Como ter um gado saudável, bebendo menos água e produzindo mais embriões

Pesquisas da Embrapa Pecuária Sudeste, mostram que piquetes sombreados favorecem positivamente a criação do gado

Estudo realizado pelo pesquisador Alexandre Rossetto Garcia, da Embrapa Pecuária Sudeste, em São Carlos-SP, sobre eficiência de vacas de corte em pastos sombreados, frutos do sistema de integração lavoura-pecuária-floresta foi publicado este mês e já repercutiu entre os produtores.

O pesquisador, que é médico veterinário e doutor em reprodução animal pela USP, observou entre dezembro de 2016 e junho de 2017 (período escolhido para que os animais passassem pelas maiores variáveis climáticas anuais, entre verão e entrada de inverno) o desempenho de vacas canchim primíparas, com bezerro ao pé, e fez descobertas importantes, entre elas diferença de produtividade entre as que estavam em pastos com sombra e outras nos pastos descobertos, onde a diferença de temperatura chegava a 3ºC, o que, de acordo com o veterinário, é uma mudança expressiva.

Alexandre Rossetto Garcia acompanhou a variação de temperatura corporal, frequências cardíaca e respiratória, sudorese e comportamento das fêmeas na época de produção e, ao fim do projeto, apontou que as vacas em piquetes sombreados fizeram 19% menos visitas aos bebedouros de água do que o outro grupo. Foi possível constatar também que a produção de embriões pelas matrizes também foi melhor, saltando de 36% para 43%, um acréscimo de 20%.

Outro benefício do sombreamento, apontou o doutor, foi o tempo maior de ruminação, o que indica que a conversão alimentar também pode ser mais eficiente, já que os animais que estavam nas áreas protegidas tiveram tempo maior dedicado a esta atividade, aumentando assim a disponibilidade dos nutrientes dos alimentos ao seu organismo.