Departamento agrícola está sendo remodelado na Cooperativa Aurora

Daniel Teixeira, engenheiro agrônomo, Cristiano Anselmi, engenheiro agrônomo, Itacir Pozza, Presidente da Cooperativa Aurora e Maurício Fugalli, engenheiro agronômo Foto: Marlove Perin

O plantio da uva e a produção de vinhos no Estado vêm se consolidando a passos largos no mercado brasileiro. Não é à toa: somente a serra gaúcha é responsável por 85% da produção de vinhos no Brasil. Apesar da liderança, os desafios estão em melhorar a qualidade do produto, consolidá-lo no paladar do consumidor brasileiro, além de divulgar a bebida no mundo. Pensando nisso a Cooperativa Aurora inovou no setor agrícola e há três meses Daniel Teixeira é o novo engenheiro agrícola que assumiu o setor a da cooperativa com a missão de remodelar o departamento.
“O desafio é maravilhoso, como se eu estivesse me remoçando na minha profissão. Temos um novo projeto que está sendo colocando em prática que é fazer com que o departamento técnico agrícola vá mais a campo e tenha mais contato com nosso produtor para buscar alternativas juntos para garantir produtividade e qualidade nos produtos entregues. E a gente precisa cada vez mais não só aumentar a produção, mas produzir melhor e proporcionar qualidade de vida para os produtores rurais, porque a agricultura vem de família” explica o engenheiro.

Campo conectado, produtores conectados
O crescimento que se vê a cada ano e o desenvolvimento de novas tecnologias para o campo provam que o agronegócio precisa andar junto com a tecnologia.
Os aplicativos de comunicação mudaram a vida do homem do campo. De acordo com a pesquisa de Hábitos de mídia do produtor rural, 61% dos agricultores possuem smartphones e utilizam diversas aplicações. Outro dado interessante é que 33% desse público utiliza tecnologias de agricultura de precisão nas mais diversas atividades na lavoura, como preparação do solo, plantio, analise de solo, regulagem de equipamentos, pulverização, colheita, entre outros.
A mídia digital preferida do produtor rural é o WhatsApp, utiliza, porém, outras plataformas, como Skype, Messenger, YouTube e Facebook, também são usadas para interagir com grupos e trocar informações.
Quatro em cada grupo de 10 produtores acessaram a internet nos últimos 10 dias. Entre os produtores que acessaram a internet, 93% visitaram redes sociais.
Atenta a esse cenário, a Cooperativa Aurora irá trazer novas técnicas de informações, informações de vanguarda e, e levar ao agricultor para que ele possa incrementar com dados da propriedade. “A caderneta de campo é obrigado a manter, é a forma de fazer a rastreabilidade dos nossos produtos que são vendidos no mercado. Hoje temos 50% de adesão à caderneta de campo e precisamos de 100 %. Para isso estamos criando um novo modelo, o agricultor vai ter acesso a uma planilha de custos da propriedade onde ele pode fazer o seu gerenciamento de custos e dentro desta planilha já sairá a caderneta de campo eletrônica” explica om engenheiro Daniel.

Gazeta News Pinto Bandeira – Como será a caderneta de campo eletrônica?
Daniel Teixeira, Engenheiro Agrônomo – Em reunião com o Conselho Administrativo, todos aderiram ao projeto. Primeiramente será feito uma planilha no Excel, será alimentada com informações e a mesma dará os custos. A tabela será bem prática, feita por nos mesmos funcionários da Cooperativa. Essa planilha será experimentada em 20 agricultores cooperados e vai ter dois formatos: o eletrônico e o papel (para o agricultor que não tem formalidade com mídia). Os menores aprendizes irão passar as informações ao sistema para ser emitidos os resultados. Tudo será centralizo.
O Primeiro passo é ter a planilha e apresentá-la aos produtores e ouvir a opinião deles. O segundo passo é transformar e passar as informações a um servidor, onde os dados ficarão armazenados na internet, uma maneira moderna e segura de manter documentos e arquivos guardados (“a nuvem”) onde o cooperado poderá acessar as informações e manusear. Para os produtores que ainda não tem acesso a internet ou dificuldade, os técnicos agrícolas darão suporte e irão até a propriedade. A ideia é que as pessoas possam interagir compartilhando seu trabalho diário. “A empresa tem como lema estar sempre ao lado do produtor e não poderia deixar de acompanha-lo também no mundo virtual. O que nos move é saber que estamos servindo a essas pessoas e será ainda mais motivador construir essa linha do tempo com a colaboração de todos”, explica o engenheiro.