,

Caqui começa a ser colhido na Serra gaúcha

Teve início a colheita de uma das duas mais importantes variedades de caqui cultivadas na Serra gaúcha, a Kioto, popularmente conhecida por “Chocolate Preto”, em função da coloração escura de sua polpa. As frutas apresentam calibre mediano e marcantes traços de coloração verde, porém polpa firme e crocante.
Conforme o engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, Enio Todeschini, essa cultivar é a que mais exige cuidados para a prevenção e controle da pinta preta ou Antracnose. Porém, a cada safra que passa, a Fuyu, caqui de polpa branca, vem aumentando sua suscetibilidade a essa fitopatia, praticamente a única que ocorre nesta cultura na região serrana, porém de controle bastante difícil.
De maneira geral, os pomares demonstram bom vigor e sanidade. A carga de frutos é bastante irregular, tanto na planta, quanto entre pomares. Caquizeirais atingidos pelo granizo no final de outubro de 2018 demonstram carga dentro da média para a safra, porém com área foliar menor pelos danos nas folhas. Esse aspecto poderá influenciar no calibre das frutas.
No município de Cotiporã, a área com o cultivo de caquizeiro não é tão expressiva quando comparada com a área destinada à viticultura e à citricultura. Mas, ainda assim, mais de dez famílias cultivam a frutífera, em aproximados dez hectares. Seguindo um panorama regional, nos últimos anos a área com cultivo de caquizeiro vem reduzido significativamente em função das dificuldades fitossanitárias, exigindo maior necessidade de tratamentos para manter as produções.
Em Cotiporã, os frutos estão com ótima qualidade e a expectativa é de colher 120 mil quilos de caqui. A produção é comercializada para consumo “in natura”, sendo levada para diversas regiões do Estado.
Na propriedade do agricultor Ataliba Peterle são cultivados 1,5 ha de caqui, principalmente da variedade Kyoto. A estimativa da família é colher em torno de 14 toneladas nesta safra, quantidade um pouco menor do que nos anos anteriores devido à incidência localizada de granizo durante a frutificação das plantas.

Viticultura é tema de capacitação de agricultores na Serra

Com a participação de 22 jovens de Farroupilha, a Emater/RS-Ascar deu início, na última semana (dia 27 e 28/03), ao primeiro Curso de Profissionalização em Viticultura deste ano. A primeira etapa aconteceu no Centro de Treinamento de Agricultores de Nova Petrópolis (Cetanp). Os outros cinco módulos acontecerão em propriedades dos cursistas, a cada dois meses. Nesta semana, mais dois cursos serão realizados no Cetanp, com agricultores de Bento Gonçalves (03 e 04/04) e de Boa Vista do Sul, Coronel Pilar e Imigrante (08 e 09/04).
O engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, Enio Todeschini, explica que esse modelo de curso itinerante passou a ser adotado e validado pela Instituição a partir dos resultados positivos e avaliações dos participantes do curso piloto, realizado no ano passado com produtores de Monte Belo do Sul e Santa Tereza. De acordo com ele, a capacitação foca na principal frutífera da Serra, a parreira, tendo três condições básicas para a seleção dos participantes: ter a viticultura como uma das principais atividades da propriedade, ser jovem e ter propensão para permanecer na propriedade rural, ou seja, efetivar a sucessão familiar.
A programação do curso trata desde a fisiologia vegetal até a vinificação, proporcionando o conhecimento e desenvolvimento das práticas culturais. “Busca-se, com essa metodologia, profissionalizar jovens com a tendência de ficarem na propriedade, na viticultura, para fazer frente aos novos desafios que a cada momento surgem”, destaca Todeschini.

Femaçã em Veranópolis terá atividades voltadas para agricultores

As entidades que compõem a Comissão da Agricultura irão promover eventos e apresentar ações e tecnologias dentro da programação da X Festa Nacional da Maçã e Feira Agroindustrial de Veranópolis (Femaçã), que acontece de 12 a 14 e de 18 a 21 de abril, no Centro de Exposições e Esportes José Bin.
No dia 13 de abril, será realizado o 1º Fórum de Desenvolvimento Agropecuário de Veranópolis, no auditório da Associação Comercial, Cultural e Industrial de Veranópolis (Aciv), a partir das 9h. Um panorama atual da rastreabilidade será apresentado pela engenheira agrônomo da Emater/RS-Ascar, Janete Basso Costa. Em seguida, o técnico e geógrafo do Centro Ecológico de Ipê, Cesar Volpato, irá tratar do tema Produção Orgânica: Panorama e Perspectivas para Veranópolis e, após, o assessor regional da Fetag, José Luiz Pieta, irá tratar da sucessão familiar. A programação encerra com a palestra da técnica em Estatística e Geografia do IBG, Carla Patrícia Rodrigues Ribeiro, e do professor da Avaec, Fernando Fracaro, sobre Potencialidades para Veranópolis, e homenagem aos produtores de maçã.
No dia 18 de abril, acontece o Dia de Campo sobre Tecnologias para Altas Produtividades na Fruticultura de Clima Temperado, a partir das 9h, no salão da Comunidade de Lajeadinho, e a partir das 14h, no pomar da empresa Frutimar, na comunidade de São Valentin. Nas estações, serão abordados os temas Estudo dos Produtos Fitossanitários, pelo engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, Enio Ângelo Todeschini, Maçã: Tecnologia para Altas Produtividades, pelo engenheiro agrônomo da Epagri/SC, José Luiz Petri, e Manejo da Mosca-das-Frutas na Fruticultura de Clima Temperado, pelos pesquisadores da Embrapa, Adalecio Kovaleski e Marcos Botton.
Durante da Femaçã, entidades que compõem a Comissão da Agricultura oferecerão outras atrações. A Emater/RS-Ascar fará demonstração do carneiro hidráulico e silo secador de grãos, apresentação da História do Leite e exposição de mudas de plantas medicinais e condimentares. Junto com a Cooperativa Santa Clara, proporcionará degustação de chá e geleia de maçã, iogurte e bebida láctea. O Centro de Pesquisa Carlos Gayer apresentará uma estação meteorológica e exposição de variedades de maçã, kiwi e batata-doce, a Inspetoria de Defesa Agropecuária apresentará as atividades e programas de educação sanitária, e a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, o Projeto Plantando Saúde, desenvolvido em parceria com a Emater/RS-Ascar. Haverá ainda divulgação do Cadastro de Atividade Econômica de Pessoa Física e do Programa da Rastreabilidade, pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais.

Sunset no Olivas de Gramado reúne música, arte, gastronomia e natureza

Em parceria com o Botequim Sant’Ana, parque recebe dia 6 de abril uma experiência para celebrar o sol

 

O Olivas de Gramado, mais nova atração da cidade serrana, será o palco para a próxima edição do Sunset do Botequim Sant’Ana. Dia 6 de abril, sábado, música, arte, gastronomia e natureza estarão reunidos para um dia de celebração ao sol.
Unindo o sucesso das produções do Botequim Sant’Ana e a estrutura do Olivas de Gramado, o evento promete ser uma experiência imperdível para curtir o dia em grande estilo. Além da trilha sonora com os DJs Lucas Benetti, Long Brother, Vyolo e Nullowboa, o ponto alto do Sunset será a intervenção “Filhos do Sol”, uma performance artística para curtir o pôr do sol com uma vista de tirar o fôlego. Malabares, acrobatas, pernas de pau, cartunista e outros artistas irão garantir uma experiência única e emocionante.
A gastronomia também tem destaque no Sunset. O Boteco Me Gusta, as pipocas Gourmet Popcorn e a Holic Pâtisserie estarão presentes para oferecer suas especialidades já conhecidas do público da serra. E das 15h às 17h, haverá degustação gratuita de chope Gram Bier, chás da Shen Nung – O universo do Chá e delícias da Holic. Durante o evento, a trattoria do Olivas de Gramado opera normalmente com opções como a cesta de piquenique e outros petiscos com o gostinho da colônia.
Para apoiar o consumo consciente, o Sunset tem transporte gratuito da Rua Coberta, centro de Gramado, até o Olivas de Gramado de hora em hora, a partir das 15h até a meia-noite. O mesmo transporte pode ser utilizado de volta ao centro.

Sunset Botequim Sant’Ana no Olivas de Gramado
Sábado, 6 de abril, das 15h a meia-noite
Ingresso:
Das 15h às 17h: com nome na lista mulheres free e homens R$ 25
A partir das 17h: R$ 35
Local: Rua Vereador José Alexandre Benetti, 1808 – Linha Nova – Gramado/RS
Nome na lista e outras informações: (54) 9.8148.6610 com Taly Batistela

Cooperativa Vinícola Garibaldi apresenta relatório de sustentabilidade

Números foram apresentados aos associados em assembleia geral na sexta-feira, 29 de março

Oscar Ló presidente da Cooperativa Vinícola Garibaldi.- Crédito Exata Comunicação

As boas notícias para a Cooperativa Vinícola Garibaldi têm sido constantes – desde a quantidade e qualidade das safras recebidas até as conquistas em concursos internacionais, especialmente para os espumantes. Para apresentar um panorama dessa realidade, nesta sexta-feira, 29 de março, a Cooperativa reuniu seus associados em assembleia geral ordinária para apresentar o relatório de sustentabilidade referente ao ano de 2018 e deliberar sobre assuntos gerais da cooperativa.
O grande ponto comemorado foi o faturamento recorde de R$ 155 milhões e o crescimento da marca no mercado de espumantes no Brasil, motivando produtores e colaboradores a atingirem resultados cada vez mais audaciosos. “O balanço de 2018 merece um agradecimento especial a cada produtor e família associada. Obrigado por dedicarem seu trabalho, por não medirem esforços para que os vinhedos se mantenham saudáveis e protegidos, originando uvas de excelência para a elaboração de vinhos, sucos e espumantes que serão degustados por pessoas de todos os continentes. Além dos ótimos resultados no mercado, celebramos o fortalecimento da aproximação com associados, colaboradores, fornecedores e comunidade. É com um misto de orgulho, otimismo e sede de crescer que convidamos todos os parceiros a compartilharem conosco os planos para um futuro de muitas novas conquistas”, disse o presidente Oscar Ló.
Também foram rememorados os investimentos em equipamentos e infraestrutura (cerca de 7,5 milhões em 2018), destaque para autoclaves para espumantes, tanques de inox, centrífuga, laboratório, melhorias de engarrafamento e esteiras – prova do contínuo exercício da Cooperativa em busca do aperfeiçoamento constante.
Outro momento marcante para a Cooperativa em 2018 foi a confirmação da condição de vinícola brasileira mais premiada, com 86 conquistas (medalhas, títulos e menções honrosas), tendo como carro-chefe a indicação do Garibaldi Moscatel como Melhor Espumante do Cone Sul pelo concurso chileno Catad’Or Wine Awards.
Os bons resultados alcançados tiveram, ainda, recorde de visitas no complexo enoturístico com 128 mil turistas, graças ao lançamento de projetos ligados ao Garibaldi Experience, como o Taca & Trufa (harmonização de chocolates, vinhos e espumantes). Por esses motivos, a Garibaldi foi a marca mais lembrada do varejo gaúcho na categoria Melhor Fornecedor de Espumantes, segundo a premiação Carrinho Agas; e case de sucesso no 1º Congresso Internacional de Cooperativismo Agroindustrial, realizado em Buenos Aires.

Safra 2018/2019
Em 2018, foram 19,6 milhões de quilos de uva entregues desde o início da vindima, em dezembro de 2017, até o encerramento, no dia 2 de março. Já na Safra 2018/2019, a marca garibaldense encerrou o recebimento das uvas com 24.410.000 quilos contabilizados – esse é maior volume registrado nos últimos 35 anos na história da cooperativa. Essa quantidade de matéria-prima deve render a produção de 19 milhões de litros de bebidas.

Investimento em sustentabilidade
Diversas são as ações realizadas nos bastidores para promover a sustentabilidade – como investimentos em torno de R$ 1,2 milhões em painéis solares, centrífuga (equipamento ecologicamente correto para cantina) e o projeto Somos Garibaldi (cujo objetivo é fortalecer as relações entre cooperados, funcionários, comunidade, clientes e fornecedores).

Números relevantes
– Recorde de visitantes no complexo enoturístico: 128 mil pessoas
– Estados onde a marca mais cresceu: Mato Grosso (57%), Pernambuco (50%) e Santa Catarina (37%).
– Vinícola brasileira mais premiada, com 86 conquistas (entre medalhas, títulos e menções honrosas)
– O relatório aponta, ainda, que a Cooperativa Vinícola Garibaldi encerrou 2018 contabilizando 399 famílias associadas – sendo que os municípios com maior número de produtores são: Garibaldi (152); Santa Tereza (51); Coronel Pilar (47) e Monte Belo (43).

Sobre a Cooperativa Vinícola Garibaldi
A história da Cooperativa Vinícola Garibaldi começou a ser escrita em 1931, pela união de diversas famílias de agricultores como alternativa para vencer as dificuldades econômicas do país na época. Atualmente, são 400 famílias associadas, localizadas em 15 municípios da Serra gaúcha. Seu portfólio tem 65 produtos distribuídos em 12 marcas, entre espumantes, vinhos tintos e brancos, linhas de exportação, frisantes, filtrados e sucos de uva – além de opções orgânicas e biodinâmicas.

Almoço Assembléia – Cooperativa Vinícola Garibaldi – Credito Exata Comunicação

Vinho Aurora Reserva Chardonnay é medalha “Gran Ouro” no concurso Bacchus Internacional, na Espanha

Na França, espumante Aurora Procedências Chardonnay recebe prata no Chardonnay du Monde

A 17ª edição do Bacchus Concurso Internacional de Vinhos (de 7 a 11 de março), realizada em Madri, premiou com medalha Gran Ouro o vinho Aurora Reserva Chardonnay, da Vinícola Aurora, a maior e mais premiada vinícola do Brasil. Com esta medalha, o vinho Aurora Reserva Chardonnay chega à sua 54ª premiação e à 3ª medalha especial (aquela concedida aos exemplares que superam a marca de 95 pontos nas competições internacionais) – foi medalha Duplo Ouro em La Mujer Elige 2016 e Gran Ouro no Vinus 2016, ambos na Argentina. Nesta edição do Bacchus Internacional, outro rótulo da vinícola recebeu medalha de prata: o espumante Aurora Moscatel, o mais premiado da Aurora e um dos mais premiados do Brasil nos concursos internacionais. Em outra competição internacional realizada em março, o Chardonnay du Monde, na França, o espumante Aurora Procedências Chardonnay ficou com medalha prata.
Ao lado do Reserva Chardonnay, integram a linha os exemplares tintos Merlot, Cabernet Sauvignon e Tannat e o Rosé de Merlot. Os vinhos Aurora Reserva são elaborados com as melhores uvas de cada safra, dentro de um conceito de alta qualidade, fácil harmonização com os mais diversos pratos das gastronomias regional e internacional e faixa de preço acessível. Estão à venda em grandes redes e comércio especializado de todo o Brasil e presente em bons restaurantes de várias cidades do país. Os espumantes Aurora podem ser encontrados no mercado brasileiro também nas versões Moscatel Rosé, Demi-Sec, Brut e Prosecco. Da mesma forma, a linha Aurora Procedências que é composta por 3 espumantes que homenageiam a alta qualidade das uvas de comunidades específicas: além do Chardonnay de Lageadinho, o Pinot Noir branco de Tuiuty e o Rosé (de Pinot Noir de Tuiuty com Riesling Itálico de Monte Belo do Sul).
O concurso Bacchus Internacional tem a chancela da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) e a patronagem da Federação dos Grandes Concursos (Vinofed). Este ano, reuniu 1.650 amostras de 20 países, avaliadas por um júri de 65 especialistas internacionais. O Chardonnay du Monde, um dos mais tradicionais concursos de vinho da Europa, avalia vinhos espumantes e não espumantes, de todo o mundo, elaborados com a uva Chardonnay, a variedade branca mais cultivada nos cinco continentes.

Francesca Casagrande Luchese, advogada, OAB/RS 75.584

Francesca Casagrande Luchese, advogada, OAB/RS 75.584

Apresentada há mais de trinta dias pelo presidente Bolsonaro, a reforma da previdência continua sendo o foco dos debates. Em busca de
apoio para a aprovação do texto, fala-se em grandes quantias viabilizadas através de emendas parlamentares, negociações de cargos e até mesmo flexibilização de algumas das regras previstas, como a idade mínima para as mulheres, benefícios rurais e os de prestação continuada.
Também especula-se a dificuldade de aceitação da relatoria da proposta, ante o impacto social negativo, além da exigência de uma reforma para os militares. A mesma chegou a ser mencionada no último dia 19 pelo vice-presidente, mas seu teor ainda é desconhecido.
Enquanto a reforma da previdência ocupa o cenário político, quem milita na área percebe que se torna cada vez mais difícil garantir os direitos previdenciários da população. Na via administrativa, o implemento do sistema digital do INSS tornou as análises mais engessadas, sem falar no aumento do tempo de espera do segurado, que muitas vezes encontra dificuldade em lidar com o ambiente totalmente informatizado.
Na esfera judicial, as teses então consolidadas de proteção ao trabalhador parecem sucumbir, sem falar na constante adoção da suspensão
dos processos judiciais à espera de decisões padronizadas, emanadas pelas altas cortes. Exemplo é a concessão do adicional de 25% aos benefícios daqueles em situação de extrema invalidez. A lei garante o aumento no valor das aposentadorias apenas aqueles que foram aposentados por invalidez. A disparidade de tratamento com os segurados que se aposentaram por idade ou por tempo de serviço e posteriormente foram acometidos de moléstias altamente incapacitantes gerou uma enorme demanda de ações judiciais, com os mais diversos entendimentos. O debate chegou ao STJ, que garantiu a concessão do adicional para todos os aposentados que necessitem de cuidados permanentes de terceiros, independente da modalidade de aposentadoria que tiveram concedida.
Todavia, a questão agora foi levada ao STF, gerando novamente a suspensão de todas as ações que versam sobre o tema. Resta aguardar o
pronunciamento da mais alta corte do país.
A mudança nas regras previdenciárias certamente é necessária e a consonância entre todos os poderes seria medida salutar para garantir sua implementação. No entanto, não se pode focar apenas no viés econômico, como parece ocorrer no momento. A garantia dos direitos sociais deve ser o grande mote, devendo a população estar sempre alerta.

 

O que é Constelação Sistêmica?

Tatiane Parreira Terapias Energéticas e Sistêmicas Foto: Divulgação

Bert Hellinger, nascido em 1925, estudou Filosofia, Teologia e Pedagogia. Ele trabalhou 16 anos como membro de uma ordem de missionários católicos com os Zulus na África. Depois ele se tornou psicanalista e desenvolveu a abordagem da Constelação Familiar à partir das experiências com dinâmica de grupos, terapia primal, análise transacional e vários processos de hipnose terapêutica.
A Constelação Sistêmica Familiar conversa com nossa Alma e com a Alma dos nossos antepassados, busca descortinar comprometimentos nessas relações que estão impedindo a conquista da nossa felicidade, harmonia e saúde. Essa metodologia pode abordar muitas dificuldades e problemas, entre eles: falta de prosperidade, relacionamentos, traumas, carências, tristezas, medos, desentendimentos e desencontros na vida do constelado. Na Constelação é possível entender até mesmo o papel que as doenças estão tendo na nossa vida, pois segundo essa filosofia, nossas dificuldades e problemas estão ligados a destinos de membros anteriores do nosso grupo familiar. Nessa dinâmica os “menores” , aqueles que vieram depois, ou seja, os descendentes, devem terminar aquilo que os “maiores”, aqueles que vieram antes, os antepassados ou ascendentes, não terminaram. Toda emoção segue um ciclo que no final traz alívio e paz. Quando esse ciclo não se completa fica registrado na memória do clã esta emoção para que alguém termine seu ciclo, como, por exemplo: reviver um enfrentamento na busca da reconciliação, agradecer a um favor, terminar de chorar um morto, um descendente, não necessariamente direto na sucessão familiar, irá reviver este drama ou conflito até que ele a emoção se dissolva e se resolva a questão.
Tudo aquilo que se manifesta na nossa vida é resultado das nossas ações, mas não só resultados das nossas ações, mas também das ações da nossa ancestralidade. Nós somos mantidos em nosso campo energético familiar, que num nível determinado, entrava ou faz crescer a nossa disposição para ser feliz, ser próspero, fazer escolhas livremente, ter êxito naquilo que empreendemos, manter os relacionamentos agradáveis, a saúde, o bem-estar e também as doenças.
A natureza do nosso campo de energia familiar é determinada pela história da nossa família, principalmente sua religião, crenças, país de origem, e também por acontecimentos marcantes como os relacionamentos dos pais e dos avós, mortes, aborto, adoção, suicídio, guerra, exílio, incesto, antepassado agressor ou vítima, traição. Tudo aquilo que se manifesta em nossas vidas é resultado ou efeito dessa “consciência grupal” que busca a libertação das emoções e fardos antigos mediante representações nas gerações posteriores. Entrar no campo sistêmico do nosso clã familiar possibilita a conexão e restabelecimento das ordens sistêmicas com aqueles que não estão presentes.
A Constelação Familiar é reconhecida como uma terapia integrativa. Ela atua auxiliando o cliente a se movimentar e sair do ponto onde ele se percebe preso a uma dificuldade recorrente em sua vida. Ela permite movimentos de liberação e alívio, fazendo com que sejamos capazes de concluir antigos ciclos emocionais e fazer novos movimentos em direção à vida e o que desejamos dela.
Então o que tudo isso quer dizer? Está com problemas no trabalho, relacionamentos, família?
Vamos ir lá na raiz do problema, descobrindo porque isso acontece na sua vida. Você terá uma visão do todo e a consciência do que acontece com você, e assim sendo, fica fácil de resolver seus problemas. Finalizo agradecendo pela vida a meus pais e todos que vieram antes deles.

Rústica mobiliza Bento Gonçalves dia 28 de abril

Promovida pelo SESC em parceria com a Fundaparque, corrida de rua terá percurso de 6,5km e espera reunir 400 atletas

 

Os bento-gonçalvenses têm uma motivação adicional para deixar o sedentarismo de lado e incluir a prática de atividades físicas na rotina: participar da primeira edição da Rústica SESC/Fundaparque. Entrando para o calendário das principais corridas de rua da região, a prova ocorre no dia 28 de abril – com início previsto para às 9h e largada/chegada no Parque de Eventos de Bento Gonçalves.
Serão 12 categorias no total – divididas entre os gêneros masculino e feminino e por idade. A primeira categoria inicia aos 16 anos, e as demais seguem em grupos, culminando com uma modalidade especial para o público acima de 60 anos. O percurso terá 6,5km, passando pelas ruas como a Avenida Planalto, e visitando no trajeto pontos turísticos importantes, entre eles a Igreja Redonda, do bairro São Bento.
Para incentivar o público a investir em qualidade de vida, através da prática de exercícios, a rústica premia quem participar da prova, com a entrega de medalha a todos que finalizarem o percurso. Haverá, também, troféus para os três primeiros colocados em cada categoria, nos gêneros masculino e feminino; troféus para os cinco primeiros colocados no geral; e troféu destaque para a equipe que inscrever o maior número de corredores.
Somados, esses atrativos devem mobilizar o envolvimento da comunidade – e ajudar a rústica a estrear com a meta de 400 atletas inscritos. “Queremos promover a prática de corridas, estimulando hábitos de vida saudáveis por meio do esporte. Alinhamos a parceria com a Fundaparque, aproveitando a estrutura do Parque de Eventos, muito propícia para esse tipo de atividade, com segurança e conforto, para nos aproximarmos e envolvermos a população nessa iniciativa”, enfatiza o técnico em esporte e lazer do SESC Bento Gonçalves, Fabrício Cristófoli.

As inscrições para a Rústica SESC/Fundaparque podem ser realizadas até o dia 24 de abril – ou até que seja atingido o limite de 400 atletas. Os interessados já podem garantir presença pelo site www.sesc-rs.com.br/esporte/corridas/ ou na unidade do SESC Bento Gonçalves, na Avenida Cândido Costa, número 88, no Centro. O valor da inscrição será de R$ 50,00 para a categoria Público Geral e de R$ 40,00 para quem possui o cartão SESC – com direito ao kit composto por número, chip e camiseta do evento. A promoção é do SESC Bento Gonçalves com apoio da Fundaparque.

Serviço:
O que: Rústica SESC/Fundaparque
Quando: 28 de abril de 2019
Onde: largada e chegada na Fundaparque, bairro Fenavinho
Quanto: R$ 50,00 para categoria Público Geral e R$ 40,00 para quem possui o cartão SESC
Inscrições: pelo site www.sesc-rs.com.br/esporte/corridas/ ou na unidade do SESC Bento Gonçalves
Promoção: SESC Bento Gonçalves, com apoio da Fundaparque