Meu gato é FIV / FeLV positivo, e agora?

Se você ama animais, principalmente gatos, deve estar ciente das principais doenças que os acometem.
FIV é o Vírus da Imunodeficiência Felina, ou “AIDS Felina”, já a FeLV é a Leucemia Felina. Ambas só se manifestam em gatos, podem ser tratadas, mas não tem cura. Elas afetam diretamente a imunidade dos bichinhos.
A FIV é transmitida pelo contato com o sangue, através de mordidas e arranhões, ou durante a gestação e a amamentação, caso a gata possua o vírus. Os principais sintomas da FIV são febre, aumento dos gânglios linfáticos e aparecimento de infecções intestinais ou cutâneas.
O Vírus da FeLV, diferentemente da FIV, é transmitido pelo ar, através de salivas, secreções e contato com urina e fezes contaminadas. Gatos com FeLV apresentam diversos sintomas, dentre eles perda de peso, anemia, tumores (principalmente o linfoma), depressão, dificuldade de respirar, febre, problemas nas gengivas, mucosas alteradas nos rins, no baço e no fígado (que aumentam de tamanho). Por isso, gatos que possuem o vírus não devem compartilhar os mesmos potinhos e caixa de areia dos não infectados.
O tratamento, para ambos, é focado em aumentar a imunidade do organismo do animal para evitar novas doenças, e no tratamento dos sintomas.
É importante entender as causas e proteger seu animal. São enfermidades que não tem cura e são transmitidas de gato para gato. Não afetam os seres humanos, cães ou outras espécies.
Ao levar para sua casa um novo gatinho, certifique-se antes de que ele não possui a doença, realizando o teste em um veterinário, e de vaciná-lo, principalmente, para que ele não se contamine, no caso da FeLV.

Luciano Guarnieri Geimba, sócio Proprietário na empresa ZooLife Clínica Veterinária

Além disso, é importante lembrar que o vírus pode já estar no gato e ele não apresentar nenhum sintoma. O vírus pode demorar anos para se manifestar. Por isso, é imprescindível fazer o teste específico antes de juntá-lo a outros gatos.
Somente um veterinário pode identificar o problema e o melhor tratamento.
Embora sejam doenças que não tenham cura, os sintomas podem ser amenizados em busca de uma melhor qualidade de vida.
Quando os proprietários recebem o diagnóstico, ficam desesperados.
Ok, não tem cura! Mas tem tratamento!
E quantas doenças não tem cura? Como diabetes, doença renal crônica, etc.? Mas todas têm tratamento.
O prognóstico não é favorável, mas não condene seu gato antes do tempo dele!
Não faríamos isso com pessoas, não é mesmo?
Infelizmente são doenças muito comuns, então não se desespere e não pense em eutanasiar seu gato. Leve a um veterinário para que ele possa esclarecer sobre a doença.
O tratamento da FeLV, assim como o da FIV, consiste em manter a imunidade do gato alta e tratar os sintomas. Existem diversas maneiras de proporcionar uma vida longa e de qualidade ao seu bichano, todo dia surgem novas alternativas e o seu veterinário poderá lhe orientar da melhor maneira.
É muito importante fazer o teste, pois são doenças que não tem cara. Qualquer gato pode ter. Você pode ter um gato FIV ou FELV positivo, mas que não está doente, porque a evolução da doença depende de alguns fatores, como a virulência da sepa viral, a resposta imunológica do animal, se ele tem alguma outra doença concomitante ou não.
O diagnóstico precoce é importante e isso é favorável para a saúde do gato, para o início de um tratamento. A prevenção sempre é o melhor remédio. Por isso tente proteger seu felino, para que ele não tenha acesso à rua, contato com animais errantes e principalmente faça a vacina quíntupla, que é extremamente importante! Sempre preconize a vacina quíntupla.
Além do tratamento conservativo é importante, em qualquer caso, para todos que possuem um animal de estimação, o acompanhamento profissional de um veterinário.

 

Conhecimento e qualificação na programação da Wine South America

Painel Wine Conference trará especialistas debatendo a viticultura brasileira

A primeira edição da Wine South America chega à Serra gaúcha, em setembro, para incentivar a comercialização e o consumo do vinho brasileiro. Um bom meio de atingir esse propósito, além de reunir num único lugar mais de 250 expositores, é conhecer e entender a produção nacional – e todos os segmentos que, direta ou indiretamente, são influenciados por ela.
De 26 a 29 de setembro, renomados especialistas e profissionais do vinho se reúnem no Parque de Eventos, em Bento Gonçalves, para a Wine Conference, uma série de painéis que detalha a viticultura brasileira. Do enoturismo à gastronomia, do ensino e pesquisa à comercialização, das indicações geográficas ao impacto socioeconômico do plantio de uvas no Nordeste, inclusive com espaço para conhecer as tendências de consumo das bebidas vinícolas – pautas que ajudam a compreender como o país trabalha a questão vitivinícola serão abordadas em 20 palestras (veja quadro).
A capacitação soma-se a outras frentes de atuação da Wine South America, como o foco na comercialização e na aproximação do mercado com produtores, na busca por um setor cada vez mais profissional. “A Wine Conference é uma oportunidade para diagnosticar processos e procedimentos adotados no Brasil quanto sua atuação na viticultura, contribuindo para o aumento de sua competitividade global”, comenta Alberto Piz, diretor do grupo Milanez & Milaneze, promotor da Wine South America.
Os interessados em participar podem adquirir seus ingressos antecipadamente pelo site www.winesa.com.br.

Programação da WineConference
26 de setembro | Quarta-feira
15h: Diferentes indicações geográficas do Brasil, com Jorge Tonietto, engenheiro agrônomo e pesquisador da Embrapa Uva e Vinho.
16h: Conjuntura e Perspectivas da Vitivinicultura Brasileira, com José Fernando da Silva Protas, pesquisador da Embrapa Uva e Vinho.
17h: Produção de vinhos seguros e de qualidade como diferencial para conquistar mercado, com Jacinta B. Valente, engenheira de alimentos e sócia proprietária da Biscotteria Itallinni.

27 de setembro | Quinta-feira
13h: Comercialização, com Ademir Brandelli, enólogo e sócio proprietário da Vinícola Don Laurindo, e Natália Zandonai, enóloga e sócia proprietária do Cobo Wine Bar.
14h: Cozinha de Natureza, com Rodrigo Bellora, Chef de Cozinha e proprietário do restaurante Valle Rustico.
14h: Ensino e Pesquisa, com Lucas Dal Maggro, enólogo doutorando em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e Mariana Dullius, professora de Enologia no IFSC Campus Urupema.
15h – Viticultura, com Marcio Dallé, supervisor de viticultura da Moet Hennessy do Brasil – Vinhos e Destilados, e Leonardo Ferrari, enólogo e gerente da Vinícola Abreu Garcia e técnico dos sucos de uva Questo Si.
15h: Palestra Brasil Vitivinicola, com Mauricio Roloff – sommelier, jornalista e professor do curso de gastronomia da Unisinos.
16h: Enologia / Enogastronomia, com Giovanni Ferrari, enólogo da Vinícola Salton, e Bruna Dachery, coordenadora e docente do curso Tecnologia em Gastronomia da Universidade de Caxias do Sul.
16h: Temas Emergentes em Vitivinicultura, com Marcos Gabardo, professor da Unipampa.
17h: Divulgação e Comunicação, com Sandy Corso, enóloga e sommelier da Vinícola Salton.
18h: Enoturismo, com Bruna Cristófoli, enóloga responsável, técnica e gestora comercial da Vinícola Cristófoli e representante comercial para o Brasil da JM Gonçalves Tanoaria, e Roberto Cainelli Jr, enólogo e sócio proprietário da Vinicola Cainelli, membro do Comitê de mercado do Ibravin e presidente da Associação Vale do Rio das Antas.

28 de setembro | Sexta-feira
13h: O Centro do Patrimônio e Cultura do Vinho – CEPAVIN, com Vander Valduga, professor adjunto do curso de Bacharelado em Turismo e do Mestrado em Turismo da Universidade Federal do Paraná e Vice-coordenador do CEPAVIN, e Rosa Medeiros, professora do Departamento de Geografia do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
13h30min: Enoturismo e o papel do profissional enólogo, com Hernanda Tonini, bacharel e mestre em turismo, doutora em desenvolvimento rural e coordenadora de pós-graduação do IFRS Campus Bento Gonçalves.
14h30min: O sommelier e os desafios nos canais de distribuição de vinho no Brasil, com Wagner Gabardo, proprietário da escola de sommeliers Alta Gama em Curitiba.
15h30min: Slow Food e Hospitalidade no Brasil, com Vander Valduga, professor adjunto do curso de Bacharelado em Turismo e do Mestrado em Turismo da Universidade Federal do Paraná e Vice-coordenador do Centro do Patrimônio e Cultura do Vinho.
16h30min: Paisagem, Patrimônio e Vinho, com Rosa Medeiros, professora do Departamento de Geografia do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
0min: Enoturismo na França, com Vagner da Silva Machado, professor e pesquisador.

29 de setembro | Sábado
13h: Indicações geográficas e marcas registradas: duas ferramentas para construir a reputação de sua marca de vinhos no mercado mundial, com Giovani Orsoni, advogado italiano e inglês, representante de marcas europeias, diretor da empresa De Simone & Partners.
14h: Impactos sociais e econômicos da produção de uva no Nordeste brasileiro, com Sofia Hauschild, assessora comercial e econômica.

SERVIÇO
O quê: Wine South America 2018 – Feira Internacional do Vinho.
Quando: de 26 a 29 de setembro
Onde: Bento Gonçalves, RS
Endereço: Parque de Eventos de Bento Gonçalves (alameda Fenavinho, 481)
Inscrições: Valores para consulta no site.
Informações: www.winesa.com.br

Sicredi Serrana realiza entrega do Fundo Social

Ao todo, 129 projetos foram contemplados com recursos aprovados pelos associados para fomentar iniciativas de Educação e Cultura na região

Aprovado em assembleia pelos associados, o Fundo Social é uma das grandes novidades da Sicredi Serrana para fomentar ainda mais o desenvolvimento da região. Na noite da última quinta-feira, 9 de agosto, foi realizado e evento de entrega aos 129 projetos contemplados, totalizando um investimento de R$ 514.012,28.
O Fundo Social é uma contribuição dos associados para a sociedade e faz refletir sobre o papel de transformação social de uma Cooperativa de Crédito. Deliberado em assembleia, ele esteve aberto para organizações sem fins lucrativos, como escolas, entidades e associações inscreverem seus projetos através do site da Cooperativa.
No evento de entrega dos recursos, mais de 520 pessoas, dos 23 municípios da área de atuação da Sicredi Serrana, estiveram presentes. Além da entrega simbólica dos recursos, as entidades assinaram o termo de recebimento, com a entrega de uma placa que certifica a contemplação.
O momento ainda teve a participação do Presidente da Sicredi Serrana, Marcos André Balbinot, que falou sobre a caminhada realizada pela Cooperativa para levar o Fundo Social às entidades, e também um momento de reflexão com o Diretor Executivo da Sicredi Serrana, Odair Dalagasperina, que mostrou o Círculo Virtuoso, uma ilustração sobre a razão de ser de uma Cooperativa de Crédito.
Para o Presidente da Sicredi Serrana, Marcos André Balbinot, o Fundo Social é a expressão plena de uma Cooperativa no seu compromisso com a comunidade. “A entrega simbólica realizada neste evento consolida um trabalho muito agradável desenvolvido desde o início do ano quando foi apresentado aos associados, seguido pela mobilização das entidades e pelo processo de avaliação dos Coordenadores de Núcleo. É um movimento que promove a essência do cooperativismo ao mobilizar pessoas e entidades em torno do bem comum”, destaca.
O Fundo Social da Sicredi Serrana teve 221 projetos inscritos, que foram votados pelos Coordenadores de Núcleo da Cooperativa, para receberem o recurso. As entidades terão até o final do ano para realizarem os projetos e a prestarem contas da utilização do valor para a Cooperativa. Aos associados, a prestação de contas do Fundo Social será realizada nas Assembleias de 2019.
Confira o arquivo em anexo, com todos os Projetos contemplados pelo Fundo Social.

Venda de vinhos brasileiros ficam estáveis no primeiro semestre de 2018

Somadas, as comercializações de vinhos e espumantes tiveram pequeno recuo de 0,79%. Entretanto, o suco de uva 100% apresentou alta de 32,7% na comparação ao mesmo período de 2017

 

A venda de vinhos e espumantes brasileiros no mercado interno apresentou um leve recuo de 0,79% nos primeiros seis meses do ano, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Para o setor produtivo, apesar de os espumantes terem apresentado resultado positivo de 9,75%, com a comercialização de 4,3 milhões de litros, a venda de vinhos tranquilos, que representa o maior volume comercializado, e que totalizou 88,4 milhões de litros, teve uma pequena retração de 0,93%.
Por sua vez, os sucos de uva 100% prontos para consumo recuperaram o ritmo de crescimento, ampliando a venda em 32,7% e somando 60,1 milhões de litros.
Contabilizando os resultados dos demais produtos processados a partir da uva, de janeiro a junho desse ano, o setor atingiu 173,3 milhões de litros, com resultado positivo global de 9,27%.
“Tivemos dois anos com as vendas estabilizadas, devido a uma série de fatores, como a quebra histórica da safra 2016 e a crise econômica brasileira. Tínhamos uma expectativa de melhoria das comercializações, mas isso está ocorrendo de forma bastante gradual. Há alguns nichos com bom desempenho, como os espumantes, em especial os moscatéis, mas estamos cautelosos devido à estagnação da venda de vinhos tranquilos”, explica Oscar Ló, presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin). O dirigente ressalta o excelente desempenho obtido pelo suco de uva, carro-chefe do setor, que retomou aos patamares de comercialização dos anos anteriores. Atualmente, o produto absorve 50% das uvas processadas no Rio Grande do Sul.
O vice-presidente da entidade, o viticultor Marcio Ferrari, acredita que a repercussão da alta qualidade da safra de uva possa auxiliar no incremento das vendas no segundo semestre, já que parte dos rótulos elaborados com a matéria-prima deste ano, como os vinhos tintos jovens e brancos, estão chegando agora aos consumidores.
“As condições climáticas colaboraram para que a safra 2018 tivesse uma qualidade excepcional, sendo considerada uma das melhores da história, e as pessoas estão esperando por esses vinhos e espumantes”, assinala.
Substituição tributária prejudica competitividade
Apesar dos dados de venda de algumas categorias estarem positivos, o conselheiro do Ibravin pela União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), Deunir Argenta, pondera que o setor está temeroso quanto a rentabilização dos elos produtivos. “Os números expressam as vendas dos volumes para o mercado, mas não está havendo a rentabilização das empresas. Para muitas, essas dados refletem apenas escoamento da produção. Estão vendendo com margens apertadíssimas, quase sem lucro, para não perdermos a venda e também abrir espaço para a safra que virá na sequência”, observa o dirigente.
Argenta explica que a carga de impostos e sistemática de cobrança no Brasil coloca o setor em grande desvantagem frente aos produtos importados. “Temos uma carga tributária fora do comum, além do sistema de Substituição Tributária (ST) que cria uma concorrência desleal em relação aos vinhos que ingressam no país. Estamos trabalhando em todos os níveis, no Estado, mostrando que está havendo perda de arrecadação com a ST, e junto ao Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), para a retirada dessa cobrança antecipada. Assim, teremos uma melhoria na nossa condição de concorrência”, argumenta.
A participação dos rótulos importados no mercado brasileiro também ficou positiva em 5,27% nos primeiros seis meses do ano. De janeiro a junho, ingressaram no país 53 milhões de litros de vinhos e espumantes, representando alta de 5,32%. Já os sucos de uva tiveram recuo de 16%, com a entrada de 100,6 mil litros. Segundo estudo encomendado pelo Ibravin, 30% das importações foram feitas de forma direta pelos supermercados no primeiro semestre.
“A tributação do vinho brasileiro é bastante alta. O vinho importado chega ao país com subsídio. Eles pagam tributos sobre o valor declarado na entrada, que é inferior ao praticado na ponta, na venda ao consumidor, e não precisam adiantar os impostos. Essa sistemática é diferente para os vinhos brasileiros. A indústria paga antecipadamente sobre a projeção do valor final de venda. Precisamos mudar isso antes de perdermos ainda mais espaço. Não queremos vantagem frente ao produto de outros países, mas precisamos que a ST não seja cobrada de forma antecipada do setor vinícola brasileiro, pois isso nos tira a competitividade perante o importado”, explica João Carlos Zanotto, conselheiro do Ibravin pela Associação Gaúcha Vinicultores (Agavi).

 

Desempenho comercial do setor vitivinícola – Janeiro a junho de 2018

  2017 2018 2018/17
Vinhos 89.233.302 88.407.121 -0,93%
Espumantes 3.992.735 4.381.905 9,75%
Sucos de uva 100% 45.312.994 60.132.230 32,70%
Total global** 158.596.785 173.303.271 9,27%

** Incluindo vinagres, destilados e outras bebidas derivadas da uva
Fonte: Cadastro Vinícola, mantido em parceria entre Ibravin, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul (Seapi/RS). Números referentes as vinícolas gaúchas, em litros.

 

Importações – Janeiro a junho de 2018

  2017 2018 2018/17
Vinhos e espumantes 50.406.946 53.087.963 5,32%
Sucos de uva 119.773 100.613 -16%
Total 50.526.719 53.188.576 5,27%

Fonte: Comex Stat – Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic)

Vinícola Aurora leva seus espumantes premiados a Vinum Brasilis 2018

Nessa feira, que se realiza em Brasília dias 16 e 17 de agosto, vinho Aurora Pinto Bandeira Chardonnay é um dos grandes destaques

 

A Vinícola Aurora participa da Vinum Brasilis 2018 com força em seus espumantes, que vêm colecionando prêmios nas mais diversas competições do mundo. Além das borbulhas premiadas, e empresa terá como destaque o vinho Aurora Pinto Bandeira Chardonnay IP, eleito entre os TOP 3 de vinhos brancos do evento deste ano, elaborado com as uvas cultivadas na Aurora Pinto Bandeira, área em que a vinícola realiza um trabalho de terroir, dentro da Indicação de Procedência.
No mundo das borbulhas, a maior vinícola do Brasil destaca o seu espumante top de linha, Aurora Pinto Bandeira Extra Brut IP – Método Tradicional, com 24 meses de leveduras, que acaba de ser escolhido vencedor em dois importantes eventos realizados no Rio de Janeiro. No ViniBraExpo (4 e 5 de agosto) foi o primeiro colocado no TOP 10 nas categorias Espumante Champenoise e Espumante Absoluto (entre os 227 inscritos nessa disputa). O mesmo espumante foi também primeiro colocado na prova às cegas Espumantes do Brasil x Resto do Mundo, que integra a programação do Rio Wine & Food Festival (3 a 12 de agosto), da qual participaram espumantes de vários países, incluindo um champagne e uma cava.
Estarão na Vinum Brasilis 2018 também os espumantes Aurora Procedências, elaborados pelo método Charmat longo (com tempo prolongado de contato com as leveduras) e que identificam a excepcional qualidade das variedades cultivadas em determinadas comunidades de agricultores que integram a Cooperativa. Os rótulos Aurora Procedências Brut Chardonnay (com uvas de Lajeadinho) e Aurora Procedências Brut Pinot Noir (com a varietal cultivada em Tuiuty) foram, respectivamente, primeiro e segundo no TOP 10 categoria Charmat Branco do ViniBraExpo, do Rio. A linha inclui um Rosé Brut muito bem avaliado pela crítica.
A linha Aurora Espumantes também estará no evento em Brasília. O Aurora Moscatel branco, primeiro lugar na categoria Moscatel do Top 10 do ViniBraExpo, é o mais premiado da vinícola e um dos rótulos brasileiros com mais medalhas em competições internacionais. O Aurora Moscatel Rosé recebeu medalha de ouro no Citadelles du Vin, concurso que integra a programação da Vinexpo, em Bordeaux, a maior feira de vinhos do mundo. Aurora Brut Chardonnay, Aurora Demi-Sec e Aurora Prosecco completam as opções no Vinum Brasilis 2018 da mais premiada vinícola brasileira.

Brasil x Resto do Mundo
O top de linha, Aurora pinto Bandeira Extra Brut IP – Método Tradicional da Vinícola foi o grande campeão também na disputa Espumantes Brasileiros x Resto do Mundo, tradicional prova que integra o Rio Wine & Food Festival, evento que se espalha pelas diferentes regiões da cidade com múltiplas atividades relacionadas ao vinho (3 a 12 de agosto). O júri de especialistas avaliou às cegas os rótulos inscritos, entre eles um champagne e uma cava.

Espumante Aurora Pinto Bandeira Extra Brut é o grande campeão nos dois mega eventos de vinhos realizados no Rio de Janeiro

No Rio Wine & Food Festival, que segue até dia 12, o rótulo top da Vinícola Aurora foi o melhor em prova de Espumantes brasileiros x Resto do Mundo

Espumantes Aurora são número 1 em 4 categorias nas seleções TOP 10 do ViniBraExpo, mostra de vinhos de todas as regiões do Brasil que aconteceu no último fim de semana, no Rio de Janeiro. O júri de especialistas, em prova às cegas, escolheu o Aurora Pinto Bandeira Extra Brut Método Tradicional 24 como o melhor espumante método champenoise e o melhor na categoria Espumante Absoluto (diante de 227 inscritos). Nessa prova, os espumantes Aurora Procedências Brut Chardonnay e Aurora Procedências Brut Pinot Noir foram, respectivamente, primeiro e segundo colocados no TOP 10 categoria Charmat Branco, enquanto o Aurora Moscatel ficou em primeiro em sua categoria específica.

Prova Brasil x Resto do Mundo
Aurora Pinto Bandeira Extra Brut Método Tradicional foi o grande campeão também na disputa Espumantes Brasileiros x Resto do Mundo, tradicional prova que integra o Rio Wine & Food Festival, evento que chega à sua 6ª edição este ano, com múltiplas atividades relacionadas ao vinho espalhadas em varias regiões da cidade (3 a 12 de agosto). Este ano, o RWFF, que é promovido pelo Grupo Baco Multimídia, começou com uma ampla programação, de 3 a 5, no Planetário do Rio, na Gávea, com feira de vinhos, cursos e masterclass, uma delas ministrada pelo enólogo Flávio Zilio, da Vinícola Aurora. A tradicional “Prova Brasil x Resto do Mundo” aconteceu no sábado e reuniu 40 amantes do vinho que, em prova às cegas, escolheram Aurora Pinto Bandeira Extra Brut Método Tradicional o melhor espumante do confronto – eram 9 rótulos super selecionados, de 5 países: França, Itália, Espanha e Uruguai, além de Brasil.
Após esse excepcional desempenho, os espumantes da Vinícola Aurora participam da Vinum Brasilis, na próxima semana, em Brasília (16 e 17 de agosto).

Wine South America está com inscrições abertas

É possível garantir presença no encontro especializado que ocorre em setembro, na Serra gaúcha

Primeira edição da feira Wine South America será realizada de 26 a 29 de setembro, em Bento Gonçalves, RS crédido: Carlos Ben

Quem deseja conferir todos os detalhes do universo vinícola que será apresentado na primeira edição da Wine South America – Feira Internacional do Vinho (de 26 a 29 de setembro, em Bento Gonçalves, na Serra gaúcha), já pode realizar sua inscrição e garantir presença no encontro. No site www.winesa.com.br profissionais do setor e consumidores podem efetuar o credenciamento antecipado (valores especiais e modalidades sob consulta).
Focado em negócios, networking, conhecimento e promoção da imagem dos vinhos brasileiros, o evento espera reunir mais de 250 expositores ligados a diversos segmentos do setor vitivinícola e 10 mil visitantes nacionais e estrangeiros – destaque para os cerca de 100 compradores do Brasil e 20 de outros países que integrarão o Projeto Comprador, uma parceria com o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin).
O time de expositores reunirá produtores nacionais e internacionais de vinho, entre outros profissionais ligados ao segmento, além de produtores de café, destilados e olivicultores. Durante os quatro dias de feira, são aguardadas as visitas de importadores e distribuidores de bebidas, sommeliers, varejistas, lojistas e consumidores finais.
Aposta de empresários como estratégia para a valorização dos vinhos e espumantes brasileiros, a Wine South America terá potencial para posicionar os produtos nacionais perante visitantes de diversos países. Por isso, a expectativa é de que o evento seja um catalisador para a geração de bons negócios.

Transporte
Para facilitar o acesso dos visitantes de outros estados brasileiros, é possível adquirir passagens aéreas da Latam Airlines – companhia aérea oficial – com até 25% de desconto. Essa e outras condições especiais, como hotelaria, são oferecidas pela Giordani Turismo, agência oficial da Wine South America. Contato pelos telefones (54) 3455.2788 e (54) 3455.2753 ou e-mail corporativo@giordaniturismo.com.br (informar o Código Promocional E0DRM para descontos em passagens aéreas).

Sobre a Wine South America
A Wine South America 2018 – Feira Internacional do Vinho, será realizada em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, entre os dias 26 e 29 de setembro, para promover o consumo e a comercialização dos produtos da indústria sul-americana de vinhos, especialmente brasileira. Promovida pela Milanez & Milaneze, subsidiária da italiana Veronafiere, realizadora da Vinitaly – empresa italiana especializada em eventos de negócio, a Wine South America tem expectativa de integrar 250 expositores nos pavilhões do Parque de Eventos, atraindo cerca de 10 mil visitantes. Também abrirá espaço para produtores de café, destilados e olivicultuores. Entre os visitantes, são aguardados empresários, compradores, distribuidores, enólogos, sommeliers, enófilos, pesquisadores e estudantes. Além das novidades levadas pelos expositores, haverá uma programação com cursos, seminários e degustações. Outras informações sobre a feira podem ser obtidas em http://www.winesa.com.br

SERVIÇO
O quê: Wine South America 2018 – Feira Internacional do Vinho.
Quando: de 26 a 29 de setembro
Onde: Bento Gonçalves, RS
Endereço: Parque de Eventos de Bento Gonçalves (alameda Fenavinho, 481)
Inscrições: Valores para consulta no site.
Informações: www.winesa.com.br

O assunto é Cinomose 

Por Luciano Guarnieri Geimba – Médico Veterinário CRMV-RS 08877 – Proprietário na empresa Zoolife Clinica Médica e Cirúrgica Veterinária

O assunto é cinomose

O que é? 
A cinomose canina é uma doença infectocontagiosa causada por um RNA vírus do gênero Morbillivirus. De relevância mundial, é considerada como a segunda principal causa de morte entre os cães, dentre as doenças infecciosas, perdendo apenas para a raiva.  O vírus leva à doença neurológica e sistêmica graves. Acomete principalmente cães não vacinados ou submetidos a vacinas com doses incompletas, histórico de contato com animais infectados, dentre outros fatores. Trata-se de uma doença altamente contagiosa, mas que não é passada para humanos ou felinos, sendo sua prevenção feita com vacina produzida a partir de vírus atenuado. Mesmo que seu cão não saia de casa, a possibilidade de ele adoecer existe, porque o vírus se transmite principalmente pelo ar. Você pode pisar acidentalmente na grama com urina de cachorro e levar o vírus para casa, ou mesmo visitar alguém que já tenha um cão hospedando o vírus e levar para seu bichinho. A cinomose mata de maneira rápida e cruel, por isso é tão importante a vacinação correta e completa.
Sintomas
A transmissão viral ocorre através de excreções e secreções corpóreas dos animais infectados, ou seja, saliva, potes de água e comida, excrementos, etc. Os sintomas são variáveis, mas geralmente o animal apresenta crises de
vômito e diarreia, seguidas de falta de apetite. Pouco tempo depois, uma secreção excessiva toma conta dos olhos e nariz. Se demorar muito para receber atendimento veterinário, o animal começa a perder a coordenação
motora e apresentar tiques nervosos, convulsões e paralisias. Inclusive, vale ressaltar que, alguns animais, mesmo depois de contaminados, podem demorar até quinze dias para apresentar os primeiros sintomas, podendo nesse período, transmitir a doença. Somente um veterinário pode ajudar. Não existe tratamento alternativo ou caseiro. O tempo, nesse caso, é precioso. Além disso, o vírus é resistente ao tempo, podendo perdurar por até dois anos no ambiente não devidamente higienizado com produtos específicos.
Tratamento 
O diagnóstico é realizado por meio do histórico do animal, exames clínicos e laboratoriais realizados a partir de secreções ou tecidos. Assim, após a análise do médico veterinário, o tratamento é feito com o objetivo de reduzir os sintomas. Não existe um remédio que acabe com o vírus diretamente. Em outras palavras, não existe um medicamento que consiga acabar com o vírus quando este já está hospedado no corpo do animal, mas existem alguns que tratam dos sintomas específicos que a cinomose apresenta, dando suporte para que opróprio organismo do cão venha combater o vírus.
A cinomose canina causa grandes transtornos, devido a sintomatologia de destruição do sistema nervoso. Além disso, são observadas alterações comportamentais e sequelas permanentes nos cães que sobrevivem à fase neurológica da doença. Se a cinomose evoluir para os estágios finais sem que o cachorro receba tratamento, há grande possibilidade de danos neurológicos irreversíveis e o médico veterinário poderá sugerir o sacrifício do animal.

Amostras coletadas, é hora de avaliar

351 amostras inscritas por 50 vinícolas serão degustadas por 120 enólogos de 14 a 23 de agosto no Laboratório de Análise Sensorial da Embrapa Uva e Vinho

 

Tudo pronto para começar a fase mais criteriosa da 26ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2018. As 351 amostras inscritas por 50 vinícolas dos estados da Bahia, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo já foram coletadas, codificadas e aguardam para serem avaliadas. A degustação de seleção acontece de 14 a 23 de agosto com a participação de 120 enólogos de todo o Brasil, sob a coordenação técnica da Embrapa Uva e Vinho.
Serão 24 horas de degustação às cegas. Para que todas as amostras sejam degustadas nestes oito dias, exceto sábado e domingo, os enólogos foram divididos em oito grupos com 15 profissionais cada. A cada dois dias, dois grupos de enólogos entram em ação. A degustação de seleção é fechada e acontece no Laboratório de Análise Sensorial da Embrapa Uva e Vinho.
A avaliação é individual e registrada em um sistema desenvolvido especialmente para a Avaliação. O resultado somente será anunciado no dia 29 de setembro, no Pavilhão E do Parque de Eventos de Bento Gonçalves, quando cerca de 900 apreciadores conhecerão a relação dos 30% mais representativos em cada uma das cinco categorias. O público poderá, ainda, degustar 16 amostras selecionadas entre os 30%, provando na taça a representatividade da Safra 2018. As inscrições para os apreciadores abrem somente no início de setembro.
Foto: Jeferson Soldi

Jantar do Espumante abre as festividades de São Francisco de Assis

Na noite do sábado, 04, ocorreu o 11º Jantar do Espumante na Sociedade 24 de maio, em Monte Belo do Sul. O evento abre às festividades em homenagem ao padroeiro São Francisco de Assis no município que ocorre no domingo, 30 de setembro. Cerca de 400 pessoas prestigiaram o jantar que teve brinde de espumantes e animação musical. Autoridades como o Prefeito Adenir José Dallé, vice-prefeito Jorge Benvenutti, vereadores, secretários, comunidade geral e de outras cidades participaram do evento.