Conheça os benéficos do chimarrão para a saúde

Tomar um bom chimarrão, não importa o horário, já é um hábito cultural na região sul do Brasil, principalmente nos estados com clima frio, a bebida preparada a partir da mistura da erva-mate com água quente em uma cuia é consumida diariamente. Além de seguir a tradição, a bebida típica dos sulistas pode trazer uma série de benefícios à saúde, segundo especialistas. É fonte de nutrientes como vitamina B1, B6, C, D, E e minerais como ferro, fósforo potássio e manganês. Um estudo do Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul concluiu que o chimarrão ainda pode reduzir os níveis de colesterol ruim (LDL) e combater os radicais livres, devido aos seus antioxidantes. Ela ainda ajuda na prevenção do envelhecimento celular e doenças como o câncer.

Foto: Editora Globo/ Globo Rural

Outro benefício da bebida é a presença de cafeína, que tem efeito termogênico, e, portanto, contribui para acelerar o metabolismo. Então se você pratica atividades físicas, ele pode ajudar a dar mais energia na hora de fazer exercícios. Para quem quer emagrecer, o chimarrão pode ser um aliado, já que ele estimula o circuito mesocorticolímbico, que produz os maiores níveis de dopamina, o neurotransmissor do prazer, e, consequentemente, diminui a ansiedade. Tomar chimarrão também é um meio de socialização, pertencimento e preenchimento. Um hábito saudável, que pode ser visto até como uma terapia.

Erva-mate
Apesar da popularidade no sul do país, é possível encontrar a erva-mate, base do chimarrão, em supermercados de grande porte na maioria dos estados brasileiros.

Entre 2002 e 2012, a área plantada de erva-mate caiu de forma significativa nas principais regiões produtoras do Brasil. Segundo o Instituto Brasileiro da Erva-Mate (Ibramate) houve um desequilíbrio nesse período, o que fez o produto sair mais caro para o consumidor e a procura diminuir. A partir de 2013, houve uma valorização da planta, o que reestimulou o plantio.

Atualmente, o Paraná é o maior produtor da erva-mate, com 86,4% da produção nacional, segundo a pesquisa Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS) do IBGE. Com exceção de Chapecó (SC) e Fontoura Xavier (RS), os demais municípios produtores são paranaenses, com destaque para São Mateus do Sul, Cruz Machado e Bituruna. Além dos estados da região sul, apenas o Mato Grosso do Sul produz a erva, com uma colheita de 356 mil toneladas em 2016, último levantamento divulgado. O crescimento no Estado foi de 1,7% no ano.

No mercado internacional, o Brasil tem ganhado espaço com a erva-mate. No primeiro semestre deste ano, a receita com os embarques do produto quadruplicou em relação a mesmo período de 2017. Foram vendidos o equivalente a US$ 521 mil em erva-mate, com destaque para a Alemanha, que foi o principal comprador. Entre janeiro e junho do ano passado o Brasil faturou US$ 124 mil com as exportações e os franceses foram os maiores compradores.