A qualidade dos vinhos brasileiros na maior degustação do planeta

16 amostras mais representativas da Safra 2017 foram degustadas por mil pessoas na 25ª Avaliação Nacional de Vinhos realizada neste sábado, 23, em Bento Gonçalves

A maior degustação de vinhos de uma safra do mundo chegou a sua 25ª edição. Cerca de mil pessoas de todo o Brasil e do exterior degustaram na taça as 16 amostras mais representativas de vinhos brasileiros da Safra 2017, no momento mais aguardado pelo setor vitivinícola. A 25ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2017, realizada neste sábado, 23, no iniciativa da Associação Brasileira de Enologia (ABE).

Com 327 amostras inscritas por 59 vinícolas de seis estados brasileiros (Bahia, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo), esta é a maior Avaliação dos últimos quatro anos. O ranking dos 30% mais representativos, ou seja, 103 vinhos, foi anunciado ao final do evento como resultado da degustação de seleção realizada durante o mês de agosto por 118 enólogos, que às cegas, seguiram normas internacionais sob a coordenação da Embrapa Uva e Vinho. Dentre este seleto grupo, 16 vinhos foram selecionados entre os mais representativos para serem degustados pelo grande público na maior celebração dos vinhos do Brasil. Coube ao presidente da ABE, enólogo Edegar Scortegagna, revelar quais foram os 16 vinhos degustados.

“Sabemos que todo vinho tem marca. Para nós, a marca da dedicação de um enólogo. Assim é a Avaliação Nacional de Vinhos. Um evento que carrega a marca do vinho brasileiro. Nós, da Associação Brasileira de Enologia, nos unimos e evoluímos ao longo do tempo. São 40 anos bem vividos e, continuamos conservados; preservamos muitos dos nossos aromas. Evoluímos para nos tornarmos um exemplar cheio de tipicidade institucional. Assim, criamos e maturamos a Avaliação Nacional de Vinhos, sendo decisivos na evolução qualitativa da bebida no Brasil. Fizemos isso porque somos os enólogos de um país que é por natureza vários países. Somos os enólogos do Brasil, da Associação Brasileira de Enologia, da Avaliação Nacional de Vinhos”, destacou o presidente da ABE, enólogo Edegar Scortegagna.

O ritual se repete há 25 anos e a cada safra a expectativa é sempre grande. O evento é reconhecido por sua proximidade com a cadeia produtiva da uva e do vinho, de modo que contribui para que a produção do vinho brasileiro evolua em qualidade, tecnologia e reconhecimento. Portanto, um dos legados da Avaliação é nortear produtores e enólogos na escolha de variedades de uvas, técnicas de elaboração e lançamento de produtos. “O que o público degustou na taça é a antecipação do que estará no mercado a partir do próximo ano”, salienta Scortegagna.

O evento também foi marcado pelo brinde dos 25 anos da Avaliação Nacional de Vinhos, compartilhado por todos os presentes. E como todos os anos, a Avaliação surpreende os participantes dentro e fora da taça, a atração final ficou por conta da Banda Cabelo Cacheado com o talento de Laura Dalmás, participante do The Voice Brasil 2016.

Troféu Vitis 2017

Desde 1993, a ABE homenageia figuras que dedicam seu tempo, conhecimento e talento para a promoção e valorização do vinho brasileiro. Neste ano, a entidade entregou o Troféu Vitis Amigo do Vinho 2017 para a sommelier internacional e jornalista Andréia Debon, editora da Revista Bon Vivant, especializada no mundo do vinho. Ela também participa como jurada em degustações e concursos de vinhos no Brasil e no exterior, viajando para países produtores e com potencial enoturístico. E o Troféu Vitis Destaque Enológico 2017 foi entregue à enóloga Maria Regina Ferreto Flores, hoje diretora técnica da LNF Latino Americana. Maria Regina foi professora na então Escola Agrotécnica Federal e enóloga-chefe da Cooperativa Vinícola Aurora de 1984 a 1995.

16 AMOSTRAS DEGUSTADAS E SEUS COMENTARISTAS

Categoria Vinho Base para Espumante

Chardonnay/Riesling Itálico – Chandon (Garibaldi – RS) – Flávio Zílio

Chardonnay – Casa Valduga (Bento Gonçalves – RS) – Junko Iwamoto

Chardonnay – Domno do Brasil (Garibaldi – RS) – Álvaro Cézar Galvão

Categoria Branco Fino Seco Não Aromático

Riesling Itálico – Cooperativa Vinícola Aurora (Bento Gonçalves – RS) – Fabiana Gonçalves Mignot

Chardonnay – Vinícola Almadén (Santana do Livramento – RS) – Danio Braga

Chardonnay – Vinícola Cave de Pedra (Bento Gonçalves – RS) – Maria Regina Ferreto Flores

Categoria Branco Fino Seco Aromático

Sauvignon Blanc – Vinícola Fazenda Santa Rita (Vacaria – RS) – Alessandra Kianek

Moscato Giallo – Cooperativa Vinícola São João (Farroupilha – RS) – Odila Armbruster de Moraes

Categoria Tinto Fino Seco Jovem

Cabernet Franc – Vinícola Salton (Bento Gonçalves – RS) – Márcia Monteiro

Categoria Tinto Fino Seco

Petit Syrah – Luiz Argentina Vinhos Finos (Flores da Cunha – RS) – Paulo Brammer

Merlot – Casa Perini (Farroupilha – RS) – Ivane Maria Remus Fávero

Merlot – Miolo Wine Group (Bento Gonçalves – RS) – Daniel Scola

Cabernet Franc – Giacomin Indústria de Bebidas (Flores da Cunha – RS) – Giuseppina Paola Parpinello

Malbec – Vinícola Almaúnica (Bento Gonçalves – RS) – Cecília Aldaz

Cabernet Sauvignon – Guatambu Estância do Vinho (Dom Pedrito – RS) – Protásio Lemos da Luz

Tannat – Don Guerino Vinhos e Espumantes (Alto Feliz – RS) – Mauro Celso Zanus

NÚMEROS DA 24ª AVALIAÇÃO NACIONAL DE VINHOS – SAFRA 2017

– Amostras inscritas: 327

– Vinícolas participantes: 59

– Time da Degustação de Seleção: 118 enólogos

– Participantes: 850 apreciadores de sete países (Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Itália, Japão e Uruguai). Do Brasil, compareceram enófilos de 10 estados ((Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo), além do Distrito Federal.

– Painel de comentaristas: 15 convidados de quatro países Argentina, Brasil, Itália e Japão) e um apreciador sorteado entre o público (Odila Armbruster de Moraes –SBAV-SP).

– Serviço do vinho: 105 alunos dos cursos de Viticultura e Enologia do IFRS – Campus Bento, IFSC – Campus Urupema e Unipampa.

– Amostras degustadas: 16

– Garrafas servidas: 1.440 (90 de cada)

– Em 25 edições, 16.317 apreciadores e 5.849 amostras.

COMENTARISTAS

1. Junko Iwamoto – Jornalista Master of Wine (Japão)

2. Maria Regina Flores – Enóloga e degustadora da 1ª Avaliação Nacional de Vinhos (Brasil)

3. Márcia Monteiro – Jornalista e roteirista da Globo (Brasil)

4. Protásio Lemos da Luz – Médico Cardiologista (Brasil)

5. Álvaro Cezar Galvão – Enófilo e Blogueiro Divino Guia (Brasil)

6. Giuseppina Paola Parpinello – Enóloga e pesquisador da Universidade da Bologna. Departamento de Ciência e Tecnologia Alimentação e Agricultura (Itália)

7. Danio Braga – Chef de cozinha e sommelier (Brasil)

8. Flávio Zílio – Enólogo do Ano 2016 (Brasil)

9. Daniel Scola – Jornalista da Rádio Gaúcha (Brasil)

10. Mauro Celso Zanus – Chefe Geral da Embrapa Uva e Vinho (Brasil)

11. Cecília Aldaz – Sommelier e apresentadora do programa ‘Um brinde ao vinho’ na Globo Sat Play (Argentina)

12. Paulo Brammer – Sommelier do Eno Cultura (Brasil)

13. Ivane Fávero – Presidente da Associação Internacional de Enoturismo – Aenotur (Brasil)

14. Fabiana Gonçalves Mignot – jornalista do blog Escrivinhos (Brasil)

15. Alessandra Kianek – jornalista (Brasil)

16. Odila Armbruster de Moraes – SBAV SP (Brasil)

Fotos: Jeferson Soldi

Câmara realiza Sessão Solene de Homenagem ao Agricultor Destaque e portarias de Louvor e Agradecimento

A Câmara Municipal de Monte Belo do Sul irá realizar uma Sessão Solene de Homenagem ao Agricultor Destaque de 2017 na terça-feira, 03 de outubro, às 19h na sede do Legislativo. O evento é realizado anualmente e a comunidade está convidada a participar. A Honraria será entregue aos seguintes homenageados: Solano Tomé Vivian (Santa Bárbara), Adriano Cavaleri (80 da Leopoldina) e João Carlos Tasca
(Santo Izidoro). No dia, também será entregue portarias de Louvor e Agradecimento ao estudante Maikon DelnRé Perin, pelo Trabalho de Conclusão de Curso em Engenharia Eletrônica e a Senhora Lydia Zaffari Parmegiani, moradora mais antiga do município que completou 109 anos no dia 21 de junho
de 2017.

128ª Festa em Honra ao Padroeiro São Francisco de Assis

Monte Belo recebe os fiéis para a festa do dia 1º de outubro

Com o lema “Caminhando na fé e devoção com São Francisco de Assis e Nossa Senhora Aparecida” ocorre no dia 1º de outubro a 128ª Festa em Honra ao Padroeiro São Francisco de Assis em Monte Belo do Sul. A festa inicia às 10h com missa festiva seguida de procissão. Ao meio dia tradicional almoço. O valor do ingresso é R$ 50,00 por pessoa.

Oração à São Francisco de Assis

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve amor; Onde houver ofensa, que eu leve perdão; Onde hou­ver discórdia, que eu leve a união; Onde houver dúvida, que que eu leve a fé; Onde houver erro, que eu leve a verdade; Onde houver d e s e s p e r o, que eu leve a esperança; Onde houver tristeza, que eu leve a alegria; Onde houver trevas, que eu leve a luz. Ò Mes­tre fazei que eu procure mais consolar, que ser consolado, compreender, que ser compreendido, amar, que ser amado. Pois, é dando que se recebe, é perdo­ando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida eterna. Amém.

CPI vai investigar obra parada em escola há quase um ano

A obra recebeu mais de R$ 1 milhão do governo federal e cerca de R$ 250 mil da Prefeitura

Os vereadores de Monte Belo do Sul aprovaram por maioria de votos, dia 05, a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para investigar supostas irregularidades na construção de uma escola municipal. A obra iniciada em 2015 está paralisada deste outubro de 2016, devido a problemas na execução do projeto arquitetônico, por parte da empresa Brunoni e Salvador Empreendimento LTDA, vencedora da licitação realizada pela Prefeitura em 2014.

No dia 12 de setembro, o presidente da Câmara, Nilso Cavaleri, autor do pedido de instalação da CPI, solicitou aos líderes de bancada que indicassem nomes para compor a Comissão. Apenas a bancada PTB não indicou representante a Comissão. Após encaminhamento das demais bancadas a presidência da CPI, ficou com o vereador, Onecimo Pauleti (PMDB), a relatoria com o vereador, Silvio Cesca (PMDB) e o parlamentar, Arístides Fantim (PMDB), como secretário. De acordo com o Regimento Interno da Câmara, a CPI terá 60 dias de duração, se necessário poderá ser prorrogado por mais 30. Segundo Cavaleri a CPI vai apurar todo o tramite deste a licitação ao último ato da atual administração que rescindiu o contrato, com a empresa. “Queremos averiguar e encontrar os responsáveis pelas falhas”, afirma o presidente do Legislativo.

Prefeitura rescinde contrato de obra da Escola

A Prefeitura de Monte Belo do Sul rescindiu em março o contrato com a empresa Brunoni e Salvador Empreendimento, responsável pela construção da escola. A empresa foi multada em R$ 50 mil.

Os motivos da rescisão, segundo o prefeito Ademir José Dallé, foram à morosidade nas obras, o não cumprimento dos prazos de execução, ou seja, em 30 meses apenas 35% da estrutura arquitetônica foi construído e a falta de garantia contratual da empresa Brunoni. “Quando assumimos a obra estava parada há três meses. Diante de seis pedidos de aditivo contratual que chegam a quase 25% do valor da obra e as falhas no projeto arquitetônico, o que coloca em risco toda a estrutura

da escola decidimos rescindir o contrato. Nosso interesse é concluir a obra, mas é preciso rever vários itens do projeto, bem como avaliar os custos para o município”, explica Dallé.

De acordo com o sócio Administrador da Empresa, Diego Brunoni, a empresa não se opõe a rescisão unilateral do contrato de prestação serviço, mas alega falta de repasses do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE, bem como os sucessivos atrasos na liberação de recursos. Conforme levantamento do setor de fiscalização da Prefeitura o atraso no repasse dos valores ocorreu devido à morosidade da obra e que os boletins de medição apresentados pela empresa, não atingiram ao mínimo de 3% de construção ao mês, exigência do FNDE para depósito dos recursos. Conforme Dallé um novo projeto arquitetônico adequado às necessidades do projeto original e as fundações executadas será elaborado, conforme sugere um laudo técnico do setor de obras da Prefeitura, além da avaliação dos geólogos Lucas Matzembacher e Lucilene Mallmann, que apontaram a necessidade melhorias no sistema de contenção e a necessidade de reavaliar a construção da escola no terreno atual. Após será avaliada a viabilidade financeira para abertura de novo processo licitatório.

Relatório enviado ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas

O prefeito Dallé confirmou que enviou um relatório com as supostas irregularidades aos Ministérios Públicos Estadual e Federal e também ao Tribunal de Contas do Estado, para que fiquem cientes dos fatos e as determinações tomadas pela Administração Municipal. Nele consta o cronograma da tramitação do projeto na Prefeitura Municipal de 2014 a 2017.

Veja abaixo.

– A obra da escola municipal, estava prevista inicialmente para ser construída na rua Dom Luiz Colussier, entre as ruas Orestes Franzoni e uma via sem denominação, em uma área de 853, 20 m², com investimento de R$ 1.018.483,70 do FNDE. No entanto, após o trabalho de terraplenagem do terreno, a então administração municipal, determinou que a escola fosse construída em outro terreno, na mesma rua, porém entre uma via sem denominação e a rua Mansueto Superti;

Com a alteração de endereço, o imóvel foi matriculado em nome do município de Monte Belo do Sul, em setembro de 2015, após o início da obra, sem licenciamento ambiental do local;

– Em consequência da mudança de local para um terreno íngreme, foi necessário um aditivo contratual (mais recursos) de R$ 248.567,07, equivalente a 24,04% do valor original do contrato, para os serviços extras, como: fundações profundas, sem a elaboração de um projeto arquitetônico;

– Posterior ao aditivo um novo projeto arquitetônico foi elaborado, porém sem prever a construção de uma laje no piso das salas de aula, obra indispensável para construção das fundações;

– Sem justificativa em fevereiro de 2016, um segundo aditivo contratual prorrogou por mais 90 dias

a execução da obra;

– Em março de 2016, um terceiro aditivo contratual estendeu por mais 90 dias a conclusão da obra, até 13 de julho de 2016, sob a justificativa de ‘desequilíbrio’ de repasse do FNDE e da necessidade de execução de fundações profundas;

– Um quarto aditivo, assinado em abril de 2016, prorrogou o prazo a obra por mais 90 dias, até

11 de outubro de 2016, sem justificativa;

– Em abril de 2016, um novo aditivo estendeu o prazo para 120 dias, até 8 de fevereiro de 2017. Desta vez a justificativa era a falta de repasse do FNDE. Porém, o setor de fiscalização atestou que devido o ritmo lento da obra inferior a 3% ao mês e a não realização de medição do andamento da obra, o FNDE não efetuou o repasse;

– Um sexto pedido de aditivo contratual foi negado pela administração atual, devido a demora da empresa em executar a obra;

– Em março 2017 o contrato com empresa foi rescindida e a mesma foi multada.

Problemas que podem ocorrer devido às mudanças climáticas na cultura do pessegueiro

Durante o outono e o inverno as frutíferas de clima temperado cessam suas atividades fisiológicas e entram em período de dormência para que possam resistir às baixas temperaturas e se preparar para o próximo ciclo. Para que as gemas floríferas e vegetativas do pessegueiro saiam do repouso é necessário o acúmulo de horas de frio a temperaturas inferiores a 7,2°C.

Devido à grande variação de temperatura que vem ocorrendo, o descanso hibernal do pessegueiro e da ameixeira poderá não ser suficiente provocando anomalias na planta, caracterizadas pelo incompleto desenvolvimento das gemas florais e vegetativas. Há um atraso na floração e na brotação, sintoma conhecido como “foliação retardada”, floração desuniforme e foliação deficiente, queda de flores e de frutinhos, explica Melissa Maxwell Bock, Engenheira Agrônoma da Emater.

A falta de frio muitas vezes, tem sido solucionada através do uso de produtos químicos, os quais têm apresentado resultados satisfatórios. Entretanto, algumas vezes os resultados são contraditórios, principalmente em locais onde a exigência em frio é parcialmente suprida. Dentre os produtos mais usados para a superação da dormência, a cianamida hidrogenada tem sido aquela que tem proporcionado os melhores resultados. É utilizada a uma concentração de 0,6 a 0,8% com 1% de óleo mineral emulsionável, com pulverizações entre 30 a 45 dias antes da época normal da brotação. Quando aplicado sobre ramos verdes, folhas, flores ou frutos é fitotóxico.

Nesse ponto, faz-se apenas uma ressalva, para que os produtores observem o fim de outono e o inverno, se a disponibilidade de frio ocorrida até o momento já foi suficiente para acionar o estado de dormência recomenda-se que não seja feita a pulverização com indutor de brotação.

A necessidade de horas de frio de cultivares varia de 100 até 1000 horas

A ocorrência de frio dentro das exigências de cada espécie/cultivar é de grande importância, pois é a condição mínima para que as plantas atinjam o máximo de uniformidade de brotação e tenham a garantia de produção no próximo ciclo. Ou seja, caso o frio não atinja a demanda da espécie/cultivar é necessário o uso de tratamentos para estimular a brotação, conforme citado acima.

As geadas pouco antes, durante e depois do florescimento, consistem em um dos mais sérios problemas da cultura. De acordo com a região, o pessegueiro floresce de julho a setembro, durante um período que dura de sete a quinze dias, dependendo da cultivar e do clima. Os órgãos mais sensíveis as baixas temperaturas são o pistilo e as anteras. A flor, na fase de botão rosa, pode resistir até a -4°C, a flor aberta até -3°C e o frutinho recém formado até -1°C.

De acordo com o boletim mensal divulgado pela Embrapa Uva e Vinho que disponibiliza mensalmente os dados meteorológicos, em Bento Gonçalves, o mês de julho foi marcado por fortes oscilações na temperatura do ar. Considerando as médias mensais, as temperaturas máxima, mínima e média se mantiveram acima do padrão normal, porém, quando são observados as médias decendiais, no 1º e no 3º decêndio foram registradas temperaturas acima da média e no 2º decêndio as temperaturas médias ficaram abaixo do esperado, especialmente influenciadas pelas baixas temperaturas registradas entre os dias 17 e 20 devido à forte massa de ar polar que avançou pelo estado do RS. Apesar das baixíssimas temperaturas observadas nos referidos dias, a situação de destaque e que desperta preocupações são as temperaturas elevadas que podem afetar a brotação das videiras e, consequentemente, comprometer a produção da safra 2017/2018. Foram registradas 92 horas de frio (HF) abaixo de 7,2 °C, ao longo do mês, acumulando entre abril e julho o total de 171 HF. Outro destaque deste mês foi o baixíssimo volume de chuvas registrado, 29 mm, enquanto o esperado seria 161 mm.

Em junho de 2016 foram registradas 143 horas de frio abaixo de 7,2 °C, ao longo do mês muito mais horas de frio quando comparado a este ano.

Fotos: Marlove Perin

327 amostras para 118 enólogos

Profissionais do vinho encerraram ontem a degustação de seleção da 25ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2017. Resultado será conhecido dia 23 de setembro

Durante oito dias, 118 enólogos convidados pela Associação Brasileira de Enologia (ABE), participaram da degustação de seleção da 25ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2017, que encerrou nesta quinta-feira, 24, às 11h30min. Num ritual que seguiu normas internacionais, eles degustaram as 327 amostras inscritas por 59 vinícolas de seis estados brasileiros (BA, MG, PR, RS, SC e SP). O resultado será conhecido por um público formado por 850 apreciadores no dia 23 de setembro, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves, quando acontece a maior degustação de vinhos de uma safra do mundo.

As degustações foram realizadas em Bento Gonçalves, no Laboratório de Análise Sensorial da Embrapa Uva e Vinho, responsável pela coordenação técnica do evento. Os enólogos foram divididos em oito grupos. Cada grupo degustou por dois dias amostras em todas as categorias: branco fino seco aromático, branco fino seco não aromático, tinto fino seco, tinto fino seco jovem e base para espumante.

“A degustação de seleção é sempre um importante momento de atualização profissional, mas também de reencontro com colegas. A troca de informações e a prática em si da degustação permite que possamos avançar enquanto profissionais da arte de transformar a uva em vinho”, destaca o presidente da ABE – entidade promotora -, enólogo Edegar Scortegagna, que mesmo sem degustar as amostras acompanhou os trabalhos de perto. Segundo ele, a diversidade representada nesta edição permite avaliar o terroir de cada região e que variedades melhor se adaptam a cada uma. “O Brasil é muito grande e o número de regiões produtoras também, cada uma com sua potencialidade, o que é muito bom”, ressalta.

A 25ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2017 superou os números das quatro últimas edições. A representatividade da safra será conhecida no dia 23 de setembro. Gente de todos os estilos e procedências, mas que tem em comum o fascínio pelo mundo do mundo, degustarão 16 amostras selecionadas entre os 30% mais representativos da Safra 2017.

Inscrições do público

O grande momento do vinho brasileiro é quando o grande público participa da última etapa da Avaliação, degustando as 16 amostras selecionadas entre os 30% mais representativos. Para participar dessa experiência única, considerada a maior degustação de vinhos de uma safra do mundo, os interessados deverão se inscrever no site www.enologia.org.br. O período para as inscrições abre dia 29 de agosto, às 8h30min.

O investimento para associado é de R$ 250. Não associados pagam R$ 310. A partir deste ano, a Fundaparque, administradora do Parque de Eventos onde ocorre a Avaliação, passará a cobrar R$ 10 para o estacionamento de carros e R$ 5 de motos. A cobrança será aplicada a todos os veículos que acessarem o parque, oferecendo cobertura de seguro, além de atuar com uma equipe responsável pela orientação e segurança do local.

Enólogos participantes

Ademir Brandelli, Adriano Miolo, Alberto Miele, Alejandro Cardozo, Altair Ferreira, Anderson de Cesaro, Anderson Schmitz, André De Gasperin, André Donatti, André Larentis, André Peres Jr., André Prasniski, Ângela Rossi Marcon, Antonio Czarnobay, Augusto Stuani Salvador, Bem-Hur Rigoni, Bruna Cristófoli, Bruno Motter, Carlos Abarzúa, Carlos Zanus, Cedenir Fortunati, Celito Guerra, Christian Bernardi, Claudia Stedenon, Clóvis Boscato, Cristian Ambrosi, Daiane Badalotti, Daniel Dalla Valle, Daniel De Paris, Daniel Salvador, Darci Dani, Dario Crespi, Deise Tem-Pass, Delto Garibaldi, Dirceu Scottá, Eder Caldart, Eduardo Bridi, Eduardo Dorigon, Edvaldo Gallon, Ernando Bortolini, Fábio Góes, Firmino Splendor, Firmino Splendor Júnior, Flávio Novello, Flávio Zílio, Franco Francescatto, Gabriel Carissimi, Gabriela Poletto, Gilberto Cargnel, Gilberto Simonaggio, Gilson Berselli, Giseli Scopel, Irineo Dall’Agnol, Ismar Pasini, Ivo Prezzi, Jaime Fensterseifer, Jamur Mascarello, Jatir Dequigiovanni, Jefferson Sancineto Nunes, João Carlos Taffarel, João Valduga, Joice Seidenfus, Jorge Cattani, José Venturini, Juciane Casagrande, Juliana Rossatto, Júlio Meneguzzo, Jurandir Nosini, Laércio Spadari, Larissa Dias Ávila, Leandro Santini, Leonardo Feyh, Luciano Manfroi, Luciano Scomazzon, Luciano Vian, Lucindo Copat, Luiz Pozza, Magnos Basso, Maixol Zanella, Maiquel Vignatti, Marciel Vian, Marcio Bonotto, Márcio Brandelli, Márcio Dallé, Marco Salton, Marcos Gabbardo, Marcos Vian, Maria Inês Balsan, Maria Regina Flores, Mario Lucas Ieggli, Monica Caldart, Nauro Morbini, Nelson Rotta Randon, Neuri Bruschi, Paula G. Schenato, Paulo Giacomini, Paulo Rotava, Paulo Tesser, Plínio Manosso, Regina Vanderlinde, Ricardo Morari, Roberto Lazzarini, Roque Zílio, Rudimar Lorenzet, Rudinei Pauletti, Samuel Cervi, Sandi Marina Corso, Sérgio De Costa, Silvério Salvatti, Thomas Bolzan, Tiago Lazzarotto, Tiago Luvison, Tiago Tonini, Vagner de Vargas Marchi, Valter Joel Ferrari, Vanderlei Gazzi, Vanessa Stefani Pasquali e Vitor Manfroi.
Fotos: Fotos: Jeferson Soldi

Tradição que só prospera na família Dallé

José Dallé, 77 anos, é agricultor e associado da Cooperativa Autora. No 100 da Leopoldina, interior de Monte Belo do Sul, junto com a esposa, Gelsi, 67 anos, o filho mais velho Arlei, 45 anos, a nora, Ângela, 43 anos e dois netos, Paola de 16 anos e Gabriel de 14, dá sequencia a tradição herdada dos avós que começa lá atrás, na descendência de imigrantes italianos que, vieram da Itália: produzir uvas. Uma família inteira envolvida na produção da fruta. Toda a produção de Dallé é vendida para a Cooperativa Aurora. Associado há mais de 35 anos Dallé afirma que a Vinícola Aurora é o complemento de sua família.

O cultivo da uva é o carro-chefe da produção da família Dallé que cultiva cinco variedades da fruta: merlot, egiodola, pinotage, pinot noir, isabel, coder e moscato. Tanto o pai quanto o filho cresceram debaixo dos parreirais no interior do município. Por isso, eles dominam a técnica da poda como ninguém. Não é uma tarefa fácil. “É preciso saber onde fazer o corte certo. Ensinei meu filho a fazer este trabalho com muita paciência” lembra seu José. “Hoje um dos maiores problemas é a mão de obra que não encontra mais. Na época colheita, sempre precisamos de pessoas para nos ajudar. Já na época da poda intensificamos os trabalhos e damos conta com a não de obra familiar” explica José.

“Os trabalhos diários não são fáceis, trabalhamos em uma empresa de céu aberto, mas junto com a família e auxílio da Cooperativa Aurora conseguimos levar as coisas adiante. Temos entrega de uva garantia, uma empresa que apresenta bons resultados e isso nos motiva a continuarmos no ramo” diz Arlei. “E para progredir é preciso investir. Sempre estamos renovando os parreirais” afirma.

Fotos: Marlove Perin

Denominação de Origem Altos de Pinto Bandeira

Na última semana foi encaminhado ao prefeito de Pinto Bandeira Hadair Ferrari, o encaminhamento da Asprovinho com apoio da Embrapa Uva e Vinho e Universidade de Caxias do Sul – UCS, o estudo técnico que justifica a solicitando ao município o reconhecimento oficial do nome “Altos de Pinto Bandeira”.

Este reconhecimento fará parte do processo a ser encaminhado ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial – INPI, juntamente com todo o embasamento técnico territorial e de produção de uvas e elaboração de espumantes, buscando o reconhecimento da Denominação de Origem Altos de Pinto Bandeira específica para espumantes produzidos através do método tradicional.

Pinto Bandeira já tem reconhecida a Indicação de Procedência Pinto Bandeira, para vinhos e espumantes desde 2010, e agora busca aprimorar este trabalho de desenvolvimento territorial através do reconhecimento da DO Altos de Pinto Bandeira.

O mercado nacional e internacional de espumantes já reconhece os destaque dos produtos elaborados nesta região como sendo um terroir de destaque para os espumantes do novo mundo.

Fotos: Divulgação

A família Rigon e a tradição no cultivo da uva

Conhecer a essência da agricultura familiar e dos associados da Cooperativa Aurora é saber reconhecer o que o torna diferente das demais formas de produções agrícolas. É um modo constituído em família, que mostra a união desses agricultores, pelos laços sanguíneos e pelo trabalho, que passa de pai para filho.

A família Rigon mantém viva uma das tradições mais antigas dos imigrantes italianos, o cultivo de uvas. Adriano, 29 anos, o filho mais novo, associado à Cooperativa Aurora desde 2008, se prepara para assumir a propriedade. Ele é casado com Vanessa Chimello, 28 anos. Os dois vivem juntos com o pai de Adriano, Natalino Rigon, 62 anos e Ivete, 61 anos, também associada à Cooperativa. A mãe de Ivete, Nóris Maria Leri Fornasier, 87 anos mora com a família. O casal teve três filhos, Fabiano, 37 anos, trabalha na cidade de Bento, Patrícia, 35 anos, é casada, mora perto dos pais e Adriano. O Pai de Natalino, José Luís Rigon faleceu com 92 anos, também era sócio da Aurora.

“Meu pai era apaixonado pelo com esse trabalho e temos muito orgulho”, conta Natalino. Ele diz ser feliz plantando uva e fazendo parte da Cooperativa Aurora deste 1975 “A Aurora é uma mãe para nós. Uma família. A uva permite gerar grande renda em pequenas áreas” diz Natalino. “Com o crescimento da Cooperativa nós agricultores crescemos juntos” complementa.

“A gente busca melhorar cada vez mais. Nós temos apoio da Aurora, contamos com a orientação direta dos técnicos, responsáveis pelo acompanhamento de todas as o que fazia. A gente começou etapas do vinhedo, desde a preparação,

plantio, manejo e colheita, além da compra de insumos diretos com a Cooperativa, geralmente vendidos com preços mais baixos para nós” explica Adriano.

Na propriedade, localizada na Linha Jansen, em Pinto Bandeira quatro hectares são dedicados ao cultivo de uvas das variedades: isabel, tannat, moscato, viognier e BRS cora. Para este ano, a expectativa é colher uma safra normal, porém tudo vai depender do clima, afirma os produtores que temem por geada tardia.

No ano passado, o clima desfavorável fez com que a família tivesse um prejuízo de 30% na produção de uvas. Neste ano, tudo mudou. “O clima ajudou bastante. Tivemos horas de frio, chuvas regulares, sem excessos na época da floração.”, comemora Natalino. “Cada fruta tem a sua característica, além da uva, cultivamos pêssegos e ameixas. O cultivo da uva é menos trabalhoso, o valor do custo também é menor” avalia Natalino que possui 13 hectares de pêssegos e um de ameixa.

Fotos: Marlove Perin

Expoagas 2017 encerra com R$ 482 milhões em negócios

Crescimento nos negócios foi de 2,7% em relação ao ano passado. Expositores apresentaram 800 lançamentos nos três dias de feira

Consolidada como um centro de qualificação, networking e negócios para varejo, distribuidores e indústria, a 36ª Convenção Gaúcha de Supermercados – Expoagas 2017 chega ao seu encerramento nesta quinta-feira (24), no Centro de Eventos Fiergs, em Porto Alegre, com números que refletem o momento do setor supermercadista nos últimos meses: o índice de visitantes na feira de negócios cresceu 9%, chegando aos 48 mil acessos nos três dias. Com relação ao volume de transações entre expositores e visitantes, o total negociado nos três dias chegará aos R$ 482 milhões até o encerramento do evento, segundo estimativas do Instituto Segmento Pesquisas – que ouviu 104 expositores da Expoagas 2017 nos dois primeiros dias do encontro. O dado representa um crescimento de 2,7% nos negócios fechados na feira, na comparação com a edição passada do evento. “É um dado que acompanha o crescimento das vendas do setor no ano, mostrando que a feira é realmente um espelho das movimentações do mercado”, observa o presidente da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), Antônio Cesa Longo.

A feira de negócios congregou representantes de 6,9 mil empresas de diferentes segmentos da economia. Majoritariamente varejistas, os visitantes contemplaram setores como supermercados (60,7%), atacados (8,9%), padarias (5,5%), restaurantes (3,6%), lojas de conveniência (1,1%), açougues (0,9%), bares (0,6%), farmácias (0,4%) e hotéis (0,3%), entre outros. Para atrair outros segmentos do comércio, a Agas isentou os ingressos para varejistas de todos os segmentos nas inscrições prévias, encerradas na semana anterior ao evento. “Queremos oportunizar aos expositores clientes de todos os setores, assim como buscamos garantir a todo o varejo os mesmos fornecedores dos supermercados”, destaca Longo. Durante os três dias da feira, os 347 expositores apresentaram aproximadamente 800 lançamentos de produtos e equipamentos, que chegarão às prateleiras dos supermercados cerca de 15 dias após o encerramento da Expoagas 2017. “A feira mostrou tendências que estão em evidência no mercado, como a preocupação dos consumidores com sua saúde e bem-estar e com uma alimentação mais saudável”, pontua o dirigente da Associação.

O montante transacionado entre visitantes e expositores significa uma venda média de R$ 1,3 milhão por estande. “Em média, cada expositor investiu na feira cerca de 4% do que vendeu somente nos três dias. Além disso, muitos negócios são levantados na Expoagas e concretizados posteriormente”, lembra o presidente da Associação, Antônio Cesa Longo, destacando que os gaúchos mais uma vez foram maioria entre os estandes – 72% do total de empresas expositoras. A Expoagas 2017 também oportunizou estandes menores, de 4m² e de 9m², com valores reduzidos, para que pequenas empresas participassem do evento. “Estamos saindo da edição de 2017 com 80% dos estandes para a Expoagas 2018 renovados. Este é o número que mais nos satisfaz, embora busquemos sempre oportunizar a novas empresas o grande palco de oportunidades e de negócios que é a feira”, comemora o presidente da Agas.

29% dos visitantes estrearam na feira – Um dos dados que mais chamou a atenção dos organizadores da Expoagas 2017 mostra que 29,5% dos visitantes estiveram na feira pela primeira vez neste ano. “Isso mostra porquê o volume de negócios não acompanhou o crescimento no fluxo de pessoas, já que muitos visitantes estavam conhecendo pela primeira vez o evento”, explica Longo. Os participantes da Expoagas 2017 são oriundos de 11 países e dos 27 estados brasileiros – e 93% dos visitantes são gaúchos. Com relação ao gênero, a Expoagas 2017 recebeu 63,3% de visitantes homens e 36,7% de mulheres.

Pesquisa mostra satisfação dos expositores – Na pesquisa realizada pelo Instituto Segmento durante os dois primeiros dias da feira, foram ouvidas 104 empresas de todos os portes, sendo 74,1% da indústria, 11,5% do serviço e 14,4% do setor de comércio. Segundo os dados apurados, 58,9% das vendas concretizadas pelos expositores na Expoagas 2017 foram fechadas junto a varejistas gaúchos, 36,3% a compradores de outros estados brasileiros e 4,8% junto a companhias de outros países. De acordo com o estudo, 53,9% dos expositores informaram que realizaram negócios com profissionais de outros setores, além dos supermercadistas. Os segmentos mais citados pelos expositores foram, pela ordem, restaurantes (58,9%), padarias (41,1%), hotéis (35,7%) e bares (26,8%). As empresas expositoras ouvidas apontaram que, em média, as vendas na Expoagas representam 18,9% do total do faturamento de agosto. Com relação à importância do evento, 76% dos expositores ampliaram a carta de clientes nos dois primeiros dias da feira e 99% atribuíram à Expoagas 2017 a classificação de muito importante ou importante para o desenvolvimento da dos negócios da sua companhia.

Cenário de otimismo – Neste ano, o levantamento do Instituto Segmento também abordou questões relacionadas à economia e aos escândalos políticos do País. No estudo, 78% dos entrevistados disseram já terem notado sinais de retomada da economia em seu negócio, e 96,2% apontaram que a crise mudou os hábitos de consumo dos gaúchos. Outro dado importante apresentado pelo levantamento mostra que 82,3% dos empresários entrevistados pretendem investir e/ou contratar novos funcionários ainda em 2017. Para 80,8% dos expositores ouvidos, os escândalos políticos afetaram de alguma forma seu negócio.

Carro será sorteado hoje entre os compradores – Para estimular que os negócios sejam concretizados na Expoagas 2017, a Agas sorteará um automóvel HB20 zero quilômetro, ao final desta quinta-feira (24), entre os visitantes que tiverem efetuado pelo menos R$ 1 mil em compras junto aos expositores.
Melhores estandes são agraciados – Outra iniciativa com vistas à qualificação do evento é o Prêmio Expoagas/Popai Brasil, que também será entregue na noite desta quinta-feira (24) e vai premiar os estandes que mais se destacaram por sua atratividade e promoções comerciais. Os vencedores foram escolhidos a partir de três critérios e divididos em duas categorias de tamanho.

Melhor design de estande
Grande porte:
1) Cooperativa Piá
2) Vinícola Aurora
3) Vinícola Garibaldi
Médio porte:
1) Gota Limpa
2) Naturovos
3) Proforte

Melhor Ação Promocional
Grande porte:
1) Romena
2) Marquespan
3) Orquídea
Médio porte:
1) Gota Limpa
2) Bebidas Chiamulera
3) Grupo BRQ

Melhor Exposição de Produtos
Grande porte:
1) Nordeste Alimentos
2) Vinícola Aurora
3) Naturale
Médio porte:
1) Bebidas Fruki
2) Silvestrin Frutas
3) Gusman Alimentos

Convenção – Além da feira de negócios, a 36ª Convenção Gaúcha de Supermercados foi marcada por uma extensa programação, que contemplou gestores e colaboradores dos mais diferentes setores do varejo e da indústria e teve nomes como Serginho Groisman, Leandro Karnal e Ricardo Amorim. A programação técnica, que inclui palestras para jovens e mulheres do setor, contou ainda com painéis temáticos, visitas técnicas e oficinas práticas durante os três dias de Expoagas 2017.
A Expoagas 2018, que terá o tema “Acelerando os Bons Negócios”, ocorrerá de 21 a 23 de agosto do ano que vem no Centro de Eventos Fiergs, em Porto Alegre.

Fotos: Marlove Perin