Impressões de um forasteiro

Luís Dill – escritor e jornalista

Impressões de um forasteiro

A decisão de construir uma casa em Monte Belo do Sul surgiu num piscar de olhos. Foi como amor à primeira vista. Eu e minha esposa frequentamos o Vale dos Vinhedos na condição de turistas há bastante tempo e nos últimos anos a ideia de termos casa na região tornou-se óbvia.
Em 2016, seguindo indicação do pessoal do Hotel Vila Michelon, fomos visitar um loteamento novo em Monte Belo do Sul – cidade que não conhecíamos. Diego Brunoni, um dos sócios fundadores da Alsus Urbanizadora, nos mostrou o empreendimento, àquela altura ainda sem calçamento. Mesmo assim nos encantamos e logo compreendemos porque o nome Vista dos Vales. Diante de nós, até onde a vista alcançava, um oceano verde de parreirais, matas nativas e montes pontilhados por poucas casas sob um céu generoso, digno dos melhores pintores.
Comprar terreno e iniciar o projeto da casa veio logo a seguir e de modo natural. Mas o que mais nos seduziu em Monte Belo do Sul não foi a paisagem ou a belíssima Igreja Matriz. Foi o povo.
Em 2018, com as visitas frequentes à obra, pudemos conhecer um pouco dos habitantes e tivemos a certeza de que havíamos feito a escolha certa. As pessoas sempre foram calorosas e receptivas conosco, nos acolheram como se fizéssemos parte de suas famílias. Encontramos sorrisos, boa conversa, carinho e uma gente extremamente trabalhadora.
Passar o mês de janeiro e parte de fevereiro deste em Monte Belo do Sul foi uma experiência deliciosa para um casal de Porto Alegre acostumado a tirar férias em lugares distantes. Ficamos com vontade de descobrir todas as belezas naturais do município e, sobretudo, conhecer mais os monte-belenses, mas sem pressa, como se deve apreciar um bom vinho.
Pois é, nem bem chegamos e já começamos a projetar a mudança definitiva para Monte Belo do Sul, onde a uva e o sonho se unem na forma de amizade e afeto.