Tarde de Campo apresenta tecnologias a produtores de pêssego e ameixa

Manejo da cultura do pessegueiro e da ameixeira foi o tema da Tarde de Campo realizada, nesta quarta-feira (17/07), na propriedade de Rogério Longo, na Linha Silva Pinto Norte, no município de Pinto Bandeira. O evento foi promovido pela Emater/RS-Ascar e Embrapa, com apoio da Prefeitura, Sicredi e Agrimar. O prefeito Hadair Ferrari esteve presente na abertura.
Mais de 40 pessoas participaram das quatro estações temáticas. A fim de despertar o interesse e a necessidade do produtor para o uso dessa importante tecnologia, que é a energia fotovoltaica, o assunto foi abordado pelo engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, João Villa, e pelo engenheiro eletricista da Effal, Cleisson Turchetti. “É uma tecnologia limpa e eficiente, que gera energia elétrica a partir da luz solar”, destacou Villa, que apresentou uma comparação entre gasto com energia e custo de investimento e entre consumo e produção de energia elétrica. “É um sistema de alta viabilidade para quem tem um consumo um pouco mais elevado”, salientou Villa. Eles também esclareceram sobre orçamento, instalação, funcionamento, linhas de financiamento, entre outros pontos.
Na estação seguinte, a engenheira agrônoma da Emater/RS-Ascar, Melissa Maxwell Bock, falou sobre um tema bem atual, a rastreabilidade, prática que já é obrigatória para a cultura da videira e, a partir de janeiro de 2020, também será para o pêssego, ameixa e nectarina, principais produtos do município. A rastreabilidade é um conjunto de procedimentos para detectar a origem e acompanhar a movimentação de um produto ao longo da cadeia produtiva, auxiliando no monitoramento e controle de resíduos de agrotóxicos na cadeia produtiva de vegetais frescos destinados à alimentação. Ela explicou sobre os instrumentos para a rastreabilidade, entre eles o caderno de campo, para registro das práticas culturais, e destacou algumas vantagens, como a transparência e otimização nos processos produtivos, a qualidade dos produtos e a possibilidade de agregação de valor, a segurança alimentar e o melhor gerenciamento da propriedade. Conforme Melissa, é preciso que os produtores busquem se adequar, pois quem mais irá exigir o cumprimento dessas normas será o mercado.
Também foi abordado o manejo integrado de pragas, pelo pesquisador da Embrapa Uva e Vinho, Marcos Botton, que alertou os produtores para as formas de monitoramento e controle principalmente da mosca-das-frutas. Ele apresentou aos participantes o Sistema de Alerta Mosca-das-Frutas nos pomares de frutas de caroço, que conta com o monitoramento semanal da praga em propriedades da região e a publicação de um Boletim Informativo para os produtores cadastrados. Com isso, é possível ter informação sobre o comportamento da praga ao longo da safra, alertando os produtores quando o momento é de alta ou de baixa infestação e quais as melhores medidas de controle que devem ser adotadas pelos fruticultores.
A Tarde de campo teve, ainda, uma estação sobre Manejo de tela antigranizo, com representantes da empresa Ginegar. Eles explicaram sobre os diferentes tipos de telas existentes e os efeitos no pomar, as vantagens e desvantagens, o manejo adequado para pomares protegidos e a instalação, entre outras informações.