Safra de Inverno no RS deverá ser de quase 3 milhões de toneladas

Com uma estimativa de produção de 2.969.275 toneladas, a Safra de Inverno 2020 no Rio Grande do Sul foi anunciada na tarde desta terça-feira (16/06), em Coletiva de Imprensa online, e teve a participação do presidente e do diretor técnico da Emater/RS, Geraldo Sandri e Alencar Paulo Rugeri. De acordo com levantamento feito em 286 municípios gaúchos, a amostra revela uma tendência de consolidação dos grãos de inverno na metade Norte do Estado, a partir da instalação de empresas de fomento nessas regiões, em especial de canola e cevada.
Neste ano, os principais grãos de inverno (trigo, cevada, canola e aveia branca) serão cultivados em 1.300.966 hectares, enquanto que na safra 2019 foram 1.131.966 hectares e obtida uma produção de 3.128.548 toneladas.
Principal produto da estação, o trigo deverá ter uma produção de 2.189.837 toneladas. Cultivado numa área de 915.712 hectares, 20,34% a mais do que na safra passada, que foi de 760.914 hectares, o grão apresenta tendência de produtividade média de 2.391 quilos por hectare. Concentrado nas regiões de Santa Rosa, Ijuí e Frederico Westphalen, chama a atenção o trigo ter aumento de 120% na área a ser cultivada na região de Porto Alegre, passando de 500 hectares na safra passada para 1.100 hectares nesta safra.
A canola se estabelece como importante cultura no RS, com 34.444 hectares (6,55% a mais do que na safra passada, que foi de 32.326 hectares), em especial nas regiões de Ijuí e Santa Rosa. Nesta, serão cultivados 17.538 hectares, incentivados por uma empresa que fomenta e processa a canola. Apesar da grande variação nas produtividades nos últimos anos, a expectativa para esta safra é de uma produtividade de 1.243 kg de canola por hectare.
A cevada também se consolida como grande alternativa de produção nas regiões de Frederico Westphalen, Erechim, Passo Fundo e Ijuí. A cultura registra variação de produtividade nas últimas safras e a expectativa para este ano é de 2.498 quilos de cevada por hectare.
Na aveia branca, o RS está se consolidando com o objetivo de produção de grãos, com acréscimo de 6,31% de área, “o que é motivo de alegria”, ressalta o diretor técnico. Com produtividade média de 2.051 quilos por hectare, o Estado deverá ter uma produção de 634.908 toneladas, concentrada na Metade Norte do Estado.
A aveia preta grãos tem uma expectativa de cultivo em 237.469 hectares, 4,46% a menos do que na safra passada, de 248.566 hectares, sendo as principais regiões produtoras Santa Rosa e Ijuí. Entre as regiões produtoras, a de Soledade apresenta para esta safra um aumento de 133,77% na área cultivada, passando de 320 hectares com aveia preta grãos na safra passada para 748 hectares como estimativa para esta safra.

PLANEJAMENTO
“É importante destacar o sistema de produção planejada, que trabalha o tripé planejamento a curto, médio e longo prazos, profissionalismo e gestão, o que dá segurança e consolida o resultado das propriedades”, defende Rugeri. A apresentação inovou com a participação do meteorologista da Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Flávio Varone, que destacou a tendência climática para os próximos meses.
De acordo com Varone, o Modelo Climático Regional indica, para o trimestre junho-julho-agosto, chuvas dentro da normalidade na maior parte do Estado, associadas com a passagem mais frequente de frentes frias, e em algumas áreas poderão ocorrer valores superiores à média. As temperaturas médias tenderão a ser superiores à média climatológica em junho, normais em julho e inferiores à média em agosto, que indica a ocorrência mais frequente de massas de ar frio durante a segunda metade do inverno.
Para a próxima primavera, trimestre setembro-outubro-novembro, a previsão aponta para um possível evento La Niña de fraca intensidade, com noites e madrugadas frias até meados de novembro. Assim, os modelos climáticos indicam que a precipitação deverá ocorrer normalmente em setembro e mostram maior probabilidade de um período seco durante o mês de outubro. As temperaturas médias tendem a valores superiores à normal climatológica durante todo período.
Para o presidente da Emater/RS, Geraldo Sandri, a credibilidade da Instituição, ao longo da história de mais de seis décadas, se deve a toda uma capilaridade muito grande de trabalho em 100% dos municípios gaúchos, por isso os números e estimativas são sempre muito assertivos. “Não só pelo trabalho dos nossos extensionistas, mas de uma grande parceria com outras entidades, principalmente com a Seapdr, que é nosso braço forte, visto que a Emater é a executora das políticas públicas do Governo do Estado e da Seapdr, liderada pelo nosso secretário Covatti Filho”.

Avaliação da ‘Safra das Safras’ será em novembro

ABE muda data da maior degustação de vinhos de uma safra do mundo em razão do Coronavírus

Fotos: Jeferson Soldi

Inspirados pela ‘Safra das Safras’, enólogos de todo o Brasil estão desafiados a fazerem o melhor vinho de suas vidas. Isso porque a Safra 2020 apresentou um comportamento climático que, aliado às condições técnicas atuais, foi determinante para considerar esta safra a melhor de todos os tempos. O resultado será apresentado na Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2020, no dia 7 de novembro, em razão da pandemia do Coronavírus.
O presidente da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Daniel Salvador, explica que com uma safra histórica como esta é impossível deixar de realizar o evento, mesmo que ele precise sofrer alterações como a redução no número de pessoas, por exemplo. “Temos um bom tempo até novembro e saberemos estudar o melhor formato e adotar todas as medidas de segurança necessárias para garantir o sucesso do evento e, principalmente, a prevenção da saúde de todos os participantes”, assegura.
Esta é a primeira vez que o evento será realizado em novembro. A primeira edição, em 1993, aconteceu durante o mês de julho e a edição de 1997, em outubro. Todas as demais sempre ocorreram em setembro, tornando-se tradicional no Calendário de Eventos do setor sempre no último sábado desse mês.
A 28ª edição do evento segue sendo realizada no Parque de Eventos de Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, onde serão apresentados os 30% mais representativos da Safra 2020, e degustadas as 16 amostras selecionadas neste grupo.

Dois projetos de lei estão na pauta de votação na Câmara de Monte Belo do Sul

Dois projetos estão em votação na pauta da ordem do dia da Sessão Ordinária desta terça-feira, 16 de junho, na Câmara Municipal de Monte Belo do Sul, que tem início às 19h.
A primeira matéria, o projeto de lei n° 025/2020, abre crédito especial no valor de R$ 489,92. Conforme a justificativa do projeto, o objetivo de readequar o Orçamento Municipal às atuais necessidades administrativas e legais, criando dotações orçamentárias que possibilitem utilização de recurso vinculado, recebido através de repasse da Agência Nacional de Mineração, conforme Lei Federal 7.990/1989, que estabelece a compensação financeira municipal para exploração de recursos minerais.
O segundo projeto que estará em pauta na sessão, também de autoria do Executivo, é o projeto de lei n° 026/2020, abre crédito especial no valor de R$ 9.226,01. Segundo a justificativa o objetivo de readequar o Orçamento Municipal às atuais necessidades administrativas e legais, criando dotações orçamentárias que possibilitem utilização de recursos vinculados conforme Lei Complementar 173, de 27/05/2020, que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus.
Indicação
Duas indicações de autoria do Vereador Silvio Cesca – MDB em pauta. A primeira indicação solicita ao Executivo Municipal a pintura asfáltica da estrada que liga a sede do município até a comunidade Santa Barbara e melhorias na sinalização. A segunda indicação, solicita ao Executivo Municipal a instalação de placa proibindo o trânsito de caminhões na rua João Salvador ao lado do belvedere e sinalização na rotatória do centro da cidade.
A Sessão Ordinária, é transmitida ao vivo pelo Facebook.

Don Giovanni  

Foto: Divulgação

A vinícola Don Giovanni, em Pinto Bandeira, está retornando, às atividades de seu complexo enogastronômico. A retomada inclui a pousada DG, o restaurante e o varejo de vinhos do local. A Don Giovanni e seus colaboradores estão seguindo as normas necessárias para realizar os atendimentos. Na pousada, a hospedagem é realizada somente com reserva e com número de hóspedes e visitantes limitados, conforme a capacidade de cada local.

Cooperativa Vinícola Garibaldi registra aumento na venda de vinhos durante a pandemia

Cooperativa Vinícola Garibaldi registra aumento na venda de vinhos durante pandemia – crédito Augusto Tomasi, Vagão Filmes

Os novos comportamentos de consumo ocasionados pela pandemia do coronavírus modificaram mais do que a forma de comprar. Em alguns segmentos, até a preferência por produtos foi alterada. É o caso da Cooperativa Vinícola Garibaldi, que viu sua linha de vinhos finos e de mesa crescer na casa dos 30% em vendas nos meses de março a maio, em detrimento aos espumantes, tradicionais carro-chefe da marca. Tecnicamente, existe uma explicação. “A pandemia brecou a realização de eventos, impedindo encontros desde aniversários e casamentos a congressos e feiras, onde o consumo de espumantes é significativo. Em paralelo, a bebida escolhida para acompanhar esse período em que as pessoas ficam mais tempo em casa foi o vinho, especialmente porque harmoniza facilmente com mais tipos de comida e tem um apelo intimista para o consumo”, reforça o presidente da cooperativa, Oscar Ló.
Mesmo quando se inclui os meses de janeiro e fevereiro, o vinho permanece na dianteira de vendas em 2020. Nos cinco primeiros meses do ano, a Cooperativa Vinícola Garibaldi acumula vendas 21,5% superiores às do mesmo período do ano passado.
Na esteira das mudanças que acompanham a pandemia está, também, o aumento da procura pelos produtos da marca nos canais online, plataforma que há mais de 10 anos se constitui como opção extra de acesso para o consumidor. No caso da Cooperativa, essa modalidade de comercialização é vinculada a parceiros de e-commerce – e registrou crescimento de cerca de 15% entre março e maio. “E estimamos que seja um número ainda maior”, pondera Ló.
As plataformas digitais, aliás, ganharam importância extra desde março, quando os primeiros casos de covid-19 começaram a surgir na Serra gaúcha. Muitos conteúdos foram criados nesses canais para consumidores, clientes e equipes de venda, que vêm surtindo resultado na comercialização. Um exemplo é o novo blog da marca, hospedado no site www.vinicolagaribaldi.com.br, e ações voltadas ao Instagram e Facebook. Outra ação, com viés turístico, foi externar kits, combos e experiências antes somente possíveis na vinícola, como o Taça&Trufa. Agora, com a compra de um kit específico, a harmonização de espumantes com trufas artesanais pode ser feita em casa, com a ajuda de uma vídeoaula especialmente desenvolvida para aproveitar ao máximo a experiência.
A pandemia também forçou a Cooperativa a rever seu planejamento estratégico. Embora parte dos investimentos previstos em estrutura física, equipamentos e melhorias de processo tenha sido postergada para 2021, a vinícola espera crescer em faturamento na casa de 8,5%, saltando de R$ 175 milhões para R$ 190 milhões.

Ação solidária arrecada mais de 23 toneladas de alimentos em Bento Gonçalves

Cestas básicas ocuparão bancos do Santuário Santo Antônio nas missas de Corpus Christi, dia 11, e também em honra ao padroeiro do município, dia 13

A força da solidariedade da comunidade bento-gonçalvense ganhou expressão física – e representatividade incontestável – pelos resultados da campanha ‘Alimente a vida’: mais de 23 toneladas de alimentos foram arrecadadas e serão distribuídas às famílias cadastradas no projeto ‘Pão dos Pobres’, da Paróquia Santo Antônio.
A ação benemérita iniciou dia 02 de junho, com o objetivo de arrecadar 400 cestas básicas. Brevemente alcançada, a meta foi estendida para 600, depois 800 unidades – e ultrapassou o total de mil kits provenientes dos donativos coletados até o dia 10 deste mês. Todas elas estão dispostas nos bancos do Santuário Santo Antônio, ocupando o lugar dos fieis que, por conta das restrições impostas pela pandemia da covid-19, não poderão acompanhar presencialmente as missas do dia de Corpus Christi (11) e também da programação da 142ª Festa de Santo Antônio (13).
“É emocionante encontrarmos o Santuário Santo Antônio tomado por essa grandiosa demonstração de generosidade e solidariedade, pela preocupação com o outro e pela disposição das pessoas em ajudarem a quem precisa. Estamos verdadeiramente agradecidos a todos aqueles que colaboraram com essa campanha”, comenta o Pároco da Paróquia Santo Antônio, Padre Ricardo Fontana.
A campanha ‘Alimente a vida’ é uma iniciativa da Rádio Difusora 890 AM, em parceria com a Paróquia Santo Antônio, e contou com o apoio da rede Apolo de Supermercados, que doou 200 cestas básicas; da empresa Sucos Menoncin, que disponibilizou duas mil garrafas de suco de uva para compor os kits, e da Farmácia Flor Essência, que recebeu as doações em dinheiro feitas pela comunidade e, posteriormente, convertidas na compra das cestas básicas. Os donativos financeiros para essa finalidade também foram recebidos pela Rádio Difusora e pela Paróquia Santo Antônio.

Crédito das imagens: Viviane Somacal

Em implantação, canola apresenta bom desenvolvimento no RS

Foto: José Schafer, na região de Santa Rosa

É intenso o ritmo de implantação da cultura da canola nas regionais de Ijuí e Santa Rosa. De acordo com Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar da quarta-feira (10/06), na região de Ijuí, as lavouras apresentam uniformidade de emergência; nas mais adiantadas, há bom estágio de desenvolvimento vegetativo (entre duas e quatro folhas) e bom estande. Na de Santa Rosa, o plantio da canola já alcança 13.600 hectares. As primeiras lavouras semeadas apresentam bom estande de plantas, sendo possível observar as linhas bem definidas de semeadura.
Devido às condições de menor insolação, não houve grande avanço do crescimento da canola. A alta umidade preocupa os produtores, diante da possível ocorrência de doenças, principalmente em locais mais baixos. Assim que as condições climáticas forem favoráveis, em algumas áreas já será aplicada adubação nitrogenada. O preço médio da canola na Regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí é de R$ 87,50; na de Santa Rosa, de R$ 93,90/sc. No trigo, a semana foi de ampliação das áreas de plantio nas regiões de Frederico Westphalen, Santa Maria, Santa Rosa, Erechim, Bagé, Ijuí, Pelotas e Soledade. Já nas regionais da Emater/RS-Ascar de Caxias do Sul e Passo Fundo, segue intenso o preparo das áreas. Em Caxias do Sul, os produtores nos Campos de Cima da Serra estão dessecando as plantas de cobertura, semeadas logo após a colheita da soja, para semear trigo no período entre 20 de junho e 10 de julho. Na de Passo Fundo, os produtores finalizam o preparo das primeiras áreas de plantio, que inicia em 10 de junho e se estende até 10 de julho. Há perspectiva de ampliação da área em 30% em relação à safra passada.
Na região de Frederico Westphalen, as áreas semeadas com trigo estão em germinação e desenvolvimento vegetativo; a perspectiva de tempo favorável e de bons preços tem mantido a tendência de elevação de 15% na área plantada em relação a 2019. Na de Santa Maria, a área de plantio está aumentando devido às condições favoráveis de umidade no solo. As lavouras estão em germinação e iniciam o desenvolvimento vegetativo. Na Regional de Santa Rosa, as condições favoráveis permitiram o avanço do plantio, que já chega a 142 mil hectares. As lavouras estão com excelente estande, boa germinação e ótimo desenvolvimento inicial. Na de Bagé, as condições do tempo favorável e da umidade de solo permitiram na Fronteira Oeste intensificar a semeadura e iniciá-la na Campanha, chegando a 12 mil hectares. Na regional de Ijuí, a semeadura do trigo ocorre em ritmo lento devido à umidade no solo. Em geral, as lavouras implantadas estão com excelente estabelecimento inicial, emergência uniforme, crescimento rápido e baixa incidência de pragas e doenças. Nas regiões de Erechim e Pelotas, foram iniciados os plantios, com sinalização de aumento de área em relação à safra passada. Na regional de Soledade, as áreas plantadas já atingem 13,5 mil hectares e apresentam bom desenvolvimento inicial, favorecidas pelo retorno da umidade do solo com as precipitações ocorridas na semana e a boa radiação solar. Cevada – Nas regionais de Erechim e Ijuí, a cultura está em implantação. Na de Erechim, chegou a 1.350 hectares. A perspectiva de aumento na área plantada está na dependência dos contratos entre os produtores e a empresa cervejeira. Na de Ijuí, segue a semeadura da cultura nos municípios onde os produtores têm experiência com a cultura, e nos quais as cerealistas e/ou cooperativas têm programas de fomento e recebem o produto. A área implantada já chega a 1.540 hectares, e as lavouras apresentam estabelecimento inicial satisfatório e boa sanidade.

Aveia branca – Na Regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, a cultura está com a semeadura finalizada,
atendendo às orientações do período recomendado no zoneamento de risco climático. Todas as
lavouras estão emergidas, com estabelecimento inicial satisfatório, tamanho e número de plantas
uniformes e desenvolvimento rápido.

CULTURAS DE VERÃO
Milho – Na maior parte das regiões do Estado predominou a alta umidade no solo devido às chuvas ocorridas, atrasando a conclusão da colheita, que já alcança 98%. As solicitações de vistorias de Proagro seguem ocorrendo nas lavouras que utilizam a política de crédito rural no Estado. Até terça- feira (09/06), técnicos da Emater/RS-Ascar realizaram 6.549 vistorias de Proagro em lavouras de milho. Ao todo, já foram realizadas 18.506 vistorias desde 01 de dezembro de 2019, em virtude dos danos provocados pela estiagem.
Milho silagem – Na região administrativa de Ijuí, as últimas áreas de milho estão evoluindo lentamente nos seus estádios fisiológicos, fato associado à diminuição das temperaturas e do período de insolação. Os grãos apresentam elevada umidade, dificultando a colheita. Na de Pelotas, a colheita do milho para silagem está concluída. Muitas das áreas do milho que eram para grãos foram aproveitadas para elaboração de silagem, a qual é de qualidade inferior e apresenta rendimentos bastante baixos. A produtividade média chegou a 10.857 quilos por hectare. Feijão 2ª safra – Na região de Ijuí, a semana se caracterizou pela espera da melhoria do tempo para concluir a colheita que ainda não está finalizada. O rendimento médio tem se mantido em 1.340 quilos por hectare. Na de Frederico Westphalen, a colheita chegou a 95% da área plantada, com produtividade de 1.110 quilos por hectare. As lavouras em maturação se apresentam desuniformes e prejudicadas na formação de grãos.

OLERÍCOLAS E FRUTÍCOLAS
Cenoura – Na regional da Emater/RS-Ascar de Porto Alegre, iniciou a implantação de áreas que estavam atrasadas, cujo ritmo é impulsionado pelo restabelecimento da umidade do solo. No entanto, ainda há insegurança em realizar plantio pela falta de água das fontes de irrigação. No Litoral, 100% das lavouras encontram-se em fase vegetativa.
Mandioca/Aipim – Na regional de Lajeado, em Cruzeiro do Sul, segue a colheita. A produtividade é de 12 toneladas por hectare, com produção de raízes de ótima sanidade, porém mais finas. O preço está entre R$ 22,00 e R$ 24,00/cx. de 20 quilos, pago ao produtor na propriedade. Na Ceasa, a caixa de 20 quilos foi comercializada a R$ 30,00, valor considerado muito bom para este período, no qual normalmente a oferta é elevada. A precificação reflete a redução da oferta geral, em decorrência da forte estiagem ocorrida.
Noz-pecã – Na Regional de Erechim, a área implantada com a cultura vem crescendo. Produtores preparam o produto colhido para a venda. O preço é de R$ 15,00/kg. Em Cachoeira do Sul, na Regional da Emater/RS-Ascar de Santa Maria, a colheita da safra foi concluída em 90% dos pomares. Na região, são cultivados 1.743 hectares de nogueira-pecã. Na região de Lajeado, a área de cultivo de nogueira-pecã é de 810 hectares, envolvendo 424 famílias no cultivo desta frutífera. Está em Anta Gorda a maior área de cultivo no Vale do Taquari e segunda do Estado, com 530 hectares, a maior concentração de produtores do Estado. A pecanicultura está em franca expansão na região. Nos últimos três anos, a área de cultivo passou de 670 hectares para os atuais 810 hectares, um aumento de 21% na área, e o número de produtores passou dos 385 para os atuais 424, agregando mais 39 produtores à atividade.

PASTAGENS E CRIAÇÕES
Em todo o Estado, as pastagens perenes de verão e os campos nativos apresentam baixa produção de forragem, com baixa qualidade alimentar e nutricional. As pastagens cultivadas anuais de inverno, favorecidas pelo clima das últimas semanas, vêm apresentando bom nível de crescimento e desenvolvimento. No entanto, boa parte das áreas ainda não oferece disponibilidade para o pastejo, por terem sofrido atraso na implantação e no desenvolvimento durante a estiagem. Muitos criadores aproveitam a umidade do solo para fazer adubação nitrogenada de cobertura, a fim de acelerar o crescimento das pastagens e recuperar parte do atraso sofrido no estabelecimento das forrageiras.
Em algumas áreas, ainda está sendo realizado o plantio de pastagens anuais de inverno, que costuma ser feito de dois a três meses antes. Em áreas onde o pastoreio está sendo realizado com altura dos pastos abaixo do recomendado pelos técnicos e em áreas com excesso de umidade no solo, houve danos às pastagens, causados por pisoteio e arranquio. Na maior parte das áreas do Estado, a produção de leite bovino é, de forma predominante, à base de pasto, com suplementação alimentar à base de silagem. Em função da longa estiagem, o atual vazio forrageiro outonal é bem mais severo que o normal, em função do encurtamento do ciclo das pastagens de verão, do atraso na implantação das forragens de inverno e do baixo volume e da baixa qualidade da produção de silagem neste ano. Com a melhoria das condições climáticas, que propiciaram melhor desenvolvimento das pastagens hibernais, e ampliação de áreas com disponibilidade para o pastoreio, já se pode observar em algumas regiões uma gradativa recuperação do escore corporal dos rebanhos e da produção leiteira, e a estabilização ou diminuição das perdas em outras.
Na Apicultura, nas diversas regiões do Estado, as atividades prioritárias nos apiários são o monitoramento das colmeias e a suplementação alimentar, naquelas em que ela se faz necessária para a manutenção de boas condições energéticas para que as abelhas enfrentem os períodos de temperaturas mais baixas.

Menina de 5 anos corta cabelo para ajudar crianças doentes

Luiza Ferrari Alves de quatro anos Foto: Aline Ferrari

Aline e Camilo Ferrari foram surpreendidos com uma decisão da filha Luiza Ferrari Alves de quatro anos. A menina pediu para cortar mais de 30 centímetros do próprio cabelo para ajudar crianças com câncer de Bento Gonçalves.
Nesta quarta-feira, 10, a menina foi ao salão e, agora, os cabelos não ultrapassam os ombros da menina. “Ela está adorando, se achando linda. Luiza quis cortar os cabelos antes de completar cinco anos, no próximo dia 22, como gesto de solidariedade e ajudar o próximo” disse a mãe.

Sicredi Serrana finaliza revitalização de suas agências em Bento Gonçalves

Agência Bento São Roque, a terceira no município, está de casa nova e em novo endereço

Para fortalecer ainda mais a relação entre os associados e a cooperativa, fomentar o modelo de relacionamento baseado no interesse verdadeiro e garantir um atendimento mais próximo, simples e ágil, a Sicredi Serrana entregou para a comunidade de Bento Gonçalves, na segunda-feira (01.06), a sua terceira agência revitalizada: a Bento São Roque, que agora está em novo endereço: Avenida São Roque, 477, bairro Universitário. As outras duas agências no
município, que adotaram o novo padrão de ambientação e sinalização visual da marca em
2019, localizam-se no Centro e na Cidade Alta.
Em razão da pandemia, não houve evento de inauguração, a fim de evitar a aglomeração de pessoas e priorizar a saúde dos colaboradores e associados. “Quando tudo isso passar, queremos receber todos os nossos associados na nova casa, mostrar cada ambiente e fazer com que eles se sintam ainda mais acolhidos e bem-vindos. Será um prazer tê-los aqui, tomando um café conosco”, afirma a Gerente da agência, Deise Vanzela Ticiani.
A agência Bento São Roque conta com Espaço Digital, Espaço Kids e privacidade nos ambientes de atendimento. Também, duas salas de coworking – espaço utilizado para reuniões e momentos de interação, que serão disponibilizadas para associados e comunidade.

Sobre o Sicredi
O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4,5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.900 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros
(www.sicredi.com.br).

Vinho por um ano inteiro

Para concorrer basta postar um vídeo contando como começou sua paixão pelo vinho brasileiro com a #euamovinhobrasileiro. Serão 12 caixas de vinhos de todo o país

O vinho brasileiro tem muita história para contar. E para celebrar o Dia do Vinho Brasileiro, comemorado no domingo, 7 de junho, o setor vitivinícola brasileiro quer conhecer histórias de pessoas que se apaixonaram pelos vinhos do Brasil. O estímulo para que os apreciadores compartilhem suas memórias é o sorteio de vinho por um ano inteiro. Isso mesmo. O grande sortudo vai receber em casa uma caixa de vinho com seis garrafas por 12 meses, ou seja, 72 rótulos, contemplando a diversidade de terroirs do país, única no mundo.
A ação foi lançada oficialmente no domingo, dia 07, às 18h, em uma live no canal Vinhos de Bicicleta, no youtube, com a participação da sommelier argentina Cecília Aldaz, apresentadora do programa ‘Um Brinde ao Vinho’ do Mais Globosat; do chef, empresário e apresentador francês Olivier Anquier e do sommelier brasileiro Rodrigo Ferraz. O encontro, marcado por muitas histórias emocionantes, inusitadas e até engraçadas, foi acompanhado por 3.164 pessoas de diversas regiões brasileiras, até do exterior.
Agora, quem quiser incrementar sua adega e conhecer e degustar esta diversidade de terroirs que só o Brasil tem no mundo precisa postar um vídeo de no máximo 1 minuto em seu perfil no Instagram com a #euamovinhobrasileiro e seguir o Insta @associacaobrasileiradeenologia. A ação é válida de 7 de junho a 5 de julho. O sorteio será via app e o resultado será divulgado no dia 5 de julho nas redes sociais da Associação Brasileira de Enologia. O Brasil possui 26 regiões produtoras de vinhos em 10 estados brasileiros (BA, ES, GO, MT, MG, PR, PE, RS, SC e SP). Os 72 rótulos contemplarão toda esta diversidade de estilos com vinhos e espumantes em diversas categorias. Muitos deles exibirão medalhas conquistadas e reconhecidas pela sua qualidade. Até o final de 2019, os vinhos e espumantes brasileiros já haviam arrematado mais de 4.500 premiações em concursos internacionais realizados no mundo todo.
O sorteio também contemplará outras quatro pessoas que ganharão um ingresso para participar da Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2020 –, podendo degustar a representatividade da Safra das Safras no grande momento do vinho brasileiro que acontecerá dia 7 de novembro, em Bento Gonçalves. Esta é a maior degustação de vinhos de uma safra do mundo.
Junto com a ABE, também participam da ação a Agavi, Comissão Interestadual da Uva, Fecovinho, Fenavinho, Ibravin – Vinhos do Brasil, Sindinho RS e Uvibra, que convidam as vinícolas, confrarias, enólogos, sommeliers e apreciadores em geral a compartilhar a campanha em suas redes sociais. A ação foi desenvolvida pela Agência Gringa e Conceitocom Brasil.

REGIÕES PRODUTORAS DE VINHO NO BRASIL
RIO GRANDE DO SUL
Alto Uruguai
Campanha
Campos de Cima da Serra
Depressão Central
Encosta do Sudeste
Encosta Inferior do Nordeste
Missões
Planalto Médio
Serra Gaúcha
Serra do Sudeste

SANTA CATARINA
Litoral Sul Catarinense
Planalto Catarinense
Vale do Rio do Peixe
Vale do Rio Tijucas

PARANÁ
Região da Grande Curitiba
Região de Maringá

SÃO PAULO
Região de Jundiaí
Região de São Roque

MINAS GERAIS
Cerrado Mineiro
Região Sul – Sudoeste de Minas
Vale do Alto São Francisco

ESPÍRITO SANTO
Região Serrana

MATO GROSSO
Região de Nova Mutum

GOIÁS
Centro-Sul Goiano

BAHIA
Região de Petrolina e Juazeiro

PERNAMBUCO
Região de Petrolina e Juazeiro