Contas de telefone ficam mais caras a partir deste mês após mudança no ICMS

O ano começou com aumento no custo da telefonia em todo o país.Decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que as empresas de telefonia fixa e móvel recolham o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o valor da assinatura básica mensal. Os valores variam de acordo com o estado e o tipo de plano oferecido pelas operadoras. As empresas de telefonia que ainda não recolhiam o imposto estão comunicando aos clientes o reajuste dos planos.

De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel),não se trata de aumento de tarifa ou preço de serviços. Em nota, a agência reguladora esclarece que o reajuste dos planos básicos das concessionárias de telefonia ocorre anualmente e é homologado sem o acréscimo de impostos. O último reajuste aprovado pela Anatel foi em setembro de 2016.

O valor recolhido pelas operadoras com o imposto é repassado aos estados. A cobrança do ICMS é feita conforme regras definidas pelas secretarias de Fazenda estaduais, que definem a alíquota de ICMS que incidirá sobre os serviços de telecomunicações. Segundo o Sindi Telebrasil, as prestadoras de telecomunicações apenas recolhem os tributos cobrados sobre os serviços e repassam integralmente aos cofres públicos.

“Nesse sentido, as prestadoras cumprem decisão da Justiça e dos governos estaduais, que definem as alíquotas a serem aplicadas. Cada prestadora está seguindo uma agenda adequada para informar aos clientes sobre a incidência do ICMS. Só no ano passado, foram recolhidos aos cofres estaduais R$ 34 bilhões de ICMS sobre serviços de telecomunicações”, diz a entidade em nota. De acordo com o Sindi Telebrasil, a carga tributária do país é uma das maiores do mundo e representa cerca de 50% da conta dos serviços.

Segundo a Anatel, a cobrança do ICMS é obrigatória pelas empresas prestadoras de serviço de telecomunicações e o acréscimo é repassado aos consumidores, independentemente do plano adquirido.

STF

A questão chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF) por meio de um recurso do governo do Rio Grande do Sul, que recorreu de decisão da Justiça gaúcha. No julgamento, o Tribunal de Justiça entendeu que o serviço de assinatura básica oferecido pelas operadoras aos consumidores não pode sofre reincidência do ICMS por tratar-se de um serviço complementar.

Por 7 votos a 2, seguindo voto do relator, ministro Teori Zavascki, o STF entendeu que a assinatura básica faz parte da prestação do serviço de telefonia e, dessa forma, o imposto deve ser cobrado.

Fonte: Agência Brasil

Fotos: Divulgação

Inscrições para III Simpósio Internacional Vinho e Saúde abrem em fevereiro

Evento reunirá pesquisadores e interessados no tema em junho de 2017, em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, durante a programação do Dia do Vinho, e apresentará novos benefícios à saúde

Grandes nomes da pesquisa sobre os benefícios da uva e seus derivados estarão no III Simpósio Internacional Vinho e Saúde, que ocorre de 1º a 3 de junho, na Casa das Artes, em Bento Gonçalves (RS). Especialistas do Brasil e do Exterior debaterão os resultados de estudos sobre os produtos vinícolas que têm ocupado cada vez mais espaço na mesa dos consumidores. As inscrições para a submissão de trabalhos ocorre a partir do dia 20 de janeiro e as matrículas para a participação no encontro abrem no dia 20 de fevereiro. Ambas devem ser feitas pelo site www.simposiovinhoesaude.com.br. Até o dia 20 de março, o valor para a participação varia de R$ 70 (estudantes) a R$ 200 (profissionais da saúde). Para profissionais do setor vitivinícola o investimento é de R$ 150.

A biomédica Caroline Dani, presidente da Comissão Científica do Simpósio, antecipa que as palestras vão abordar os benefícios da uva e seus derivados para a saúde, incluindo ganhos na prática de exercícios físicos, para a memória, para o coração, na prevenção do câncer e como aliado na perda de peso. “O grande número de pesquisas retrata que temos cada vez mais profissionais desenvolvendo trabalhos sobre os benefícios da uva e do vinho. Isso também é fruto de uma população que está cada vez mais interessada, em busca de novas informações”, avalia. Ela constata que os consumidores estão cada vez mais conscientes sobre a importância de conhecer melhor os produtos, sua composição, a existência de elementos nocivos à saúde e as alternativas existentes no mercado que tragam ganhos à saúde.

No Simpósio, que ocorre em paralelo à programação do Dia do Vinho, também serão discutidos os benefícios obtidos a partir do consumo de outros derivados da uva, como óleos, extratos e farinhas de sementes e cascas da fruta, por exemplo.

Para o pesquisador e chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Uva e Vinho, Alexandre Hoffmann, o evento será importante por ampliar a rede de parceria entre as instituições de pesquisa, para aumentar o interesse da sociedade pelo tema e pelo fortalecimento das bases científicas sobre os benefícios da uva e seus derivados. “Desde a primeira edição, a Embrapa Uva e Vinho apoia essa iniciativa por acreditar que todas as etapas de produção são fundamentais para maximizar os ganhos dos produtos vitivinícolas para a saúde. A escolha das cultivares, o manejo adequado e as formas de vinificação que extraiam ao máximo as propriedades da uva são preocupações constantes que repercutem nas demais áreas de pesquisa”, explica.

Já o presidente da Associação Brasileira de Enologia (ABE), Edegar Scortegagna, justifica o apoio da entidade ao evento por fomentar e ampliar os estudos sobre os efeitos benéficos da bebida para a saúde do ser humano. “Os enólogos, com as diferentes técnicas de vinificações, podem, inclusive, colaborar ainda mais para otimizar o poder benéfico dos vinhos”, acredita.

Além de enólogos, o Simpósio tem como público-alvo profissionais da área da saúde e educação com afinidade ao tema, pessoas ligadas ligados à viticultura, lideranças do setor produtivo e formadores de opinião, produtores rurais, fornecedores da cadeia produtiva e imprensa. O III Simpósio Internacional Vinho e Saúde é uma realização do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) com apoio da ABE e da Embrapa Uva e Vinho.

Pesquisas inéditas serão premiadas
A programação do III Simpósio Internacional Vinho e Saúde contará ainda com um espaço para pesquisas inéditas, cuja apresentação poderá ser feita de forma oral ou por meio de pôster. As selecionadas serão publicadas em revista científica e as melhores nas modalidades pôster e oral serão premiadas.

Fotos: Maryo Franzen

Jantar dançante em honra a São Brás e São Cristóvão em Monte Belo

Festividades iniciam nos dias 1º, 02 e 03 de fevereiro com tradicional tríduo na igreja Matriz

No sábado, 04 de fevereiro a comunidade de Monte Belo do Sul promove festa em homenagem a 57ª Festa em Honra a São Brás e a 53° Festa em Honra a São Cristóvão. A programação inicia com o tradicional tríduo, nos dias 1º, 02 e 03 de fevereiro na igreja Matriz do município.
No dia festivo, sábado, a programação inicia às 18h com missa seguida de benção da garganta e benção dos carros. As 20h jantar baile na Sociedade 24 de maio. O valor do ingresso é R$ 60,00 por pessoa. A animação fica a cargo da banda Zabadak.

 

 

 

Fotos: Marlove Perin

Novos valores de taxas do Detran-RS começam a valer nesta quarta

Veja os preços atualizados, que entram em vigor a partir de 1º de fevereiro

Começam a valer nesta quarta-feira, dia 1º, os novos valores de serviços do Detran-RS. Em portarias publicadas no site do departamento nesta terça-feira, os preços de todos os serviços dispostos pelo órgão foram atualizados conforme o reajuste na Unidade Padrão Fiscal do Estado.

Um exemplo do aumento será sentido nas renovações de CNH. Até 31 de janeiro, o custo da renovação, composto por taxa de serviço, taxa de exame médico e expedição da Carteira Nacional de Habilitação, era de R$ 196,51. Com a mudança, o total sai por R$209,44. A segunda via do documento, que antes custava R$ 48,64, agora passará a custar R$ 51,84.

As aulas teóricas, que antes custavam R$7,36 a hora-aula, passam para R$7,84. Para as aulas em simuladores da categoria B, os preços foram de R$ 55,46 para R$ 59,10. Aulas práticas da categoria B saem por R$ 55,73 a partir de fevereiro, diferente dos R$ 52,29 praticados até então. Nas categorias C, D e E, o valor atualizado é de R$ 64,56.

Exames também sobem de valor. O de aptidão física e mental, antes por R$ 62,15, sai por R$ 66,24. O teórico técnico, vai de R$ 33,85 para R$ 36,08 e o prático de direção veicular, que saía por R$ 58,88, chega a R$ 62,72. Avaliação psicológica sobe de R$ 62,15 para R$ 66,24.

Fotos: Ciretran /Divulgação

Governador do RS sanciona lei que regulamenta Queijo Artesanal Serrano

O governador José Ivo Sartori sancionou, na terça-feira (31/01), o projeto de lei 63/2016, que regulamenta a produção e comercialização do Queijo Artesanal Serrano, uma tradição de mais de 200 anos, praticada por 1.500 produtores que vivem da bovinocultura em 16 municípios gaúchos que compõem a Região Delimitada dos Campos de Cima Campos de Cima da Serra, envolvendo os Coredes Campos de Cima da Serra, Hortências e Serra. A iniciativa fortalece o setor e dá mais segurança para o produtor investir na fabricação, que utiliza leite cru. A sanção da lei foi prestigiada pelo diretor técnico da Emater/RS e presidente em exercício, Lino Moura, e a gerente e o adjunto da região de Caxias do Sul, Sandra Dalmina e Elói Portolan.

“Este é o reconhecimento de um belo trabalho de produção. É a valorização de uma tradição que faz parte da história de muitos gaúchos. Com esta ação, agregamos valor a um produto que sustenta inúmeras famílias e contribui não só para o crescimento de municípios, mas também para o crescimento de todo o Estado”, afirmou Sartori.

De autoria do deputado Vinícius Ribeiro, a lei prevê que o leite utilizado na produção do queijo artesanal deve ser da propriedade ou posse rural em que se situa a queijaria, sendo proibida a aquisição de leite de outros locais, mesmo que próximos ao estabelecimento. O queijo também deverá ser comercializado somente sob registro ou título de relacionamento, ambos emitidos pelo órgão de controle sanitário do Estado, ou por serviço de inspeção municipal. Além disso, deve estar identificado, contendo o número do cadastro, registro e nome do município de origem do estabelecimento.

“Este projeto de lei tem uma dimensão muito grande para inúmeras famílias que trabalham neste setor. Além de qualificar a comercialização, é um resgate histórico que valoriza o pequeno produtor e incentiva os seus filhos a permaneceram no campo, crescendo junto com a região”, destacou Ribeiro.

ATERS RECONHECIDA
De acordo com o projeto, a Emater/RS-Ascar, em parceria com o Governo do Estado, prefeituras, cooperativas, sindicatos rurais e órgãos de controle sanitário, vai desenvolver ações de Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters), estabelecendo rotinas, adequações, qualificação, políticas de apoio financeiro ou estrutural, organização de rede de distribuição, comercialização e campanhas de promoção do Queijo Artesanal Serrano. “É uma grande vitória para os pequenos produtores. Com esta valorização, a produção do Queijo Serrano continuará passando de geração em geração com ainda mais qualidade e eficiência”, ressaltou o prefeito de Bom Jesus, Frederico Becker.

Para Jaime Ries, zootecnista e assistente técnico estadual em Leite da Emater/RS-Ascar, o reconhecimento oficial da existência do Queijo Artesanal Serrano, fabricado com leite cru, dá segurança para o produtor investir na produção. ?Com essa garantia, projetamos para este ano a formalização de 50 microqueijarias, a serem legalizadas junto ao Serviço de Inspeção dos municípios envolvidos?, prevê Ries.

Fotos: Divulgação

Aurora Millésime 2012 é destaque no aplicativo de avaliação Vivino

Pelo segundo ano consecutivo, a Vinícola Aurora tem seu Millésime Cabernet Sauvignon entre os campeões no Vivino 2017 Wine Style Awards, na categoria Cabernet Sauvignon do Brasil.

O Millésime 2012 conquistou a posição na seleção anual desse site de avaliação e buscas de vinhos de todo o mundo, que atinge cerca de 20 milhões de apreciadores nos diferentes países.

Na seleção Vivino do ano passado, o Aurora Millésime 2011 também ficou entre os melhores Cabernet Sauvignon do Brasil do ano. “É uma grande honra estarmos com esse destaque no Vivino, uma vitrine aberta a milhões de consumidores no mundo”, afirma Lourdes Conci da Silva, gerente de Marketing da Vinícola Aurora.

 

 

 

Fotos: Divulgação

Abertura oficial da colheita da uva no Rio Grande do Sul será em Monte Belo do Sul, dia 4

O cheiro da uva toma conta dos parreirais e Monte Belo do Sul se prepara para receber no próximo sábado dia 4 de fevereiro o Ato Oficial de Abertura da Colheita da Uva no Estado do Rio Grande do Sul – Safra 2016/2107.

O evento será realizado na propriedade da Família Barbieri (Rua Antônio Barbieri, 311). Após os pronunciamentos, as autoridades darão início simbolicamente à colheita da uva. A atividade integra o calendário de eventos do Governo do Estado, instituído pelo Decreto 48.838/2012.

De acordo com o Ibravin, neste ano deverão ser colhidos cerca de 600 milhões de quilos de uva para a elaboração de vinhos, sucos, espumantes e outros derivados. A abertura oficial da Vindima segue um rodízio entre as regiões vitivinícolas do estado. O município escolhido neste ano se destaca pela produção de uvas viníferas. Em 2013, a região de Monte Belo, que inclui áreas dos municípios de Bento Gonçalves e Santa Tereza, recebeu a certificação de Indicação Geográfica (IG) pelo Instituto de Propriedade Industrial (INPI). Os primeiros rótulos com o selo chegaram ao mercado em junho de 2016.

Fotos: Divulgação

Caixa Forte: O Valor da Cooperação na Aurora

Cooperativa formada por descendentes de italianos é a maior Vinícola do Brasil. Uma história que foi construída por famílias ao longo de 85 anos

Cérgio Ferro, 69 anos é agricultor. No município de Monte Belo do Sul junto com a esposa Ereni, 64 anos e os dois filhos Michel, 34 anos e César 38 anos, ele dá sequência à tradição herdada dos pais: produzir uvas. Uma família inteira envolvida na produção da fruta. Toda a produção da família vem diretamente para a cooperativa Aurora, empresa que processa mais 60 toneladas de uvas e tem 1.100 famílias associadas.

“A Cooperativa Aurora é nossa segunda família. Somos cooperados que preservamos o lastro familiar. Temos orgulho e honra em fazer parte da empresa. É uma cooperativa que une as famílias e valoriza os associados. Passamos por dificuldades, como tudo na vida” resume o produtor.

Cérgio conta que no começo os produtores traziam o vinho para a Aurora de bigunço. “Eu tinha um caminhão Ford F350, naquela época era muito trabalhoso e sofrido”. Todo esse trabalho dos nossos antepassados ajudou para que a Aurora não se transformasse apenas em uma cooperativa, mas se misturasse com a história das pessoas. Ereni se sente realizada e tem orgulho de seus dois filhos seguindo e aprendendo com pai.

O sentimento exposto pela família vai muito além da gratidão. Assim como ele, muitos agricultores sabem que a base da filosofia cooperativista está na aliança onde cada um faz a sua parte: o agricultor entrega a sua produção na cooperativa e em troca conta com um canal de produtos e assistência técnica.

“O grande desafio da Aurora agora é que os jovens continuem o que seus antepassados começaram. A maioria dos cooperados tem mais de 60 anos de idade. A cooperativa é muito forte e tem alma, e os jovens precisam amá-la tanto quanto os mais velhos. Sabemos que a tentação de ir embora é muito grande. Penso que este é o momento de recebermos bem esses jovens e mostrarmos para eles que não só a qualidade de vida, mas o próprio ganho financeiro na produção da uva reserva um futuro mais promissor. Por isso queremos valorizar o nosso produtor e incentivá-lo a ficar na propriedade rural” diz o presidente da Aurora, Itacir Pedro Pozza.

Produção

Até o momento, cerca de 20 mil quilos de uva da variedade Pinotage e Riesling foram colhidos. A projeção do agricultor é somar, até o final da safra, 200 mil quilos em 9,5 hectares. “A uva está boa este ano” — garante Cergio, que terá ajuda de familiares e safristas nas próximas semanas para intensificar a colheita.

Fotos: Marlove Perin

Dal Pizzol Day Festival: Um dia para degustar

Vinhos, espumantes, quitutes e música ao ar livre no dia 11 de fevereiro

A Dal Pizzol estreia na realização de evento enogastronômico a céu aberto. É o Dal Pizzol Day Festival que acontece dia 11 de fevereiro com a degustação de vinhos e espumantes, com o acompanhamento de hambúrgueres, sanduíches, porções de massas, batatas e frios numa parceria com a Estação Café Blauth. O cenário não podia ser melhor: o Ecomuseu da Cultura do Vinho, na Rota Cantinas Históricas, em Bento Gonçalves, com suas áreas verdes e lagos.

Serão nove horas para curtir as atrações do evento que inicia às 12h e segue até às 21h. Os vinhos e espumantes Dal Pizzol e as comidinhas serão harmonizados com a boa música das bandas Blue Label e Dan Ferreti e DJs especiais. Na programação, exposição de carros antigos e a participação de moto clubes da região. Ingressos no local a R$ 15, com direito a uma taça personalizada com uma dose de vinho ou espumante ou suco de uva.

“Quem gosta de vinho, espumante, comidinhas rápidas e boa música terá aqui uma tarde para apreciar esses prazeres em meio à natureza”, explica o enólogo Dirceu Scottá. Segundo ele, os vinhos e espumantes poderão ser adquiridos em taça ou em garrafa. Saindo do tradicional, opções gourmet a cargo do chef Cesar Chies da Estação Café Blauth, que valoriza o sabor com o uso de ingredientes selecionados.

Em caso de chuva o evento será transferido. Informações pelo telefone (54) 3449.2255 ou pelo e-mail dalpizzol@dalpizzol.com.br.

O lugar

O Dal Pizzol Day Festival terá como cenário o Ecomuseu da Cultura do Vinho, na Rota Cantinas Históricas, em Faria Lemos, interior de Bento Gonçalves. São 80 mil metros quadrados de área num ambiente privilegiado pela natureza com uma diversificada coleção botânica de espécies nativas, exóticas, ornamentais, frutíferas e medicinais, todas identificadas e catalogadas. Pavões, cisnes negros, galinhas de angola, marrecos e gansos vivem livres no local.

Objetos, fotos, documentos e centenas de garrafas de vinhos compõem a riqueza do local, que abriga desde 1974 a Dal Pizzol Vinhos Finos, vinícola com pouco mais de 40 anos. São 235 garrafas nacionais e estrangeiras, vinhos produzidos na África do Sul, Argélia, Armênia, Bolívia, Canadá, China, Japão e Coréia. Na sala de exposições está a garrafa de vinho brasileiro mais antigo, de 1937, período em que não havia rótulos. Garrafões empalhados, uma coleção de saca-rolhas, ânforas de origem italiana, entre outros, também podem ser observados.

Outra preciosidade encontrada no Ecomuseu da Cultura do Vinho, em especial aos amantes da uva e vinho, é uma das três maiores coleções de uvas privada do planeta e a maior da América Latina, com cerca de 400 variedades. Ao lado, também podem conhecer uma réplica do primeiro vinhedo construído pelos imigrantes, a partir de 1875, todo em madeira e sem fios de arame.

A história da Dal Pizzol também pode ser contada por meio da Enoteca, uma antiga fornalha da olaria da família guarda os vinhos elaborados pela vinícola desde sua fundação. Durante o Dal Pizzol Day Festival, o público terá acesso a sala de exposições, varejo e o primeiro vinhedo, além de poder conferir de perto o Vinhedo do Mundo e onde está localizada a Enoteca.

Fotos: Jeferson Soldi

Coral e Grupo Folclore de Monte Belo participam do Festival da Canção Italiana

O evento, que chegou a sua 29ª edição, aconteceu no dia 14 para celebrar a cultura

O Coral Municipal e Grupo Vicentino de Monte Belo participaram no sábado dia 14, do tradicional Festival da Canção Italiana. O evento, que chegou a sua 29ª edição, aconteceu no dia 14 para celebrar a cultura, na cidade de Coqueiro Baixo, no Vale do Taquari, conhecido como município da canção italiana.

O Coral Municipal recebeu o prêmio de participação dentre os oito participantes. Já o Grupo Vicentinho foi contemplado com o 3º lugar dos grupos dentre 11 participantes. Os grupos foram acompanhados pela Secretária de Educação de Desporto Marinez Berselli Zanchet e o Secretário de Cultura e Turismo Alvaro Manzoni. As atividades contam com o apoio da atual Administração.

Para o Secretário de Cultura e Turismo o evento valoriza a cultura e o turismo da cidade “Nosso objetivo é valorizar ainda mais a cultura local com o intuito de “Valorizar a nossa gente”, incentivando e revelar talentos do município” explica. “Queremos manter os projetos legais que envolve a cultura e aprimorar, além de retomar antigas propostas, eventos tradicionais como “Polentaço” e a “Festa da “Vindima” que celebram o trabalho, a Fé e o resgate da memória local, afirma o secretário.

Fotos: Divulgação