Colheita de feijão primeira safra se encaminha para final

Colheita de feijão primeira safra se encaminha para finalNas regiões produtoras do Estado, o feijão 1 safra está em finalização de safra, com cerca de 74% da área já colhida. De acordo com o Informativo Conjuntural da Emater/RS-Ascar, divulgado nesta quinta-feira, 14 de fevereiro,  a exceção se dá na região da Serra, mais especificamente nos Campos de Cima da Serra, onde as áreas de produção ainda não estão em colheita devido ao período de implantação ocorrer mais tarde.
As áreas já colhidas estão apresentando muito bom padrão, tanto de rendimento como de qualidade, à exceção de lavouras situadas no Alto da Serra do Botucaraí e Vale do Rio Pardo, onde ocorreram reduções em decorrência de eventos climáticos adversos em aproximadamente 30% da área de lavouras dessas regiões. Já no Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, as lavouras apresentam alta produtividade média, boa qualidade dos grãos e umidade adequada ao armazenamento, dispensando secagem. A safra secundária de feijão também já está em andamento no Rio Grande do Sul, com implantação de áreas e início de desenvolvimento.
Mais uma semana de condições climáticas com predomínio de tempo seco, altas temperaturas e forte radiação solar, favoráveis à colheita do milho. Porém, as lavouras em desenvolvimento vegetativo, floração e enchimento de grãos sofreram com a baixa umidade do solo. Lavouras pontuais, que não foram conduzidas adequadamente, sofreram mais em função do clima. No entanto, a ocorrência de chuvas no início desta semana amenizou o problema; ainda assim, são necessárias chuvas semanais e mais volumosas para atender as necessidades diárias das plantas.
A cultura da soja está 2% na fase madura, 62% em enchimento de grãos, 26% em floração e 10% se encontra em desenvolvimento vegetativo, o que corresponde às áreas implantadas mais tarde. Concluída a implantação da cultura, foi iniciada a colheita nas primeiras áreas das regiões da Fronteira Noroeste e Missões. A cultura está com bom desenvolvimento e os rendimentos estão variando de 30 a 55 sacas por hectare nas primeiras áreas colhidas.
As boas condições meteorológicas ocorridas na semana, especialmente em relação à insolação, favoreceram a cultura do arroz, que está em enchimento de grãos na maior parte das lavouras, chegando aos 42%. E que também já apresenta evolução na colheita na Fronteira Oeste e região Central do Estado, chegando aos 2% da área do Rio Grande do Sul, estimada em 693.538 hectares.
Na região Sul, onde ainda não há áreas em colheita, a lavoura se encontra predominante em enchimento de grãos, com 52% da área nesta fase; 43% estão em floração e os 5% restantes ainda em desenvolvimento vegetativo. Nessa região, agricultores retomam otimismo com relação à expectativa de produtividade e produção, em razão da melhora nas condições do clima, com mais luminosidade e permanência das temperaturas altas.

Campos de Cima da Serra recebe abertura oficial da colheita da uva e maçã no Rio Grande do Sul

Ato solene e colheita simbólica ocorrem neste sábado (16), às 16h, com a presença do governador Eduardo Leite e do secretário da Agricultura Covatti Filho

Na última safra, os municípios da região dos Campos de Cima da Serra produziram 28,5 milhões de quilos de uvas destinadas à elaboração de vinhos, espumantes e sucos. Crédito: Dandy Marchetti/Ibravin

O Ato Oficial de Abertura da Colheita da Uva no Estado do Rio Grande do Sul será realizado pela primeira vez em Vacaria, na região dos Campos de Cima da Serra. O evento será realizado às 16h, na Vinícola Campestre (BR 116, KM 30 – Vacaria), após o ato de abertura da colheita da maçã, a partir das 14h30min, no município de Monte Alegre dos Campos, no pomar José Sozo (BR 285, Km 101,5).
Estão previstas as participações do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, do secretário estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR/RS), Covatti Filho, do presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Oscar Ló, do presidente da Associação Gaúcha dos Produtores de Maçã (Agapomi), José Sozo, além de prefeitos e representantes dos municípios da região. Após os pronunciamentos, as autoridades darão início, simbolicamente, à colheita da uva e da maçã no Rio Grande do Sul.
A abertura da vindima integra o calendário de eventos do Governo do Estado, instituído pelo Decreto 48.838/2012, e segue um rodízio entre as regiões vitivinícolas do Estado.
Os 11 municípios que integram a região dos Campos de Cima da Serra produziram 28,5 milhões de quilos de uvas destinadas à elaboração de vinhos, espumantes e sucos na última safra.
De acordo com estimativas do Ibravin e da Comissão Interestadual da Uva, neste ano deverão ser colhidos no Rio Grande do Sul um volume 20% menor em relação ao produzido em 2018, quando a safra foi de 663,2 milhões de quilos. O Estado é responsável por cerca 90% da produção de uvas destinadas ao processamento de vinhos, espumantes e sucos e também por, aproximadamente, 90% da elaboração de produtos vinícolas no Brasil.
Profissionais da imprensa interessados em cobrir o evento devem confirmar presença até ao meio-dia desta sexta-feira (15), pelo e-mail imprensa2@ibravin.org.br ou pelos telefones (54) 3538.3048 e (54) 9.9937.9027, informando os nomes completos e o veículo que representam.

Os números das últimas safras gaúchas*
Ano      Volume (milhões de quilos)

2011       709,6

2012       696,9

2013       611,3

2014       606,1

2015       702,9

2016       300,3

2017       753,3

2018       663,2

* Fonte: Uvas para processamento de vinhos, espumantes, sucos de uva e derivados. Dados referentes ao estado do Rio Grande do Sul, provenientes do Cadastro Vinícola, mantido por meio de parceria entre Ibravin e Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR/RS), com recurso do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura (Fundovitis).

Vinícola Aurora comemora 88 anos, com crescimento e lideranças de mercado

Foram R$ 540 milhões faturados em 2018, crescimento superior a 5% em relação ao ano anterior Foto: Roali Majola

No dia 14 de fevereiro, a Vinícola Aurora comemora seus 88 anos de fundação. Crescimento, faturamento recorde, premiações e lideranças de mercado são as marcas da maior vinícola do Brasil.
Foram R$ 540 milhões faturados em 2018, crescimento superior a 5% em relação ao ano anterior, número expressivo considerando o cenário de incertezas que o Brasil vivencia nestes anos. Foram mais de 63 milhões de litros vendidos em todo o Brasil, de suas marcas consagradas: Aurora (vinhos e espumantes), Pequenas Partilhas, Aurora Procedências, Aurora Pinto Bandeira, Marcus James, Saint Germain, Clos des Nobles, Casa de Bento, Conde, Keep Cooler entre outras.
A empresa, com sede em Bento Gonçalves desde sua fundação, em 1931, tem escritórios e representações em todo o Brasil. Nasceu da iniciativa de 16 famílias de agricultores que viram na união a maneira de enfrentar os desafios e crescerem.
Hoje, 1.100 famílias compõem a cooperativa, representantes genuínas da agricultura familiar, e entregam na vinícola uma safra média superior a 62 mil toneladas de uvas/ano, para elaboração de seus principais produtos, muitos deles premiados aqui e no exterior e consagrados no mercado. A capacidade de estocagem da empresa é superior a 73 milhões de litros.
Também em 2018, conquistou 59 premiações em concursos nacionais e internacionais, chegando a um total de 656 medalhas nos últimos anos, mantendo-se firme na liderança do ranking das vinícolas mais premiados do Brasil.
Em 2019, a Aurora iniciará as operações de sua nova unidade, uma fábrica de última geração, com certificações de sustentabilidade, erguida no Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves (RS), para elaboração e envase dos sucos de uva integrais, um dos segmentos em que a empresa é líder absoluta no mercado brasileiro.
No mesmo sentido, além dessa liderança, a Aurora é a maior no mercado brasileiro em vinhos finos e em coolers, e segue firme na busca da excelência na linha de espumantes. E esta liderança tem base sólida em seu quadro funcional e de associados, maior patrimônio da Aurora. Suas unidades são dotadas da mais alta tecnologia e rigorosos padrões nos processos de produção.
“Nossa cooperativa tem o compromisso histórico de preservar a agricultura familiar e, ao mesmo tempo e na mesma proporção, andar no ritmo da modernização exigida pelo mercado mundial”, afirma Itacir Pedro Pozza, presidente do Conselho de Administração da Cooperativa Vinícola Aurora. “Nossa vinícola leva vinhos, espumantes, sucos de uva integrais e coolers a todas as regiões do Brasil, para os diferentes perfis de consumo, e nosso compromisso com a qualidade é exatamente igual para todos esses públicos”, diz Hermínio Ficagna, diretor-superintendente da Vinícola Aurora.
“Este é o momento de parabenizar a todos quantos fazem parte desta grande família (associados e funcionários), por acreditarem que um dia a Aurora pudesse voltar a ter sua identidade e ter o respeito merecido como propulsora do desenvolvimento social e econômico da serra gaúcha, em especial, em poder dar uma vida mais digna e gratificante a estas famílias”, conclui Itacir Pozza.

Canicross é destaque na 6° edição da Maratona do Vinho

Mais de mil atletas participaram, domingo, dia 10, no Vale dos Vinhedos (RS), da tradicional prova Maratona do Vinho. O destaque ficou por conta do esporte canicross que, representado por duas equipe da Cusco Canicross, conquistou o pódio na categoria Quarteto Misto.
A Maratona do Vinho é uma grande festa do enoturismo aliando o vinho, o turismo, a cultura, a gastronomia e o esporte.
Segundo o diretor da equipe Cusco, Maurício Pinzkoski, o objetivo foi a promoção do esporte canicross já que a corrida com cachorro é um esporte novo e vem crescendo muito. “Queremos mostrar que nosso esporte é sério, tem regras e principalmente que cuidamos dos nossos parceiros de corridas”, pontuou. A Cusco levou duas equipes, um quarteto misto composto pela bi-campeã gaúcha a bento-gonçalvense Letícia Casonato e Pipoca, os campeões da Copa Gaúcha de Canicross 2018 Cristiano Silveira e Cacau e os também campeões Vitor Salazar e Jowjow. Pinzkoski que também ensina o esporte, levou um octeto misto composto por suas alunas e integrantes convidados: Berenice e Jujuba, Lindiane e Kim, Renato e Eros, Raquel e Snoopy, Daniela e Mel, Maristela e Luci
A Maratona do Vinho é uma prova comemorativa dividida em individual (42 km), revezamento (44 km), meia maratona (21 km) e pequeno percurso (5 km). Durante as paradas para revezamento – os ‘Vino Stop’, os participantes degustaram uvas, suco, vinho, pão, queijo e salame. Os atletas competiram em um trajeto rural, inserido entre vales, parreirais, vinícolas e belas paisagens.
Ao término do trajeto, todos participantes receberam medalha alusiva ao evento. Os cincos primeiros colocados de cada categoria troféu e uma porcentagem do seu peso corporal em vinho.

Novidades para a vitivinicultura na Serra Gaúcha

No mês de fevereiro, a Embrapa Uva e Vinho, através do seu Programa de Melhoramento Genético “Uvas do Brasil” apresenta novidades para os viticultores da Serra Gaúcha: duas novas cultivares, uma para mesa, a BRS Melodia, e outra para vinho, a BRS Bibiana, além das recomendações de cultivo das cultivares BRS Vitória e BRS Isis para a Serra Gaúcha.
Resistência a doenças, adaptação às condições climáticas específicas de regiões de clima temperado e qualidade da fruta com alta produtividade são as principais vantagens que Patrícia Ritschel e João Dimas Garcia Maia, coordenadores do Programa, destacam nas novas cultivares desenvolvidas especialmente para as regiões de clima temperado.
BRS Melodia – a nova opção de uva de mesa sem semente da Embrapa
O sabor especial de mix de frutas vermelhas, característico da cultivar BRS Melodia, vai conquistar os consumidores que buscam um sabor diferenciado, aposta João Dimas Garcia Maia, um dos melhoristas responsável pelo desenvolvimento da variedade. Ele comenta que essa cultivar rosada sem sementes atende a demanda dos viticultores da Serra Gaúcha, que não conseguiam produzir a cultivar importada Crimson Seedless.
Cultivada com o uso de cobertura plástica e com o manejo correto, garante-se uma produtividade de 25 toneladas por hectare. Na produção de uvas de mesa, as práticas de manejo de cachos sempre dão em bons resultados. Na ‘BRS Melodia’, o pesquisador destaca que deve ser feito o raleio e o desponte dos cachos. Por apresentar cachos menores, o manejo de cachos da ‘BRS Melodia’ é mais fácil, quando comparada com as cultivares do Grupo Itália. O emprego de giberelina é fundamental para garantir o tamanho das bagas adequado às uvas de mesa. “Caso o viticultor quiser uma cor rosada intensa, deve-se aplicar ácido abscísico no início da maturação”, recomenda Maia.

BRS Vitória e BRS Isis – sob cobertura plástica, prontas para conquistar o sul do Brasil
Desenvolvidas inicialmente para o cultivo em regiões de clima tropical, as cultivares BRS Isis e BRS Vitória atraíram a atenção dos produtores da Serra Gaúcha. “Eles acompanharam o avanço da área plantada no Vale do São Francisco e o sucesso que elas estão fazendo, tanto no Brasil, como no exterior. Diversos produtores começaram a plantar e pediam nossa ajuda para ajustarmos o manejo, pois queriam também oferecer essas cultivares diferenciadas na Serra Gaúcha”, relata Patrícia.
Para atingir esse objetivo, foi dado início a um trabalho conjunto, envolvendo os técnicos da Embrapa e os produtores da região para adaptação do manejo. “Depois de diversos experimentos, foram elaboradas as recomendações técnicas que irão garantir a produção em sistema de cultivo protegido das cultivares BRS Isis e BRS Vitória”, anuncia Roque Zílio, técnico que atua há mais de 25 anos no Programa de Melhoramento “Uvas do Brasil”. Ele destaca que os produtores têm escolhido a ‘BRS Vitória’ pelo seu sabor diferenciado e precocidade. Já a ‘BRS Isis’, por apresentar um ciclo mais longo, possibilita que o produtor consiga ampliar a oferta de uvas e distribuir melhor a mão-de-obra para realização do manejo, sem a necessidade de contratar mais pessoas.
Zílio destaca que de uma forma geral, o principal diferencial entre o manejo tradicionalmente empregado nas regiões de clima temperado e aquele recomendado para as novas cultivares de uva de mesa está no controle da produção, no manejo do cacho, realizado para obtenção de cachos menores e menos compactos. Seguindo estas recomendações, os produtores conseguirão uvas com maturação e coloração mais uniformes, além de uma concentração maior de açúcares deixando-as mais doces e saborosas.

BRS Bibiana
É a mais nova cultivar que, ao lado das cultivares Moscato Embrapa, BRS Lorena e BRS Margot, compõem a linha de cultivares resistentes a doenças. A ‘BRS Bibiana’ apresenta reação intermediária ao míldio e ao oídio. Com a elevação do conteúdo de açúcares, ao final do ciclo, deve-se redobrar os cuidados relacionados à podridão da uva madura. Estas doenças podem ser controladas com o uso dos tratamentos convencionalmente utilizados para o cultivo de ‘BRS Lorena’. É resistente à podridão ácida e à podridão cinzenta, causada por Botrytis. Os vinhos remetem aos produtos elaborados com uvas europeias, mas com um custo de produção reduzido por exigir menos tratos culturais.
A ‘BRS Bibiana’ apresenta cachos soltos, o que evita as podridões. Para a obtenção de boa produtividade, recomenda-se a realização de poda mista, deixando-se todas as varas possíveis para a produção e não apenas 5-6, como normalmente praticado na Serra Gaúcha”, esclarece a melhorista.
Outro grande diferencial da nova cultivar é o potencial de atingir um elevado conteúdo de açúcares, mesmo em anos com condições adversas de clima. “Para essa cultivar não tem tempo ruim. A safra sempre vai ser boa, permitindo a elaboração de vinhos com qualidade”, antecipa Patrícia.

Vaca dá à luz a dois bezerros e surpreende produtor rural em Pinto Bandeira

Uma vaca deu à luz a um casal de bezerros na Linha Clementina em Pinto Bandeira. O caso surpreendeu o criador dos animais, que afirmou nunca ter visto a situação. O produtor rural Dalvino De Toni foi surpreendido pela manhã quando o animal pariu dois filhotes. Segundo De Toni essa é a primeira vez que eles viram isso.

Câmara de Monte Belo do Sul aprova três projetos em sessão extraordinária

A Câmara de Vereadores de Monte Belo do Sul realizou na segunda-feira, 04 de fevereiro, uma sessão extraordinária para análise de três projetos em regime de urgência, todos de autoria do Poder Executivo.
O primeiro Projeto de Lei nº 006/2019, foi aprovado por cinco votos a quatro. A matéria teve voto ao contrário dos vereadores Adair Cecconi (PTB), Nelsa Berselli Cecconi (PTB), Norberto Possamai (PTB) e Lauro Ricieri Bazzanella ( PTB). O projeto institui normas e procedimentos de parcelamentos de créditos tributários e não tributários; autoriza redução de juros e multas e dá outras providências.
Em seguida os parlamentares aprovaram por unanimidade de votos o Projeto de Lei nº 007/2019 que abre crédito especial no valor de R$ 900,00(novecentos reais). Segundo a justificativa do projeto visa readequar o Orçamento Municipal às atuais necessidades administrativas e legais, possibilitando o pagamento de valor de Bolsa Moradia e Alimentação ao médico participante do “Programa Mais Médicos”, referente ao ano de 2018.
Por fim, os vereadores também aprovaram por unanimidade de votos o Projeto de Lei nº 008/2019 que institui o cadastro técnico municipal de atividades potencialmente poluidoras ou utilizadoras de recursos ambientais e a taxa de controle e fiscalização ambiental – TCFA municipal, nos termos da Lei Federal nº 6.398, de 31 de agosto de 1981 e alterações.

Festival do Moscatel tem datas definidas para a edição 2019

Para atender à demanda crescente de visitantes, evento terá o incremento de um sábado, com realização nos dias 31 de agosto, 6, 7, 13, 14, 20 e 21 de setembro

Foto: Marciele Scarton

O Festival do Moscatel tem datas confirmadas para a edição 2019. A realização do evento enogastronômico, que oferece ao público local e visitante cardápio especial e bebidas de excelência à vontade, será nos dias 31 de agosto, 6, 7, 13, 14, 20 e 21 de setembro. Serão quatros sábados e três sextas de funcionamento, das 20h à meia-noite, no Centro de Eventos Mario Bianchi, no Parque Cinquentenário, em Farroupilha-RS. O incremento de um sábado em relação às edições anteriores visa atender à procura crescente de visitantes pelo atrativo.
Em 2018, o Festival do Moscatel atingiu a capacidade máxima de público, com visitantes oriundos de 70 municípios e seis estados brasileiros. Nesse ano, com a oficialização do título de Capital Nacional do Moscatel, sancionado pelo presidente da República no começo de janeiro, o interesse pelo evento deverá ser ainda maior.
O lançamento oficial do 9º Festival do Moscatel, com a apresentação do formato, vinícolas participantes e cardápio da edição, está previsto para o final do mês março. Mais informações podem ser acompanhadas pelo Facebook e Instagram Festival do Moscatel ou solicitadas junto à Secretaria de Turismo e Cultura de Farroupilha, pelo telefone (54) 3261.6963 ou e-mail turismo@farroupilha.rs.gov.br
A realização do 9º Festival do Moscatel é da Prefeitura de Farroupilha, por meio da Secretaria de Turismo e Cultura, e da Associação Farroupilhense de Produtores de Vinhos, Espumantes, Sucos e Derivados (Afavin).

ABS-RS abre inscrições para a primeira turma de 2019 do seu Curso Profissional de Sommelier

Curso em sete módulos é realizado em vinícolas gaúchas, proporcionando experiências além do próprio ensino da profissão. Aulas começam em abril

Que tal aprender tudo sobre o mundo do vinho em um curso que oferece aulas dentro de vinícolas e que proporciona experiências além do próprio ensino? Essa é a proposta do Curso Profissional de Sommelier promovido pela secção gaúcha da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS-RS) e que está com inscrições abertas para a primeira turma de 2019. Com aulas ministradas pelos mais experientes profissionais do ramo no Brasil, o curso traz um abrangente conhecimento sobre o mundo de Baco. Além disso, o diploma, emitido em parceria com a ABS-SP, conta com a chancela da ASI (Association de la Sommellerie Internationale), sendo válido em todo o território nacional.
Ao todo, os participantes terão que passar por sete módulos (112 horas), com início em abril e término em outubro. Serão sempre três aulas por mês (sextas, sábados e domingos), que acontecem em tradicionais vinícolas gaúchas, começando pela Aurora e seguindo por Miolo, Viapiana, Courmayeur e Salton. O último módulo será ministrado no SPA do Vinho.
Nas aulas, serão repassados os mais importantes conhecimentos do mundo do vinho, passando por noções básicas de degustação, harmonizações, vitivinicultura, além de estratégias de consumo e de comunicação com os clientes. Além disso, os alunos terão a oportunidade de participar da programação nas vinícolas parceiras, proporcionando uma experiência única entre conhecimento e prática. “Será uma oportunidade exclusiva, com professores renomados e um conteúdo abrangente, de mergulhar no mundo do vinho e fazer disso uma profissão”, observa o presidente da ABS-RS, Orestes de Andrade Jr.

O sommelier
O sommelier é o responsável pela escolha, compra, recebimento, guarda e prova do vinho antes que o mesmo seja servido ao cliente. A profissão foi regulamentada no Brasil através da Lei 12.467, de 26 de agosto de 2011, reconhecendo a importância desse profissional no setor de alimentos e bebidas.

SERVIÇO
Curso Profissional de Sommelier
Dias – 12 a 14 de abril, na Vinícola Aurora; 17 a 19 de maio, na Miolo; 28 a 30 de junho, em vinícola a confirmar; 19 a 21 de julho, na Viapiana; 16 a 18 de agosto, na Courmayeur; 13 a 15 de setembro, na Vinícola Salton; e de 18 a 20 de outubro, no SPA do Vinho.
Investimento – R$ 5.740,00 para associados e R$ 5.980,00 para não associados da ABS-RS.Informações – contato@absrs.com.br, www.absrs.com.br ou (54)999720130.

Combinação de cerveja, shows e food trucks volta a movimentar Santa Tereza

Terceira edição do Santa Tereza Bier Fest ocorre neste sábado (9), às margens do Rio Taquari

Mais de 1,2 mil pessoas participaram da primeira edição, no Verão do ano passado Foto: Marilia Parenti dos Anjos

Após o sucesso das duas primeiras edições, a charmosa cidade de altas temperaturas às margens do Rio Taquari volta a ser palco do Santa Tereza Bier Fest, neste sábado (9), das 14h às 23h. O evento reunirá seis cervejarias, food trucks e apresentações artísticas, na rua do Camping, próximo ao Centro Histórico, em local arborizado.
Nesta edição, estarão presentes as cervejarias Imaculada, Leopoldina, Moinho Graciema, Primo Octavio, Senhor do Malte e Juudith. Um dos destaques será a estreia de uma das bandas mais tradicionais da Serra Gaúcha: os Blackbirds apresentarão algumas das canções que marcaram os 22 anos de trajetória, além de releituras de grupos consagrados. Completam as atrações musicais Regina Comin Paggi e Fernanda Acco Finatto com um set acústico de canções pop, os gramadenses da Duo Folks Show, mostrando um repertório de country/folk que cativou o público na primeira edição do evento, em fevereiro do ano passado, e os bento-gonçalvenses da The Madalena Rock Band, que também retornam ao festival depois de apresentação em outubro do ano passado.
A Cachaçaria Velho Alambique, de Santa Tereza, e o Artesanato do Julio também estarão presentes.
O 3º Santa Tereza Bier Fest é promovido pelo Clube Santa Tereza com apoio do Sicredi e Prefeitura Municipal.

Santa Tereza Bier Fest 3ª Edição
Local: Rua do Camping de Santa Tereza
Data: 9 de fevereiro de 2019
Horário: 14h até as 23h
Ingressos: gratuito. Apenas a aquisição dos copos do evento para consumo das cervejas comercializadas. Os primeiros 300 pagam R$ 15 e ganham uma cerveja. Após R$ 10 pelo copo.
Cervejas (300mls): R$ 10,00 e R$ 12,00
Cervejarias convidadas : Cervejaria Imaculada, Cervejaria Leopoldina, Moinho Graciema, Primo Octavio e Cerveja Senhor do Malte