Chuvas e alta umidade dificultam avanço na colheita da soja

Na amostragem da primeira quinzena de maio, realizada em 361 municípios das 12 regiões administrativas da Emater/RS-Ascar, o índice de colheita alcançou 83% dos cultivos Foto: Josemar Parise, em Espumoso/RS

O início do período com chuvas e alta umidade impediu o avanço da colheita na maior parte do Estado. O retorno das máquinas às lavouras se intensificou na sexta-feira passada (06/05, limitando-se às lavouras de topografia mais elevada, já que, nas mais baixas, ainda havia muita umidade, impossibilitando o acesso. De acordo com o Informativo Conjuntural, produzido e divulgado nesta quinta-feira (12/05) pelas gerências de Planejamento e Comunicação da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), nos dias subsequentes, as atividades foram intensas e buscaram diminuir a proporção de lavouras já maduras expostas as intempéries. O produto colhido apresentou alta umidade, acima da ideal para a operação.
Na amostragem da primeira quinzena de maio, realizada em 361 municípios das 12 regiões administrativas da Emater/RS-Ascar, o índice de colheita alcançou 83% dos cultivos. Permanecem a campo 16% em maturação, e 1% está em fase final de enchimento de grãos. Onde as precipitações foram em maior volume, constatou-se danos nos grãos de plantas maduras, como abertura de vagens, queda e início de germinação de grãos. As lavouras em maturação não apresentaram danos causados pelo longo período de alta umidade.

Milho
A colheita do milho novamente ficou praticamente paralisada em razão da priorização dada pelos produtores à colheita da soja e em razão das chuvas volumosas e frequentes que ocorreram até semana passada (04/05). Mesmo após a manutenção de tempo firme, a umidade do grão e a umidade do solo continuaram elevadas, impedindo o andamento dos trabalhos. Assim, o índice evolui apenas 1%, chegando a 86% dos cultivos. Outros 11% estão em maturação e somente 3% ainda em enchimento de grãos.

Milho silagem
A colheita do milho silagem alcançou 90% da área cultivada, prejudicada pela recorrência de chuvas na primeira metade da semana. Contudo, desde a última sexta-feira (06/05), já foram retomadas as operações de corte e ensilagem para aproveitar a turgidez das plantas e a proporção adequada de grãos na massa a ser ensilada. Restam ainda 4% dos cultivos em maturação e 6% em enchimento de grãos.

Arroz
Houve pouco avanço na colheita da do arroz durante o período em decorrência das chuvas volumosas desde final de abril início de maio (04/05), que inundaram as várzeas, mas sem causar danos às lavouras. Com o retorno de tempo firme, a operação foi retomada na sexta-feira passada (06/05), pois as esteiras em máquinas permitem o acesso, mesmo em terrenos alagados. O índice de colheita avançou apenas 4% e alcançou 97% da área cultivada no Estado e os 3% restante estão em fase de maturação.

Feijão 1ª e 2ª safra
A clheita da primeira safra de feijão foi encerrada na maior parte do Estado. A produtividade é estimada em aproximadamente 1.200 kg/ha, com variação negativa de cerca de 30% na projeção inicial da safra.
Os cultivos em segunda safra encontram-se predominantemente em fase de enchimento de grãos, que totalizam 45%, seguidos de lavouras em maturação, com 35%. Já foram colhidos 20%, e a produtividade estimada é de 1.623 kg/ha, sendo cerca de 20% superior à estimada inicialmente para o segundo cultivo. A boa perspectiva de produção decorre das boas condições durante o ciclo, com chuvas recorrentes desde a sua implantação e sem maiores infestações de pragas nem doenças.
No entanto, persiste a preocupação dos produtores com as condições do tempo, que apontam para noites mais frias, alertando-os em relação ao controle da antracnose. Além disso, as chuvas em excesso estão trazendo alguns problemas de doenças fúngicas nas lavouras que estão em fase de enchimento de grãos.

PREVISÃO DO TEMPO
A próxima semana terá umidade, vento forte e frio no RS. Na quinta (12), ainda ocorrerá grande variação de nuvens nos setores Sul, Leste e Nordeste, e poderão ocorrer chuviscos e garoas isoladas, mas ao longo do dia, o tempo firme, com temperaturas amenas, vai predominar em todo o Estado. Na sexta-feira (13), a presença do ar seco e frio manterá as temperaturas mínimas inferiores a 10 °C na maioria das regiões, com sol e nebulosidade variável no decorrer do dia. No sábado (14) e domingo (15), a propagação de uma área de baixa pressão provocará chuva em todo o Estado, com possibilidade de temporais isolados, principalmente na Metade Norte. Entre a segunda (16) e quarta-feira (18), a presença de um Ciclone Extratropical próximo do litoral manterá a chuva e provocará fortes rajadas de vento, com valores entre 60 e 80 km/h, que poderão alcançar e superar 100 km/h em algumas localidades, principalmente nos setores Leste, Nordeste e Sul. A presença do Ciclone Extratropical também favorecerá o ingresso de ar frio no continente, o que manterá a próxima semana com muito frio, onde são esperadas temperaturas mínimas próximas de 0 °C em algumas regiões e máximas inferiores a 12 °C em todo o Estado.
Os volumes de chuva previstos deverão ser inferiores a 10 mm entre a Campanha e a Fronteira Oeste. No restante do Estado os valores oscilarão entre 15 e 35 mm e poderão alcançar 50 mm em diversas localidades da faixa Leste.

Com DNA modificado, tomate roxo é avaliado para uso comercial nos EUA

Uma variedade de tomate com coloração inteiramente roxa, cujo DNA foi modificado para produzir altos teores de substâncias antioxidantes, está na reta final do processo de aprovação para uso comercial nos EUA. Os criadores da planta geneticamente modificada esperam comercializar tanto as sementes quanto os frutos, bem como outros produtos feitos à base dos tomates transgênicos.

DNA de tomate roxo foi modificado para produzir altos teores de substâncias antioxidantes – Divulgação

A responsável pelo pedido de aprovação comercial enviado ao USDA (Departamento de Agricultura americano) é a empresa britânica Norfolk Plant Sciences, conforme revelou a revista New Scientist.
“Consideramos que os tomates roxos são uma oportunidade de contemplar consumidores que estão procurando alimentos frescos com mais nutrientes e que acreditam no consenso científico sobre a segurança da comida bioengenheirada”, disse à Folha o presidente da companhia, Nathan Pumplin.

Empresa britânica mudou genes para planta ter altos teores de substâncias antioxidantes Foto: Divulgação

O prazo oficial de análise da variedade por parte do USDA é de 180 dias, período que terminou de transcorrer em fevereiro. “Ainda não temos notícias sobre a decisão, mas sabemos que se trata de um processo novo, que está sendo implantado, e é importante seguir todos os protocolos para validá-lo.”
A variedade foi desenvolvida por Cathie Martin, especialista do Centro John Innes, instituição britânica especializada em pesquisa agronômica e biotecnologia. Numa pesquisa originalmente publicada em 2008 na revista científica Nature Biotechnology, Martin e seus colegas mostraram que era possível modificar os tomates inserindo neles dois trechos de DNA de boca-de-leão (Antirrhinum majus), flor originária do Mediterrâneo.
Esses pedaços do genoma da flor correspondem a fatores de transcrição, ou seja, trechos do DNA que regulam a ativação de outros genes. Com a presença deles, intensifica-se a produção das chamadas antocianinas.
Há indícios de que esses pigmentos, os mesmos que estão por trás do arroxeado escuro de mirtilos e amoras, possuem propriedades anti-inflamatórias que poderiam ajudar a proteger quem os consome de problemas cardiovasculares ou mesmo cânceres.
Os tomates geneticamente modificados carregam dez vezes mais antocianinas, em média, que a versão natural do fruto. Ainda não há, entretanto, estudos conclusivos que demonstrem efeitos benéficos do consumo dessas moléculas para o organismo humano.

Como foram criados os tomates roxos e para que servem

Modificações genéticas incorporam DNA de flores
1) Os frutos, tanto os de tamanho normal quanto tomates-cerejas, recebem dois genes obtidos da flor conhecida como boca-de-leão (Antirrhinum majus), espécie muito usada para fins ornamentais;

Flor conhecida como boca-de-leão (Antirrhinum majus), espécie muito usada para fins ornamentais – By User:Haplochromis – Self-photographed, CC BY 2.5, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2177519

2) Os genes inseridos nos tomates são fatores de transcrição, ou seja, responsáveis por regular a ativação de outros genes. Os fatores de transcrição fazem com que os frutos passem a produzir e acumular grandes quantidades de antocianinas, pigmentos que conferem aos tomates a cor arroxeada;
3) Presentes em vegetais como amoras e mirtilos, as antocianinas parecem ter efeitos benéficos sobre o organismo, com propriedades anti-inflamatórias que teriam impacto positivo sobre doenças cardiovasculares e cânceres.
Fonte: Cathie Martin, Centro John Innes (Reino Unido.
Segundo Martin, a técnica usada para produzir os tomates hoje ainda é essencialmente a mesma de 2008. “A principal mudança que aconteceu de lá para cá é que meu laboratório consegue fazer o chamado processo de transformação da planta com mais eficiência. É possível propagar os tomates roxos por meio de sementes, e esperamos que a aprovação do USDA permita que as pessoas plantem as sementes e cultivem seus próprios frutos”, conta ela. A pesquisadora diz que continua trabalhando na engenharia metabólica de tomates, com o objetivo de fazer com que a planta produza níveis mais altos de vitaminas e também o fármaco L-dopa, usado para tratar o mal de Parkinson, doença neurodegenerativa que afeta os movimentos dos pacientes.

A responsável pelo pedido de aprovação comercial enviado ao USDA (Departamento de Agricultura americano) é a empresa britânica Norfolk Plant Sciences – Divulgação

Embora vegetais geneticamente modificados para o uso humano sejam bastante comuns no mundo e no Brasil hoje, a maioria deles sofreu alterações para aumentar sua resistência a pragas. Alterações que afetam as propriedades da planta são menos comuns.
Os EUA chegaram a aprovar um tomate transgênico, batizado de Flavr Savr (algo como “preservador do sabor”) nos anos 1990. Ele amadurecia mais lentamente que as variedades convencionais, o que diminuiria perdas no transporte, mas o sucesso comercial não foi o suficiente para garantir o retorno dos investimentos, e o Flavr Savr deixou de ser produzido após alguns anos.
Segundo a Norfolk Plant Sciences, o tomate roxo tem propriedades semelhantes, continuando a ser comestível pelo dobro do tempo dos tomates convencionais.

Oral Unic: Clínica especializada em implantes

A Clínica Oral Unic, especializada em implantes atende em um espaço especial na rua Xingú, no bairro São Bento, em Bento Gonçalves. O local conta com diversas salas, e espaços para oferecer um atendimento personalizado aos pacientes. Duas salas de avaliações, seis consultórios e seu próprio laboratório de próteses. Além de 6 especialistas da área de odontologia.

Inaugurada em Outubro de 2019, a Oral Unic Implantes Bento Gonçalves – RS faz parte de uma rede de clínicas especializadas em implantes Dentários com sedação consciente e estética bucal Fotos: Divulgação

A clínica traz um diferencial em seu conceito “All in One” para tratamentos de implantodontia, estética e demais especialidades da área odontológica. Conta com uma infraestrutura completa e equipamentos de alta tecnologia que permitem aos pacientes que realizarem todos os exames, como radiografia panorâmica digital e acompanhamentos de pré e pós procedimentos. O espaço também conta com um centro cirúrgico muito bem equipado, com monitor cardíaco, oxímetro e ventilação mecânica.

A Oral Unic é uma grande rede e também possui sedes em mais de 46 cidades entre 10 estados do Brasil. Santa Catarina, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Ceará, Bahia, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Goiás e Rio Grande do Sul. Interessados em conhecer ou espaço ou agendar uma avaliação, podem entrar em contato pelo: (54) 3057-1007 e (54) 9 9925-1007. Confira a entrevista realizada com o Dr. Guilherme Cidade Torres, sobre a importância dos cuidados e tratamentos dos dentes e a implantodontia.

Sancionado Projete de Lei que institui a Carteira de Identidade do Empreendedor Rural

Os agricultores gaúchos poderão emitir um documento de identificação exclusivo, que irá simplificar e agilizar a vida dos produtores rurais. Em cerimônia junto ao Palácio Piratini na manhã desta quarta-feira, (04) o governador do Estado Ranolfo Vieira Júnior sancionou o PL 274/2021, de autoria do deputado Clair Kuhn. A Lei Nº 15.824, já publicada no Diário Oficial do Estado, institui a Carteira de Identidade do Empreendedor Rural. O ato contou com a participação de secretários estaduais, parlamentares, prefeitos, vereadores e representantes de entidades ligadas ao setor do agronegócio. A legislação permite a emissão da Carteira de Identidade do Empreendedor Rural, agregando diversos documentos, com uso da tecnologia da certificação digital. “Sou agricultor, tenho uma pequena propriedade rural, fui presidente da Emater, sei que os agricultores quando vão fazer um financiamento, precisam levar um calhamaço de documentos. Saem de seu trabalho no campo, vão para a cidade, e se esquecer de um documento, tem que voltar, reiniciar todo o processo. A carteira digital nada mais é que um facilitador. Com um chip, terá acesso de forma digital a todos os dados do agricultor. Estamos trabalhando ainda com o bloco de produtor com notas de papel em 4 vias com carbono”, salientou Clair A adoção do documento único será facultativa. A Carteira do Empreendedor Rural será emitida pelos sindicatos rurais, cooperativas e organizações civis sem fins lucrativos. O documento viabiliza a emissão, via internet, de nota fiscal eletrônica de produtor rural; guia eletrônico de transporte de animais; nota eletrônica de serviços; e operações financeiras. “A carteira digital do produtor rural é um grande avanço, dialoga com esse momento de inovação de tecnologia que vivemos”, pontuou o governador. Atualmente, são mais de 760 mil produtores rurais ativos. De acordo com o parlamentar, até o momento, não havia a possibilidade de emissão de um documento, com foto, que identificasse o agricultor perante terceiros. A ideia é incentivar os órgãos da área agropecuária (cooperativas, instituições, sindicatos e organizações públicas) a desenvolverem novos produtos e serviços voltados ao produtor, inclusive em ambiente online, possibilitados pela existência de um cadastro informatizado com a Carteira de Identidade do Empreendedor Rural. Foto: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini
Os agricultores gaúchos poderão emitir um documento de identificação exclusivo, que irá simplificar e agilizar a vida dos produtores rurais. Em cerimônia junto ao Palácio Piratini na manhã desta quarta-feira, (04) o governador do Estado Ranolfo Vieira Júnior sancionou o PL 274/2021, de autoria do deputado Clair Kuhn. A Lei Nº 15.824, já publicada no Diário Oficial do Estado, institui a Carteira de Identidade do Empreendedor Rural. O ato contou com a participação de secretários estaduais, parlamentares, prefeitos, vereadores e representantes de entidades ligadas ao setor do agronegócio.
A legislação permite a emissão da Carteira de Identidade do Empreendedor Rural, agregando diversos documentos, com uso da tecnologia da certificação digital.
“Sou agricultor, tenho uma pequena propriedade rural, fui presidente da Emater, sei que os agricultores quando vão fazer um financiamento, precisam levar um calhamaço de documentos. Saem de seu trabalho no campo, vão para a cidade, e se esquecer de um documento, tem que voltar, reiniciar todo o processo. A carteira digital nada mais é que um facilitador. Com um chip, terá acesso de forma digital a todos os dados do agricultor. Estamos trabalhando ainda com o bloco de produtor com notas de papel em 4 vias com carbono”, salientou Clair
A adoção do documento único será facultativa. A Carteira do Empreendedor Rural será emitida pelos sindicatos rurais, cooperativas e organizações civis sem fins lucrativos. O documento viabiliza a emissão, via internet, de nota fiscal eletrônica de produtor rural; guia eletrônico de transporte de animais; nota eletrônica de serviços; e operações financeiras.
“A carteira digital do produtor rural é um grande avanço, dialoga com esse momento de inovação de tecnologia que vivemos”, pontuou o governador.
Atualmente, são mais de 760 mil produtores rurais ativos. De acordo com o parlamentar, até o momento, não havia a possibilidade de emissão de um documento, com foto, que identificasse o agricultor perante terceiros. A ideia é incentivar os órgãos da área agropecuária (cooperativas, instituições, sindicatos e organizações públicas) a desenvolverem novos produtos e serviços voltados ao produtor, inclusive em ambiente online, possibilitados pela existência de um cadastro informatizado com a Carteira de Identidade do Empreendedor Rural.

Ainda inacabado, Cristo Protetor de Encantado atrai visitantes de todo o RS

Estimativa é de que 53 mil pessoas já tenham ido ao local em um ano de visitação. Veja o que mais é possível visitar na região.

A visitação ao Cristo acontece aos sábados, domingos e feriados, das 9h às 17h. O valor de entrada é R$ 20 Giovan Ariotti | Filmagens Aéreas

Mesmo sem ter sido concluído, o Cristo Protetor de Encantado, no Vale do Taquari, já é sucesso de público: em um ano de visitação, a serem completados neste domingo (8), o local atraiu a visita de 53 mil pessoas. A expectativa é de que a média de visitantes — que hoje está em 2 mil por fim de semana — aumente ainda mais, já que, desde 22 de abril, a parte artística da escultura foi finalizada.
Com 39 metros de envergadura e 43 metros de altura, o Cristo de Encantado é, de fato, maior do que o do Rio de Janeiro, que tem 28 metros de envergadura e 38 de altura. Instalada no pé de um morro, a escultura retrata Cristo de braços abertos e olhando para todo o município, em uma vista panorâmica.
Além de pessoas que vão a passeio, há aqueles que visitam o monumento para fazer projeções de investimentos. A visitação ao Cristo acontece aos sábados, domingos e feriados, das 9h às 17h. O valor de entrada é R$ 20.
Próximos passos
Após a finalização da parte artística do Cristo, esculpido pelo artista Markus Moura, agora é hora de pensar no interior da estrutura. Diferentemente do Cristo Redentor, do Rio, o de Encantado tem um coração em seu centro, por onde, futuramente, as pessoas poderão enxergar a paisagem panorâmica do município. Para isso, porém, ainda é necessário que luz e água já estejam disponíveis no local e que seja instalado um elevador, para levar os visitantes até lá.
A prefeitura está resolvendo como fazer chegar a luz e a água. No final de dezembro, o governo do Estado anunciou a liberação de R$ 4 milhões para asfaltar a estrada que liga a Lagoa Garibaldi até o Cristo Protetor. O trajeto tem 2,5 quilômetros.

Produtores de uva da Serra Gaúcha precisam avaliar investimentos em irrigação para a próxima safra

O quadro de déficit hídrico pode prejudicar a safra seguinte, com redução de vigor das brotações e da produção Foto: Marlove Perin

Os baixos volumes de chuva e a elevada disponibilidade de radiação solar e insolação no verão 2021/2022 na Serra Gaúcha contribuíram para uma safra de uva com potencial enológico bom ou muito bom, sendo até mesmo excelente para algumas variedades. No entanto,  É o que aponta a mais recente edição do Boletim Agrometeorológico da Serra Gaúcha, documento elaborado por pesquisadores da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e da Embrapa Uva e Vinho.
Conforme o pesquisador da Embrapa Henrique Pessoa dos Santos, o fato de haver uma variabilidade muito grande de profundidade no solo dentro dos parreirais da região faz com que as plantas também sofram com a estiagem, comprometendo a quantidade e a qualidade da produção nestas subáreas. “Como esse quadro de estiagem está se repetindo em três anos consecutivos, o que a gente alerta é que os produtores avaliem suas propriedades e verifiquem a possibilidade de investir em irrigação”, destaca.
O pesquisador explica que o aumento da luminosidade e mais exposição à radiação solar potencializam a maturação e sua uniformidade, e o tempo seco evita o surgimento de problemas fitossanitários, como as doenças fúngicas que normalmente ocorrem quando há chuvas nesse período. “Porém, se tem problema de profundidade, ou seja, solo muito raso, as plantas vão estar debilitadas. Sem aporte extra de água com a irrigação, muitas áreas não conseguem atingir a qualidade que se deseja”, pontua.
A captação de água e o investimento em sistemas de irrigação se apresentam como opções para evitar déficit hídrico na próxima safra, levando em consideração que a média de chuvas em 2021 teve uma variação muito pequena com relação à normal climática. “A distribuição dessa chuva é que foi diferente, mais concentrada no inverno. Se o produtor investe em captação e reservatórios para ter essa água disponível no momento da safra, ele tem a garantia de produção com qualidade se ocorrer problemas em ciclos seguintes. É uma realidade que não pode ser descartada depois de passarmos por esses três anos”, finaliza Henrique.
A publicação traz recomendações fitotécnicas de manejo dos vinhedos até o início do inverno, como a cobertura do solo, com espécies espontâneas ou cultivadas, para melhoria da estrutura, da fertilidade e do armazenamento de água. Além de Henrique, também assinam o documento a pesquisadora Amanda Heemann Junges, da Seapdr, e os pesquisadores Lucas da Ressurreição Garrido e Giuliano Elias Pereira, da Embrapa Uva e Vinho.
Todas as edições do Boletim Agrometeorológico da Serra Gaúcha podem ser encontradas na seção de Agrometeorologia do site da Seapdr e no repositório de publicações da Embrapa Uva e Vinho.

1º Maio Dia do Trabalhador

Em tempos de fartura ou tempos de crise, quem garante o alimento nas casas das famílias é o trabalhador. Determinado e sempre em busca dos melhores resultados, são os grandes responsáveis pela saúde econômica de todo o nosso país. Mais do que nunca, nesses tempos de incertezas, desejamos um feliz Dia do Trabalhador.

Técnicas de controle biológico de insetos na vinicultura

Com tantas mudanças ambientais acontecendo por todo o mundo, o efeito no campo é inevitável. Dentre tantas ações necessárias para um desenvolvimento mais sustentável, é urgente repensar as técnicas de controle de insetos, o que hoje, na maioria das vezes, é realizado através de pesticidas. Diante dos fatos, e buscando alternativas, um manejo que vem crescendo a cada dia é o controle biológico de insetos. Este método consiste na regulação de insetos-praga por inimigos naturais, podendo ser eles predadores, parasitóides e patógenos.
A utilização de predadores e parasitóides na vinicultura vem crescendo à medida que as técnicas de criação massal vão melhorando e os produtores obtêm o conhecimento sobre a eficiência destes pequenos artrópodes no controle de pragas. Hoje temos vários casos de sucesso envolvendo estes grupos, como os Crisopídeos e o Trichogramma spp.
Há poucos anos foi publicado um trabalho com a liberação de Trichogramma em uvas na região do Vale do São Francisco, para controle da traça-da-videira, Lasiothyris luminosa. Como resultado em campo, houve redução de 62% dessas lagartas e, também, de 60% da traça-dos-cachos, demonstrando assim o potencial de parasitismo desta espécie. Outro destaque é o predador Chrysoperla externa, que se alimenta de trips, pulgões e ácaros, que podem ser utilizados no MIP (Manejo Integrado de Pragas). Esses agentes biológicos são dispersados pelas cartelas protegidas em estufas, em áreas pequenas ou por drones, que fazem a liberação em escala maior, garantindo
a eficiência do controle biológico.
O controle biológico está chegando ao mercado para ficar e, a cada novo estudo, os manejos e a tecnologia de aplicação abrirão espaços para uma produção mais justa e ambientalmente correta. Os produtores que se atentarem a essas mudanças e buscarem conhecimento para se adaptar, sairão à frente nessa corrida por alimentos com menos ou zero resíduos de agrotóxicos.

AGRICULTURA 4.0: Conjunto de tecnologias digitais

Há décadas, a tecnologia tem contribuído com soluções disruptivas que modificaram os processos nos mais diversos setores da economia. E o agronegócio não poderia ficar de fora. O trabalho rural passou por muitas evoluções e agora estamos na chamada Agricultura 4.0. Já ouviu falar?

O agro é muito mais sustentável quando utiliza as ferramentas corretas disponíveis. Um exemplo disto é a utilização crescente dos drones que têm trazido maior precisão e menor probabilidade de erros Foto: Criativittá Web Studi

A Agricultura 4.0 refere-se a um conjunto de tecnologias digitais de ponta integradas e conectadas por meio de softwares, sistemas e equipamentos capazes de otimizar a produção agrícola, em todas as suas etapas. Junto com a agricultura de precisão o produtor pode agora ter mais exatidão nos processos de preparo, aplicação, plantio e colheita, reduzindo os custos de produção, além de poder contar também com a utilização de insumos adequados a nova realidade do campo.
O uso de drones na viticultura contribui para a produção de frutas mais limpas de resíduos a partir do acompanhamento mais detalhado de pragas e doenças, melhores stands de plantas, sem falhas, equilibradas nutricionalmente, sem déficit hídrico trazendo melhoras na produtividade e na qualidade da safra. Esse processo já é realidade em várias culturas como, por exemplo a da cana, da soja, do milho e do arroz não só no Brasil mas ao redor do mundo, principalmente em áreas de cultivo intensivo, onde se torna difícil verificar cada talhão com periodicidade.
São vários os benefícios do uso de drones de pulverização, tais como:
– Maior agilidade, precisão e qualidade nas aplicações;
– Aplicação em áreas de difícil acesso, declives e próximas a áreas de preservação;
– Reduzido risco de exposição dos aplicadores aos produtos utilizados;
– Economia com aplicação somente em áreas com real necessidade.
A GPDVet Pulverizações Especiais, braço da GPDVetquimica e prestadora de serviços de pulverização por drones, traz para o produtor da Viticultura a possibilidade de utilizar drones durante todo o período de produção de cada safra. Além da pulverização de insumos químicos, a GPDVet também pode pulverizar insumos sólidos, micro e macro-biológicos. Em linha com as regulamentações e normas legais brasileiras (ANAC, MAPA, DECEA), a GPDVet leva ao mercado produtor tudo o que é necessário para a realização de serviços de pulverização.
Ao mesmo tempo, considerando a busca do mercado por novas soluções sustentáveis para o controle de pragas, aproveitando os benefícios da revolução biotecnológica e ao mesmo tempo oferecendo uma ferramenta econômica e tecnicamente viável para o controle deste ambiente, a GPDVetquimica junto com o grupo Vittia traz ao mercado a linha de produtos micro e macro-biológicos.
Uma vez que suas formulações dependem de logística diferenciada para transporte, armazenamento e aplicação (por drones ou cartelas), a Vittia e a GPDVet deixam o produtor da Serra mais próximo da Agricultura 4.0. Acesse o site www.gpdvetquimica.com.br ou entre em contato pelo telefone (54) 3046.9200 para saber mais sobre nossos produtos.

Festival ExpoBento traz programação com nativismo, sertanejo e funk

Baitaca, Fernando & Sorocaba e MC Kekel se apresentam no dia 15 de junho, em comemoração a 30ª edição da maior feira multissetorial de compras e entretenimento do país, que ocorre em Bento Gonçalves

Fernando & Sorocaba fazem show comemorativo aos 15 anos de carreira

A celebração da 30ª edição da maior feira multissetorial de compras e entretenimento do país ganha mais uma nova atração para comemorar com toda região a passagem desse momento especial: o Festival ExpoBento, circuito de shows com atrações musicais nativistas, sertanejas e funk. Na noite de 15 de junho, três artistas sobem ao palco do pavilhão E do Parque de Eventos de Bento Gonçalves: o gaúcho Baitaca, a dupla paranaense Fernando & Sorocaba e o paulista MC Kekel. As apresentações estão programadas para ocorrer às 22h, 0h e 2h, em sequência.
Quem abre a proposta sonora é o gaudério Baitaca, cantor e compositor raiz que já apresenta no seu hit “Do Fundo da Grota” um pouco do seu jeitão galponeiro: “Eu me criei xucro e bagual/Honrando o sistema antigo/Comendo feijão mexido/Com pouca graxa e sem sal”, canta o missioneiro de São Luiz Gonzaga. O estilo simples, direto e campeiro do taura, cuja guaiaca ainda traz sucessos como “Quando Chego num Rodeio” e “Destrinchando o Bagualismo”, conquistou o Brasil. “Do Fundo da Grota” ganhou projeção em todo o país, virou meme na internet e acabou na graça de vários artistas, entre eles, justamente a atração que se apresenta depois de Baitaca.Fernando & Sorocaba foram um dos que regravaram a música do gaúcho, e apresentam no palco da ExpoBento um show comemorativo aos 15 anos de carreira que completam em 2022. A apresentação deve contemplar sucessos do início da carreira, como “Bala de Prata” e “Madri”, além de hits atuais, como “Só Não Divulga” e “Amor da Despedida”. A dupla oriunda de Londrina é uma das principais do país, contabilizando mais de 1,2 bilhão de visualizações de seus vídeos no YouTube, cujo canal tem 2,5 milhões de inscritos. Além disso, somam cerca de 3 milhões de fãs no Spotify e mais de 6,4 milhões de ouvintes mensais na plataforma, na qual os cantores estão entre os cinco artistas mais ouvidos com o hit “Só Não Divulga”, que teve participação especial de Tarcísio do Acordeon.A noite encerra com um show referência no estilo funk romântico. MC Kekel despontou em São Paulo com “Quer Andar de Meiota?”, em 2016. Desde então, tem construído uma carreira de sucesso, com músicas como “Namorar pra quê?”, com quase 300 milhões de views no You Tube, e “Amor de Verdade”, parceria dele com a MC Rita, cujo vídeo tem 725 milhões de views na mesma plataforma. MC Kekel também faz sucesso nas redes sociais. No Instagram, o funkeiro contabiliza quase 6 milhões de seguidores.
Os ingressos para o Festival ExpoBento começam a ser comercializados a partir das 20h do dia 14 de abril pelo site (os preços do primeiro lote variando entre R$ 50, para pista, e R$ 4 mil para camarote – veja detalhes abaixo.). Os shows são uma realização da 30ª ExpoBento, em parceria com a produtora Cola Aí.
Ingressos para o Raça Negra também começam a ser vendidos
Outra atração marcante da 30ª ExpoBento, a apresentação do Raça Negra, na noite de 11 de junho, também está com os ingressos à venda. A aquisição pode ser feita pelo site com valores especiais para o primeiro lote.
Um dos grupos mais icônicos do samba romântico brasileiro, o Raça Negra despontou nos anos 1990 invadindo as rádios brasileiras com enxurradas de hits. “Cheia de Manias”, Cigana”, “Doce Paixão” e “É Tarde Demais”, música mais tocada num único dia no mundo, com 600 reproduções no dia 20 de julho de 1995, conforme registros no Guinness Book.
Quem quiser maratonar as duas atrações – assistindo ao show do Raça Negra e ao Festival ExpoBento – pode adquirir os ingressos de forma combinada, com preços especiais. O passaporte para a pista sai por R$ 80; o VIP por R$ 230 e o camarote individual por R$ 450 (valores do primeiro lote), permitindo acesso a ambos os dias.
Para os fãs que desejarem conferir as atrações da ExpoBento antes dos shows, será necessário comprar o ingresso para a feira – R$ 8 (dias de semana) e R$ 15 (finais de semana e feriados). Já quem for diretamente para o Pavilhão E, basta ter em mãos o ingresso para o show de sua preferência. Todo o consumo de bebida e comida, mesmo para quem adquirir ingressos para camarote, setor VIP ou área de bistrô, será cobrado à parte.

Serviço dos shows
Show do Raça Negra
Quando: 11 de junho, às 22h (abertura dos portões às 20h)
Onde: Pavilhão E do Parque de Eventos
Quanto: primeiro lote a R$ 50 (pista), R$ 130 (VIP), R$ 250 (camarote individual), R$ 1.200 (bistrô bronze 6 pessoas), R$ 1.400 (bistrô prata 6 pessoas), R$ 1.600 (bistrô ouro 6 pessoas) e R$ 4.000 (camarote 15 pessoas).
Pontos de venda: pelo site

Festival ExpoBento com Baitaca, Fernando & Sorocaba e MC Kekel
Quando: 15 de junho, às 22h (abertura dos portões às 20h)
Onde: Pavilhão E do Parque de Eventos
Quanto: primeiro lote a R$ 50 (pista), R$ 130 (VIP prata), R$ 180 (VIP ouro), R$ 250 (camarote individual) e R$ 4.000 (camarote 15 pessoas).
Pontos de venda: pelo site

Serviço da Feira
O quê: 30ª ExpoBento e 17ª Fenavinho
Quando: de 9 a 19 de junho
Onde: Parque de Eventos, em Bento Gonçalves
Quanto: R$ 8 (dias de semana) e R$ 15 (finais de semana e feriados)
Estacionamento: R$ 15 (dias de semana) e R$ 20 (finais de semana e feriados). Para motos, R$ 5 e R$ 10, respectivamente
Informações: site e e-mail expobento@expobento.com.br