Plano Safra 2020/21: conheça as linhas de crédito, taxas de juros e mudanças em relação ao plano anterior

O Plano Safra 2020/21 entra em vigor dia 1º de julho de 2020 e segue até 30 de junho do ano seguinte. Neste ano, foram disponibilizados R$ 236,3 bilhões para a nova safra, R$ 13,5 milhões a mais que no ano passado.
Desse total, R$ 179,38 bilhões serão destinados ao custeio e comercialização dos produtos agrícolas.
Outros R$ 56,92 bilhões serão destinados à infraestrutura, como compra de máquinas e implementos agrícolas. Os recursos buscam garantir a produção e o abastecimento do país em tempos de crise.
Confira a tabela com o volume de recursos disponibilizados e a finalidade, segundo o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

Volume de recursos e suas finalidades nos Planos Safra 2019/20 e 2020/21 (Fonte: Mapa)

Além disso, buscando superar a crise econômica e fortalecer o setor agrícola, os investimentos foram ampliados em 30%.
O mesmo percentual foi acrescido ao seguro rural, que para a próxima safra soma R$ 1,3 bilhão.
Na prática, isso deve resultar na contratação de 298 mil apólices e cobertura de 21 milhões de hectares em média.
Principais linhas de crédito
Serão disponibilizados R$ 66,1 bilhões para pequenos e médios produtores investirem em suas empresas rurais.
Deste volume, R$ 33 bilhões serão voltados a agricultores familiares, dentro do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).
Outros R$ 33,1 bilhões para Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp).
Ambas as linhas de crédito têm redução nas taxas de juros em comparação com o plano 2019/2020.
No caso de produtores que optarem pelo Pronaf, as taxas de juros serão de 2,75% e 4% ao ano para custeio e comercialização.
Já para o Pronamp, se você é um produtor de médio porte, as taxas de juros serão de 5% ao ano.
Caso você se enquadre como grande produtor, a taxa de juros será de 6% ao ano.
Confira a tabela com o volume de recursos e a distribuição por tipo de beneficiário, segundo o Mapa.

Volume de recursos e distribuição por tipo de beneficiário Plano safra 2019/20 e 2020/21 (Fonte: Mapa)

Programa ABC e Pronaf-Bio
Outras linhas de crédito também estão disponíveis, como é o caso do Programa para Redução de Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura (Programa ABC). Ele é voltado para o financiamento de técnicas sustentáveis e terá recursos de R$ 2,5 bilhões.
Dentro desse programa, caso o produtor necessite realizar adequações de sua propriedade ao Código Florestal, pode contar com a linha ABC Ambiental, que possui taxa de juros de 4,5% ao ano.
Também existe incentivo à inclusão de novas tecnologias voltadas aos bioinsumos tanto dentro das empresas rurais (Programa de Incentivo à Inovação e Tecnológica na Produção Agropecuária – Inovagro) quanto cooperativas (Programa Prodecoop).
Outra novidade do Plano Safra 2020/2021 é o Pronaf-Bio, totalmente voltado para as cadeias produtivas da bioeconomia.

Plano Safra 2020/21: Inovação e tecnologia
O plano safra 2020/21 também apresenta linhas de créditos voltadas para inovação e tecnologia.
O programa responsável por esse tipo de linha de crédito é o Moderinfra (Programa de Incentivo à Irrigação e à Produção em Ambiente Protegido), com taxa de juros de 6% ao ano.
O Plano Safra 2020/2021 conta ainda com incentivo para construção de armazéns, com taxa de 5% ao ano.
A construção de ambientes de armazenamento vem para suprir um dos maiores problemas de perdas após colheita. Investir em silos de armazenamento tecnificados pode melhorar sua rentabilidade.
Algumas linhas também são voltadas para o apoio à pecuária, para Tecnif
Icar o setor.