“Sonho que se sonha junto é realidade” diz Pavan

Poliana, o filho José Maria, a pequena Yohama de 1 ano e 2 meses, Maria e José Pavan Fotos: Marlove Perin

Como já dizia o poeta, a construção do sonho está na união das pessoas em torno de um mesmo ideal. Foi assim com a Cooperativa Aurora. Fundada em 14 de fevereiro de 1931, por 16 famílias produtoras de uva, imigrantes italianos Reuniram esforços e lançara o maior empreendimento vitivinicultor. Desde a década de 70, o agricultor, hoje aposentado José Pavan, 78 anos, da Linha Anunciata, interior de Pinto Bandeira, sonhou que ela se tornaria uma bela realidade. Casado com Maria Sganzerla, 64 anos, vivem uma vida tranquila. O casal tem três filhos, José Maria, 37 anos, mora em Feliz e duas filhas, Josemarí, 39 anos e José Mari, 30 anos, mor m em Caxias do Sul.
Pessoas comuns que acreditaram numa filosofia de trabalho e elegeu o cooperativismo como caminho para alcançar o desenvolvimento social, pessoal e profissional. E lá se vão 48 anos desde que esse sonho começou a se transformarem realidade. Um tempo em que àquela gente simples, que despertava para a mecanização da agricultura e parecia enxergar o amanhã, celebra a consolidação de uma das maiores Cooperativas de vinho do Brasil. “No ano de 1970 era bem diferente de hoje. Naquela a época a gente dependia mais dos executivos e menos do conselho. E teve um período muito assistencialista, um período antes da crise. O assistencialismo ele acomoda o associado. Faz com que ele participe menos, se interesse menos porque eles recebem tudo e aí é que acontecemos problemas. O associado tem que estar sempre interessado, inclusive quando vai bem precisa cuidar e não só quando vai mal”ressalta Pavan. “O cooperativismo significa uma extensão daquilo que tu tem, faz parte dos teus bens. É uma extensão da família. A Aurora é da gente e é uma pequena parte que pertencemos” resume.
Pavan ainda conta que foi Secretário da Cooperativa entre os anos de 76 e 77, ano marcado por uma forte crise. Também fez parte do Conselho Administrativo na época que compraram a UnidadeII (antiga -Dreher) e o Centro Tecnológico.
“Hoje podemos participar das decisões, a administração do associado, por exemplo o Presidente, ele atua e participa junto com o Conselho e os associados. Um avanço que beneficia a todos” diz Pavan.
Outro diferencial, citado por Pavan é a orientação direta dos técnicos da Aurora, responsáveis pelo acompanhamento de todas as etapas do vinhedo – preparação, plantio, manejo e colheita. É feito um acompanhamento contínuo e programado. A Aurora faz um mapeamento das melhores áreas em que seus cooperados estão instalados e sabe a realidade de cada um desses vinhedos. “Isso resulta nos bons resultados que a Aurora vem apresentado para nos associados”
explica. Na propriedade são cultivas as variedades Violeta, Lorena, Tannat, Trebiano, Isabel e Merlot. A expectativa é de uma safra menor quando comparada ao ano passo, considerado uma exceção pois foi uma super safra. Temos uma expectativa de 60 mil quilos de fruta” diz Pavan.