Veja como o botox é usado no tratamento dos dentes

Conhecida pelo uso na dermatologia, toxina botulínica é indicada para problemas como sorriso gengival e bruxismo.

Por Dra. Anne Karine Costa Oliveira – Cirurgiã Dentista – Especialista em Endodontia

Foto: Dra. Anne Karine Costa Oliveira – Cirurgiã Dentista – Especialista em Endodontia

A toxina botulínica, como o próprio nome diz, é uma toxina produzida por uma bactéria chamada Clostridium botulinum. Ela é usada para paralisar os músculos causadores das linhas de expressão. Conhecida popularmente como botox, a toxina botulínica ganha cada vez mais espaço nos consultórios dentários. O mesmo produto utilizado pelos dermatologistas em tratamentos estéticos e por profissionais de áreas como neurologia, oftalmologia, fisiatria, ortopedia e urologia, agora é indicado para tratamentos odontológicos.

A aplicação do botox é analisada pelos dentistas caso a caso. No entanto, a substância é contraindicada para pacientes gestantes ou que estejam amamentando. Aqueles com alergia à toxina botulínica, lactose e albumina também devem evitá-la. Da mesma forma que os portadores de doenças musculares, neurodegenarativas, autoimunes ou que estejam fazendo uso simultâneo de antibiótico aminoglicosídico, que pode potencializar a ação da toxina. O custo do tratamento odontológico com botox varia conforme a quantidade de doses aplicadas e de profissional para profissional. Mas vale destacar que planos de saúde têm a obrigatoriedade de cobrir o tratamento e que a rede pública de saúde também oferece o tratamento com a toxina botulínica.

Problemas bucais que podem ser tratados com o botox:
Sorriso gengival: situação que ocorre quando há uma desproporção entre o tamanho da gengiva e o do dente, fazendo com que a primeira pareça maior. A condição não chega a prejudicar a saúde do paciente, possuindo apenas efeitos estéticos. Para a realização do procedimento, o dentista deve aplicar a toxina botulínica nos músculos responsáveis pela elevação do lábio no sorriso. A substância diminuirá ou paralisará a força da musculatura próxima à boca no local em que for aplicada. Dessa forma, o lábio superior não será tão puxado para cima durante o ato de sorrir. Além disso, a exposição da gengiva será diminuída e um sorriso mais harmônico será proporcionado ao paciente.

Foto: Conhecida pelo uso na dermatologia, toxina botulínica é indicada para problemas como sorriso gengival e bruxismo.

Bruxismo ou briquismo: é uma desordem funcional caracterizada pelo ranger ou apertar dos dentes, principalmente, durante o sono. Um dos sintomas mais comuns é a pessoa acordar com a mandíbula dolorida ou com dor de cabeça.

Distonia: provoca espasmos localizados na região inferior da face (boca, língua e mandíbula), causando dificuldade na abertura ou fechamento da boca, no mastigar, no engolir e na articulação das palavras.

Disfunções da ATM: a articulação temporomandibular liga o maxilar ao crânio, os sintomas mais comuns de problemas na região é a sensação de que a mandíbula está ‘saltando para fora’, estalando ou até travando por um instante.

Sialorreia: ocorre quando há produção excessiva de saliva; pessoas com essa condição têm risco elevado de inalar a saliva, alimentos ou fluidos para os pulmões.

Quanto tempo dura o tratamento?
Como em qualquer procedimento estético, os efeitos da toxina botulínica nos tratamentos odontológicos não duram para sempre. Geralmente, os resultados aparecem entre 48 e 72 horas após a aplicação e demonstram efeito total em 15 dias. Para que sua utilização terapêutica e estética seja segura, é preciso fazer pequenas aplicações, que devem durar, aproximadamente, 6 meses. É necessária a reaplicação para que os efeitos perdurem.