Como será a Expointer com volta de público e restrições por prevenção sanitária

A 44ª edição da feira acontece de 4 a 12 de setembro, em Esteio, e tem o compromisso de se tornar referência para demais eventos do setor

Depois de uma edição com portões fechados ao público e atividades online em 2020 em razão da pandemia, a Expointer volta este ano ao modelo presencial com a aposta de ser uma vitrine para demais eventos e feiras do setor agropecuário. Mas ainda não será uma volta à pleno. O recomeço terá visitantes limitados a 15 mil por dia e protocolos sanitários reforçados. Também não haverá bilheterias. A venda de ingressos será exclusivamente pela internet.
A feira acontecerá de 4 a 12 de setembro no parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, na Região Metropolitana. Somados os visitantes aos 10 mil expositores e trabalhadores, a circulação máxima de pessoas será de 25 mil ao dia. Na última edição antes da pandemia, em 2019, 416 mil pessoas cruzaram as catracas da Expointer.
O acesso ao parque não exige que os visitantes estejam vacinados. Mas quem for para trabalhar precisará apresentar teste negativo para covid-19 no primeiro dia.
O uso de máscara será obrigatório, e ao longo do parque serão instalados lavatórios para as mãos e totens com álcool gel. Cerca de 150 monitores estarão circulando para orientar quanto aos cuidados e evitar as aglomerações. O cercamento eletrônico vai controlar o fluxo de pessoas: quando bater o limite, ninguém mais entra no parque.
Estão proibidas excursões de escolas, shows, bailes e atividades como coquetéis e degustação de produtos. Nem mesmo a final do Freio de Ouro, sucesso de público, será realizada durante a feira. O rearranjo das seletivas em função da pandemia acabou empurrando as provas para o final de setembro e o início de outubro.

Animais no parque
Principal atração da Expointer, os animais também voltam ao parque Assis Brasil dando sinais de retomada. Ao todo, 4.057 exemplares foram inscritos para participar da feira. Em relação à 2019, antes da pandemia, os números se mantêm, em média, quase no mesmo patamar (3.975). Este ano serão 1.232 exemplares de rústicos e outros 2.825 animais de argola. Em 2020, foram 1.019 de argola – os dados do ano passado para os animais rústicos não estão sendo considerados pela feira. O destaque da edição é a participação dos ovinos. Serão 810 ao todo, superando os 782 exemplares de 2019.

Máquinas em retomada
O sentimento de que a feira será um marco para retomada dos negócios no Rio Grande do Sul é compartilhado pelo setor de máquinas agrícolas. Serão 85 empresas expondo o seu maquinário no parque. No ano passado, a exposição foi totalmente digital.

Agricultura familiar
Uma importante conquista da Expointer em 2021 é a volta do Pavilhão da Agricultura Familiar em formato mais próximo ao realizado antes da pandemia. Isso porque, em 2020, as vendas ocorreram somente por drive-thru, com apenas 52 estandes. Neste ano, serão 210 boxes e 228 agroindústrias presentes.
O acesso ao pavilhão será controlado. Catracas serão instaladas para registrar a entrada e a saída de visitantes. O número será medido por cercamento eletrônico e exibido em painéis. Quando chegar ao limite de 800 pessoas no espaço, o acesso será bloqueado até que ocorra uma baixa.