Pelo sexto ano seguido, Vinícola Aurora conquista o Destaque Setorial de Bebidas no Prêmio Exportação RS

Entrega da distinção foi realizada na noite da quinta-feira (23), durante solenidade em Porto Alegre. Na esteira dos ótimos resultados de 2020, primeiro semestre deste ano já projeta novos recordes de vendas e faturamento de comercializações da empresa para o Exterior

iago Fronza Frare, Hermínio Ficagna, Giorgia Mezacasa Forest, Larissa Dal Piva, Renê Tonello e Celito César Bortoli representaram a Vinícola Aurora no 49º Prêmio Exportação RS. Empresa conquistou, pela sexta vez, o Destaque Setorial de Bebidas. Crédito: Agência Preview, divulgação

A Vinícola Aurora foi agraciada na noite desta quinta-feira (23), pelo sexto ano consecutivo, com o Prêmio Exportação RS, promovido pela Associação dos Dirigentes de Marketing e Vendas do Brasil (ADVB) do Estado. A empresa vitivinícola, que completou 90 anos em fevereiro, conquistou mais uma vez o título Destaque Setorial de Bebidas. A solenidade ocorreu na NXT Eventos, em Porto Alegre (RS).
Realizada há 49 anos, a iniciativa distingue empresas que obtiveram os melhores resultados mercadológicos e desenvolveram estratégias inovadoras para expor e comercializar seus produtos no mercado internacional.
“Dedicamos este prêmio às 1,1 mil famílias associadas e aos colegas que acreditam que levar os produtos da Vinícola Aurora para outros países enriquece ainda mais nossa trajetória de sucesso. Somente com a cooperação de todos é possível alcançar novas fronteiras para nossos produtos”, reconhece o diretor superintendente da Vinícola Aurora, Hermínio Ficagna.
Além de Ficagna, participaram da solenidade de entrega do Prêmio Exportação RS o presidente, o vice-presidente e o secretário do Conselho de Administração da Vinícola Aurora, Renê Tonello, Celito César Bortoli e Tiago Fronza Frare, respectivamente, a supervisora de Exportação e Importação Giorgia Mezacasa Forest e a assistente de Exportação e Importação Larissa Dal Piva.

Exportações projetam novo recorde de vendas
Desde 1954, a Vinícola Aurora vem desbravando continentes e levando os seus produtos para o mercado internacional. Dos 90 anos da empresa, mais de dois terços também foram focados nas exportações. O trabalho contínuo e persistente, tanto na abertura de novos mercados quanto na manutenção dos conquistados, tem sido um dos fatores determinantes para os ótimos resultados obtidos ao longo do período.
Em 2020, a Aurora vendeu 47,6% a mais para o Exterior, em comparação a 2019, e ampliou o faturamento em quase 20%. No ano passado, 868,2 mil garrafas de vinhos, espumantes, sucos de uva e coolers foram comercializadas para 18 países, sendo a China o principal destino, seguido por Holanda, Paraguai, Haiti, Estados Unidos e Japão.
Para 2021 o resultado promete ser ainda melhor, batendo novamente recordes de venda. No primeiro semestre, a Vinícola Aurora já registrou aumento de 415% em valor nas exportações em relação ao mesmo período do ano anterior. O resultado foi impulsionado pelo crescimento de 583% no volume de produtos, reflexo da reabertura de mercados e pela alta do dólar. O excelente desempenho foi puxado pelas vendas de suco de uva e Keep Cooler, que representaram 77% do total. A empresa gaúcha também é líder no mercado interno nas duas categorias.

Festival do Moscatel de Farroupilha apresenta edição Garden

Cenário externo das vinícolas será ambiente para celebrar a leveza e a descontração da bebida ícone do município

Com a proposta de proporcionar aos visitantes uma tarde ao ar livre, repleta de espumantes, vinhos, gastronomia, música e descontração, o Festival do Moscatel apresenta a edição Garden 2021. O evento será realizado aos sábados, no mês de novembro, das 15h às 20h, na área externa das vinícolas.
As vinícolas anfitriãs serão: Adega Chesini, no dia 6 /11; Cave Antiga, no dia 13/11; e Vinhos Cappelletti, no dia 20/11. Além delas, as vinícolas Casa Perini, Cooperativa São João e Vinhos Tonini estarão presentes com seus rótulos. O ingresso, que dá direito a uma taça personalizada do evento com espumante moscatel ou vinho moscato (a escolha do visitante), tem o valor de R$ 30. Para apreciar, o visitante poderá optar se adquire os produtos em taças ou garrafas, sendo que estarão à disposição nos espaços das vinícolas: espumantes moscatel, frisantes moscatel, vinhos moscato, espumantes brut, vinhos tintos, suco de uva e água. Nos três dias, também haverá opções gastronômicas para saborear junto da bebida preferida. O ambiente promete o cenário perfeito, com espaços aconchegantes e música agradável para curtir com amigos e família.
Os ingressos são limitados e estarão à venda a partir de sexta-feira, 1º de outubro. Para garantir, sugere-se a compra antecipada, junto à Secretaria de Turismo de Farroupilha. Informações podem ser obtidas pelo telefone 54 3261.6963 e e-mail turismo@farroupilha.rs.gov.br. Nas redes sociais, é possível acompanhar o evento pelo Facebook e Instagram @festivaldomoscatel.
O formato alternativo foi escolhido diante da crescente procura por atrativos que ofereçam experiências externas e arejadas, motivada pelas restrições impostas pela pandemia. “O evento tem verdadeiros fãs, que aguardam ansiosos pela realização do evento, interrompido em 2020. Passar mais um ano distantes de nossos visitantes seria ainda mais entristecedor para nós. Porém, mesmo com os avanços na flexibilização das normas de distanciamento e cuidados necessários, não conseguimos enxergar ainda condições ideais para retomar nosso querido evento em seu formato original. A expectativa é que a retomada ocorra com toda segurança e tranquilidade em 2022. E, enquanto isso, confraternizaremos promovendo esta nova experiência, diferente, mas que será tão cativante quanto a anterior”, explica a presidente da Afavin Rosane Meggiolaro Cappelletti. E ela acrescenta que a expectativa pelo sucesso do novo formato já faz a organização prever a possível continuidade do novo formato nos próximos anos, realizando o formato original em setembro e o garden em novembro.
Para o prefeito Fabiano Feltrin, poder realizar este grande evento respeitando todos os protocolos é motivo de muita alegria. “Estamos muito contentes em poder promover mais uma edição deste evento tão grandioso, com toda segurança que o momento exige. Os eventos ao ar livre são uma grande tendência e não tenho dúvidas de que será um evento de muito sucesso para enaltecer os nossos produtores de uvas e derivados”, frisou.
A realização do Festival do Moscatel – Edição Garden 2021 é da Associação Farroupilhense de Produtores de Vinhos, Espumantes, Sucos e Derivados (Afavin) e da Prefeitura de Farroupilha, através das Secretarias de Turismo e Cultura e de Desenvolvimento Rural.

Festival do Moscatel – Edição Garden 2021
Ingressos
R$ 30 – inclui acesso ao evento e uma taça com espumante moscatel ou vinho moscato
Jovens 11 a 17 anos – R$ 20 – incluso taça com suco
Crianças até dez anos não pagam.

Vinícolas Anfitriãs – Endereços
Adega Chesini – 6/11
Vila Rica, 3º distrito. Farroupilha.

Cave Antiga – 13/11
Linha Rio Buratti, 3º distrito. Farroupilha.

Vinhos Cappelletti – 20/11
Estrada FR 104, Santos Anjos, 4º distrito. Farroupilha.

Projeto do deputado Clair institui Carteira de Identidade do Empreendedor Rural

Proposta do Projeto de Lei 274/2021 apresentado pelo deputado estadual Clair Kuhn (MDB)

Instituir a Carteira de Identidade do Empreendedor Rural, um documento único que atenda às necessidades de agilização e desburocratização da atividade produtiva rural perante entidades representativas, cooperativas, sindicatos rurais e federações ligadas ao agronegócio, além de rede bancária, instituições de crédito e governo. Esta é a proposta do Projeto de Lei 274/2021 apresentado pelo deputado estadual Clair Kuhn (MDB).
Na terça-feira (28), a proposição foi distribuída na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Parlamento, onde será verificada a constitucionalidade da proposta. O deputado Elton Weber (PSB) será o relator.
“Esta é uma antiga reivindicação da classe trabalhadora rural e trata-se de um facilitador para a atividade, integrando vários documentos em um só, além de agregar a tecnologia da certificação digital. É o primeiro documento, com foto, que identificará o CPF ou CNPJ do portador como produtor rural”, destacou o deputado Clair.
Atualmente, são mais de 760 mil produtores rurais ativos. De acordo com o parlamentar, até o momento, não há documento, com foto, que identifique o agricultor perante terceiros.
Pela proposta, a Carteira de Identidade do Empreendedor Rural será emitida pelos sindicatos rurais, cooperativas e organizações civis sem fins lucrativos. O documento viabilizará a emissão, via internet, de nota fiscal eletrônica de produtor rural; guia eletrônica de transporte de animais; nota eletrônica de serviços; e operações financeiras
A legislação busca ainda incentivar os órgãos da área agropecuária (cooperativas, instituições, sindicatos e organizações públicas) a desenvolverem novos produtos e serviços voltados ao produtor, inclusive em ambiente online, possibilitados pela existência de um cadastro informatizado com a Carteira de Identidade do Empreendedor Rural.

Senac Bento Gonçalves inscreve para Curso Técnico em Contabilidade EAD

O Senac Bento Gonçalves acaba de lançar uma novidade no portfólio dos cursos técnicos EAD. A escola inscreve para o Técnico em Contabilidade na modalidade a distância, e os interessados podem se matricular até o dia 18 de outubro, pelo site www.ead.senac.br/cursos-técnicos.
Com a duração de 11 meses (800 horas), o curso Técnico em Contabilidade prepara o contabilista para realizar as seguintes funções: lançamentos contábeis, fiscais, levantamento de balancetes, apuração de resultado, controle financeiro, apuração de tributos, entre outras. Em escala maior de atuação, poderá orientar a empresa em tomadas de decisões estratégicas que envolvam custos, investimentos, tributos, ampliação ou redução da estrutura.
A metodologia de ensino a distância do Senac é centrada no aluno, enfatizando o desenvolvimento de competências valorizadas no mundo do trabalho, como organização, proatividade e responsabilidade, além de apresentar menor custo com deslocamento e a possibilidade de conciliar os estudos e a vida profissional. Os materiais didáticos estão disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagem e são compostos por  podcasts, vídeos, animações, simuladores, games, objetos de aprendizagem, e-books e recursos tecnológicos. Os recursos em mídias diversas estimulam diferentes formas de aprendizagem, que possibilitam ao aluno se envolver com conhecimentos abordados no curso e sentir a prática virtual em qualquer local e horário.
Mais informações pelo Whatsapp 54 9.9255-7649 ou pelo site www.senacrs.com.br/bento. O Senac Bento Gonçalves fica localizado na rua Saldanha Marinho, 820.

4ª Tecnovitis reúne cadeia produtiva da viticultura em dezembro

Ao ar livre e com protocolos de segurança, feira apresenta o melhor da tecnologia para o meio rural

Está confirmada em Bento Gonçalves a realização da 4ª edição da Tecnovitis – Feira de Tecnologia para a Viticultura, de 1º a 3 de dezembro de 2021, nas dependências do Complexo Villa Michelon, no Vale dos Vinhedos. O avanço da vacinação, a definição de protocolos de segurança, somado a uma exposição em local aberto, são elementos que favorecem e mobilizam produtores rurais em um cenário de retomada.
Realizada a cada dois anos pelo Sindicato Rural da Serra Gaúcha (SRSG), o evento reúne marcas nacionais, internacionais, exposição de máquinas, seminários semipresenciais e híbridos, audiência pública, oficina de drones, startups, rodadas de negócio, entre outras novidades para o meio rural. O acesso é gratuito.
“A gente analisou com expositores através de pesquisa e foi demonstrada a necessidade e demanda do setor para realização da feira”, destaca Elson Schneider, presidente do SRSG.
Cerca de 80 expositores já estão confirmados e além de uma programação especial, a feira contará também com a 56ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Viticultura. Também há expectativa pela presença da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, que esteve na última edição, e do presidente Jair Bolsonaro, que receberam o convite oficial na Expointer.
A 4ª edição da Tecnovitis tem a promoção e realização do Sindicato Rural da Serra Gaúcha (SRSG), com apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul – Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) -, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Governo Federal, Emater/RS, Prefeitura de Bento Gonçalves, Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS Campus Bento Gonçalves), Fetag-RS, SEGH (Sindicato Empresarial da Gastronomia, Hotelaria da Região Uva e Vinho), Embrapa, Programa Juntos para Competir – Farsul, Senar e Sebrae -, além da Sociedade 8 da Graciema.
Confira o vídeo institucional da feira (https://youtu.be/Ro1BW6C64JI)

TECNOVITIS 2021
Data: 01 a 03 de dezembro de 2021
Horário: 10:00 às 18:00
Patrocinadores: Diamante – Sicredi // Ouro – Senar RS // Bronze – Suvalan e Tecnovin.
Local: Comunidade 8 da Graciema – Vale dos Vinhedos – Bento Gonçalves/RS
Para mais informações
Fone: (54) 37022217
E-mail: contato@tecnovitis.com.br
https://www.tecnovitis.com.br/

Enoturismo da Serra Gaúcha deve atrair número ainda maior de visitantes pós-pandemia

Segurança sanitária, procura pelo turismo interno e confirmação de importantes eventos tendem ao crescimento do setor nos próximos meses, afirma turismóloga

O desejo de conhecer novos lugares e socializar une-se à crescente segurança sanitária, consequência do andamento da vacinação contra a covid-19, para fazer com que um dos segmentos mais atingidos durante a pandemia recupere as perspectivas otimistas para os próximos meses. O turismo aposta na flexibilização dos protocolos e na necessidade que grande parte da população tem de, literalmente, sair de casa. Na Serra Gaúcha, o potencial gastronômico e vitivinícola ganha enfoque especial a partir do crescimento do enoturismo, alicerçado em experiências personalizadas e na confirmação de importantes eventos no calendário que se desenha para 2022.
Quem conhece o setor é categórico em afirmar que as ofertas enoturísticas da região vão ao encontro do que buscam os visitantes pós-pandemia. “O enoturismo se apresenta como um dos segmentos mais procurados pelo turista, já que alia experiências de cultura autêntica, muitas vezes em contato com a natureza e com um dos produtos que cresceu muito na apreciação dos brasileiros durante a pandemia: o vinho”, considera a turismóloga Ivane Maria Remus Fávero.
Mestre em turismo e com décadas de experiência nos setores público e privado do segmento (tanto nacional como internacionalmente), Ivane projeta uma retomada, que já está acontecendo, na medida em que avança o número de pessoas vacinadas e se reduzem os contágios. “Se tudo andar conforme o anunciado pelos governos, teremos um ‘boom’ do turismo no final do ano e no próximo verão”, adianta.
Esse otimismo está baseado, de forma especial, no crescente interesse pelos destinos interioranos, como é o caso de Bento Gonçalves. “As pessoas perceberam, mais fortemente durante a pandemia, os reais valores da vida, o que realmente nos transmite bem-estar e gera felicidade. Assim, os lugares de hospitalidade verdadeira, onde se pratica o ‘slow tourism’, se valoriza o ambiente natural e se apresenta a cultura, são e seguirão sendo muito procurados”, explica.
Um ponto extra que pode ser conferido ao enoturismo gaúcho é a capacidade de reinvenção do setor. “Alguns empreendedores se reinventaram e entenderam que a experiência turística começa no digital. Trabalharam bem seu posicionamento na internet e, ainda, inovaram nas experiências oferecidas. Alguns municípios também trabalharam bem os protocolos, reforçando a confiança do turista. Estes serão lembrados no momento da retomada das viagens”, sentencia.

Possibilidade de criação da Zona Franca da Uva e do Vinho deve ajudar
Um dos tópicos que pode ter efeito real e direto no enoturismo é a criação da Zona Franca da Uva e do Vinho – que deve reduzir, em um primeiro momento, 30% o preço dos produtos do setor, segundo estimativa da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale). “Se houver a devida baixa no valor final do vinho para o turista que visita a região e isso for trabalhado com seriedade por empreendedores e poder público, certamente aumentará o fluxo de visitantes. É preciso planejar este crescimento, redistribuindo o fluxo, garantindo o desenvolvimento sustentável (ambiental, cultural, econômico e social) do turismo na região, no RS”, aponta a turismóloga.
A expectativa é de que o projeto de lei, em tramitação hoje na Câmara, possa ser aprovado até o final do ano no Congresso Nacional e, depois, passe pela sanção presidencial. A proposta é que o regime de redução tributária adotado seja aplicado às etapas do plantio e colheita das uvas e à produção, engarrafamento e venda dos vinhos.

Confirmação de importantes eventos também fortalece a região
Uma verdadeira ode à celebração comunitária em torno do vinho é vista em eventos que simbolizam a vocação enoturística da Serra. Entre as mais evidentes do país está a Festa Nacional do Vinho, que em 2022 chegará à 17ª edição. A Fenavinho projetou o enoturismo de Bento Gonçalves e região para o Brasil e, por isso, sua confirmação representa a concretização de uma retomada sólida para o setor a partir do próximo ano. “A festa ajudou a entender que o enoturismo é muito mais do que está ‘dentro da garrafa’, são as vivências que o turista terá em um território vitivinícola. A retomada deste evento contribuirá para o fortalecimento da identidade enoturística da região”, aposta Ivane.
Antes da festa, porém, prevista para ocorrer de 09 a 19 de junho, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves, a Fenavinho reserva um momento icônico para os visitantes: o Vinho Encanado. Artífice da fama nacional do evento, o atrativo reúne uma programação cultural na Via del Vino ao mesmo tempo que comercializa vinho a preços módicos diretamente de torneiras instaladas na Casa del Vino, no centro do município. O encontro ocorrerá no último trimestre do ano, adaptado ao novo momento e respeitando os protocolos sanitários.
A 17ª Fenavinho será realizada de forma concomitante à 30ª ExpoBento, dentro da Vila Típica do Parque do Eventos – um cenário que emula o casario típico do início do século 20 da região, bem como os espaços de convivência comunitária que reuniam os imigrantes em torno de cantorias e filós. O espaço reúne as mais famosas vinícolas brasileiras, onde é possível degustar alguns dos mais premiados vinhos nacionais – acompanhados de iguarias típicas da região, responsáveis por sua fama gastronômica. Shows temáticos também farão parte da programação.

Venda de vinhos finos já supera todo 2019

Nos sete primeiros meses de 2021, vinícolas brasileiras venderam quase 18 milhões de litros, o equivalente a mais de 15% do registrado de janeiro a dezembro de 2019

Apesar do mês de julho ter registrado uma queda de 33,04% nas vendas em relação ao mesmo mês do ano passado, a comercialização de vinhos finos brasileiros de janeiro a julho de 2021 já supera o volume comercializado nos 12 meses de 2019. De 15,4 mi de litros em todo ano retrasado, o setor comemora um salto para 17,8 mi de litros nos sete primeiros meses deste ano. Já o acumulado nos sete meses de 2020, de 14,6 mi de litros, passou para 17,8 mi de litros este ano, um aumento de 21,76%. A expectativa do setor é que a velocidade das vendas no mercado interno seja retomada, mantendo o bom momento vivido pelo vinho brasileiro até junho.
Para o presidente da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), Deunir Argenta, os dados mostram um avanço histórico, porém não determinante. “O brasileiro está degustando mais vinho e isso é muito bom. O mercado é plural, está abastecido por múltiplas marcas e estilos e as experiências são ilimitadas. Essa evolução é muito positiva, mas não conseguimos acompanhar o desempenho do ano passado”, destaca. Os 3,8 mi de litros de vinhos finos distribuídos no mercado interno em julho de 2020 caíram para 2,5 mi de litros no mesmo mês deste ano.

JA

Julho foi o mês do espumante brut
Produto avança 37% em comparação ao mesmo período de 2020
O mês de julho, historicamente um dos tradicionais na venda de vinhos finos, registrou melhor desempenho percentual de vendas para os espumantes brasileiros do tipo brut com um incremento de 37,09% em relação ao mesmo mês de 2020, o que significa que a indústria está abastecendo o varejo com produtos para o verão.

Suco de uva lidera crescimento nas exportações
Incremento foi de 240% nos sete primeiros meses do ano, seguido pelos vinhos finos com 119%
O bom momento vivido pelo vinho brasileiro vai além fronteiras. Mas os holofotes estão voltados para o suco que de janeiro a julho alcançou um aumento de 239,70% de aumento no volume que saiu do Brasil, passando de 435.102 litros para 1,47 mi de litros. O quadro também é positivo em relação aos vinhos finos que dobraram as exportações passando de 2,1 mi de litros para 4,7 mi de litros no mesmo período, um incremento de 119,34%.
Mesmo com um desempenho menor, todavia positivo, estão os espumantes com 53,33% de acréscimo na presença no exterior, passando de 322.458 litros para 494.411 litros de 2020 para 2021.

COMERCIALIZAÇÃO DE VINHOS FINOS, ESPUMANTES E SUCO DE UVA ELABORADOS NO RIO GRANDE DO SUL – MERCADO INTERNO (litros)

* Suco de Uva (Natural/Integral, Reprocessado/Reconstituído, Adoçado e Concentrado) Fonte: SISDEVIN/SEAPDR | Elaboração: Uvibra – Dados coletados em 25 de agosto de 2021. Fotos: Divulgação

 

Almadén ainda mais brasileira

Vinícola da Miolo Wine Group instalada em Santana do Livramento (RS) completa 48 anos, preservando os vinhedos de uvas viníferas mais antigos do Brasil

DCIM201GOPRO

A Vinícola Almadén nasceu na Califórnia, nos Estados Unidos, em 1852, mas suas raízes no Brasil estão cada vez mais profundas. São 48 anos em solo brasileiro, desde sua fundação em 1973, sendo 12 deles como uma das unidades da Miolo Wine Group, que aposta no terroir da Campanha Central. Nessa última década, a marca passou por uma grande transformação, reformulando produtos e modernizando embalagens. Dos 1.200 hectares da propriedade, 450 têm vinhedos próprios em espaldeira. São 25 castas, de onde surgem 13 vinhos (sete tintos, cinco brancos e um rosé) Também é de lá o recém lançado Single Vineyard Cabernet Franc com IP Campanha Gaúcha e o Miolo Vinhas Velhas Tannat, ícone da unidade.
Pioneira na tecnologia de aço inox e controle de temperatura na fermentação, com uma capacidade total de estocagem de 8,5 milhões de litros, a Almadén tem mapeado todos os seus vinhedos. São 138 parcelas, das quais 111 estão em produção. Destas, a empresa preserva a história de 150 hectares com vinhas de quase 45 anos. A vinícola foi a primeira da América Latina a introduzir a prensagem pneumática contínua. Este pioneirismo foi seguido pela Miolo Wine Group ao implantar a primeira colheita mecânica no Brasil em 2011.
Com 100 dias de sol no Verão, a região já era considerada uma das melhores do mundo para a vitivinicultura ainda em 1973, quando a Almadén investiu no local, sendo a primeira vinícola a se instalar em Santana do Livramento. Com o mesmo entendimento e apostando no potencial do terroir, a Miolo não apenas deu continuidade como também apostou no projeto que veio completar o grupo, unindo-se às unidades do Vale dos Vinhedos (Miolo), de Candiota (Seival) e do Vale do São Francisco (Terranova).
De 2009 para cá, grandes investimentos foram feitos na renovação e manejo dos vinhedos. Anualmente, durante a safra de pouco mais de dois meses, são produzidos aproximadamente 4,3 milhões de quilos de uvas, uma operação que envolve mais de 400 pessoas. Além de variedades mais conhecidas como as tintas Cabernet Sauvignon e Merlot e as brancas Chardonnay e Sauvignon Blanc, a Almadén mantém um amplo trabalho de pesquisa com o terroir que tem permitido cultivar 25 diferentes castas, apostando em uvas menos conhecidas como as tintas Alicante Bouschet, Arinarnoa, Marselan, Petit Verdot e Tempranillo e a branca Sémillon, por exemplo.
As práticas vitivinícolas inovadoras da Almadén no Brasil marcaram época, muito influenciadas pelos ensinamentos do agrônomo, enólogo, professor, político, escritor e cientista ítalo-brasileiro, Celeste Gobbato. O autor do Manual do Vitivinicultor Brasileiro, considerado a ‘Bíblia’ do vinho na década de 1970, fincou raízes no Brasil, considerado o grande pioneiro da vitivinicultura moderna no país. O ponto alto do seu estudo foi o mapeamento da Campanha Gaúcha como região vitivinícola do Novo Mundo, indo ao encontro das pesquisas desenvolvidas pela Universidade de Davis e da própria Almadén Califórnia, que delimitaram o local para a implantação da vinícola no Brasil. O que Gobatto já sabia e pregava naquela época ganhou ainda mais ênfase com a delimitação da Indicação de Procedência (IP) Campanha Gaúcha.

LINHA DO TEMPO ALMADÉN NO BRASIL
Década de 1970 – Início dos trabalhos na região de Santana do Livramento, quando se apostou no grandioso projeto de produção de vinhos finos no Brasil.
1973 – Fundação da Vinícola Almadén no Brasil.
1980 – Construção da adega.
1982 – Primeira safra.
1984 – Lançamento da marca.
1986 – Marca assume a liderança no mercado.
1993 – Lançamento no mercado brasileiro dos primeiros varietais finos com a marca Almadén.
2002 – Pernod Ricard adquire marca Almadén.
2005 – Comemoração dos 30 anos da marca.
2009 – Miolo adquire marca Almadén fazendo reformulação de vinhedos e rótulos e apresentação dos produtos
2011 – Introdução da colheita mecânica, pioneira no país
2021 – Conquista da IP Campanha Gaúcha

DCIM201GOPRO

Associados participam da 44ª Expointer

 

Uma das mais importantes feiras, a 44ª Expointer, contará com a presença de quatro associados da Cooperativa Santa Clara. O evento que ocorre no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, será realizado de 04 a 12 de setembro.
Na Raça Holandesa, os associados: Itamar Tang, de Farroupilha, levará 13 animais e Mateus Bazzoti, de Ponte Preta, irá com 14 animais. Já as raças Gir Leiteiro e Girolando será representada pelo associado José Amaral, de Caxias do Sul. A programação do gado leiteiro contará com julgamento em ambas as raças e concurso leiteiro na raça Holandesa. A Santa Clara também marcará presença na Casa da Indústria de Laticínios, espaço do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados (Sindilat/RS).
A 44ª Expointer contará com a presença do público, limitado a 15 mil visitantes por dia, e com rigorosos protocolos de saúde para garantir a segurança de visitantes e trabalhadores. Além disso, o uso de máscara será obrigatório e os ingressos serão vendidos antecipadamente pela internet. Já os portões de acesso ao parque ficarão abertos das 8h às 19h30.
Sobre a Cooperativa Santa Clara
Em 2021, a Santa Clara completou 109 anos de história, o que a faz a mais antiga cooperativa de laticínios em atividade no Brasil. A sua sede está localizada no município de Carlos Barbosa e está presente, através de seus mais de 5 mil associados, em mais de 135 municípios gaúchos, atuando nos ramos de Laticínios, Frigorífico, Fábrica de Rações, Cozinha Industrial, Farmácias e 27 unidades de varejo, entre supermercados e mercados agropecuários, nos municípios onde possui associados.

O sabor das frutas gaúchas em destaque no Espaço da Emater/RS-Ascar


Quem nunca “lagarteou” sob o sol do inverno saboreando uma bergamota produzida nos pomares do Rio Grande do Sul? O hábito comum entre muitos gaúchos é estimulado pela qualidade das frutas produzidas que tem nas características climáticas do Estado o principal diferencial do seu sabor.
Assim como a citricultura (laranja, bergamota), o maracujá e a banana, a pecanicultura e a olivicultura também encontram em solo gaúcho as condições ideais para o seu cultivo e essas culturas são apresentadas na parcela da horticultura no espaço da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), na Expointer 2021.
O extensionista rural da Emater/RS-Ascar, Luís Bohn, explica que o sabor das frutas gaúchas se diferencia das produzidas em outros estados brasileiros devido às condições climáticas características do Rio Grande do Sul, principalmente a amplitude térmica, e também ao manejo aprimorado realizado pelos agricultores. “Nós temos diversidade de clima e esses fatores melhoram algumas situações de sabor diferenciado típico dos citros. Esse fator também ajuda na produção de nozes, estamos conseguindo produzir azeite de oliva, oliveiras, devido a esse clima diferenciado. A banana também tem um sabor diferenciado, pois o metabolismo não é acelerado pela questão térmica”, frisa.
Produtores e consumidores que prestigiarem o espaço institucional da Emater/RS-Ascar na 44ª Expointer, feira que ocorre de 04 a 12 de setembro no Parque Assis Brasil, em Esteio, podem buscar informações dessas variedades, bem como sobre verduras e olerícolas de modo geral, flores e plantas medicinais e condimentares e silvicultura com os extensionistas rurais presentes no espaço temático da horticultura.
Para além da Feira
A Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), juntamente com a Câmara setorial da Noz Pecã e a Câmara Setorial das Oliveiras, incentiva a produção de olivas e de noz pecã por meio dos programas estaduais de Desenvolvimento da Olivicultura (Pró-Oliva) e o de Desenvolvimento da Pecanicultura (Pró-Pecã).
Lançado em julho de 2015, o Pró-Oliva visa fomentar e apoiar os produtores e consolidar a olivicultura. Entre as ações do programa constam a defesa sanitária e a produção de mudas de qualidade, o aumento da produção e produtividade dos olivais por meio da assistência técnica da Emater/RS-Ascar, prefeituras ou iniciativas privadas e também por meio da pesquisa, industrialização de azeites e conservas e linhas de financiamento para estimular a produção.
O Pró-Pecã, lançado em 2017, tem como principal objetivo promover o desenvolvimento de uma pecanicultura moderna, competitiva e sustentável, gerando emprego e renda no meio rural e incentivando as agroindústrias de beneficiamento e fornecedores de equipamentos dessa cadeia produtiva. O Programa também visa integrar a pesquisa e a assistência técnica da Emater/RS-Ascar, prefeituras ou iniciativas privadas com produtores e apoiar e divulgar a produção de mudas de boa qualidade (sanidade e genética).
Interessados nessas culturas podem procurar outras informações nos escritórios da Emater/RS-Ascar presentes em todos os municípios gaúchos.