como por exemplo, a goiaba. Então a goiaba é pouca, mas tem. Temos também a ideia de produzir suco de pêssego e maçã, a mais longo prazo” explica o filho mais velho, o enólogo Guilherme Fornasier.
A Vinícola Terraças está localizada na Linha Jansen, KM 4, na Estrada de Pinto Bandeira. O telefone para contato é (54) 3455-6214 ou contato@montanhadovale.com.br.

Sicredi se consolida entre os ‘10 Maiores’ do País

Instituição financeira Cooperativa conquistou colocações em 12 indicadores na edição 2018 do Valor 1000

O Sicredi – instituição financeira cooperativa com mais de 3,8 milhões de associados e atuação em 22 estados brasileiros e Distrito Federal – está mais uma vez entre os maiores do País, de acordo com o Valor 1000. Nesta edição 2018, divulgada em evento ocorrido na capital paulista na noite de 20 de agosto, a instituição se destacou em 12 categorias do anuário. Todas elas levam em consideração o balanço combinado do Sistema.
Na classificação dos 100 Maiores Bancos, o mais amplo do anuário, o Sicredi ficou em 10º lugar, subindo uma posição em relação ao ano passado. Entre as instituições financeiras que mais cresceram em Operações de Crédito e em Depósitos Totais, figurou em 4º e 11º lugar, respectivamente.
Já nos rankings voltados para os 20 Maiores Bancos, o Sicredi se destacou em Operações de Crédito, ocupando a 9ª posição; em Depósitos Totais, 7º colocado; em Patrimônio Líquido e Lucro Líquido, 8º lugar em ambos; em Receita de Intermediação, 9º; e em Resultado Operacional Sem Equivalência Patrimonial, 7º.
Entre os 20 Grandes Bancos, a instituição financeira cooperativa ainda ficou na 9ª colocação no ranking de Rentabilidade Operacional sem Equivalência Patrimonial, em 3ª entre os Mais Rentáveis sobre o Patrimônio e em 11º na categoria Bancos que Mais Cresceram em Depósitos Totais.
Elaborado pelo jornal Valor Econômico e pelo Serasa Experian, com base em dados do ano contábil de 2017, o Valor 1000 conta com o trabalho de homologação da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV/EAESP). A publicação traz informações completas sobre as mil maiores empresas do Brasil, com rankings comparáveis, demonstrações financeiras consolidadas, faturamento bruto e outros itens estratégicos retirados dos balanços ou informados pelas companhias ou instituições.

Sobre o Sicredi
O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,8 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br.
*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Agricultor também tem direito ao auxílio-acidente

Francesca Casagrande Luchese, advogada, OAB/RS 75.584

O auxílio-acidente é um benefício previdenciário pago pelo INSS ao segurado que, em decorrência de um acidente, apresentar sequela que reduza sua capacidade para o trabalho.
Mas não são todos os segurados do INSS que têm direito a esse benefício. Por força de lei, estão excluídos o contribuinte individual e o segurado facultativo. Para o empregado doméstico e o segurado especial, o direito a esse benefício é conquista recente.
Até pouco tempo, para a concessão do auxílio-acidente para os segurados especiais era exigido, além da comprovação da atividade rural em regime de economia familiar, o recolhimento de contribuições para a Previdência Social na qualidade de facultativo.
Uma série de ações judiciais levou o debate ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde foi firmada a tese que “o segurado especial da Previdência social cujo acidente ou moléstia seja anterior à vigência da Lei 12.873/2013 não precisa comprovar o recolhimento de contribuição como segurado facultativo para ter direito ao auxílio-acidente”.
Em relação aos benefícios garantidos aos segurados especiais, a Lei 12.873, de 24 de outubro de 2013, trouxe importante alteração, passando a prever a concessão de auxílio-acidente ao lado de benefícios como aposentadoria e auxílio-doença. Por isso, a discussão na justiça se limitou ao período anterior à alteração legislativa de 2013.
Logo, restou garantida ao segurado especial a concessão do auxílio-acidente, independente do recolhimento de contribuições e da data em que ocorreu o sinistro.
E quando falamos em acidente, devemos ter em mente não apenas os acidentes de trabalho, mas os acidentes de qualquer natureza.
Já a sequela ocasionada será alvo de avaliação médica. Vale ressaltar que a lei não estabelece grau, índice ou percentual mínimo da incapacidade para o auxílio-acidente. Logo, havendo limitação da capacidade laborativa, ainda que em grau mínimo, é devida a concessão do benefício.
Outro ponto importante: a concessão de auxílio-acidente independe de carência e o benefício é devido a partir do dia seguinte ao da cessação do auxílio-doença ou na data de entrada do requerimento, quando não precedido de auxílio-doença.
Esse benefício tem caráter indenizatório, por isso não impede que o segurado que o recebe continue trabalhando. Ele é pago mensalmente, tem valor igual a 50% do salário mínimo e será cessado no momento da concessão da aposentadoria ou no caso do óbito do segurado.

Com 27 anos, Renan Biasotto é um dos jovens a chegar à final do Freio de Ouro

É difícil antecipar os resultados do Freio de Ouro, que geralmente são decididos nos últimos instantes das provas. Com 27 anos Renan Biasotto é um dos jovens a ter chegado no mais alto posto para os treinadores de cavalos crioulos: a final do Freio de Ouro.
Renan chegou a final do Freio de Ouro ao alcançar 19,063 pontos com a égua Índia do Encanto da Cabanha Encanto de Veranópolis.
O gosto de Renan começou na infância, com sete anos de idade quando começou a laçar e frequentar o CTG Sopro do Minuano.