Dia de Campo na TV – Como obter Indicação Geográfica para vinhos

Foto: Viviane Zanella

Há regiões que, ao longo do tempo, tornam-se conhecidas e mesmo notórias pelos seus produtos. Como forma de proteger tal reputação, essas zonas produtoras diferenciadas podem buscar o reconhecimento como Indicação Geográfica (IG) – concedida, no Brasil, pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Isso porque a IG possui uma área delimitada que adota os padrões locais de produção, restringindo seu uso aos produtores alí estabelecidos, e protegendo produtores e consumidores contra o uso indevido do nome da região em produtos de imitação ou de qualidade não-controlada.
Atuando de forma multidisciplinar e com a parceria de diversas instituições, incluindo o setor produtivo vitivinícola, a Embrapa Uva e Vinho foi pioneira no Brasil no fomento de indicações geográficas no Brasil, especialmente as de vinhos finos. A partir do seu suporte técnico-científico, já estão reconhecidas na Serra Gaúcha a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos e mais cinco outras Indicações de Procedência de vinhos.
“Um vinho com Indicação Geográfica está credenciado pela qualidade diferencial do seu local de origem, que o distingue de similares disponíveis no mercado. Sem dúvida é um vinho com identidade própria”, pontua Jorge Tonietto, que é pesquisador da Embrapa e uma das maiores autoridades no assunto no Brasil.
Ele destaca, entre os benefícios diretos, a organização social dos produtores, a ampliação do renome do produto e da região, a agregação de valor e dinâmicas que estimulam o desenvolvimento econômico da região. Os produtores passam a agir coletivamente garantindo ao consumidor a qualidade do produto da IG através dos controles realizados sobre a produção. No site http://www.embrapa.br/diacampo você acessa a grade completa da programação, além de reportagens dos programas.