Conselho Fiscal da Cooperativa Vinícola Aurora, órgão independente, neutro e eleito em Assembleia Geral

Emerson Cimadon, Roberto Rizzardo e Claimar Zonta foram eleitos titulares. Evandro Wons, Tiago João Coser e Roberto Baldissareli ocupam a suplência Foto: Marlove Perin

Os conselheiros fiscais eleitos para o ano de 2019 na Cooperativa Vinícola Aurora. Eleitos diretamente pelos associados de seus respectivos núcleos, os membros do órgão fiscalizador da cooperativa tiveram seus nomes ratificados pela Assembleia Geral. Emerson Cimadon, Roberto Rizzardo e Claimar Zonta foram eleitos titulares. Evandro Wons, Tiago João Coser e Roberto Baldissareli ocupam a suplência.
O Conselho Fiscal é o órgão de fiscalização da Cooperativa. Responsável por exercer assídua e minuciosa fiscalização com responsabilidade, sobre a administração da Cooperativa, é composto por três membros efetivos e três suplentes, todos sócios, eleitos pela Assembleia Geral para um mandato de um ano, reúnem-se uma vez por semana, apesar do Estatuto prever reuniões ordinárias somente uma vez por mês e extraordinárias sempre que necessário.
“É com muita satisfação que assumi o Conselho Fiscal da Aurora. Ser conselheiro é exercer com responsabilidade e o compromisso de representar cada associado que confiou seu voto em nós, por isso pretendo realizar essa função com o olhar voltado para o crescimento da nossa Cooperativa”, declarou Emerson Cimadon, Coordenador do Conselho Fiscal. Para Emerson, “é importante que o Conselho Fiscal mantenha o foco em direcionar a Cooperativa no caminho do desenvolvimento sem deixar de lado o espírito cooperativista, que é a base do sucesso dos nossos negócios. Sabemos da importância de cada funcionário da Cooperativa e da responsabilidade de cada um, todos tem uma função importante dentro da Aurora e respeitamos isso. Sabemos que nossa função é diferente dos administradores e cada um tem seu papel fundamental para o sucesso da Aurora” explica.
Cooperado da Aurora desde o tempo de seu pai, Roberto Baldissareli compõe o Conselho Fiscal pela primeira vez. “Considero uma conquista e, claro, um grande desafio, principalmente por poder aprender mais sobre cooperativismo e compartilhar conhecimentos que já possuo na parte da agricultura. Espero contribuir com o crescimento saudável da nossa cooperativa” diz ele.
Já Tiago Coser diz que a “preocupação hoje tem sido o custo de produção em relação ao vinho, já começamos com um custo alto lá no interior, levamos isso para a Aurora e o custo aqui na vinícola também está aumentando, a venda enxugou por causa da crise econômica e isso nos deixa pensativos, mesmo sabendo que Cooperativa está bem” explica.
Roberto Rizzardo também destacou a importância dos conselheiros. “Com certeza, agregarão muito conhecimento à equipe, até por suas experiências no dia a dia do trabalho na agricultura. Sobre sua atuação, ele afirma o compromisso de fazer jus à confiança depositada pelos associados. Também pretendo me aprimorar cada vez mais com os cursos oferecidos pela Cooperativa e outras entidades do sistema. Para ele, fortalecer a Aurora é fortalecer todo o movimento cooperativista dos associados”.
O conselheiro Claimar Zonta afirma que pretende exercer o mandato “de maneira muito participativa, sempre procurando contribuir para a construção de um cooperativismo cada vez mais sólido e respeitado entre os funcionários e equipe”. Para ele, o maior desafio é garantir a satisfação do associado.
Apesar do foco do trabalho do Conselho Fiscal ser no patrimônio e contabilidade, eles também acompanham as outras atividades de modo mais geral. Depois de avaliar todos os documentos, os fiscais fazem relatórios, pareceres, visando melhorar o desempenho da Cooperativa.
O parecer do Conselho Fiscal manifestada é uma segurança ainda maior dos números apresentados aos associados, pois evidencia as boas práticas de governança e visa especialmente afirmar que os controles internos e transparência estão de acordo com os divulgados pela Direção.