Grandes marcas confirmam presença na Movelsul Brasil 2020

Feira está com 75% dos espaços disponíveis comercializados e ocorre de 16 a 19 de março, em Bento Gonçalves

A Movelsul Brasil, principal feira de móveis da América Latina para o lojista e importador, já está com 75% dos seus espaços comercializados para a próxima edição, que se realiza de 16 a 19 de março de 2020, em Bento Gonçalves. Grandes marcas como Bertolini, Carraro, Castor Colchões, Caemmun, Kappesberg, Moval, Herval, DJ Móveis e Tramontina estão confirmadas. A feira espera 200 expositores de alta escala, decoração, móveis planejados e mobiliário corporativo.
Uma agenda intensa de projetos paralelos amplia os atrativos da Movelsul Brasil para o público de nacional e estrangeiro, garantindo um ambiente assertivo de negócios para a indústria moveleira, com público qualificado de pelo menos 30 países. Serão trazidos 400 lojistas com despesas pagas pela feira e alto potencial de negociação – 300 nacionais e 100 compradores internacionais para as rodadas de negócio do Projeto Comprador.
O presidente do Sindmóveis, Vinicius Benini, destaca que a Movelsul Brasil tem a chancela de ser uma feira do setor moveleiro para o setor moveleiro, com competência para reunir frente a frente os principais players da cadeia para a promoção de negócios e para que a indústria comunique ao varejista e importador seus investimentos em inovação, tecnologias e produtividade. “Estamos trabalhando para ampliar o número de visitantes profissionais qualificados, que venham com potencial de negócios diretos com a indústria expositora”, pontua.
Um dos maiores expositores da Movelsul Brasil, a Tramontina vem participando da feira desde 1982. Para a próxima edição, a empresa vai mesclar ainda mais suas linhas de móveis para área interna e externa. O presidente da Tramontina, Clovis Tramontina, considera que a participação em 2018 foi extremamente positiva, possibilitando diversos contatos e propostas de negócio. “Recebemos no estande um público qualificado como arquitetos, fabricantes e revendedores, além dos nossos principais clientes, o que gerou grande fluxo de pessoas durante os dias da feira. Apresentamos nossos destaques em produtos, que despertam interesse do público nacional e internacional”, afirma.
Empresa expositora desde 2004, a Caemmun Movelaria tem a Movelsul Brasil em sua estratégia de posicionamento, em virtude da qualidade do público lojista visitante, tanto nacional quanto de importadores, e os resultados obtidos ao longo do tempo em negócios realizados na feira. O presidente executivo do Grupo Munhoz Caetano, Diego Munhoz, pontua que a última edição da Movelsul Brasil foi recorde em volume de visitas no estande e vendas geradas a partir das rodadas de negócio internacionais e também no próprio estande. “A perspectiva para a próxima edição é muito promissora, visto que a relevância do evento para nossa estratégia comercial vai ao encontro da entrega que o evento proporciona em negócios, relacionamento e serviços aos nossos clientes”, destaca.
A Movelsul Brasil é a maior feira de móveis da América Latina em área de exposição e número de expositores, realizada com assertividade desde 1977 pelo Sindmóveis Bento Gonçalves. É realizada no maior polo moveleiro do país: um evento com grande potencial de negócios no mercado interno e forte atração a importadores dos principais mercados-alvo para a indústria brasileira de móveis.

Movelsul Brasil 2020
Feira de Móveis e complementos para o lojista e importador
Quando: 16 a 19 de março de 2020, das 12h às 19h
Onde: Parque de Eventos de Bento Gonçalves (Alameda Fenavinho, 481)
Entrada gratuita mediante credenciamento. Aberta apenas ao público profissional (lojistas, representantes, arquitetos, designers, decoradores, importadores, profissionais da construção civil e imprensa)

Para mais informações:
www.movelsul.com.br
www.facebook.com/movelsul.brasil

Suco de Uva Integral Aliança recebe certificação internacional inédita para um suco de uva do Brasil

Superior Taste Award 2019 aconteceu na Bélgica e reuniu amostras de bebidas e alimentos de diversos países

O International Taste Institute, líder mundial na avaliação e certificação de alimentos e bebidas, com sede em Bruxelas, Bélgica, divulgou os resultados de sua avaliação anual, o Superior Taste Award 2019. O Suco de Uva Integral Aliança recebeu duas estrelas na degustação às cegas feita por cerca de 200 renomados chefs, alguns deles com estrelas Michelin, de e sommeliers de diversas partes da Europa. Receber duas estrelas significa que o suco foi aprovado por mais de 80% dos degustadores. Um resultado importante, tendo em vista que o concurso recebeu amostras de quase uma centena de países. Essa é a primeira vez que um suco de uva do Brasil recebe essa certificação. O Superior Taste Award acontece desde 2005 e tem o objetivo de atestar a qualidade de produtos alimentares e bebidas.
Para o presidente da Cooperativa Nova Aliança, Alceu Dalle Molle, a conquista dessa distinção inédita para um suco de uva brasileiro é muito importante para a cooperativa, pois é o reconhecimento de um trabalho de qualidade que vem sendo feito pelos agricultores e por toda a equipe responsável pelo produto. “Receber duas estrelas no Superior Taste Award é ter a certeza de que estamos fazendo um bom trabalho e que o nosso produto tem aceitação também no exterior”, afirma Dalle Molle. Em 2019, a Nova Aliança trabalha em busca de ampliar sua participação no mercado externo.
O suco integral Aliança é elaborado a partir das melhores uvas das variedades americanas Isabel e Bordô e não contém adição extra de açúcar e água, sendo 100% fruta. Pode ser encontrado nas embalagens de 450ml, 1 litro, 1,5 litros (garrafa de vidro) e 1 litro em tetra pak.

Sobre a marca Aliança
A marca Aliança é a principal marca do portfólio da cooperativa Nova Aliança. Com mais de 80 anos de existência, ela é a maior representante do faturamento da cooperativa e possui as categorias: Sucos Integrais e espumantes. Em 2018 revistou seu posicionamento, e sua identidade visual, resgatando sua história e tradição. Como resultado, fechou a ano com mais de 20 milhões de litros vendidos.

Sobre a Nova Aliança
A Cooperativa Agroindustrial Nova Aliança é fruto da união de cinco tradicionais cooperativas vitivinícolas da Serra Gaúcha: Cooperativa Aliança e a Cooperativa São Victor, de Caxias do Sul, a Cooperativa São Pedro e a Cooperativa Santo Antônio, de Flores da Cunha, e a Cooperativa Linha Jacinto, de Farroupilha. Hoje, a Nova Aliança conta com 738 associados, distribuídos em três distintas regiões vitivinícolas: Serra Gaúcha, Encruzilhada do Sul e Campanha Gaúcha.
A Nova Aliança possui uma das maiores e mais modernas plantas industriais de suco de uva integral da América Latina. Desde 2013 a produção de suco e, a partir de 2014, o envase de vinho e de espumante, estão concentrados na sede da cooperativa, em Flores da Cunha, que conta com prédio de 24 mil metros quadrados e capacidade para processar até 60 milhões de quilos de uva por ano.

Jovens concluem mais uma etapa do Curso Profissionalizante em Viticultura

Jovens viticultores dos municípios de Farroupilha, Boa Vista do Sul, Coronel Pilar, Imigrante e Bento Gonçalves participaram, na semana passada, do 3º módulo do Curso Profissionalizante em Viticultura. Os três cursos aconteceram em propriedades rurais de alunos participantes e foram ministrados pelo engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, Enio Ângelo Todeschini, juntamente com os demais instrutores do curso de fruticultura do Centro de Treinamento de Agricultores de Nova Petrópolis (Cetanp).
O objetivo da qualificação é valorizar a sucessão familiar na propriedade rural e incentivar o desenvolvimento de alternativas de empreendedorismo no meio rural, agregando valor à produção primária e promovendo a permanência do jovem no campo. Nesta etapa, foram tratados os seguintes assuntos: importância da aplicação dos nutrientes e doses adequados na adubação, evitando-se o uso desnecessário de quantias e nutrientes quando integrantes de adubos formulados; identificação, ciclo biológico e os mais eficientes métodos de controle das principais pragas da viticultura; enxertia de inverno e as podas secas de formação, de produção e de renovação dos vinhedos. Na poda seca, foram abordados os objetivos e princípios dessa técnica, no intuito de manter-se o equilíbrio entre as partes vegetativas e produtivas das plantas. Todos os alunos tiveram oportunidade de efetivar essa prática cultural.
Os próximos encontros acontecerão no final de setembro e início de outubro e terão como pauta: estudo das fitopatias e seu controle e tecnologia de aplicação de agroquímicos.

Bento Gonçalves sedia 7ª edição do Festival do Vinho Colonial

A comunidade de Faria Lemos, em Bento Gonçalves, abre, no dia 10 de agosto, a 7ª edição do Festival Nacional do Vinho Colonial, com início às 19h30. Farta gastronomia típica italiana, música e uma seleção de vinhos coloniais produzidos nos distritos do município são marcas registradas do já tradicional “Festival do Vinho Colonial – Gastronomia, Vinho e Alegria!”. Os outros dois encontros acontecerão no dia 07 de setembro, no Vale dos Vinhedos, e no dia 04 de outubro, no distrito de Tuiuty.
O objetivo das confraternizações é fomentar a produção da agroindústria familiar relacionada à produção do vinho colonial, preservando a identidade e a maneira tradicional de sua produção, e celebrar as tradições culturais das famílias de imigrantes italianos que chegaram à Serra Gaúcha.
O 7º Festival Nacional do Vinho Colonial é realizado por cerca de 40 famílias das localidades de Faria Lemos, Vale dos Vinhedos, Tuiuty e São Pedro, e conta com o apoio das secretarias municipais de Turismo e de Desenvolvimento da Agricultura, Emater/RS-Ascar, Sindicato Empresarial de Gastronomia e Hotelaria – Região Uva e Vinho (SEGH), Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Bento Gonçalves e Embrapa. O ingresso dá direito a uma taça personalizada e a degustação de todos os pratos, sucos, vinhos e espumantes oferecidos.

Programação do Festival:
Data: 10/08
Horário: 19h30
Local: Salão Comunitário da Linha Paulina – Faria Lemos
Informações: Leandro Moro (54) 99146-5623/ Anderson Buffon (54) 99663-3748/ Dílson Locatelli (54) 99183- 6341/ Emater (54) 3452.2289

Data: 07/09
Horário: 19h30
Local: Salão da Comunidade 8 da Graciema – Vale dos Vinhedos
Informações: Rui Feil (54) 98114-1177/ Maikon Panizzi (54) 3464-7830 / Emater (54) 3452.2289

Data: 04/10
Horário: 19h30
Local: Salão Comunitário de São Valentim – Tuiuty
Informações: Vinícius Cainelli (54) 9992.1187/ Emater (54) 3452.2289

Vereadores de MBS diligenciam por benfeitorias e melhorias para o município

O presidente da câmara de vereadores Nilso Cavaleri e o vereador Onecimo Pauleti estiveram reunidos com o diretor da 2ª superintendência regional do DAER, Sandro Wagner Vaz Dos Santos na manhã da terça-feira, 09 de julho. Entre as pautas, melhorias no asfalto junto a linha Colussi, segundo acesso principal a Monte Belo do Sul, ERS 431, km 19, processo administrativo eletrônico nº 18/0435-0017995-8 já solicitado a um ano atrás. O pedido reforça um novo trevo de acesso, no sentido de Bento a Santa Bárbara (passando pela Linha Colussi) e vice-versa, para que seja possível ingressar na estrada que liga o município sem avançar na pista contrária. na pauta também foi abordado os constantes acidentes na ERS 431, distrito de faria lemos e busca por soluções. Para isso está agendo na próxima terça-feira, 30 de julho, uma agenda com o Secretário dos Transportes do Rio Grande do Sul Juvir Costella.

Café Faccin comemora um ano

Irmãs e sócias Renata Faccin e Andreia Faccin

O Café Faccin, espaço gastronômico que já caiu nas graças dos apreciadores do bom café, faz aniversário neste mês julho. O estabelecimento fica no centro de Monte Belo do Sul, junto ao Mercado Faccin. Um local aconchegante, com requintes de conforto e sofisticação, onde o público encontra diversidade nos produtos. O grande diferencial, além da qualidade e do preço acessível, é que a cafeteria funciona junto ao mercado, onde as pessoas podem fazer suas compras e também uma pausa para um café. Para agradar os clientes, as proprietárias investiram em bolos tortas e salgados. Há versões doces em chocolate, como na torta de brigadeiro, de morango, morango moreno, nozes marta rocha, banoffe, oreo, strudell, folhada e na salgada torta fria.
As tortas, que são o carros-chefe da casa, chegam à loja todos os dias. “Na vitrine ficam as tortas e salgados. As mais vendidas, a torta de nozes e a torta fria. Já entre os salgados, as empanadas possuem seis opções de sabores como a de carne, a de frango, entre outras. Também há opção de tortas inteiras.
A cafeteria é administrada pelas irmãs e sócias Renata Faccin e Andreia Faccin. Para Renata, a cafeteria oferece um momento de pausa no dia a dia agitado das pessoas. O negócio, quando junta atendimento qualificado, diversidade e bom atendimento, ajuda a fidelizar os clientes. “Procuramos trazer algo prático e rápido para as pessoas. Além disso, temos o cuidado em ouvir o que os clientes mais buscam e conhecer seus gostos”, revela. Andreia diz que o espaço está cativando sempre mais os consumidores e turistas, por estar localizado em uma área central, é parada obrigatória no início ou final do dia.

Pesquisador da Embrapa Uva e Vinho avalia frio para a agricultura

Ao analisar as previsões matemáticas da MetSul Meteorologia para a queda drástica na temperatura que ocorreu na primeira semana de julho, o Pesquisador de Fisiologia Vegetal da Embrapa Uva e Vinho, Henrique Pessoa dos Santos, reforça que “as temperaturas baixas foram muito expressivas na primeira semana de julho, atingindo valores negativos (temperaturas congelantes). Nestas condições, ocorreu fortes geadas e temperaturas negativas em várias regiões da Serra Gaúcha. Lembrando que o inverno adequado nem sempre é aquele que apresenta uma soma expressiva de frio, mas aquele que expõe uma condição de frio constante e sem dias quentes intercalados, o pesquisador avalia que “o ideal é que não ocorram ondas de frio tardio na primavera (geralmente em setembro), pois esse é um dos fatores de maior impacto negativo na produção de uva na região sul do Brasil. A restrição de frio não é muito problema, pois já se dispõe de indutores químicos para estimular a brotação da videira e contornar esse problema, o que tem possibilitado o cultivo da videira em regiões com ausência total de frio, como no nordeste brasileiro.”
Dados medidos na estação agrometeorológica da Embrapa Uva e Vinho em Bento Gonçalves, mostram que, de primeiro a 20 de julho houve a acumulação de 137 horas de frio (HF, horas com temperatura menor ou igual a 7,2°C). Este valor é bem superior às 87 horas de frio que normalmente ocorrem nestes dois decêndios do mês de julho. Segundo o pesquisador Jorge Tonietto da Embrapa Uva e Vinho, os primeiros 7 dias de julho foram os que mais contribuíram para a obtenção destes significativos valores. Com isto, estamos com um somatório de 166 horas de frio (HF) no ano, valor menor que as 242 horas que são acumuladas em média até esta data, representando 69% em relação à normal. Isto se explica pelo comportamento dos meses de abril e maio, que não tiveram acumulação de horas de frio e também pelo mês de junho, que apresentou apenas 29 horas de frio (HF), bem abaixo das 104 HF que ocorrem em média no mês de junho.
Entendendo as necessidades de frio para as videiras
Segundo pontua o pesquisador Henrique Pessoa dos Santos, o total de horas de frio para indução e superação é denominado “exigência de frio”, sendo variável entre as cultivares. Nas uvas finas (cultivares Vitis vinifera), a exigência de frio é proporcional a época de brotação. As cultivares mais precoces (ex.: Chardonnay) apresentam, em média, uma exigência de 150HF, enquanto as cultivares de brotação intermediária (ex.: Merlot) e tardia (ex.: Cabernet Sauvignon) apresentam 300HF e 400HF, respectivamente. As cultivares de uva comum (ex.: Bordô, Isabel, Niágara) apresentam uma exigência próxima de 100 HF, mas exigem maior soma de calor para brotarem. Diante destas exigências, salienta-se que a ocorrência de no mínimo 300HF já garantiria uma condição adequada para a maioria das cultivares que são cultivadas na região da Serra Gaúcha. A condição normal (média de 30 anos) é de 409 HF na Serra Gaúcha, mas já ocorreram grandes oscilações nos últimos anos, tais como nos invernos de 2015 (total de 145 HF) e 2016 (total de 536 HF).

Temperaturas baixas x influencia na agricultura
Segundo o pesquisador, para a maioria das espécies frutíferas de clima temperado, como videira, macieira, pereira, pessegueiro, etc, considera-se frio quando a temperatura está igual ou inferior a 7,2°C. Essa é uma referência teórica, pois equivale a 45° F (escala Fahrenheit, utilizada para temperatura em alguns países, como EUA), mas se aproxima das condições de frio para a maioria das espécies.”
“No caso da videira, esclarece Pessoa dos Santos, na literatura alguns trabalhos também consideram frio quando a temperatura está igual ou abaixo de 10°C. O estado de dormência das gemas nestas espécies frutíferas é ativado pela redução do comprimento do dia, ao longo do outono, e é aprofundado pelos primeiros dias frios (dias que apresentam algumas horas com temperaturas inferiores à 7,2 °C). Ou seja, essas espécies de clima temperado ativam o estado de dormência para suportar o frio congelante do inverno. Na sequência, a ocorrência de dias frios é considerado pelas plantas para sair do estado de dormência, permitindo a brotação apenas na primavera quando as temperaturas permitem o crescimento, sem o risco de temperaturas congelantes que todos os tecidos verdes (ex.: folhas) não toleram.
O total de horas de frio para indução e superação é denominado “exigência de frio”, sendo variável entre as cultivares. Nas uvas finas (cultivares Vitis vinifera), a exigência de frio é proporcional a época de brotação. As cultivares mais precoces (ex.: Chardonnay) apresentam, em média, uma exigência de 150HF, enquanto as cultivares de brotação intermediária (ex.: Merlot) e tardia (ex.: Cabernet Sauvignon) apresentam 300HF e 400HF, respectivamente. As cultivares de uva comum (ex.: Bordô, Isabel, Niágara) apresentam uma exigência próxima de 100 HF, mas exigem maior soma de calor para brotarem. Diante destas exigências, salienta-se que a ocorrência de no mínimo 300HF já garantiria uma condição adequada para a maioria das cultivares que são cultivadas na região da Serra Gaúcha. A condição normal (média de 30 anos) é de 409 HF na Serra Gaúcha, mas já ocorreram grandes oscilações nos últimos anos, tais como nos invernos de 2015 (total de 145 HF) e 2016 (total de 536 HF).
Em resumo, quando as horas de frio do ambiente corresponde as exigências da cultura, as plantas ativam fisiologicamente a superação da dormência e podem atingir a brotação plena na primavera. Por isso, o maior problema para espécies frutíferas é quando o inverno apresenta ondas de frio intercaladas com muitos dias quentes, permitindo a brotação antecipada (no meio do inverno) antes de dias com temperaturas congelantes. Ou seja, o ideal é que ocorram invernos com dias frios constantes, sem a ocorrência de frios tardios (após data de brotação).
Neste momento (início de julho) todas as espécies frutíferas já entraram no estado de dormência e ainda não atingiram as exigências mínimas de HF. Nesta condição fisiológica, as espécies frutíferas de clima temperado são capazes de tolerar temperaturas de -15 a -28 °C sem danos fisiológicos. Esses limites de temperatura negativa nunca ocorreram (e certamente não ocorrerão) aqui no Sul do Brasil. Portanto, qualquer temperatura baixa que ocorrer neste mês só trará benefícios para as culturas, auxiliando para superação do estado de dormência e garantindo uma brotação mais uniforme na próxima primavera.

Pinto Bandeira celebra índice de município que mais investe em educação em todo o país

Uniforme, ônibus e cadernos são gratuitos no município. Aplicação de recursos é três vezes maior do que a média estadual

Prefeito Hadair Ferrari

A informação de que Pinto Bandeira foi o município que mais investiu em educação por aluno, em 2015, que integra o Anuário Brasileiro de Educação Básica está sendo celebrada pelo município. Trata-se de um estudo que apresenta análises sobre os temas das 20 metas do Plano Nacional de Educação (PNE). A prefeitura fornece o uniforme e um kit escolar para todo os matriculados na rede municipal. O transporte também é garantido, independentemente se o aluno está sob a responsabilidade do município ou do Estado. São situações assim que fazem de Pinto Bandeira a cidade que mais aplica recursos no Ensino Fundamental em todo o país. Assim como em outras cidades, Pinto Bandeira também recebe recursos federais e estaduais para aplicar na educação.
Conforme os números revelados o montante chegou a R$ 19,5 mil por aluno (29,9% do orçamento), o valor mais alto contabilizado em todo o país. Atualmente são três escolas municipais com 159 alunos matriculados, 100% atendidos, inclusive no contraturno escolar.
São 45 na creche, 59 na Escola Municipal Barão de Mauá e 55 na Escola de Ensino Fundamental Emilio Meyer. A única escola estadual tem 245 estudantes.
O prefeito Hadair Ferrari em entrevista para cumprimentou todo o corpo diretivo do município, citou a secretária de Educação, Angelita Pavan Poloni, além das diretoras Greice Bettoni, Silvana Ferrari Detoni e Luana Spadari, professores, merendeiras e funcionários. “Graças aos investimentos que foram feitos aqui, quero parabenizar a todos. A formação, qualificação dos professores são pontos que a gente investe bastante. O município está engatinhando e nós temos um futuro brilhante, tenho orgulho de estar aqui como gestor”, comentou o prefeito.
A Constituição obriga os municípios a aplicarem no mínimo 25% do orçamento na manutenção e no desenvolvimento da Educação. De acordo ainda com o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS) Pinto Bandeira ainda superou o que a lei exige também em 2017 e 2018. Foram destinados 26% e 28%, respectivamente, nestes anos, para a Educação.
Anuário Brasileiro da Educação Básica
Foi lançado em 2012 com o intuito de oferecer dados e informações sobre a educação. É um instrumento de consulta e acompanhamento da qualidade da educação no País, contribuindo para qualificar o debate e enriquecer a compreensão sobre as conquistas das décadas recentes, o quadro atual e as perspectivas futuras o ensino que é oferecido às crianças e aos jovens de todo o Brasil.
O Anuário adota como eixo estrutural o Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024, com suas 20 metas, que abrangem as várias etapas e modalidades de ensino, assim como a valorização dos professores, a gestão democrática e o financiamento do ensino público.

 

Vinícola Peterlongo recebeu a Confraria do Espumante

Encontro foi realizado na centenária vinícola garibaldense

Fotos: Carina de Borba

A Confraria do Espumante de Garibaldi se consolida como uma grande iniciativa para entender mais sobre a bebida símbolo do município, o espumante. Em sua 23ª edição, a Vinícola Peterlongo, primeira vinícola brasileira a produzir a refinada bebida, recebeu os participantes. O encontro ocorreu na quinta-feira, dia 18 de julho, à noite.
A atividade, que visa reunir apreciadores e convidados para discorrer sobre a história e demais aspectos relevantes do espumante, foi conduzida pelas consultoras Luisa Cousseau e Renata Lima. A degustação foi feita com os produtos Espumante Prosecco Brut, Espumante Privilege Extra-Brut, Champagne Elegance Nature e o vinho Armando Memória Touriga Nacional, ao apresentar as características de cada bebida, Renata também comentou com que alimentos ocorre a harmonização, além de sugestões de cardápios.
A Confraria do Espumante foi idealizada ainda em 2013 pela Prefeitura de Garibaldi, por meio da Secretaria de Turismo e Cultura, e os encontros são abertos para homens e mulheres com mais de 18 anos.
A Vinícola
A história da Vinícola Peterlongo está intimamente ligada ao desenvolvimento da vitivinicultura brasileira. Quando chegou ao Brasil, em 1899, o italiano Manoel Peterlongo, trouxe consigo o conhecimento herdado de seu avô na metodologia difundida por Don Perignon, com o método champenoise. Assim, em 1913, ele elaborou o primeiro espumante brasileiro, dando início à história da bebida no Brasil. A vinícola foi fundada em 1915.
Hoje, a Peterlongo completamente contextualizada com o novo mercado apresenta uma linha totalmente em sintonia com o novo consumidor. Com mais de 100 anos de tradição a Vinícola Peterlongo convida você a (re)conhecer sua história e produtos, com reconhecida qualidade internacional, através de uma linha de produtos elaborados por uma equipe de enólogos coordenado pelo francês Pascal Martin e a brasileira Deise Tempass.

 

Vereadores de Santa Tereza devem votar dois projetos que abre crédito especial

Ambos foram enviados pelo Poder Executivo

Dois projetos de lei estão na pauta de votação da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Santa Tereza desta terça-feira (23), que tem início às 19h. Ambos foram enviados pelo Poder Executivo.
A primeira matéria que deve ser apreciada é o PL nº 1.319/2019. A proposição autoriza o Executivo a abrir crédito especial no orçamento do município para pavimentação asfáltica no valor de R$ R$ 270.476,19. Segundo a justificada do projeto, atende despesas com o recurso repassados pela União para pavimentação asfáltica – Contrato de Repasse nº 1055143-41/2018.
Em seguida, deve ser votado o PL nº 1.320/2019. A matéria autoriza o Executivo a abrir crédito especial no orçamento do município para manutenção básica, através de verba parlamentar no valor de R$ 100.000,00. De acordo com a justificada o valor será aplicado em saúde, como exames, consultas para diminuir fila de espera.
A Sessão Ordinária, aberta à participação da comunidade, é transmitida pelo Facebook.