“Nossa Casa Fora de Casa” diz associado

Família Rigon fala da relação de quase intimidade entre eles e Cooperativa Aurora

A cooperativa Aurora chega aos 85 anos praticando valores cultuados desde sua fundação, em 1931. Assim, trabalho, profissionalismo, honestidade e união estão entre os atributos que deixam a família da Cooperativa feliz e orgulhosa. A prova disso são as 1100 famílias de associados. Justamente por ser uma Cooperativa, a Aurora valoriza muito a sua gente. Casos como o da família Rigon, da Linha Jacinto, interior de Pinto Bandeira, são ilustrativos. Celino Rigon, 76 anos, agricultor, casado com Ivone, 60 anos tem sua história parecida com a de incontáveis viticultores da região. Filho de agricultores cresceu no pedaço de terra da família tratando da lavoura e das parreiras. Seu pai Santo associou-se à Cooperativa em 1944. “fui incentivo por ele” conta. “Quando jovem, eu levava a uva com dois cestos carregados da fruta em cima de uma mula. Depois veio a carroça e o caminhão. As uvas eram trazidas em bigunços” lembra. “Era assim na minha família e em outras também. Somos uma família que trabalha unida”.

O filho Enério Rigon, 32 anos, a nora Cátia Ferrari e os dois netos Leonardo, nove anos e Arthur, dois anos vivem na propriedade. “Orgulho-me de afirmar, a Cooperativa é “ Nossa Casa Fora de Casa” lá temos tudo, Assistência Técnica e Social, é uma extensão do produtor. Entregamos nossa produção com segurança” diz Enério. “Talvez por esta razão, fica certo ar de “casa da gente” ou “nossa casa”, onde somos o que queremos ser. É sempre melhor um grupo unido do que um para cada lado” finaliza o produtor falando do orgulho em ser associado da Aurora.

Itacir Pozza, presidente da Aurora diz que o maior prêmio da Cooperativa é valorizar o produtor e incentivá-lo a ficar na propriedade rural.

Produção

“Neste mês marcarmos o início da colheita das uvas”, relata Enério. “Cultivamos as variedades Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Moscato Giallo, Malvasia de Cândida, Merlot e Isabel e a expectativa é de chegarmos aos 180 mil quilos”.

Até o momento a família colheu aproximadamente 50 mil quilos da fruta. Devido às melhores condições climáticas, neste ano, Rigon terá 50% a mais de produção. Ele explica que, neste momento, para ter perdas significativas somente se o tempo não colaborar.

Caixas Bins são Novidades

As caixas Bins são novidades na colheita de uva na região. A família Rigon é exemplo de produtores que aderiram à nova tecnologia. “No ano passado a Aurora havia nos emprestado os bins para que pudéssemos fazer o teste. Compramos então 40 caixas, suficientes para duas cargas de caminhão” explica Enério.

Cada Bim tem a capacidade de armazenar 400 quilos de uva. “Vale o investimento porque antes precisávamos de duas pessoas a mais para carregar as caixas normais. Agora faço tudo sozinho” conta Enério.

Até o momento, 52 grupos familiares aderiram aos bins.

A estimativa é receber cerca de 10% desta safra em bins, lembrando que este foi o primeiro ano da implantação do projeto. “A adesão foi muito positiva por se tratar de uma tecnologia que visa facilitar o trabalho do viticultor. Quando buscamos esta opção, também pensamos em fixar o jovem na propriedade, reduzindo o esforço físico e melhorando as condições de trabalho” disse Itacir Pozza, presidente da Aurora.

Fotos: Divulgação

0 respostas

Deixe uma resposta

Comente este artigo
Descreva sua opinião

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.