Festa da Vindima de Marcorama trouxe novidades neste ano

A safra da uva de 2019 e Nossa Senhora da Salete foram celebradas no distrito de Marcorama, neste domingo, dia 3. Cerca de 1.200 pessoas participaram da 40a Festa da Vindima, que trouxe novidades neste ano, além das atrações já tradicionais do evento.
As comemorações foram abertas com a bênção dos tratores, tradição retomada nesta edição. Após a missa, o almoço foi servido na área coberta e no bosque do Parque São Lucas. Ao longo do dia, houve exposição de produtos agrícolas, venda de produtos coloniais, apresentações artísticas, música ao vivo e sorteio de brindes.
Uma novidade agradou as crianças participantes: brinquedos infláveis foram disponibilizados no local. E para a alegria dos visitantes, houve a pisa das uvas pelas soberanas da Fenachamp 2019, seguidas pelos voluntários que se interessaram em experimentar a técnica.
Lembrando a evolução das condições da vida na área rural, o vice-prefeito Antonio Fachinelli ressaltou as melhorias realizadas na infraestrutura das comunidades. “Além do nosso povo, os investimentos que a Administração Municipal vai continuar fazendo no interior é motivo para termos orgulho de nosso município”, afirmou no evento.
A festa teve o apoio da Prefeitura de Garibaldi, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Pecuária, e integrou o calendário do Veraneio da Vindima, organizado pela Secretaria Municipal de Turismo e Cultura.

Jantar Sob as Estrelas em clima de celebração

Mais de 100 empreendimentos estarão envolvidos na 10ª edição do evento, no próximo dia 15, em Bento Gonçalves

Jantar Sob as Estrelas reúne atrações gastronômicas e culturais em Bento Gonçalves. Crédito: Natana Fontes/Segh

Uma das programações mais aguardadas no período da vindima na Serra Gaúcha, o Jantar Sob as Estrelas ganhará sabor especial neste ano. Isso porque o evento a céu aberto, que reúne opções gastronômicas e culturais na Rua Herny Hugo Dreher e na Av. Planalto, comemora 10 anos reunindo mais de 100 estabelecimentos. Aos food trucks e jantares harmonizados servidos na área externa, somam-se ainda shows musicais em palcos ao longo das vias que prometem animar o público na noite do próximo dia 15, das 19h30min à 1h da madrugada.
Anfitrião da noite, o Sindicato Empresarial de Gastronomia e Hotelaria – Região Uva e Vinho (Segh), em parceria com a prefeitura de Bento Gonçalves (RS), contará com um lounge especialmente desenvolvido para receber seus parceiros. O espaço também abrigará a Calçada da Fama, onde os participantes poderão entrar no clima do aniversário da festividade.
“O Jantar Sob as Estrelas é uma forma descontraída de divulgar Bento Gonçalves e seus empreendimentos, proporcionando aos visitantes experiências gastronômicas e culturais”, salienta o presidente do Segh, Vicente Perini.
Em outros pontos, os visitantes terão a oportunidade de fazer tours guiados pelo Museu do Imigrante e pela Casa das Artes, aprecia boa música com show acústico, adquirir produtos no Mercattino Bento e no Mercado de Rua, passeio de balão e fazer um registro na cabine fotográfica. As crianças também terão espaço exclusivo para se divertirem, uma parceria entre Kid Play, Atelier da Criança e Papelaria Aquarela. Haverá, ainda, um espaço especial para os pets.
A diretora-executiva do sindicato, Marcia Ferronato, acrescenta que o evento sempre foi pensado para atrair as pessoas para a rua tendo o céu como cenário.
“A gastronomia é um dos atrativos, mas há opções para todas as idades e gostos nos mais de 1,2 mil metros em que o Jantar Sob as Estrelas é realizado”, enfatiza.
“O Jantar Sob as Estrelas é um evento que a cada ano que passa encanta e conquista mais pessoas. Este ano serão mais de 100 empreendedores, duas ruas repletas de opção de todos os estilos, gostos e sabores. São 10 anos que irão consolidar o evento como uma grande marca para Bento Gonçalves. Parabenizo todo empenho e dedicação do Segh, que através de sua persistência fez o evento chegar até aqui”, reconhece o secretário municipal de Turismo, Rodrigo Ferri Parisotto.
O Jantar Sob as Estrelas é uma promoção do Segh, em parceria com a prefeitura municipal de Bento Gonçalves, ExpoBento/Fenavinho, Cainelli Gás, Sindilojas, Senac/Fecomércio, Magik Decoração de Eventos, CDL, CIC, CTG Laço Velho, Dia do Vinho e Associação de Moradores do Bairro São Bento.
A programação completa do evento pode ser acompanhada no Facebook: www.facebook.com/JantarSobAsEstrelas. Outras informações podem ser obtidas pelo (54) 3453.8000. Em caso de chuva, as atividades serão transferidas para as áreas internas dos estabelecimentos.

Serviço
O que: Jantar Sob as Estrelas 2019
Quando: 15 de fevereiro, das 19h30min à 1h
Onde: Rua Herny Hugo Dreher e Avenida Planalto, em Bento Gonçalves. O trânsito nas duas vias será interrompido às 16h30min para montagem do evento
Quanto: entrada franca
Outras informações: (54) 3453.8000 e fb/jantarsobasestrelas

Lista de participantes
Rua Herny Hugo Dreher
Atuaserra
Bangalô Estação Club e Bamboo Bar
Bentec
Botequim São Bento
Canta Maria Gastronomia
Chang Thai – Cozinha Asiática
Cobo Wine Bar
Conceito Boutique
Così Gelato
Couros do Valleh
Cris Jóias
Dall’Onder Grande Hotel
Dom Pepe Pizzaria e Restaurante / Coliseu Bar
Doppio Malto
Horos
Ideal Presentes
La Fruta Açaí
Le Petit Macarons
Linda Flores
Maria Henriqueta
Movie Art Cinema
Mr. Red Pub Bar
Nega Maluca
Papa Burguer
Pirandello Pizza Pasta e Grill
Piacenza Restaurante e Pizzaria
Pizzaria Casa Modena
Pipocas do Popó
Porto dos Sonhos
Pub Latitude 29
Queen’s Bar
Sapore Di Fiorenza
Sapore Sublime Pizzaria
Sole & Luna
Sole Aquecimento
Subway
Valle Rustico
Yoko Oriental Lounge
Avenida Planalto
Amora Sabores Especiais
Amo.Te Lisboa – Café e Doceria Portuguesa
Atelier da Criança
Cia do Micro
Cia do Sono
Colonella Modas
Croasonho
D’Art
Deck Bar e Restaurante
Di Napoli
Eko Ambientes
Hotel Laghetto Viverone
Imobiliária Faggion
M. Blanc
Madalena Tattoo Bar
Papelaria Aquarela
Pórtico Ambientes Corporativos
Projetarium Móveis
Q’Palato Gourmet e Pizza
Restaurante Agratto
Satoru Cozinha Internacional
Sierra Burger e Sierra Café
Taberna Hamburgueria
Tudo em Grãos
Viverone Café Boutique
X Bocão

Atrações
100 Limites Bikes
Cainelli Gás
Carro Z
Espaço Kid Play
Espaço Pet
ExpoBento / Fenavinho
Grupo Harley Davidson
Lounge Cultural: Casa das Artes, Museu Municipal/Amigos Museu do Imigrante (AMI), Mercattino Bento (13 expositores)
Lounge Liga de Combate ao Câncer
Lounge Meio Ambiente
Lounge SEGH / Prefeitura Municipal e parceiros e Calçada da Fama
Mercado de Rua (mais de 30 expositores)
Secret Fotos – Cabine fotográfica
Shows acústicos
Tarundu – passeios de balão

Dirigentes pedem fim da Substituição Tributária para produtos vitivinícolas em São Paulo

Comitiva se reuniu com secretário da Fazenda, Henrique Meirelles, e apresentou documento que explica a perda de competividade gerada pelo mecanismo, além dos prejuízos na arrecadação de tributos pelo estado

comitiva formada por presidentes de entidades do Rio Grande do Sul e São Paulo (veja abaixo lista dos participantes) entregaram um documento solicitando a exclusão do regime de Substituição Tributária (ST) para produtos vitivinícolas Foto: Divulgação

Dirigentes do setor vitivinícola se reuniram no dia 04 de fevereiro  com o secretário estadual da Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles. A comitiva formada por presidentes de entidades do Rio Grande do Sul e São Paulo (veja abaixo lista dos participantes) entregaram um documento solicitando a exclusão do regime de Substituição Tributária (ST) para produtos vitivinícolas. Entre as justificativas presentes na carta está a constatação de que o mecanismo da ST onera a indústria nacional por ter que antecipar o recolhimento do ICMS antes mesmo da venda para o consumidor final. “O descompasso médio entre o recolhimento da ST e o recebimento das vendas é de 63 dias, gerando um fluxo de caixa negativo, de alto impacto financeiro nas empresas vinícolas”, diz o texto.
A audiência com o ex-ministro da Fazenda foi marcada pelo ex-deputado federal Mauro Pereira. No Rio Grande do Sul, o secretário da Agricultura, Covatti Filho, já recebeu o setor e está coordenando as ações internas que buscam o fim da ST junto ao governo do estado.
Um dos motivos apontados pelos dirigentes é a desigualdade fiscal gerada pela ST e a possibilidade de aumento na arrecadação de ICMS caso seja extinta. “Além de corrigir distorções na aplicação do ICMS entre diferentes operadores, vai possibilitar aumento de arrecadação e diminuir o efeito da guerra fiscal entre os estados”, defende o texto.
O presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Oscar Ló, saiu com uma impressão positiva do encontro com Meirelles. Segundo o dirigente, o secretário admitiu que o estado perde receita por adotar o mecanismo, mas que acaba sendo mais cômodo cobrar o tributo na origem, sem necessidade de rastrear todas as etapas, da indústria ao ponto de venda. “Ficamos satisfeitos porque recebemos uma sinalização de que a situação será avaliada e enfatizamos a possibilidade de aumentar a venda para São Paulo e, consequentemente, a arrecadação de tributos pelo estado”, sinalizou.
O presidente da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), Deunir Argenta, reiterou que a comitiva mostrou de forma prática como o estado perde receita com a entrada de produtos vitivinícolas importados e também nacionais por outros estados que não adotam esse mecanismo fiscal. “A parte política foi feita de forma positiva. O que precisamos agora é dar andamento junto aos técnicos da secretaria para que se convençam que os benefícios para o estado podem ser maiores com a exclusão da ST”, defendeu.

MVA em São Paulo teve aumento em dezembro
O documento lembra que a Portaria Coordenador da Administração Tributária (CAT) Nº 118, de 27 de dezembro de 2018, elevou em 56% a Margem de Valor Agregado (MVA) dos vinhos nacionais em São Paulo, passando de 66,18% para 103,72%, enquanto que para os importados a MVA foi fixada em 71,14%. “A lógica seria de que as margens praticadas pelo varejo para vinhos nacionais ou estrangeiros fossem semelhantes, pois a precificação de vinhos é única pelo varejo, independente se o produto é de origem de fabricantes nacionais ou de importadoras”, argumenta o texto.
O documento defende ainda que o princípio da facilidade de fiscalização e arrecadação através da ST não se justifica mais diante da implantação do SPED e da obrigatoriedade de emissão da NF-e e cupom eletrônico que ampliam os sistemas de controle.

Comitiva do setor vitivinícola:
1. Oscar Ló – Presidente do Conselho Deliberativo do Ibravin;
2. Carlos Raimundo Paviani – Diretor de Relações Institucionais do Ibravin;
3. Humberto Cereser – Presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Viticultura, Vinhos e Derivados e Sindicato da Indústria do Vinho de Jundiaí – Sindivinho;
4. José Roberto Belesso – Sindicato da Indústria do Vinho de Jundiaí – Sindivinho;
5. Fernando Aparecido Pereira Leite – Presidente do Sindicato da Indústria do Vinho de São Roque – SINDUSVINHO
6. Deunir Argenta – Presidente da Uvibra (Vinícola Luiz Argenta)
7. Renato Prete – Uvibra (Chandon)
8. Marcelo Luchese (Vinícola Salton)
9. Hermínio Ficagna – Uvibra/Fecovinho (Cooperativa Vinícola Aurora)
10. Itacir Pozza – Uvibra/Fecovinho (Cooperativa Vinícola Aurora)
11. Luciana Salton (Vinícola Salton)
12. João Zanotto – Agavi (Vinícola Campestre)
13. Evandro Lovatel – Agavi (Vinícola Lovatel)
14. Júlio Fante – Sindivinho (Fante Indústria de Bebidas Ltda)
15. Mauro Pereira – ex-deputado federal;
16. Adilson José Santos Carvalhal Junior – Presidente do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira dos Exportadores e Importadores de Alimentos e Bebidas (ABBA)

Novidades para a vitivinicultura na Serra Gaúcha

 No mês de fevereiro, a Embrapa Uva e Vinho, através do seu o Programa de Melhoramento Genético “Uvas do Brasil” irá apresentar novidades para os viticultores da Serra Gaúcha: duas novas cultivares, uma para mesa, a BRS Melodia, e outra para vinho, a BRS Bibiana, além das recomendações de cultivo das cultivares BRS Vitória e BRS Isis para a Serra Gaúcha. Resistência a doenças, adaptação às condições climáticas específicas de regiões de clima temperado e qualidade da fruta com alta produtividade são as principais vantagens que Patrícia Ritschel e João Dimas Garcia Maia, coordenadores do Programa, destacam nas novas cultivares desenvolvidas especialmente para as regiões de clima temperado.

BRS Melodia – a nova opção de uva de mesa sem semente da Embrapa
O sabor especial de mix de frutas vermelhas, característico da cultivar BRS Melodia, vai conquistar os consumidores que buscam um sabor diferenciado, aposta João Dimas Garcia Maia, um dos melhoristas responsável pelo desenvolvimento da variedade. Ele comenta que essa cultivar rosada sem sementes atende a demanda dos viticultores da Serra Gaúcha, que não conseguiam produzir a cultivar importada Crimson Seedless.
Cultivada com o uso de cobertura plástica e com o manejo correto, garante-se uma produtividade de 25 toneladas por hectare. Na produção de uvas de mesa, as práticas de manejo de cachos sempre dão em bons resultados. Na ‘BRS Melodia’, o pesquisador destaca que deve ser feito o raleio e o desponte dos cachos. Por apresentar cachos menores, o manejo de cachos da ‘BRS Melodia’ é mais fácil, quando comparada com as cultivares do Grupo Itália. O emprego de giberelina é fundamental para garantir o tamanho das bagas adequado às uvas de mesa. “Caso o viticultor quiser uma cor rosada intensa, deve-se aplicar ácido abscísico no início da maturação”, recomenda Maia.
BRS Vitória e BRS Isis – sob cobertura plástica, prontas para conquistar o sul do Brasil
Desenvolvidas inicialmente para o cultivo em regiões de clima tropical, as cultivares BRS Isis e BRS Vitória atraíram a atenção dos produtores da Serra Gaúcha. “Eles acompanharam o avanço da área plantada no Vale do São Francisco e o sucesso que elas estão fazendo, tanto no Brasil, como no exterior. Diversos produtores começaram a plantar e pediam nossa ajuda para ajustarmos o manejo, pois queriam também oferecer essas cultivares diferenciadas na Serra Gaúcha”, relata Patrícia.
Para atingir esse objetivo, foi dado início a um trabalho conjunto, envolvendo os técnicos da Embrapa e os produtores da região para adaptação do manejo. “Depois de diversos experimentos, foram elaboradas as recomendações técnicas que irão garantir a produção em sistema de cultivo protegido das cultivares BRS Isis e BRS Vitória”, anuncia Roque Zílio, técnico que atua há mais de 25 anos no Programa de Melhoramento “Uvas do Brasil”. Ele destaca que os produtores têm escolhido a ‘BRS Vitória’ pelo seu sabor diferenciado e precocidade. Já a ‘BRS Isis’, por apresentar um ciclo mais longo, possibilita que o produtor consiga ampliar a oferta de uvas e distribuir melhor a mão-de-obra para realização do manejo, sem a necessidade de contratar mais pessoas.
Zílio destaca que de uma forma geral, o principal diferencial entre o manejo tradicionalmente empregado nas regiões de clima temperado e aquele recomendado para as novas cultivares de uva de mesa está no controle da produção, no manejo do cacho, realizado para obtenção de cachos menores e menos compactos. Seguindo estas recomendações, os produtores conseguirão uvas com maturação e coloração mais uniformes, além de uma concentração maior de açúcares deixando-as mais doces e saborosas.
Lançamento da BRS Melodia e recomendações das cultivares BRS Vitória e BRS Isis adaptadas para o clima da Serra Gaúcha: dia 08/02, às 15h na Embrapa Uva e Vinho
‘BRS Bibiana’
É a mais nova cultivar que, ao lado das cultivares Moscato Embrapa, BRS Lorena e BRS Margot, compõem a linha de cultivares resistentes a doenças. A ‘BRS Bibiana’ apresenta reação intermediária ao míldio e ao oídio. Com a elevação do conteúdo de açúcares, ao final do ciclo, deve-se redobrar os cuidados relacionados à podridão da uva madura. Estas doenças podem ser controladas com o uso dos tratamentos convencionalmente utilizados para o cultivo de ‘BRS Lorena’. É resistente à podridão ácida e à podridão cinzenta, causada por Botrytis. Os vinhos remetem aos produtos elaborados com uvas europeias, mas com um custo de produção reduzido por exigir menos tratos culturais.
A ‘BRS Bibiana’ apresenta cachos soltos, o que evita as podridões. Para a obtenção de boa produtividade, recomenda-se a realização de poda mista, deixando-se todas as varas possíveis para a produção e não apenas 5-6, como normalmente praticado na Serra Gaúcha”, esclarece a melhorista.
Outro grande diferencial da nova cultivar é o potencial de atingir um elevado conteúdo de açúcares, mesmo em anos com condições adversas de clima. “Para essa cultivar não tem tempo ruim. A safra sempre vai ser boa, permitindo a elaboração de vinhos com qualidade”, antecipa Patrícia.

Entidades e profissionais do vinho criam iniciativa inédita para aumentar consumo da bebida

Marcio Milan (ABRAS), Percival Maricato (ABRASEL), Adilson Carvalhal Júnior (diretor da importadora Casa Flora e presidente do conselho da ABBA), Marcio Marson (MMarson Wine Consulting e idealizador da Pró-Vinho) e Oscar Ló (IBRAVIN) no lançamento da Pró-Vinho, em São Paulo, dia 29 de janeiro Crédito: Guilherme Bessa

Com o objetivo de aumentar o consumo e a cultura do vinho no Brasil, as entidades ABBA (Associação Brasileira dos Exportadores e Importadores de Bebidas), ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados), IBRAVIN (Instituto Brasileiro do Vinho) e ABRASEL (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) se uniram a profissionais de diferentes áreas do mundo do vinho para criarem a Pró-Vinho, uma iniciativa interprofissional que vai desenvolver estratégias capazes de atrair novos consumidores e aumentar a frequência com que apreciadores esporádicos consomem a bebida.
A atuação da Pró-Vinho se dará de forma direta e democrática. Em reuniões mensais as entidades e especialistas envolvidos vão formatar ações e criar materiais destinados a comunicar sobre o vinho e fomentar seu consumo.
É simples: qualquer estabelecimento ou profissional terá acesso às campanhas e peças criadas pela Pró-Vinho. Basta se cadastrar na plataforma (www.provinho.org.br), acessar os materiais, baixar aqueles que mais interessam e colocá-los em prática. A plataforma também vai disponibilizar informações de mercado, notícias atualizadas e dados do setor para apoiar a cadeia como um todo. O conceito e as peças da primeira campanha estão em fase de finalização e em breve serão divulgados e disponibilizados no site.
Atualmente, o Brasil ocupa a 17ª posição no ranking mundial de consumo de vinho, apesar de ser a sétima maior economia do mundo. No total, são consumidos 338 milhões de litros de vinho por ano no Brasil, dos quais 65% são rótulos nacionais e 35% importados (dados da Ideal Consulting e da OIV – Organização Internacional da Vinha e do Vinho).
No lançamento da Pró-Vinho, Adilson Carvalhal Júnior, presidente do conselho da ABBA, afirmou ser prematuro prever quanto o consumo pode crescer com o trabalho da Pró-Vinho, mas com a união dos elos da cadeia do vinho, “temos mais capacidade e potencial para fazer com que este mercado de fato comece a crescer”.
Marcio Milan, superintendente da ABRAS, chamou a atenção para a importância dos supermercados como um dos principais canais para divulgar o vinho. Diariamente, 27 milhões de pessoas entram nesses estabelecimentos, o que coloca as gôndolas como um espaço importante para a comercialização de vinhos.
Em seu discurso, Oscar Ló, presidente do IBRAVIN, destacou que, no passado, a indústria nacional já viu o vinho importado como concorrente direto, mas que os tempos mudaram. “Estamos todos juntos, buscando o objetivo único, que é o aumento de consumo”, afirmou Ló.
Percival Maricato, fundador da ABRASEL, definiu a Pró-Vinho como “um passo importante para a solução dos grandes problemas do vinho”. “Precisamos aproximar as pessoas do vinho. Nosso objetivo é ampliar a familiaridade com a bebida e o consumo entre os brasileiros, que bebem menos de dois litros de vinho por ano”, resume Marcio Marson, idealizador da iniciativa.

Quem forma a Pró-Vinho
Aliados à ABBA, à ABRAS, ao IBRAVIN e à ABRASEL estão alguns dos principais importadores, vinícolas, especialistas, consultores e jornalistas do setor, compondo o time que mensalmente se reunirá para desenvolver estratégias e campanhas para o segmento.
As pessoas que integram o corpo diretivo da Pró-Vinho são: Adão Morellatto, sócio da International Consulting; Adilson Carvalhal Júnior, diretor da importadora Casa Flora e presidente do conselho da ABBA; Álvaro Cézar Galvão, autor do site Divino Guia; Ari Gorenstein, co-CEO da Evino; Carlos Cabral, consultor de vinhos do Grupo Pão de Açúcar; Carlos Paviani, diretor de relações institucionais do IBRAVIN; Davi Trevisan, representante comercial da ABRAS; Didu Russo, autor do Blog do Didu; Diego Bertolini, gerente de promoção do mercado interno e externo do IBRAVIN; Domingos Meirelles, diretor geral da Exponor Brasil; Felipe Galtaroça, sócio da Ideal Consulting; Guilherme Velloso, diretor da Associação Brasileira de Sommeliers – São Paulo (ABS/SP) e colaborador da revista ADEGA; João Batista, consultor empresarial; Jorge Lucki, colunista de vinho da Rádio CBN e do jornal Valor Econômico; José Osvaldo Albano do Amarante, diretor-técnico da Mistral Importadora; Lamberto Percussi, sócio da Vinheria Percussi, membro da ABRASEL e da ANR; Luciana Salton, diretora executiva da vinícola Salton; Marcio Milan, superintendente da ABRAS; Marcio Marson, diretor da MMarson Wine Consulting; Orlando Pinto Rodrigues Júnior, sócio-fundador da importadora Premium e membro do conselho da ABBA; Percival Maricato, fundador e diretor jurídico da ABRASEL; Ricardo Castilho, diretor editorial da revista Prazeres da Mesa; René Ormazabal Moura, membro da Associação dos Produtores da Campanha; Rodrigo Lanari, fundador da WInext; Sergio Queiroz, sócio-diretor da Baco Multimidia; Solange Souza, autora do site Mesa Completa; e Suzana Barelli, editora de vinhos da revista Menu. Também atuando na Pró-Vinho está a CH2A Comunicação, responsável pela assessoria de imprensa e divulgação da iniciativa.